CATEGORIA

A venda do Palácio Capanema é um ultraje e uma insensatez

 

Hoje Palácio Capanema, o antigo Ministério da Educação e Saúde do Rio de Janeiro é uma obra emblemática da arquitetura do século 20. Na verdade, foi o primeiro edifício público moderno do planeta, demonstrando a grande capacidade criativa dos então jovens arquitetos brasileiros. Sob a influência de Le Corbusier, sim, mas de uma monumentalidade inesperada. Obra-prima de síntese, conjuga a colunata de sabor clássico com a modernidade de composição e movimento abstratos, de lançamentos axiais e encaminhamentos oblíquos, integrando arte e jardinagem. Ícone octogenário, é patrimônio que não pertence só aos brasileiros.

 

Ministério da Educação e Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1936-1945. Arquitetos Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy, Jorge Moreira, Carlos Leão e Ernani Vasconcellos Foto Nelson Kon [SEGRE, Roberto. Ministério da Educação e Saúde. Romano Guerra, 2013]

 

Patrimônio nos informa o dicionário, é herança. O patrimônio demarca e incorpora a história comum, e nenhum tipo de patrimônio é mais eficaz nesse sentido que o patrimônio arquitetônico. Mas a privatização do patrimônio arquitetônico ameaça a sua acessibilidade e transparência, o seu usufruto democrático, a sua persistência enquanto memória edificada que edifica.

 

Bem faz a lei brasileira que proíbe a alienação de bem público tombado, ou seja, reconhecido formalmente como patrimônio nacional. É o caso do Palácio Capanema. Vender um patrimônio significativo da história nacional é ilegal no Brasil. Mesmo que não fosse, por à venda o Palácio Capanema é já um ultraje, amostra da miséria cultural de um pensamento para o qual tudo é mercadoria e o mercado tudo decide e tudo consome.

 

Por à venda um patrimônio significativo da história universal é também insensatez, considerando que o valor do Palácio – obras de arte incluídas – está muito além do que o mercado pagaria. Espera-se que o ultraje não prospere e a insensatez se recolha. Mas antes prevenir do que remediar.

 


 

Sobre o autor

Josep Maria Montaner é arquiteto, historiador e professor. É professor catedrático da Escola Técnica Superior de Arquitetura de Barcelona. É autor de dezenas de livros, dentre eles Arquitectura y política (Gustavo Gili, 2011) e Arquitectura y crítica en Latinoamérica (Nobuko, 2011), com versão brasileira pela Romano Guerra Editora.

 


 

Fonte: Vitruvius

 

 

Veja mais: Plantão Palácio Capanema: siga as últimas notícias sobre o risco de venda do edifício

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

CATEGORIA

Seminário de Urbanismo debate Planos Diretores para novos tempos

CATEGORIA

Políticas urbanas e ambientais nas cidades brasileiras em pauta na Trienal

CATEGORIA

Seminário da AsBEA debate recuperação de imóveis subutilizados

Pular para o conteúdo