CATEGORIA

Artigo: “Um dia quase feliz”

Aproveitando o dia ensolarado de domingo convidei um casal de amigos – arquitetos franceses – para conhecer um pouco da Cidade Maravilhosa. Do Leme, onde estavam hospedados, seguimos de carro pela orla de Copacabana admirando o belíssimo conjunto paisagístico da Avenida Atlântica e o ambiente festivo nas suas calçadas.

 

Após percorrer as praias de Ipanema e Leblon pegamos a Avenida Niemeyer em direção a São Conrado. Durante o percurso não escapei das perguntas sobre o desabamento da ciclovia e dos motivos que levaram a construí-la obstruindo a visão do mar para quem circula de automóvel pela avenida. Sem pestanejar, respondi que não há explicação plausível para justificar os equívocos do projeto e a displicência na execução e fiscalização da obra.

 

De lá seguimos para a Barra da Tijuca para eles conhecerem de perto o “novo eldorado urbano” do Rio. Infelizmente, não foi possível olhar atentamente as construções ao redor da Avenida das Américas em razão do trânsito tresloucado que ali acontece diariamente. De toda forma deu pra notar a perplexidade no casal ao compararem a escala monumental daquelas edificações com o restante da cidade.

 

Depois de passar em frente ao Parque Olímpico nos dirigimos para a Linha Amarela rumo à antiga Zona Portuária. Estacionei o carro nas proximidades do Sítio Arqueológico do Cais do Valongo e de lá iniciamos uma longa caminhada. Ao passar pelo Bulevar Olímpico verificamos que se trata de um lugar exclusivamente de passagem e sem atrativos para estimular a permanência de pessoas. Perdeu-se, desse modo, uma excelente oportunidade para integrar permanentemente essa área recuperada aos armazéns e ao cais da orla.

 

Quando chegamos à Praça Mauá, além do impacto pela perspectiva do mar, eles foram surpreendidos com a presença do exuberante Museu do Amanhã e o belíssimo Museu de Arte do Rio. Prosseguimos o nosso passeio pela Orla Conde admirando o Mosteiro de São Bento, a Candelária, a Praça XV e o Largo da Misericórdia até chegarmos ao Museu Histórico Nacional. A valorização desses espaços representativos de diversas épocas da história fez desse percurso um importante legado para a cidade.

 

Publicado em 27/09/2016

MAIS SOBRE: CATEGORIA

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Fórum de Presidentes do CAU/BR cumpre extensa pauta em Belo Horizonte (MG)

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo