CAU/BR

53ª Plenária Ordinária abordará a “reserva técnica”

O CAU/BR realizará nos dias 28 e 29/04/16, em Brasília, sua 53ª. Plenária Ordinária. O recebimento de comissão por especificação (a chamada “reserva técnica”) é um dos itens da pauta.

 

 

Serão também discutidos, entre outros itens, dois processos ético-disciplinares, homologações de registro de oito profissionais formados no exterior, três recursos de processos de fiscalização e a segunda reprogramação orçamentária. A Plenária ocorrerá das 9 hs às 18 hs, com transmissão em tempo real pelo site do CAU/BR.   Confira a pauta completa:

  1. 1.            Verificação de quórum;
  2. 2.            Execução do Hino Nacional Brasileiro;
  3. 3.            Verificação da Pauta;
  4. 4.            Ata da 52ª Reunião Plenária Ordinária;
  5. 5.            Comunicações.
 

5.1.              Do CEAU; 5.2.              Da Ouvidoria; 5.3.              Dos Coordenadores das Comissões; 5.4.              Da Presidência; 5.5.              28.04 (11h00) – Tema de conjuntura: Recebimento de Comissão por especificação – “Reserva Técnica” ou “RT”;

  1. 6.            Ordem do dia:
 

6.1.     Projeto de Deliberação Plenária que referenda a Portaria Presidencial N° 144 que  constitui a comissão de sindicância  para apurar irregularidades de natureza administrativa e financeira no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal (CAU/DF) e dá outras providências; (Origem: Presidência do CAU/BR)   6.2.     Projeto de Deliberação Plenária de julgamento do Processo Ético-disciplinar nº 310714/2015; (Origem: Comissão de Ética e Disciplina – Relator: Luiz Afonso).   6.3.     Projeto de Deliberação Plenária de julgamento do Processo Ético-disciplinar nº 113535/2014; (Origem: Comissão de Ética e Disciplina – Relatora: Cássia Abdalla).   6.4.     Projeto de Resolução que aprova a 2ª Reprogramação do Plano de Ação e Orçamento do CAU/BR decorrente da alteração do Plano de Ação do Centro de Serviços Compartilhados para 2016. (Origem: Comissão de Planejamento e Finanças)   6.5.              Projeto de Deliberação Plenária que Homologa o Regimento Interno do CAU/PA (Origem: Comissão de Organização e Administração).   6.6.     Projeto de Deliberação Plenária que homologa Registro de profissionais diplomados em instituições de ensino estrangeiras. Interessados: Angela Quinú Magalhães de Almeida, Renata Ballone, Maria de las Nieves Acosta García, Mercedes Domladovac Gutzeit, Paola Bianchi, Abiola Barauna Fashina, Guillermo Román Sosa Rodriguez e André Manuel dos Santos Rosas Oliveira. (Origem: Comissão de Ensino e Formação)   6.7.     Projeto de Deliberação Plenária para apreciação de recurso interposto ao Processo de Fiscalização nº1000005375/2014 do CAU/RS – Interessado: Continental Climatização; (Origem: Comissão de Exercício Profissional)   6.8.     Projeto de Deliberação Plenária para apreciação de recurso interposto ao Processo de Fiscalização nº1000005808/2014 do CAU/RS – Interessado: Berbigier Construtora Ltda; (Origem: Comissão de Exercício Profissional)   6.9.     Projeto de Deliberação Plenária para apreciação de recurso interposto ao Processo de Fiscalização nº1000017190/2014 do CAU/MG – Interessado: CPC – Engenharia e Consultoria; (Origem: Comissão de Exercício Profissional)   6.10.  Projeto de Deliberação Plenária que aprovação o Modelo de Declaração Negativa de Antecedentes ético-disciplinares a Pessoas Jurídicas; (Origem: Comissão de Ética e Disciplina).   6.11.  Projeto de Deliberação Plenária que aprova modificações no calendário de atividades, Seminários e Encontros em 2016;(Origem: Conselho Diretor do CAU/BR)

  1. 7.            Encerramento.

FONTE: CAU/BR   Publicado em 25/04/2016

0 resposta

  1. Ufffaaaaaa, após 7 anos de revalidação do Diploma finalmente foi feita e agora o registro do CAU em cinco meses concluída. Muito feliz! Agora é trabalhar e mostrar nossa capacidade e contribuir para um Brasil melhor. Obrigada CAU-SP, obrigada CAU-BR, tenho certeza que contribuirei e honrarei a profissão. Mãos a obra!

  2. O grande problema é que o sistema de fiscalização é escasso e há uma” prostituição” conforme mencionou o colega acima.
    Em minha opinião, o CAU e o CREA devem implantar um sistema igual ao do Ministério do Trabalho, onde o contratante deve prestar conta dos serviços contratados, não o contratado. Esta prática de RT É devia ao fato do contratante querer passar por cima da autoridade do profissional e não contratar os serviços pelos valores corretos e não pagarem os honorários pela execução das obras, inclusive, muitas vezes deixam tudo por conta do profissional desqualificado (empreiteiro/pedreiro) e, também, devido à falta de ética dos profissionais que permitem está prática.
    Falando o Português bem claro.
    A obras só devem ser liberadas após a comprovação dos pagamentos dos projetos, dos encargos e dos honorários, não só da apresentação dos projetos e ARTs ou RRTs. Aí eu quero ver como irão burlar o sistema.

    1. Falou! È a maneira que temos de organizar e sistematizar a contratação e o pagamento dos honorários. Corroboro com esta ideia.

  3. Ok após essa batalha podemos prosseguir com toda essa voracidade em cima dos falsos arquitetos ? Espero que sim … Ainda quero poder me orgulhar do conselho !

  4. que palhaçada.. enquanto perdem tempo com isso os engenheiros seguem ocupando o mercado de projetos e execução das obras.
    Outra a reserva técnica que tanto criticam o CREA nem toca no assunto.
    Fizeram campanha a gente entrou nessa de que só arquiteto poderia fazer projeto arquitetônico, e somos motivo de chacota no Brasil todo..nenhuma prefeitura acatou o CAU.
    o verdadeiro motivo do CAU é arrecadação… uma vergonha

  5. E como fica os cadastros em casas de materiais de construção que os Arquitetos tem e ganham porcentagem sobre a venda de materiais quando clientes compram que foram indicados por esses colegas Arquitetos? No meu entendimento, a corrupção já começa por aí. Acho isso uma falta de ética enorme. Eu teria vergonha de fazer uma coisa dessas. Você estar em frente do seu cliente e saber que você irá ganhar propina se a pessoa comprar no comércio indicado é para mim uma falta de respeito ao ser humano. Deveríamos fazer algo contra esta ética.

    1. Bom dia, acho que parte do principio do entendimento mutuo entre o profissional e o cliente, onde nós não devemos induzi-los a adquirir um “bem desnecessário” e sim prezar antes de qualquer coisa a qualidade e o bem estar do cliente. Concordo que é feio você obrigar seu cliente a um estabelecimento especifico, ainda que o melhor atendimento prevaleça.

  6. Infelizmente não só Arquitetos entre si se prejudicam com a política de propinas, se não também os Engenheiros. Na minha cidade, por exemplo, existe Engenheiro que cobram seus projetos abaixo da tabela do CREA e transforma isso em política de votos. Todos os colegas da área de Arquitetura e também de Engenharia sabem disso, porém ninguém faz nada contra. No meu entender, o CAU deveria entrar em contato com o CREA e juntos fechar um ciclo na forma de provas de RT e ART e um protocolo de fiscalização nos Municípios. Criando uma ferramenta de bando de dados para se cruzar com CREA, CAU e Municípios.

  7. SOU E SEMPRE FUI CONTRA QUALQUER TIPO DE “RESERVA TÉCNICA” QUE ANTIGAMENTE CHAMAVA-SE “COMISSÃO DO FORNECEDOR”. (NÃO VOU NEM ENTRAR NO MÉRITO DE “OVERPRICE”, “CONCORRENCIAS ARRANJADAS”, ETC…) SE O PROFISSIONAL É CONTRATADO PARA UM SERVIÇO E COBRA POR ELE DE SEU CLIENTE, SE NÃO EXPLICITAR ESTE OU QUALQUER GANHO EXTRA NO CONTRATO, É IMORALIDADE! APROVO E PARABENIZO A CAMPANHA DO CAU CONSELHO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PELA ÉTICA DO PROFISSIONAL.

  8. Parabéns CAU BR!
    Mais ética e amor por favor!!
    As ações contra a RT devem ser amplamente divulgadas.
    Temos que ter muito cuidado para não fazer propaganda contra os arquitetos.
    Temos que atacar as lojas e empresas que praticam a RT e denigrem a imagem do arquiteto.
    Oferecer RT para arquitetos é acima de tudo uma afronta ao mercado de trabalho legal. Para as lojas é muito cômodo dar uma “comissão ” para arquitetos livrando-se do vínculo profissional para não contratar e pagar os impostos e direitos definidos por lei. É primordial envolver o Ministério do Trabalho nesta campanha também!

  9. Indo além da discussão sobre a RT, o CAU tem que fazer um trabalho que identifique qual é a nossa vocação, muitos clientes não sabem definir que serviços nos podemos prestar.
    Não conseguem diferenciar um Arquiteto de um engenheiro e agora de um designer de interiores (decorador).

  10. Porque o CAU não faz um levantamento destas entidades (núcleos de decoração),e verifica os profissionais credenciados a elas.
    Afirmo que tem colegas que participam dos conselhos estaduais do CAU que fazem parte desta prática de indicação em troca de Reserva Técnica.
    Que se faça uma lei aonde isto seja um crime contra o consumidor e que não só os arquitetos sejam éticos, mas também as outras classes da engenharia, decoração, paisagismo e etc.
    Ou seremos representantes de mais uma utopia.

  11. Com relação a Reserva Técnica,
    Como fica a questão dos designers e decoradores, regulamentação, responsabilidade e ética.
    Não tenho cadastro em lojas de decoração ou de materiais de construção, mas vejo muitos colegas que além deste cadastro também fazem parte de núcleos de decoração,onde todos correm por uma premiação não pelo melhor projeto, mas sim pela maior indicação de materiais nas lojas participantes, afim de ganharem publicidade, viagens e etc.
    Ou seja não se busca pelo melhor mas sim estimula a indicação e o ganho da RT.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo