CIDADES

Arquitetos e urbanistas defendem nova lei específica para licitação obras públicas

Uma lei específica para licitação de obras públicas: essa é a proposta do CAU e das entidades nacionais de Arquitetura e Urbanismo apresentada na última terça-feira (10/10), na II Conferência Nacional de Arquitetura e Urbanismo. O tema foi discutido na mesa-redonda “Aprendendo com a vida real: o arquiteto e urbanista e as leis”, com a mediação da jornalista Cristina Serra, repórter da TV Globo. Participaram da discussão o ex-presidente nacional do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) Sérgio Magalhães, o superintendente-geral do Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM), Paulo Timm, e o jornalista Júlio Moreno, chefe da Assessoria de Comunicação Integrada do CAU/BR.

 

Na discussão, Moreno lançou o site “Em defesa da ética, do planejamento e da qualidade nas obras“, desenvolvido pelo CAU/BR em conjunto com IAB, FNA, AsBEA, ABEA, ABAP e FeNEA (www.caubr.gov.br/projetocompleto). Na página, é possível acessar argumentos em defesa da nova lei, bem como exemplos de fracassos em obras públicas licitadas sem projeto completo. A iniciativa é parte de uma campanha nacional de comunicação para defender o projeto completo, apresentada em nome do Colegiado das Entidades Nacionais de Arquitetos e Urbanistas (CEAU), que reúne as instituições mencionadas. A proposta é realizar campanhas educativas, de comunicação e realizar palestras e debates sobre o assunto em todo o país.

 

Site "Em defesa da ética, do planejamento e da qualidade nas obras", lançado durante o debate
Site “Em defesa da ética, do planejamento e da qualidade nas obras”, lançado durante o debate

 

De acordo com Sérgio Magalhães, o que está em construção é uma revisão da participação dos arquitetos, engenheiros, geógrafos, administradores e demais profissionais ligados à construção do espaço construído brasileiro. “Se as leis não são capazes de produzir reflexão e decisão racional no aproveitamento do espaço brasileiro, precisamos dizer o que achamos. Estamos cansados de interagir junto ao governo federal e ministérios e nada acontecer. Argumentos racionais são compartilhados com os parlamentares, que logo aprovam leis contrárias ao bom senso. Há outros aspectos poderosíssimos que produzem essas modificações”, criticou. O ex-presidente nacional do IAB destacou ainda que, em pleno curso da Operação Lava Jato, o Senado Federal aprovou o Projeto de Lei 6.814/2107, que autoriza a licitação de obras públicas sem projeto completo.

 

 

A proposta, que será agora discutida na Câmara dos Deputados, permite o uso da modalidade contratação integrada, em que a obra é licitada sem projeto completo e cabe à empreiteira vencedora elaborá-lo, para contratação de obras acima de R$ 20 milhões. O projeto abrangeria obras como a de uma escola de médio porte ou um pequeno hospital. Vários empreendimentos licitados  por Contratação Integrada foram objetos de investigação da Polícia Federal e do Ministério Público para apurar fraudes e corrupção. Na visão dos debatedores, a concentração de projeto e execução na mesma empresa dá brecha às ilegalidades. O jornalista Júlio Moreno apresentou alguns casos, entre eles o do VLT Cuiabá/Várzea Grande, que teve 19 pessoas investigadas, e a reforma do Maracanã, caso em que foi preso o próprio ex-governador Sérgio Cabral e de dois ex-secretários de Estado.

 

Sérgio Magalhães, Cristina Serra, Paulo Timm e Júlio Moreno discutiram licitações de projetos e obras públicas (Foto: CAU/BR)

 

O fracasso de obras licitadas sem projeto completo

 

 

“O CAU/BR e o Sinaeco produziram um dossiê em que apresentam alguns resultados de fracasso da contratação de obras públicas sem projeto completo. A Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco foi o pontapé inicial do documento e também da Operação Lava Jato. Contratada por meio do procedimento licitatório simplificado, a obra foi estimado em R$ 13,3 bi, mas o custo final foi de R$ 18,5 bi – um superfaturamento de R$ 2,1 bi, apontado pelo próprio Tribunal de Contas da União (TCU)”, destacou Júlio Moreno. O jornalista fez ainda uma retrospectiva da legislação de contratação de obras públicas, desde a Lei 8.666/1993, passando pelo procedimento licitatório simplificado da Petrobras, de 1998 e pelo surgimento do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), em 2011.

 

Para a jornalista Cristina Serra, há uma estratégia clara e articulada na forma com as obras públicas no país vem sendo contratadas. “Ao avaliar todo esse retrospecto, desde a legislação de 1993, o procedimento licitatório simplificado e as recentes mudanças, percebemos uma sequência de medidas que visam a criar facilidades e menos controle nas contratações de obras públicas. Essa constatação é muito clara. As alterações de 2016 ocorrem com a Lava Jato em andamento. Já sabíamos do envolvimento das empreiteiras, mesmo assim conseguiram aprovar sem desfaçatez”, lamentou.

 

A repórter da TV Globo, que escreve um livro sobre o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), aproveitou a discussão para apresentar algumas informações sobre o maior desastre ambiental brasileiro: “As investigações mostram que a barragem de Mariana foi construída sem projeto completo. Apresentaram apenas dados básicos. Deu no que deu: 19 mortos. O engenheiro que projetou a barragem diz que apresentou à empresa o projeto completo. Porém, nem a empresa, nem o engenheiro, apresentou o projeto completo aos investigadores. O que se sabe é que a obra apresentava uma série de problemas. Uma parte da barragem, por exemplo, foi construída com material mais barato do que supostamente foi recomendado pelo projeto”.

 

O Superintendente geral do IBAM, Paulo Timm, destacou outro aspecto que considera importante na discussão da legislação. Além da proposição de uma lei que interfira no desenvolvimento e planejamento das cidades brasileiras, é necessário criar meios que possam aprimorar os instrumentos de gestão. “Temos que pensar em questões mais práticas e objetivas. Por mais que a gente procure aprimorar a legislação, algumas questões não conseguem ser superadas. Quando se muda muito a legislação, no sentido de exigir maior controle, provoca-se paralisia das ações”, alertou.

 

Sérgio Magalhães se disse otimista na mudança do atual cenário. Ele lembrou que em 2020 o Brasil sediará pela primeira vez o Congresso Mundial de Arquitetos e, até lá, a classe e toda a sociedade terão oportunidades para refletir sobre as condições espaciais do país e do mundo. “Essa perspectiva de 2020 é a que colocamos como desejável para que o debate sobre a criação de uma lei de licitações própria seja compreendida pela sociedade. A nossa proposta é que a nova legislação exclua tudo aquilo que não esteja relacionado com a produção do espaço”, defendeu.

 

Sérgio Magalhães, ex-presidente do IAB, se disse otimista sobre mudança positiva do cenário legal
Sérgio Magalhães, ex-presidente do IAB, se disse otimista sobre mudança positiva do cenário legal (Foto: CAU/BR)

 

2 respostas

  1. O Projeto Básico em si, de acordo com o conceituado na 8.666, não deveria ser o único vilão da história. Em sua definição deveria conter todos os elementos necessários e suficientes para um orçamento realista.
    O que ocorre é que essa Lei, que sem dúvida necessita ser atualizada, foi gestada principalmente por grandes empreiteiras e possibilitou esses malfadados aditivos que tanto inflacionam os orçamentos.

  2. Lamentável!

    Isso contribui,cada vez mais para falta de incentivo aos arquitetos, aqui no Brasil!!

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CIDADES

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país

EVENTOS

Patrícia Sarquis Herden é presença confirmada no 3º Fórum Mundial Niemeyer 

CIDADES

Iniciadas Convocações para a 6ª Conferência Nacional das Cidades

EVENTOS

Inscrições abertas para o Fórum Urbano Mundial

Pular para o conteúdo