RECENTES

Arquitetos/as propõem aperfeiçoamento da MP do Minha Casa, Minha Vida

Propostas geraram emendas para detalhar políticas de locação social e reformas de moradias precárias. Também sugerem convergência de dados entre ministérios da Saúde e das Cidades e Assistência Social

 

Registro da apresentação das emendas na Câmara: Jenner de Moraes, secretário-executivo do Fórum dos Conselhos Federais de Profissões Regulamentadas; os presidentes dos CAU/PB, Eduardo Nóbrega e do CAU/CE, Lucas Rozzoline; a assessora chefe da AIP, Luciana Rubino; a deputada Denise Pessôa, o arquiteto Gilson Paranhos e o coordenador da CRI, Jeferson Navolar

 

Novas emendas apresentadas no Congresso Nacional sugerem ajustes à Medida Provisória Nº 1.162/2023, proposta pelo Governo Federal para restabelecer o Programa Minha Casa, Minha Vida. Desta vez, a intenção é reforçar a oferta de locação e reformas em moradias precárias com assistência técnica e alinhar as políticas habitacionais às prioridades definidas pelo SUS. As emendas foram elaboradas pelos arquitetos e urbanistas Gilson Paranhos, Jeanne Versari e Lucas Rozzoline – que também é presidente do CAU/CE – e apresentadas pela deputada Denise Pessôa (PT-RS) e pela senadora Leila Barros (PDT-DF) após intermediação da Comissão Especial de Relações Institucionais (CRI) e da Assessoria de Relações Institucionais do CAU Brasil.

 

Duas das emendas protocoladas na Câmara Federal pela deputada Denise Pessôa, uma modificativa (267) e outra aditiva (270), propõem a inclusão de melhorias habitacionais entre as diretrizes do Programa remodelado pelo Governo Federal para promover o direito à moradia no Brasil. A linha de atendimento também contaria com a garantia de assistência técnica pública e gratuita, conforme prevê a Lei Federal nº 11.888/2008.

 

Para viabilizar estas ações, a proposta sugere que 80% dos recursos do Fundo de Arrendamento Residencial – FAR, uma das modalidades de financiamento definidas pela MP, seja destinado para a reforma de residências de famílias com renda mensal de até R$ 2.640,00. Proposta semelhante foi apresentada no Senado pela Senadora Leila Barros (proposição 291), que sugere o fortalecimento da linha de atendimento de melhorias habitacionais na MP 1162/2023 do Minha Casa Minha Vida, atrelado à Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social, como prevê a Lei n.11.888/2008.

 

As alterações atenderiam a uma volumosa demanda reprimida: as inadequações construtivas, de infraestrutura e fundiárias correspondem a 80% do déficit habitacional no Brasil, que chega a 24,9 milhões de domicílios, segundo dados da Fundação João Pinheiro divulgados em 2019. Um ano antes, em 2018, o IBGE apontou que 5,7 milhões de brasileiros não tinham acesso a banheiro, por exemplo.

 

 

Outro argumento apresentado pelos proponentes é a ampliação dos beneficiados pelo programa a partir da linha de melhorias habitacionais: o custo de cada apartamento novo oferecido a partir do MCMV equivale a doze reformas, em média, segundo dados levantados pelos arquitetos e urbanistas. A aplicação da lei no maior programa habitacional do país garantiria mais segurança nas edificações e ampliação do campo de trabalho para profissionais da arquitetura e urbanismo e também engenharia. “Além de combater o maior déficit habitacional e beneficiar mais famílias, (a modalidade de melhorias habitacionais) promove uma geração de emprego e renda maior do que na produção de novas unidades habitacionais, e ocorre de maneira descentralizada”, diz a minuta da emenda apresentada pela deputada Denise, arquiteta e urbanista de formação.

 

A locação também pode ser uma forma de acesso a moradia digna. Atualmente, o ônus excessivo de aluguel expulsa a população mais pobre das grandes cidades. Dados do IBGE (2010) apontam que cerca de 10 milhões de brasileiros comprometem mais de 30% do seu rendimento mensal para morar. O aluguel social em caráter emergencial está previsto na MP do Minha Casa Minha Vida, porém, sem detalhamento. A emenda 668, apresentada pela parlamentar, prevê a destinação de recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) também para esta modalidade.

 

A quarta emenda apresentada na Câmara Federal procura relacionar as políticas habitacionais à estrutura assistencial já consolidada pelo Sistema Único de Saúde. Caso seja absorvida pela Medida Provisória, a emenda 269 permitirá a criação de um banco de dados integrado entre os ministérios da Saúde e das Cidades e Assistência Social. A plataforma comum oportunizaria o acesso aos dados da Estratégia Saúde da Família para balizar a definição de áreas emergenciais para o atendimento à população nas questões relacionadas à moradia.

 

NOVO PRAZO

As minutas das novas sugestões foram elaboradas coletivamente pelos arquitetos e urbanistas Gilson Paranhos, Jeanne Versari e Lucas Muniz em caráter emergencial para atender ao prazo definido para apresentação das emendas, em 29 de março.  No dia 5 de abril, o presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) prorrogou o prazo de tramitação da matéria. Com isso, a comissão mista que trata da MP Nº 1.162/2023, formada por deputados e senadores, tem mais sessenta dias para analisar a Medida Provisória.

Apenas no prazo inicial, 253 emendas foram propostas à MP do Minha Casa Minha Vida. Pelo menos 45 delas tinham interesses convergentes com os profissionais da arquitetura e urbanismo, segundo levantamento da Assessoria de Relações Institucionais do CAU Brasil.

Saiba mais

MAIS SOBRE: RECENTES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

RECENTES

Terceira edição da Revista Urbanidade apresenta desafios e soluções

RECENTES

CAU/SP recebe doação de acervo do arquiteto Miguel Alves Pereira

RECENTES

Edital de consulta pública de solução BIM para automação de projetos de edificações em Minas Gerais

RECENTES

Cadastrados no CAU terão descontos na inscrição da sexta edição do Seminário Internacional A ERA BIM, evento que acontecerá em São Paulo

Pular para o conteúdo