CAU/BR

Ana Libório: “Ainda precisamos gritar e as vezes até ser rudes para sermos ouvidas”

Como iniciativa da Comissão Técnica de Mulheres Arquitetas e Urbanistas do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Sergipe (CAU/SE), em celebração ao Dia Internacional da Mulher, foi realizada uma campanha de votação aberta da arquiteta e urbanista que atua em Sergipe, com objetivo de divulgação de sua trajetória profissional. Em Sergipe, o público selecionou por votação online, a arquiteta e urbanista sergipana Ana Luiza Prata Libório, há 30 anos no mercado.

 

Ana Luiza Prata Libório nasceu em Aracaju, capital sergipana, em 06 Julho de 1959, formou-se em arquitetura e urbanismo em 1983 na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FAU/UFRJ). Fez especialização em Metodologia de Planejamento Urbano no IBAM (Instituto Brasileiro de Administração Municipal), no Rio de Janeiro e Preservação de Monumentos e Conjuntos Históricos na Universidade Federal da Bahia (UFBA).

 

Foi servidora pública, entre 1985 e 1990, e trabalhou na Fundação Estadual de Cultura de Sergipe (FUNDESC); na Secretaria de Planejamento da Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA); foi chefe do Escritório Técnico do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em Sergipe e foi assessora especial dos secretários de Cultura do Município em 1989 e do Estado em 2004.

 

 

Arquiteta e urbanista Ana Libório. Foto: Fábio Pamplona.

 

Como articulista, criou para o jornal impresso na época, a coluna Mosaico e, a coluna Café Pequeno, para o portal de notícias Infonet, nos quais escreveu por dois anos. Foi Conselheira Estadual de Cultura, do então Conselho de Engenharia e Arquitetura de Sergipe (CREA/SE), do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Sergipe (CAU/SE), além de presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil, seccional Sergipe (IAB-SE) em 2000/2001.

 

Trabalha com seu parceiro, também arquiteto e urbanista, Orotildo Gândara Júnior, há exatos 30 anos, na empresa Libório Gândara Ateliê de Arquitetura, fundada em 1997. São coautores de muitos projetos de arquitetura, urbanismo e restauro em vários municípios de Sergipe, em Pernambuco e no Rio de Janeiro.

 

“Sempre flertei com a política, quando estudante fui do departamento cultural do Centro Acadêmico (CAFAU). Acredito que os arquitetos podem contribuir muito com as cidades, principalmente nas Câmaras Municipais. Por isso mesmo em 2016 fui candidata a vereadora e em 2018, candidata a deputada federal”, destaca a arquiteta.

 

Obras

 

Ana Libório iniciou carreira projetando casas no município de Lagarto, em Sergipe. Mas, em função de sua atuação na cultura, logo foi contratada para a recuperação do Edifício Macêdo, no centro de Aracaju. A partir daí, realizou o restauro da Associação Comercial, do Palácio Olímpio Campos (1ªfase); o Grupo Escolar Sílvio Romero em Lagarto e finalmente a obra que recuperou definitivamente o Centro  da cidade de Aracaju e é, hoje, uma das mais importantes atrações turísticas do estado: a restauração do Mercado Central, projeto tese do curso de especialização em 1990 e inaugurada como um todo no ano 2000, na virada do século.

 

“Importante lembrar que sempre trabalhei em equipe com os arquitetos Gândara Jr, Osiris Souza Rocha e Sheila Trope e grandes desenhistas como Otaviano Canuto e Wilson Noya. Juntos fomos responsáveis pelos inúmeros supracitados projetos públicos de restauro e urbanismo em Aracaju e cidades do interior e comerciais, dos quais destaco a Nossa Escola I e II, a Multiplus Shop, hoje Santander.

 

Já em dupla com Gândara, a arquiteta destaca uma obra que marcaria a sua segunda curva de carreira, que foi o projeto do Hotel Eco Aruanã e o restaurante Sollo, localizados no bairro litorâneo de Aracaju, Mosqueiro. “Esse projeto foi resultado da imensa pesquisa que fizemos sobre arquitetura regionalista integrada à paisagem natural”, diz.

 

Suas obras mais recentes são o Sergipe Parque Tecnológico (SERGIPETEC), o Centro Cultural de Aracaju, o Retrofit do Edifício Estácio de Sá no Rio e o Mercado Municipal de Lagarto. Em execução, estão: o Projeto de Ampliação do Centro de Convenções de Sergipe (CCS) e o Retrofit da Assembleia Legislativa de Sergipe (ALESE).

 

“Paralelamente sempre fizemos pesquisas e ensaios para a recuperação ambiental de nossas praias como Aruana e José Sarney e o Plano Estratégico Redescobrindo Sergipe, uma proposta para o desenvolvimento turístico sustentável do Estado que gerou, lá no início, conceito de projetos como o Mercado e o Eco Aruanã”, completa a arquiteta.

 

Por fim, Ana Libório afirma que Sergipe tem, desde sempre, um protagonismo de mulheres arquitetas, que realizaram trabalhos relevantes na esfera pública, comercial e no design de interiores. “Sinto-me parte desse grupo que já vinha desbravando com sucesso a carreira por aqui. Entretanto, atualmente, mesmo depois de trinta anos de atuação, eu que circulo no meio masculino da construção e da política, sinto que mesmo com muito conteúdo, ainda precisamos gritar e as vezes até ser rudes para sermos ouvidas”, finaliza.

 

 

Por Tiffany Tavares, Assessora de Comunicação do CAU/SE

Uma resposta

  1. Parabens Ana pela sua luta em prol do desenvolvimento e melhoria da nossa cidade.
    Você realmente representa a luta feminina por uma sociedade mais justa e equilibrada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

CAU/BR

CAU/BR inaugura Galeria de Presidentes com a presença de três ex-presidentes

Pular para o conteúdo