ARTIGOS

Artigo de Sérgio Magalhães: Desigualdade deve inspirar indignação

Publicado no Jornal O Globo, no dia 03 de outubro de 2010.

O aumento da desigualdade de renda em países ocidentais está demonstrado em estudos de prestigiosos economistas, como o francês Thomas Piketty. No Brasil, esse aumento se potencializa desde os anos 1980, evidenciado por pesquisas do IBGE.

 

O filósofo sul coreano Byung Chul-Han tem alertado que a desigualdade de renda e a deterioração dos empregos e profissões têm sido responsáveis pelo que considera a doença do século, a depressão.

 

Em recente discurso na ONU, o presidente Lula colocou o clima e a desigualdade como questões centrais desses tempos, chamando a atenção dos países ricos para suas responsabilidades, eles que são os maiores causadores dos danos ambientais.

 

Em reunião bilateral, os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos concordaram em fazer esforços para enfrentar os desafios das desigualdades e da precariedade de empregos, demonstrando a centralidade desses temas.

 

Porém: tais questões fundamentais estão espacializadas? Em que território?

 

Em um mundo majoritariamente urbano, como dissociar as mudanças climáticas do tema das cidades? Onde estão as cidades na pauta política mundial?

 

No Brasil, porém, precisamos ampliar a compreensão também para o vínculo entre a desigualdade de renda e o espaço da cidade, sobretudo o das grandes cidades.

 

Com a quase totalidade da população sendo urbana, o Brasil não precisa – e não pode – esperar uma mudança nas políticas do mundo para enfrentar o drama urbano nacional.

 

Aqui, milhões de brasileiros a cada dia enfrentam um transporte público ineficiente que implica em tempos excessivos para os deslocamentos casa-trabalho, e que exalta a desigualdade de renda, dificulta o emprego e abala a saúde.

 

Desde meados do século passado, o país só financiou 20% das moradias urbanas, o que empurrou as famílias pobres para a irregularidade urbanística, fundiária e precariedade construtiva. Persistindo nesse modelo, evidencia-se uma desigualdade que “precisa inspirar indignação” (Lula, ONU). Mas não basta, pois o Brasil tem capacidade econômica suficiente para tratar de modo mais equânime essa questão.

 

O tema habitacional tem implicações sanitárias imensas. Ao faltar saneamento para metade da população, a saúde pública fica impactada; crescentes recursos precisam ser aplicados na medicina curativa, ao tempo em que a poluição das águas tem larga repercussão no Planeta.

 

A violência urbana é vivida pela população no dia a dia, a qual, sentindo crescente insegurança, não precisa esperar pela confirmação dos indicadores oficiais, como condiciona importante autoridade. É no modo como o Estado brasileiro trata (ou destrata) favelas e bairros de periferia que cresce o ovo de serpente da violência e da bandidagem armada. É na desigualdade intra-urbana, invisível aos olhares do poder e de parte da sociedade, que se instala esse ofidiário.

 

Mobilidade, moradia, saneamento, segurança – são temas que, como mal-tratados entre nós, potencializam a gigantesca e crescente desigualdade de renda. São temas fora da agenda política.

 

“Para vencer a desigualdade falta vontade política daqueles que lideram o mundo”. Quem sabe esta expressão do presidente na ONU possa nos ser inspiradora no Brasil?

 

Sérgio Ferraz Magalhães

 

Ex-presidente do IAB (2012/2017) e  presidente do Comitê Executivo do 27º Congresso Mundial de Arquitetos da União Internacional de Arquitetos (UIA2021RIO).

É arquiteto e urbanista pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul -FAU/UFRGS (1967) e doutor em Urbanismo pelo Programa de Pós-Graduação em Urbanismo-PROURB/FAU-UFRJ (2005) com estágio na Universidade de Paris VIII (2004).

Tem atuação profissional como arquiteto e urbanista na área privada (titular do escritório MBPP Arquitetos Associados, Rio de Janeiro, 1974-2006; e titular de SMC Consultoria – Habitação e Urbanismo, Rio de Janeiro, 2002-2012) e na área pública (Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, onde exerceu cargos de direção como subsecretário de Urbanismo, 1986-1988; e secretário municipal de Habitação, 1993-2000; na Prefeitura de Niterói, onde foi Diretor de Urbanismo, 1989-1992; e no Governo do Estado do Rio de Janeiro, tendo sido secretário de Estado de Projetos Especiais, 2001-2002; e subsecretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, 2003-2004). 

MAIS SOBRE: ARTIGOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ARTIGOS

O projeto do novo Plano Diretor de São Paulo é excludente – Artigo de Nadia Somekh

ARTIGOS

Nadia Somekh no Estadão: MP do Minha Casa, Minha Vida é oportunidade histórica para colocar ATHIS em prática

ARTIGOS

Artigo: “Urbanismo corporativo ou urbanismo social, qual proposta para o Brasil?”

ARTIGOS

Tragédia no Litoral Paulista: “o responsável é o processo de urbanização que não dá lugar aos mais pobres”

Pular para o conteúdo