ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Anuidade 2018: Arquitetos e urbanistas têm 10% de desconto para pagamento à vista

 

Arquitetos e urbanistas podem pagar a Anuidade do CAU 2018 com 10% de desconto ou parcelar o valor em cinco vezes. O desconto é válido apenas para pagamentos à vista, feitos até o dia 31 de janeiro. Os boletos – à vista ou parcelados – podem ser emitidos pelo SICCAU a partir das 12h do dia 1º de janeiro de 2018. Confira abaixo os valores da Anuidade, RRT e demais documento do CAU em 2018, de acordo com o Ato Declaratório CAU/BR Nº 10, publicado em 22/12/2017. 

 

  • Anuidade: R$ 533,78 (quinhentos e trinta e três reais e setenta e oito centavos). Ou R$ 480,40 (quatrocentos e oitenta reais e quarenta centavos) para pagamentos à vista até 31 de janeiro.

 

  • Registro de Responsabilidade Técnica (RRT): R$ 91,50 (noventa e um reais e cinquenta centavos)

 

  • Carteira Profissional Definitiva: R$ 60,00 (sessenta reais)

 

  • Carteira Profissional Provisória: R$ 25,00 (vinte e cinco reais)

 

Os valores foram atualizados de acordo com a variação integral do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), conforme determina a Lei 12.378/2010, que regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo no Brasil.

 

MAIS DESCONTOS
Existem ainda descontos específicos para arquitetos e urbanistas, dependendo do tempo de formatura. Esses descontos são cumulativos com o desconto de 10% para pagamento à vista e para o parcelamento:

 

a) 50% de desconto para arquitetos e urbanistas com até dois anos de formados;

b) 50% de desconto para arquitetos e urbanistas com mais de 30 anos de formados.

c) Profissionais que já completaram 40 anos de contribuição (incluindo as anuidades pagas aos CREA) estão isentos do pagamento de anuidade.

 

PARCELAMENTO EM ATÉ CINCO VEZES
O profissional ou empresa que preferir fazer o pagamento da Anuidade 2018 em até cinco parcelas, iguais e sucessivas, precisa escolher essa opção no SICCAU Profissional. Fazendo a negociação em janeiro, são cinco parcelas, a serem pagas até maio – as parcelas vencem no último dia de cada mês. A quantidade de parcelas depende de que mês será registrada a negociação no SICCAU: se o profissional/empresa negociar em fevereiro, serão quatro parcelas; em março, três parcelas, e assim sucessivamente. A data final para o pagamento integral da anuidade é 31 de maio. Se a parcela ficar em atraso ou vencida, profissional/empresa deverá acessar o SICCAU Profissional para atualizar a data de vencimento. Serão cobrados juros com base na Taxa Referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (SELIC) e multa de mora, como determina a legislação vigente.

 

A anuidade deve recolhida na UF do local de residência do profissional ou da sede da empresa com registros ativos nos CAU estaduais e do DF. O reajuste foi fixado pelo Ato Declaratório n° 9 de 20/12/2016, disponível no Portal da Transparência do CAU/BR, que especifica também os valores referentes às taxas de serviços prestados. Clique aqui para acessar o documento. Quaisquer dúvidas podem ser respondidas pela Central de Atendimento do CAU, por meio dos telefones 0800-883-0113 e 4007-2613, ou ainda pelo atendimento online, em www.caubr.gov.br/atendimento.

 

 

Para conhecer em detalhes como é aplicada a receita arrecadada pelo CAU, veja os Portais da Transparência do CAU/BR e dos CAU/UF nos respectivos sites, na aba “transparência”. 

104 respostas

  1. Meu primeiro serviço, supervisão de instalação de ar condicionado, com a renda toda destinada ao CAU, até teria orgulho de pagar se o CAU prestasse algum serviço a mim ou aos meus companheiros de profissão, mas não vejo nada acontecer. Decepcionante.

    1. Fernanda, o CAU/BR e os CAU/UF existem desde 2011, tendo criado o SICCAU, Tabela de Honorários, Código de Ética, Resolução sobre Direitos Autorais, Resolução sobre Atividades Privativas de Arquitetos e Urbanistas, Site Ache um Arquiteto, desenvolveu campanhas nacionais de valorização profissional e têm lutado no Congresso Nacional pelo planejamento correto de nossas cidades, entre outras ações. O CAU/BR promove ainda diversas ações objetivando a valorização da Arquitetura e do Urbanismo no Brasil, por meio de campanhas publicitárias, diálogo institucional com o Governo Federal e Congresso Nacional, eventos nacionais e agora também ações de apoio à Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social.

      Além disso, o CAU/BR tem promovido diversas campanhas nacionais e de grande alcance pela valorização profissional. O programa Arquitetura para a Vida, produzido pelo CAU/BR, foi transmitido três vezes por semana, em rede nacional. Veja em https://bit.ly/2IH8YRY

      Em dezembro, a campanha do Dia do Arquiteto foi vista por mais de 100 milhões de pessoas. A campanha do Dia do Arquiteto é realizada todos os anos desde 2013, sempre em TV aberta, rádio, jornais, internet e mobiliário urbano. Saiba mais em https://bit.ly/2SlgW3F

      Os CAU/UF realizam ainda ações de fiscalização, de apoio às prefeituras e orientação dos profissionais recém-formados. Existem ainda uma série de benefícios, como planos de saúde, desconto em softwares BIM e financiamento de projetos. Você pode conferir todos em http://www.caubr.gov.br/indice-beneficios/

      Lembramos que o CAU é de todos os arquitetos e urbanistas. Caso tenha alguma dúvida, por favor entre em contato com a nossa Central de Atendimento:

      Chat: http://www.caubr.gov.br/atendimento
      Telefones: 0800-883-0113 e 4007-2613

  2. Bom dia,
    Prezados
    Cabe a quem o pagamento da CAU-PR-TAXA – Exercício 2018 – R$91,50
    ao contratante ou o arquiteto

  3. Gostaria de saber se a anuidade é cobrada com valor integral, caso o registro seja feito agora em agosto

    1. Camila, a anuidade é proporcional aos meses em que vc atuará como profissional, com 50% de desconto nos dois primeiros anos de formado. Por favor entre em contato com a nossa Central de Atendimento:

      Chat: http://www.caubr.gov.br/atendimento
      Telefones: 0800-883-0113 (ligações realizadas a partir de telefones fixos) e 4007-2613

  4. É lamentável ver tanto descaso do Conselho que deveria defender a classe. Vou procurar informações pra suspender essa anuidade absurda. Preferia o CREA dada pela anuidade ser mais barata e o Conselho forte.

  5. Recém formado tem 50% de desconto. Onde acho esse boleto, pois não fica direto no site da SICCAU.

  6. Não entendo porque valores tão altos! Existem profissionais que estão formados que ainda estão tentando entrar no mercado, porém com esses valores é quase impossível manter-se na profissão.

    1. Isso que na lei está:

      Anuidade devida para os CAUs

      Art. 42. Os profissionais e as pessoas jurídicas inscritas no CAU pagarão anuidade no valor de R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais).§ 1o Os valores das anuidades serão reajustados de acordo com a variação integral do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC, calculado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, nos termos de ato do CAU/BR.

      Que reajuste alto hein! De 350 reais foi para 533 reais!

      1. Letícia, valores das anuidades foram reajustados anualmente desde 2012 de acordo com a variação integral do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC, calculado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, conforme determina a Lei.

  7. Gostaria que o CAU pudesse esclarecer qual o sentido de um escritoria de Arquitetura ter que pagar a anuidade para PJ e PF mesmo sendo um escritoria com somente um profissional dono da PJ. Nao faz sentido algum isso uma vez que quem emite a RRT é o profissional.
    Alguem poderia esclarecer e indicar as leis que permitem esse absurdo arrecadatorio de verba?

  8. Gostaria de saber o porquê de uma anuidade e RRT tão caras. Nunca vi no meu município ou cidades vizinhas fiscalização e embargo de obra sem arquiteto.

    Também estou aguardando a ação do CAU contra o ensino da arquitetura a distância aceito pelo MEC.Já é difícil o ensino de projeto na forma presencial, sendo jogado na sociedade arquitetos inteiramente despreparados que auxiliam na desvalorização da profissão, imagine o que não irá acontecer no ensino de projeto à distância!

    1. Gláucia, Informamos que a Anuidade e o RRT são definidos pela Lei 12.378/2010, que regula o exercício da Arquitetura e Urbanismo no Brasil. Veja em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/L12378.htm

      Sobre a fiscalização, informamos que a fiscalização é realizada pelos CAU/UF, conforme determina a Lei 12.378/2010. Ao CAU/BR cabe promover as normas gerais de fiscalização e analisar possíveis recursos de processos já julgados pelo CAU/UF.

      Saiba mais como funciona a fiscalização dos CAU/UF em http://www.caubr.gov.br/cartadeservicos/

      Para fazer uma denúncia, por favor clique em https://siccau.caubr.gov.br/app/view/sight/externo.php?form=CadastrarDenuncia

      Quanto ao ensino a distância, veja a manifestação do CAU/BR sobre o assunto em http://www.caubr.gov.br/caubr-publica-manifestacao-sobre-ensino-a-distancia-em-arquitetura-e-urbanismo/

  9. Estou tentando cadastrar o pedido de interrupção conforme informado por vocês: A Lei 12.378/2010 prevê “interrupção”, “suspensão” ou “cancelamento” de registro profissional, conforme estabelece a Resolução n° 18 do CAU/BR. O pedido é totalmente online, mas só dá erro.
    Já emiti a declaração negativa de antecedentesético-disciplinares, conforme informado.

  10. Uma vez ouvi dizer que o Conselho serve pra resguardar a sociedade no que se refere às boas práticas e aplicação da Lei, e que cabe apenas aos sindicatos defender os profissionais… Poxa vida. Além de todas as questões que todos aqui relatam, gostaria de saber se, no âmbito da defesa da qualidade desse serviço prestado à sociedade pelo CAU, também entra a fiscalização dos cursos que não têm nada de nível superior – a piada infelizmente é muito pronta – com aulas de ateliê em que a relação alunos:professor atinge 40:1 quando deve ser próxima a 15:1 segundo as diretrizes do próprio MEC, e professores absolutamente sobrecarregados com 20 ou mais orientandos de TCC. Isto acontece aqui em Campo Grande numa dessas redes (aquela da logo laranja por exemplo) que se alastram feito praga e agora se refestelam com os lucros do ensino à distância. Alguém precisa bater forte na porta do MEC! Conselho?

    1. Hoje existem aproximadamente 600 cursos de Arquitetura e Urbanismo no país e o CAU tem conhecimento de cada um deles. Embora a regulação do setor educacional e a fiscalização do atendimento aos normativos sejam competência do MEC, o CAU exerce o poder de fiscalização no âmbito de sua competência, como por exemplo, pela emissão de manifestações técnicas acerca de atos autorizativos. Além disso, toda e qualquer denúncia fundamentada acerca de irregularidades em cursos de Arquitetura e Urbanismo, prestando serviços que não estão de acordo com o MEC, pode ser feita ao respectivo CAU/UF, que a encaminhará para o CAU/BR para gestão junto ao MEC. É importante que o denunciante reúna provas e documentação acerca do caso, para que possa surtir efeito, culminando, por exemplo, num processo de supervisão.

    2. Então Paulo, já trabalhei no sistema desde a época que pertencíamos ao CREA/CONFEA, a sociedade(arquitetos) deve tomar providências e relatar formalmente conforme dito pelo CAU/BR, como o CAU é um fiscal da profissão ele não é diferente de outros órgãos (policia, ministério público, vigilância sanitária…); nós somos protagonistas da nossa profissão, se não gerarmos demandas e trabalharmos junto ao nosso conselho nada acontecerá. O que acontece é que infelizmente entendemos que porque pagamos é tudo automático, mas, essa nossa cultura deve mudar, o CAU somos nós e pagamos anuidade etc. para que tenhamos pessoas para brigar por nossas causas em todas as instâncias – ética, de atribuições, politicamente etc.Você mesmo por exemplo se percebe que tem vocação poderá concorrer ao cargo de conselheiro no próximo pleito.

  11. E sequer enviam boleto de cobrança. Somos obrigados a lembrar que temos que pagar, buscar a informação, imprimir boleto e termos mais 365 dias de um órgão inexpressivo e omisso como contrapartida.

    1. Marcos: o CAU preza por ser uma instituição totalmente digital e sustentável, com vistas a facilitar a vida dos profissionais e evitar o uso excessivo de papel e outros recursos.

  12. Tudo é um absurdo na profissão de arquiteto.No RJ, o prefeito paga aos arquitetos concursados menos queo piso mínimo do Arquiteto. Nas regiões administrativas, somos tratados mal enquanto os arquitetos canetinhas que tabalham com despachantes que fazem o nosso trabalho são super valorizados.Já fiz orçamento para excução de obra de “designers”que não sabem o que é uma planta executiva e muito menos fazer um projeto de arquitetura. Somos uma classe com péssimos salários e desvalorizada. Assinamos em planta de prefeitura PRPA e PREO, obrigatórios, sem ter tido executado a obra!Obrigados pela Prefeitura. Na maioria das vezes é o leigo do proprietário que a faz.
    Até agora nada melhorou para nós!!!!!!!

  13. Bom dia a todos.
    Não vivo e nem exerço a profissão no Brasil desde 2013.
    Envio vários emails pra vocês e não solucionam meu problema.
    Não posso ser obrigado a pagar por uma anuidade de algo que não está me servindo.
    Cheguei até a fazer os pagamentos das anuidades de 2013 e 2014.
    Como devo proceder para não ficar recebendo esta cobrança??

    Muito obrigado

    1. Fábio: A Lei 12.378/2010 prevê “interrupção”, “suspensão” ou “cancelamento” de registro profissional, conforme estabelece a Resolução n° 18 do CAU/BR. O pedido é totalmente online, pela aba “Protocolos/Cadastrar Protocolo” via SICCAU. O CAU/BA ([email protected]) poderá orientá-lo em caso de dúvidas.

  14. É companheiros! O CAU que foi criado para que saíssemos fora das mazelas do CREA (falta de compromisso com os arquitetos, cobranças desproporcionais, nenhuma proteção da profissão, autoritarismo), herdou o mesmo padrão de comportamento. É só ler a revista Móbile de SP que só apresenta homenagens a figurões da arquitetura, informações técnicas superficiais e pífios trabalhos realizados pelo CAU diante de tantos problemas profissionais. Pagamos alto para termos gente que insiste em perpetuar o modelo de instituição sem autonomia, dependente de governos (por isso nunca batem de frente com o setor público) e com uma dose de autoritarismo sem igual como é de praxe nos conselhos profissionais onde o mais importante é manter-se encastelado, usufruindo das benesses de cargos com renda certa e produzindo um trabalho de baixo compromisso com a maioria dos profissionais a serem representados, com exceção apenas daqueles em destaque na profissão, a elite.

  15. Resumo dos comentários que li:
    1- O CAU no Brasil inteiro é omisso quanto ao piso profissional.
    2-O CAU só fiscaliza por provocação.
    3- O conselho cobra para você fazer o RTT + anuidade.
    4- Rápidos em cobrar, péssimos em atendimento.

    Ps- O app precisa melhorar muito para se tornar eficiente e funcional, tal como o próprio conselho.

    Espero que os organizadores e representantes do conselho façam como os profissionais, leiam esses comentários, percebam o quanto há para melhorar e se comprometam verdadeiramente em melhorar.

  16. Muito alto o valor da anuidade para uma classe que tem média salarial de 2 salários mínimos. O piso é utópico, na prática não se aplica e a entidade é omissa, falha e visa apenas cobrar taxas e dificultar a atuação do profissional com sua burocracia. Aqui na grande Goiânia, há venda de projetos de arquitetura na porta de órgãos fiscalizadores mas não dá pra fazer a denúncia porque não temos o endereço completo nem todos os dados pessoais da pessoa que está agindo com falsidade ideológica. Em órgãos públicos, há comissionados sem formação superior que se apresentam como arquitetos e o Conselho nada faz. Estou muito decepcionado e insatisfeito com o CAU que, vendo os comentários acima, não estou sozinho com minha reclamação. Sou servidor público federal e ganho menos de 40% do piso e mesmo assim, sou considerado “elite” porque tenho um salário fixo. A consequência desta desvalorização são nossas cidades despreparadas, feias, sujas, violentas e inabitáveis. Definitivamente a profissão de arquiteto morreu no Brasil e só nos resta lamentar, porque nossas armas de luta (CAU) não nos defende mais.

  17. Vejam que interessante, no edital do concurso das Industrias Nucleares do Brasil existem cargos para Projetista Cadista e Desenhista técnico de construção civil e como requisitos 2° grau completo e ser formado em técnico projetista cadista com curso de 400h, porém nas atribuições percebe-se que não são atribuições para copista ou desenhista e sim para elaboração de projetos, atribuição de arquitetos e urbanista. A estratégia é contratar pessoas que apenas operam softwares para a elaboração de desenhos e projetos de arquitetura pois se submetem a receber pouco. Essas pessoas não precisam pagar conselho ou RRT nenhum e nem assumem qualquer responsabilidade perante a sociedade. É preciso fiscalizar essas situações e agir com firmeza. Não vejo nenhum curso técnico de operadores de direito que os autorize a entrar com ação no TJ, não vejo nenhum curso técnico de 400h para realizar cirurgia, não vejo nenhum curso técnico para prescrição de medicamentos, até nas academias é exigida a formação na área de educação física (estão até obrigando treinadores de futebol a terem diploma) O conselho de Educação Física é mais presente que o CAU? Somente na construção civil é aceito que qualquer pessoa que manipule o autocad seja responsável pela elaboração de projetos de arquitetura. Vamos as perguntas: eu pago um conselho caro para fiscalizar a mim ou a essas irregularidades? por que não existe um departamento dentro do CAU/BR pra fiscalizar as atrocidades que os órgãos públicos fazem?(os dados são públicos). Por que o CAU não age fortemente como agem a OAB, CRM, CRF, CRA etc. Vamos aproveitar essa série da GLOBO e apresentar a importância dos projetos e responsabilização de obras para cobrar o respeito as leis que já existem.

  18. Eu gostaria que o CAU me explicasse por que eu tenho que pagar anuidade da minha pessoa física e da minha pessoa jurídica, as duas com o mesmo valor absurdo! Sendo que pelo CAU pessoa jurídica eu não posso nem emitir uma RRT! ABSURDO! Sem falar do valor em si! Qual a explicação de pagarmos 500 reais se quando precisamos do CAU temos que pagar NOVAMENTE pela RRT? O que o CAU tem feito pela nossa classe? Aqui na Paraiba pelo menos o CAU é inerte! Absurdo! Revoltante! Temos que unir a classe para tomarmos uma iniciativa de mudar isso!

    1. Seria interessante o CAU colocar aqui a lei FEDERAL que obriga a PJ e a PF pagar anuidade. Entendo que a PJ nao é a emitente da RRT e sim a PF uma vez que é ela que tem o credenciamento. Alguem aqui ja viu escritorio de advocacia pagar anuidade para a OAB? Quem paga eh somente o profissional.

  19. Só a lamentar!! Pelo que entendi das respostas do CAU, o conselho só fiscaliza denúncia? Não existe fiscalização periódica?
    E o nosso mínimo profissional? Quando irão fiscalizar? O salário de um arquiteto concursado e Celetista na Prefeitura Municipal de Nova Friburgo é R$ 1.043,00. Cadê o CAU?

    1. Ano passado enviei alguns e-mails para o CAU a respeito desses salários oferecidos pelos órgãos públicos, mas eles alegam que nada podem fazer…
      Quem então poderia fazer algo, senão eles??

      Esse piso salarial é meramente ‘ilustrativo’…

    2. E’ lamentavel saber que o CAU nao faz nada para manter a dignidade dos profissionais de arquitetura quanto a uma remuneracao justa. Mas se ajudar, gostaria de informar aos colegas que ajudei a criar JURISPRUDENCIA a respeito do salario minimo profissional para arquitetos. Eu GANHEI uma causa trabalhista contra o municipio de Estrela no RS, ha’ mais de 15 anos. Assim, procurem um advogado e questionem a possibilidade de processar o municipio. A Lei 4.950A/66 protege o nosso salario minimo profissional e pelo que entendo, QUALQUER LEI deve ser respeitada tambem pelos orgaos publicos.

  20. Milhões de arrecadação em cada estado e um mínimo retorno para os profissionais… Mas temos que financiar os salários dos comissionados (que mesmo após os concursos realizados continuam a desfrutar de seus cargos), os altos aluguéis das sedes, as viagens, mordomias, enfim…

  21. .
    Não consigo entender as razões que levam muitos Colegas a reclamarem sobre pagamentos de RRTs …
    .
    Qual é o peso do valor recolhido de cada RRT pelo Profissional, em relação ao Projeto Arquitetônico ou qualquer outra prestação de serviço ??? 2% ? 3% ? 4% ????
    .
    Acho que tem muita gente “se esquecendo” de cobrar honorários…

  22. Paguei a taxa para emissão da minha carteirinha há mais de um ano… mas o CAU é só com digital, e não passa na minha cidade NUNCA, eu teria que viajar mais de 200Km. Facilitar não tem como!

  23. O problema é que a profissão do arquiteto urbanista está cada vez mais decadente e prostituída. Citar exemplos isolados de arquitetos de sucesso, não reflete a situação da maioria.
    O que tenho visto é que estamos competindo de forma totalmente desigual dentro da própria profissão, sem falar na disputa com engenheiros civis e outros profissionais não habilitados.

    O projeto virou um objeto dado como brinde pelo o profissional que quer pegar a obra e faturar sobre ela. Promoção: Venha tomar uma café no meu escritório e ganhe um projeto expresso.

    Nas recepções das prefeituras, por exemplo, é possível encontrar putinhos e canetinhas de ouro de projeto para todos os gostos pelo mesmo valor da anuidade e até de graça, e por aí vai.

    E onde está o CAU?

    Essa é a pergunta que fica junto com a indignação de uma classe que se sente desamparada e cada vez mais desvalorizada.

    1. Concordo plenamente, tem sites de profissionais que vende projetos completos a partir de 300 reais, um absurdo!

      1. Fernanda, agradecemos a atenção e informamos que a fiscalização é realizada pelos CAU/UF, conforme determina a Lei 12.378/2010. Ao CAU/BR cabe promover as normas gerais de fiscalização e analisar possíveis recursos de processos já julgados pelo CAU/UF.

        Saiba mais como funciona a fiscalização dos CAU/UF em http://www.caubr.gov.br/cartadeservicos/

        Para fazer uma denúncia, por favor clique em https://siccau.caubr.gov.br/app/view/sight/externo.php?form=CadastrarDenuncia

  24. Paga esse absurdo de anuidade e ainda RRT…existe sim um portal de transparência onde a gente vê um monte de cargos com salários altíssimos, tá o motivo de pagarmos esse absurdo…agora ficam as perguntas…esses cargos são necessários? Pra quê? Mais uma forma de abusar de quem faz muito pra conseguir o próprio dinheiro, conseguir clientes e sustentar marmanjos…pq vcs não oferecem nada em troca disso.

  25. Sou funcionário público municipal, concursado como arquiteto. Não fazemos nenhum projeto e não emito nenhuma Rrt. Meu salário não chega a 40% do piso definido para arquitetos em MG. Me sinto condenado a pagar essa quantia absurda a essa instituição que nada faz por mim além de me tirar um valor que me faz falta, enquanto assisto 90% dos projetos arquitetônicos que dão entrada para aprovação na prefeitura serem assinados por engenheiros.

  26. Está muito pesado arcar com uma anuidade dessas mais as RRTs num cenário de crise econômica que abalou severamente a construção civil no país. Arquitetos estão cobrando uma miséria para não perder clientes e o CAU sugando uma parte de cada projeto. Isso tem que acabar!

  27. O valor aplicado é um absurdo para a anuidade! Isso precisa mudar, pagar RRT a cada cliente tbm está errado, o médico por acaso paga a cada receita dada ao paciente?
    .
    Para Fiscalizar pessoas sem capacitação exercendo nossa profissão não tem tanta gente, agora fiscalizar obra temporária de Casa Cor é rapidinho!
    .
    Como que sai uma propaganda como a do CREA no dia dos engenheiros e não há nenhuma resposta do CAU? Não seria a hora de nos defender?

    1. Aquela propaganda do CREA foi uma cuspida na cara de nós arquitetos, e reflete a situação decadente da profissão. A imagem que ilustra o folheto mostra um projeto totalmente genérico e sem qualquer preocupação com a qualidade espacial.
      Considero tal imagem emblemática com relação ao que muitos engenheiros pensam dos arquitetos. Poderia, assim como muitos colegas indignados comentando aqui, citar as inúmeras piadas, chacotas e situações mais sérias, feitas por engenheiros, topógrafos, desenhistas, entre outros, que consideram os arquitetos desnecessários ou simplesmente um maquiador de espaços.

  28. Enquanto isso, os Arquitetos que também são Engenheiros de Segurança, vão sendo excluídos do mercado de trabalho, onde anúncios de empregos para vagas de Engenheiros de Segurança, colocam como critério: POSSUIR CREA…uma pena..mais um “conselho” arrecadador

    1. Caro Anderson, sendo Engenharia de Segurança do Trabalho uma pós-graduacao,fica claro que todo especialista seja ele arquiteto ou engenheiro, está capacitado para exercer tal função.
      Observo sim a falta de informação dos contratantes e anunciantes ao desconhecerem o CAU. Cabe então uma acao do Conselho para mudar este paradigma onde somente com registro no CREA estariam aptos.
      No site do MTE verifico ausência da atualização no campo registro do profissional. Somente encontramos CREA. Ainda não incluiram CAU.

  29. Fiz registro da minha firma no CAU esse ano. Demorou além do prazo médio informado pelos atendentes, tive que reenviar documentos que já tinha entregue, a espera online pra ser atendido testa a paciência de qualquer um. Tive risco com perder o prazo de minha obra por atraso, mesmo mandando o bendito email e “implorando” urgência. Nem consegui falar com a tal pessoa pra ver se meu processo acelerava a tal aprovação. E pra finalizar tanto o atendimento presencial quanto por telefone são uma porcaria! Pessoas com voz antipática, parece que estão fazendo um enorme favor em atender. Atendimento presencial outra porcaria. Fui minha primeira vez no prédio, e detestei a forma pedante das pessoas que que interromperam meu atendimento pra falar com o meu atendente e sequer pediram licença ou mostraram educação de berço. Concluo que a anuidade e custos cobrados só servem pra sustentar o luxo do prédio, a roupas elegantes dos funcionários e nada mais além disso. Querem melhorar? SEJAM COMPETENTES!!! FAÇAM JUS AO VALOR COBRADO!!! SEJAM PRESTATIVOS!!!

  30. Em 4 anos administrando meu escritório, NENHUMA obra minha e do meu sócio já recebeu fiscalização do CAU. NENHUMA!

  31. Prefiro que retirem o pagamento das RRTs. Sou autonoma a 36 anos e NUNCA usei serviços do CREA ou CAU…apenas paguei. OK, porém não vejo sentido no pagamento das RRTs.

  32. Com a quantidade de projetos ofertado sem sites, casas de materiais de construção, engenheiros fazendo nosso serviço além de desenhistas trabalhando por pouco e nada, concordo com Daniela, Larissa e todas as críticas acima. Onde vcs estão?

    1. Entendi, quer dizer então que vocês só se movimentam quando tem denúncia…nosso ritmo de vida atribulado não permite que nós façamos o trabalho de vocês…que é o de procurar e denunciar !

    2. Vou me permitir repetir o relato já assinalado acima. Acho bem apropriado.
      Ao ler os relatos e observar esta resposta padrão do CAU/BR “Favor registrar uma denúncia”, me surgiu um questionamento: O relato dos arquitetos já não se configura uma denúncia? Por que mais dificuldade e burocracia? Vejo com desânimo esta postura do CAU/BR.

      1. Jorge, informamos que o CAU/BR não realiza ações de fiscalização, que cabem aos CAU/UF conforme determina a Lei 12.378/2010. Para denunciar, por exemplo, situações de exercício ilegal da profissão por leigos, recebimento de “reserva técnica” (RT), falta de RRT e ausência de placa de identificação de responsável técnico em obras, é necessário informar endereço completo com CEP, descrição da possível infração e, quando o denunciado for empresa, informar também o nome fantasia. No caso de denúncia identificada (não anônima), informar ainda nome completo e e-mail. Para fazer uma denúncia, por favor acesse https://siccau.caubr.gov.br/app/view/sight/externo.php?form=CadastrarDenuncia

  33. O CAU se transformou em um cartório de mercenários. Além de inerte em ações efetivas, o valor cobrado é de um absurdo inquestionável, ainda mais levando em consideração a crise do país, a quantidade imensa de profissionais que atuam precariamente e com baixíssima remuneração, bem como o próprio valor das RRT’s que poderiam custear o conselho…

  34. Qualquer Profissional que reservar pelo menos R$ 40,00 ao mês durante o ano, consegue pagar a anuidade com desconto, numa buena.

  35. Caros colegas, que tanto reclamam do CAU, com certeza não viveram na era do CREA, nós não tínhamos nenhuma representatividade.
    Hoje temos um conselho novo em tempo mas já com grande atividade em prol da nossa categoria.
    A pouco tempo muitas pessoas não sabiam o que faz um arquiteto. Tenha orgulho do seu conselho veja e leia todas as informações disponibilizadas no site.
    Parem de reclamar e ajudem com boas ideias e sugestões caso estejam descontentes.
    Abraço

    1. Até hj não vi fazerem nada…desempregado a 2 anos…e não tenho como pagar isso!
      Você pede congelamento e eles não congelam!

      Com certeza esse ai esta mamando na teta de alguem!

  36. A questão do reajuste deveria ser analisada de forma moral e não legal. O valor é absurdo, face ao momento econômico que vivemos.

  37. Para demonstrar eficiência, o gatinho do reajuste e a cobrança de anuidades são imediatos, tipo Vapt Vup. Para a classe que passa por alto índice de desemprego, falta de projetos, incentivo e apoio aos desesperados colegas sem trabalho, fica só o Lero Lero.
    Saímos do CREA e continuamos ao Léu.

  38. Na cidade onde resido Volta Redonda RJ, vejo muitas Construções, reformas e etc, sendo executadas no centro da cidade em avenidas importantes e movimentadas e em vários bairros sem RTS, placas e identificações de responsáveis técnico e não existe fiscalização do CAU, vejo também muitas pessoas sem qualificação técnica para execução de projetos, trabalhando na profissão. Onde anda a fiscalização, pagamos o CAU para que? Achei que criando um órgão destinado aos profissionais de Arquitetura teríamos nossos direitos preservados e fiscalizados.

  39. Uma das poucas preocupações da Lei que criou o CAU foi definir valores de taxas e seu índice de reajuste. Não há nada que controle a qualidade do ensino ou que avalie os profissionais, até porque, restringir qualitativamente iria contra a filosofia fundamental arrecadatória que beneficia-se quantitativamente. Quanto mais gente pagando mais dinheiro a disposição dos conselheiros. Logo eles serão uma casta superior, como nossos políticos ou membros do judiciário.

  40. Qual são as categorias que cobram por cliente? Arquitetos e Engenheiros somente. Nenhuma outra categoria no Brasil cobra por trabalho realizado, somente essas duas. O sistema CONFEA é o sócio do lucro, promove uma cobrança como o governo, recebe sobre o seu trabalho como se dele fosse sócio e não lhe devolve nada em troca. O sistema eleitoral é falho, não se pode ter candidatura avulsa, você só pode ser eleito se fizer parte de alguma chapa (panela), os gastos dos conselheiros são astronômicos, basta ver no próprio site do CAU. Muitos conselheiros e pouca produção. O CAU apesar do pouco tempo é um dos conselhos mais ricos do país, posto conquistado rapidamente devido a cobrança das RRTs, porém não exerce nenhuma pressão no governo federal por uma maior valorização da profissão, e ainda pegam a sua RRT e decidem promover políticas que deveriam ser dos governos (Assistência Técnica). A pressão do CAU sobre o Governo é tão pífia que eles acabaram de legalizar o puxadinho, aquele sem iluminação, ventilação e acessos adequados, resumindo, casa doente, bairro doente, cidade doente, país doente, cidadãos doentes.

  41. Quando solicitei ao CAU para averiguar uma pessoa conhecida que está apenas no 3º ano de curso de arquitetura exercendo a profissão ilegalmente, tem site, escritório com endereço conhecido e tudo mais, recebi resposta que eu deveria informar todas as obras e clientes e até o cpf da pessoa, mas que na verdade o CAU não pode fiscalizar esse tipo de ilegalidade, não pode entrar em condomínios e fiscalizar se a obra tem responsável técnico, placa etc. Me foi aconselhado a desistir. Então quem tem formação e paga anuidade RRT e tudo que é obrigatório tem que aturar pessoas sem formação praticando a profissão de qualquer jeito, até fazendo com que atenhamos má reputação e nada pode ser feito? Absurdo!

    1. Aqui em Porto Seguro sofremos o mesmo problema, e pior, nem estudantes são. Qualquer cadista aqui atua como arquiteto, estrangeiros que se dizem arquitetos, sem nenhuma documentação atuam aqui também! E até mesmo os arquitetos e engenheiros são coniventes pois, assinam projetos para pessoas que não são profissionais por dinheiro e inclusive alguns funcionários da Prefeitura de Porto Seguro tem ciência e são coniventes. O CAU realmente está muito AQUÉM no quesito FISCALIZAÇÃO e muito ALÉM no quesito COBRANÇA!!! PS: FAZ 5 ANOS QUE MEUS HONORÁRIOS TEM O MESMO VALOR. DE OUTRA FORMA NÃO HÁ COMPETIÇÃO COM OS NÃO PROFISSIONAIS.

  42. O crea cobra um valor do para várias atividades na Art.

    O cau cobra um valor para cada atividade no RRT.

    P

  43. É um absurdo o valor da anuidade visto que o conselho não cumpre com seu papel, não fiscalização eficiente de obras, honorarios, nem sequer de pessoas que estão exercendo ilegalmente a profissão de arquiteto mesmo quando fazemos a denuncia o CAU nada faz, sequer se pronuncia dando um retorno sobre a denuncia. Pra ficar assim deveria ter continuafo no CREA pelo menos a anuidade está mais barata.

  44. RRT ser paga??? Isso é absurdo. Só a classe de arquitetos e dos engenheiros com suas RT’s para serem feito de palhaços mesmo. Imagina se cada advogado e médico pagassem por cada cliente?
    Eu que me responsabilizo pelos meus trabalhos, não o CAU.
    Absurdamente ridículo isso. Já passou da hora dos engenheiros e arquitetos irem contra essa cobrança ridícula.

  45. Será que nós, profissionais que mantemos o Cau com nosso dinheirinho suado, não podemos fazer nada para mudar essa situação? Todo ano a mesma coisa: reclamamos e ninguém nos ouve, a resposta é sempre igual, aquela resposta automática, tentando justificar o injustificável. Senhores, vejam a realidade dos profissionais, a realidade do país. Menos inauguração de subsedes e mais atenção às nossas necessidades básicas, por favor.

  46. Se não pagarmos, o bando não recebe 13°, férias e etc…não se pode fazer críticas aos políticos quando se tem está mentalidade predatória e oportunista como nosso “conselho” e que conselho…….

  47. Muito pesada o valor dessa anuidade, independentemente do regimento ou da lei que a instituiu, algo para ser revisto.

  48. Infelizmente, minha sugestão de dar 50% de desconto ou isenção aos profissionais que estão cursando mestrado ou doutorado não foi colocada em prática. Este ano eu já não me beneficiaria mais disso, mas por experiência própria, percebi que, durante um mestrado, a atuação do profissional no mercado (de alguém que trabalhava apenas com isso) é reduzida em pelo menos 50%. Um mestrado/doutorado consome muito tempo do profissional, que não pode atuar como antes e, também, não pode se sustentar durante o período do curso sem ter feito uma reserva prévia, como foi meu caso. Vi alguns colegas trancando a matrícula por não conseguirem bolsa de estudos, para poderem voltar a trabalhar normalmente e poderem se sustentar. Além disso, temos também a situação precária dos arquitetos autônomos durante a crise, que é um problema que atinge ainda mais profissionais e deveria ser considerada ao definir o valor da anuidade.

  49. Um absurdo essa anuidade. Para onde vai tanto dinheiro? Não vejo atuação do CAU que justifique esse dinheiro da anuidade. Cada serviço é uma RRT!! Tem dinheiro demais para pouca atuação.

  50. Para cobrar anuidade é uma eficiência maravilhosa!
    Mas para fazer algo efetivo para a classe, não vejo o mesmo empenho e rapidez!

  51. O valor é um absurdo. Principalmente pq existem muitos profissionais que estão desempregados, e profissionais que estão tentando algo como autônomo, free lance coisas que aparecem muito pouco trabalho ultimamente. as RRts já são bem carinhas para uma anuidade tão alta. Poderiam até ver um sistema onde o profissional que fosse provasse estar desempregado e que não emite RRt pois não tem clientes como autônomo poderia ser mais em conta e é simples somente ver quantas RRts o profissional emite.

  52. Nenhum advogado paga por cliente, nenhum médico paga por paciente, só os trouxas do CAU/CREA que tem que pagar. Isso deveria ter mudado com a criação do CAU.

    1. Concordo com você, achei que haveria mudança quando saímos do CREA compulsoriamente, mas vejo que não.

  53. Impressionante como em tempos de crise econômica, o CAU nao repense seus valores. Um conselho que tem deixado muito a desejar em suas ações, infelizmente.

  54. Desde quando o CREA era o conselho que regia a atividade profissional dos Arquitetos sentia a falta de atitudes que demonstrassem de modo prático a atuação do conselho quanto ao exercício profissional, tais como: fazer valer a aplicação dos honorários mínimos, fiscalizar a atuação ética dos profissionais, mas após a criação de um conselho exclusivo dos Arquitetos, sinto a mesma omissão e passividade quanto à essa atuação, somente a anuidade e o valor do registro aumentaram consideravelmente, sem reflexos na atuação do conselho, de maneira prática, no dia a dia do profissional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo