CATEGORIA

Arquiteto japonês Arata Isozaki ganha o Pritzker de Arquitetura de 2019

O arquiteto japonês Arata Isozaki foi nomeado o laureado de 2019 do Prêmio Pritzker de Arquitetura, considerado o “Prêmio Nobel” do setor.  Isozaki, que atua desde os anos 1960, tem sido considerado um visionário  por sua abordagem transnacional e destemidamente futurista. Com mais de 100 obras construídas,  Isozaki também é um dos mais prolíficos e influentes entre seus contemporâneos. Isozaki é o  oitavo arquiteto japonês a receber a honra.

 

Na citação do prêmio, o juri disse  “… em sua busca por arquitetura significativa, ele criou edifícios de grande qualidade que até hoje desafiam categorizações, refletem sua constante evolução e estão sempre atualizados em sua abordagem”.

 

Um dos jurados foi o diplomata brasileiro, especialista em Arquitetura, André Aranha Corrêa do Lago, atual embaixador do Brasil no Japão.

 

 

Nascido em 1931 em Oita, uma cidade na ilha de Kyushu, no Japão, a introdução  de Isozaki na arquitetura foi profundamente afetada pelos eventos mundiais da época. Ele tinha apenas 12 anos quando Hiroshima e Nagasaki foram dizimados na Segunda Guerra Mundial; sua própria cidade natal foi incendiada durante a guerra. “Quando eu tinha idade suficiente para começar a entender o mundo, minha cidade natal foi incendiada. Do outro lado da costa, a bomba atômica foi lançada em Hiroshima, então eu cresci no marco zero. Estava em ruínas completas, e não havia arquitetura, nem edifícios e nem mesmo uma cidade … Então, minha primeira experiência em Arquitetura foi o vazio da Arquitetura, e comecei a considerar como as pessoas poderiam reconstruir suas casas e cidades. ”

 

Isozaki levou esta visão de mundo com ele para a Universidade de Tóquio, onde se formou na Faculdade de Arquitetura e Engenharia em 1954. Em seguida, tornou-se Ph.D. na mesma faculdade,  antes de iniciar sua carreira arquitetônica no escritório de Kenzo Tange. Isozaki rapidamente se tornou o protegido de Tange, trabalhando em estreita colaboração com o Prêmio Pritzker de 1987, antes de sair para estabelecer seu próprio escritório em 1963.

 

O Japão na época estava em um período de imensa mudança e reinvenção. O país havia sido libertado da ocupação dos aliados apenas uma década antes e ainda estava se recuperando dos efeitos posteriores da guerra. “Com o objetivo de encontrar uma maneira mais adequada de resolver esses problemas, não pude me alongar em um único estilo”, diz Isozaki. “A mudança se tornou constante. Paradoxalmente, isso veio a ser meu próprio estilo ”.

 

Nara Centennial Hall.. Foto Hisao_Suzuki

 

Segundo o portal Archdalye, o trabalho inicial de Isozaki é notável por sua abordagem decididamente futurista, visível emCity in the Air, sua proposta de masterplan para Shinjuku. Nessa proposta, camadas elevadas de prédios, residências e transportes flutuariam acima da cidade antiga – uma resposta extrema ao ritmo voraz da urbanização e modernização no Japão na época. Embora o plano nunca tenha sido realizado, ele deu o tom para muitos dos futuros projetos de Isozaki e conduziu mais planos / visões urbanas para cidades em todo o mundo.

 

A linguagem formal que caracteriza grande parte das obras de Isozaki – uma combinação característica de Metabolismo e Brutalismo – foi desenvolvida em colaboração com o mentor Kenzo Tange, o arquiteto considerado o pai fundador do metabolismo japonês.

 

O arquiteto fala de sua obra para o Archidaily

 

O Metabolismo fundiu idéias de crescimento orgânico com a arquitetura das megaestruturas futuristas. Isozaki estava profundamente envolvido no desenvolvimento e na perpetuação do metabolismo, como visto em projetos como a Biblioteca da Província de Oita, a Escola Secundária de Iwata Girls e vários projetos para o Fukuoka City Bank.

 

Mas foi em 1970 que o Isozaki ganhou fama internacional: seu Festival Plaza na EXPO70 (a primeira feira mundial hospedada pelo Japão) cativou os visitantes globais. Isozaki projetou   outras obras significativas, como a Art Tower Mitor, o Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles e a arena esportiva  Palau Sant Jordi em Barcelona. Mais recentemente, Isozaki concebeu o Museu Provincial de Hunan e o Harbin Concert Hall, ambos na China, e  a Tower em Milão.

 

Shanghai Symphony Orchestra. Foto: Chen_Hao

 

“A obra de Isozaki foi descrita como heterogênea e abrange descrições de vernáculo de alta tecnologia”, disse o júri do Pritzker na citação do prêmio. “O que é claramente claro é que ele não vem seguindo tendências, mas forjando seu próprio caminho.”

 

Isozaki recebeu inúmeros prêmios ao longo de sua carreira, entre eles o Prêmio Anual do Architectural Institute of Japan em 1974, a Medalha de Ouro do RIBA em 1986 e o ​​American Institute of Architects Honor Award em 1992.

 

Qatar Convention Center. Foto Hisa Suzuki.

 

A cerimônia do Prêmio Pritzker de 2019 será realizada no Chateau de Versailles, na França, em maio, e será acompanhada por uma palestra pública de Isozaki, em Paris.

 

Além de André Aranha Corrêa do Lago, o juri foi composto por Stephen Breyer, da Suprema Corte norte-americana; Ratan N. Tata, presidente emérito do grupo indiano Tata; pela arquiteta  Benedetta Tagliabue, educadora de Barcelona; pelos arquitetos Richard Rogers (Pritzker 2007),  Richard Rogers,  Kazuyo Sejima (Pritzker 2010), Wang Shu Pritzker 2012) e Martha Thorne, reitora da IE Escola de Arquitetura & Design de Madri. 

 

Clique aqui para ver a citação do juri e outras fotos de obras do arquiteto.

 

Fonte: Archidaily

 

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país 

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo