ARTIGOS

Artigo de Luiz Fernando Janot: “O crescimento vertical das favelas”

Contrapondo-se às dificuldades atuais das empresas imobiliárias, o mercado informal da construção civil se expande de maneira surpreendente nas favelas e loteamentos populares. A oferta de unidades residenciais nessas localidades, seja para venda ou aluguel, vem respondendo à crescente demanda da população que não possui renda para obter financiamento e adquirir um imóvel no mercado oficial.

 

 

Se em outros tempos havia a preocupação quanto à expansão territorial dessas comunidades, hoje a atenção se volta para o seu espantoso crescimento vertical. Enquanto as prefeituras adotam procedimentos kafkianos para aprovar projetos e licenciar obras, criando dificuldades e abrindo espaço para oportunistas venderem facilidades, o mercado imobiliário informal prospera sob o beneplácito de políticos corruptos e da marginalidade. 

 

No cerne desta questão está o vertiginoso abismo econômico que separa nossas classes sociais. Atualmente, falar em urbanização de favelas virou uma afronta aos interesses imediatistas dos governantes e empreiteiros, mais interessados em produzir habitação popular de péssima qualidade, em localidades distantes sem os requisitos mínimos de infraestrutura. A moradia, nesse caso, é tratada como um valor estatístico sem qualquer referência à qualidade do imóvel. 

 

Recentemente, o governo federal anunciou a intenção de rever algumas diretrizes do programa “Minha Casa Minha Vida”. O objetivo seria induzir a construção de habitações para fins sociais em áreas urbanas dotadas de escolas, unidades hospitalares e um sistema integrado de transportes coletivos. Pretende-se, assim, evitar a formação de guetos pobreza nas áreas periféricas da cidade. Esta iniciativa, em princípio louvável, exige o acompanhamento rigoroso das ações do poder público municipal para impedir que a proposta seja deturpada. 

 

Em meio aos mandos e desmandos que sobressaem em nosso cotidiano, os órgãos responsáveis por diagnosticar, avaliar e propor soluções para o problema das construções nas encostas e nos loteamentos populares se ressentem do apoio logístico para atuar nessas localidades. Sem recursos disponíveis e diante da falta de uma política integrada com os governos estadual e federal, fica difícil fazer valer as normas edilícias em territórios controlados por traficantes ou milicianos. O fracasso das Unidades de Polícia Pacificadora representou, de fato, uma perda significativa para a reconquista desses territórios pelo Estado. 

 

Agora, um novo desafio se apresenta para os governos municipais. Uma Medida Provisória editada recentemente pelo governo federal, facilitando a emissão de títulos de propriedade em habitações de interesse social construídas em terrenos informalmente ocupados ou – pasmem – em lajes nos pavimentos superiores das moradias existentes, representará, sem dúvida, um estímulo a mais para verticalização edilícia nessas comunidades. Certamente, a especulação imobiliária informal agradecerá penhorada essa iniciativa.

 

Tal decreto não faz qualquer referência às condições de estabilidade das edificações e aos aspectos geomorfológicos do terreno. Muito menos às precárias condições ambientais nas comunidades onde o esgoto circula in natura em valas negras ou em canais que deságuam nos rios, nas lagoas, nas baías e no mar. Não basta legalizar a habitação. É preciso que a cidade chegue a essas populações.

 

Ao que parece, o legislador tem o seu olhar voltado exclusivamente para as soluções de curto prazo, pouco se importando com os interesses futuros da sociedade e da própria cidade.

 

(Publicado em O Globo de 11/02/2017)

MAIS SOBRE: ARTIGOS CIDADES

2 respostas

  1. Um fato espantoso, de como as decisões em nosso país são tomadas sem nenhum embasamento técnico e ou cientifico, apenas atendem a certos interesses políticos e econômicos.
    Essas edificações já são construídas sem nenhum estudo, projeto ou cálculo, apensas com o conhecimento empírico, quando existe, dos profissionais que as constroem, no entanto, na pratica essa cessão de direito de laje ja existe, o que é temeroso, pois acrescentam-se mais pavimentos em edificações que se analisadas estruturalmente mal suportaria um único pavimento.

  2. É um problema muito mais amplo que somente falta de habitação.

    Falta sobretudo espaço. Mas ainda que fosse possível socar mais gente nas grandes metrópoles, restariam as outras demandas: transporte, escolas, postos de saúde, empregos, cadeias…

    O Brasil porém, é muito grande. Nada justifica a permanência
    das favelas nas grandes metrópoles enquanto sobra espaço no interior do país.

    O problema da favelização não será resolvido com ações politico-eleitoreiras. Muito pelo contrário, esses imensos bolsões de pobreza são vistos pela classe política como um inesgotável manancial de votos. Melhor deixar os barracos onde estão.

    Enquanto isso, o meio ambiente agoniza e a água já escasseia. Imagine um Armagedom hídrico das grandes cidades como Rio e São Paulo. Melhor nem imaginar.

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CIDADES

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país

CIDADES

Iniciadas Convocações para a 6ª Conferência Nacional das Cidades

CIDADES

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul seleciona profissional de Arquitetura

CIDADES

CAU Brasil elogia regulamentação da Lei Padre Júlio Lancellotti mas lamenta que mídia siga relacionando-a com “arquitetura hostil”

Pular para o conteúdo