CAU/BR

AO VIVO: Plenária Ampliada reúne conselheiros do CAU/BR e presidentes dos CAU/UF

Nesta sexta-feira, acontece a 6ª Reunião Plenária Ampliada Extraordinária do CAU/BR, com a presença dos presidentes dos CAU/UF. Na pauta, a realização da III Conferência Nacional de Arquitetura e Urbanismo do CAU/BR, em dezembro de 2020, e orientações sobre questionamentos referentes às atividades e atribuições profissionais e campos de atuação dos arquitetos e urbanistas.  Também haverá discussão sobre a proposta de plano de ação e orçamento de 2021 do centro de serviços compartilhados do CAU (CSC-CAU), e o orçamento para 2021 do colegiado de governança do Fundo de Apoio, que garante o atendimento de qualidade a todos os arquitetos e urbanistas do país.

 

O CSC-CAU garante compartilhamento, entre o CAU/BR e os CAUs/UF, da gestão, manutenção, evolução e despesas relativas aos serviços online compartilhados por todos os profissionais do país: SICCAU, Central de Atendimento, Inteligência Geográfica, Ache um Arquiteto, etc. Já o Fundo de Apoio é destinado a equilibrar as receitas e despesas dos CAU/UF que não possuem recursos financeiros suficientes para a manutenção de suas estruturas em nível compatível com a eficiência de funcionamento planejada para todo o CAU. Saiba mais aqui. 

 

 

6ª REUNIÃO PLENÁRIA AMPLIADA EXTRAORDINÁRIA

Sexta-feira, 23/10

ORDEM DOS TRABALHOS

  1. Verificação de quórum;
  2. Execução do Hino Nacional Brasileiro;
  3. Discussão e aprovação das Atas da 4ª e 5ª Reunião Plenária Ampliada Extraordinária;
  4. Comunicado da CEN-CAU/BR;
  5. Ordem do dia: 
  • Projeto de Deliberação Plenária que homologa a Reprogramação do Plano de Ação 2020 do CAU/MA;(Origem: Comissão de Planejamento e Finanças).
  • Projeto de Deliberação Plenária que define os moldes e programação da III Conferência Nacional de Arquitetura e Urbanismo do CAU/BR e institui a comissão organizadora; (Origem: Presidência do CAU/BR). Incluído pela 105ª Plenária
  • Projeto de Deliberação Plenária que aprova orientações sobre questionamentos referentes às atividades e atribuições profissionais e campos de atuação dos arquitetos e urbanistas, e referentes à exercício, disciplina e fiscalização da profissão, de competência do Plenário do CAU/BR; (Origem: Comissão de Exercício Profissional). Incluído pela 105ª Plenária
  1. Assuntos de Interesse Geral
    • Discussão sobre a proposta de plano de ação e orçamento de 2021 do centro de serviços compartilhados do CAU (Origem: CG-CSC)
  • Discussão sobre o Orçamento para 2021 do colegiado de governança do Fundo de Apoio (Origem: CG-FA)
  1. Comunicado dos Presidentes de CAU/UF;
  2. Comunicação das Comissões, órgãos Colegiados e conselheiros (5 minutos)
  3.  Encerramento

4 respostas

  1. Boa noite, sem saber desta plenária enviei para o CAU-MG este e-mail para a gerente de fiscalização a Samira, nós Arquitetos estamos sendo manipulados por instituições financeira á cometer erros gravíssimos como anotar anotações técnicas sem ter o projetos. Veja o que escrevi: Samira de Almeida Houry …DD
    Gerente Técnica da Fiscalização do CAU-MG
    Samira, no momento nós Arquitetos e Urbanistas, estamos muito decepcionados com o Conselho de Arquitetura que temos, nós pensamos que quando separamos do CREA as coisas iam mudar para melhor, já faz muitos anos e nada mudou por quê? Até quando o engenheiro civil vai poder fazer projeto de arquitetura se é uma atribuição nossa? Nós que mantemos este Conselho com nossas anuidades e arrecadações de todos serviços prestados conforme as RRTs , pra não ter também um serviço de fiscalização coerente nas obras, muitas delas não existem placas. O CREA pelo menos tem centenas de inspetorias e centenas de fiscais á serviço do CREA e dos engenheiros em cada estado, sei que ainda existe muitas falhas, nós temos uma inspetoria em Uberlândia,MG, com apenas um fiscal para atender todo triangulo mineiro, só o CREA no triangulo mineiro tem mais de 10 inspetorias e dezenas de fiscais. Nós Arquitetos nunca sabemos da prestação de conta do CAU/MG se esta tendo lucro ou prejuízo.
    Eu luto com muita dificuldade, nasci com uma deficiência física e um problema de dicção como a senhora percebeu, antes eu não falava nada, falava tudo enrolado, mas com varias cirurgias que fiz consegui a falar razoavelmente, mas quando falei com a senhora fiquei totalmente desanimado de ver uma fiscal de um grande Conselho engrandecer e defender uma instituição financeira a Caixa Econômica Federal e a Cihab. Esta instituição, para não acumular muitos papeis em seus arquivos, estão orientando os fiscais á não solicitar projetos e sim anotações técnicas nas RRTs. Nós sempre combatemos os CANETINHAS , são profissionais que não sabem desenhar e ficam acobertando os desenhistas de fazer o projeto arquitetônico e o restos dos projetos só fazem anotações técnicas sem ter os projetos, por isso muitas edificações estão com rachaduras ou até mesmo desabando em cima de vidas humanas por falta de um bom projeto estrutural e outros, isso o CAU-BR e o CAU-MG não fiscaliza e sim para ver se a RRT foi paga, e não quer saber se tem projeto ou não, também caçando o profissional sem ter culpa por não fiscalizar. Agora que estou compreendendo, o CAU-MG possivelmente é um verdadeiro CANETINHA de acobertar estas instituições financeiras.
    Quando eu morava em Arcos,MG, todos projetos que fazia para Caixa eram acompanhado com o projeto arquitetônico e o projeto estrutural independente se fosse de 25,00m² ou 70,00m² , acima de 100,00m² eu fazia completo com todos projetos. Quando mudei para Ituiutaba em 2016 eu fazia os dois projetos também, mas um Correspondente Bancário da Caixa me alertou que a Caixa não aceitava o projeto estrutural somente o projeto arquitetônico para evitar volumes, assim passei a colocar observações na descrição da RRT como enviei uma denuncia para o CAU-MG este mês .
    Como já fui inspetor modal no CREA na câmara de Arquitetura por dois mandados, eu sempre faço nos selos dos meus projetos e na descrição das RRTs a seguinte: “Se o contratante optar em usar concreto usinado, pré-moldados, fica o mesmo de recolher as RRTs ou ARTs de fabricação como também bate estacas, estacas perfuradas e impermeabilização mecânica. O contratante se obriga também de recolher todas as notas fiscais dos materiais utilizados nesta construção como: pisos, revestimentos, portas e outros para garantir a qualidade perante o INMETRO E ABNT, caso vem se danificar, o mesmo se notifica as lojas e os fabricantes junto com o autor do projeto e execução desta construção.Todos os operários desta edificação deverão está uniformizados e protegidos com cintos, capacetes e outros equipamentos de segurança; como também registro no INSS. “
    Até isso os fiscais destas instituições estão pedindo para mim retirar da descrição. Isso eu coloco porque sei que o CAU não tem fiscal para fiscalizar estas empresas, assim eu peço e oriento meus clientes de não comprar nada destas empresas supostas clandestinas sem a RRT ou ART, sei que muitos delas não tem registro no CAU e CREA ou um responsável técnico assim eu fico isento de quais quer acidente de obra caso vem acontecer com os pré moldados, concretos e fundações. Que conselho é este que permitem estes abusos? Onde esta nossa segurança ? Será que existe alguma coisa por traz disso?
    Em Ituiutaba existem muitos escritórios de portas abertas de desenhistas com acobertamentos de Arquitetos e Engenheiros, já fizemos inúmeras denuncias nunca foram fiscalizados, estes desenhistas nos atrapalham muito, porque eles fazem projeto arquitetônico e os canetinhas assinam com um valor bem abaixo do mercado e ainda emite as três anotações técnicas na RRT sem a presença dos projetos estrutural, elétrico e o hidro sanitário.
    Bom espero que o CAU-BR e o CAU-MG compreenda porque a importância de fazer projetos e não anotações técnicas, isso vai minimizar o inúmero de CANETINHAS fazendo que tudo se esclarece de uma forma concreta, quanto as instituições financeiras é menos complicado, o projeto arquitetônico aqui em Ituiutaba ainda é aprovado na Prefeitura em papel, em São Paulo, não se leva mais projeto em papel na Prefeitura, agora é tudo em CD ou similar, assim as instituições financeiras podem fazer o mesmo evitando acumulo de papeis em seus arquivos evitando risco de incêndio.
    Ituiutaba 22 de outubro de 2.020
    Luis Henrique Alves Dias
    Arquiteto e Urbanista
    CAU A 126157-6

    Peço desculpas, mas é verdade o que está acontecendo comigo e outros colegas, estamos sendo obrigado à assinar um CHEQUE EM BRANCO. Obrigado.

  2. Enquanto isso não fiscalizam nada cheio de acidentes graves acontecendo em obras ai e o CAU BR nada

    1. Adriano, informamos que a fiscalização é realizada pelos CAU/UF, conforme determina a Lei 12.378/2010. Ao CAU/BR cabe promover as normas gerais de fiscalização e analisar possíveis recursos de processos já julgados pelo CAU/UF.
      Publicamos toda semana aqui no nosso site e redes sociais diversas ações de fiscalização dos CAU/UF.
      Saiba mais como funciona a fiscalização dos CAU/UF em https://bit.ly/2kTOUyT
      Para fazer uma denúncia, por favor clique em https://bit.ly/2C2zxhH

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

EVENTOS

Patrícia Sarquis Herden é presença confirmada no 3º Fórum Mundial Niemeyer 

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo