ATHIS

ATHIS: Iniciativas do CAU/RS são referência para Fiocruz

Programas Casa Saudável e Nenhuma Casa sem Banheiro passam a integrar o banco de experiências na Plataforma IdeiaSUS, da Fiocruz.

Iniciativas do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/RS), os programas ATHIS Casa Saudável e Nenhuma Casa sem Banheiro consolidam-se como referência nacional: ambas passam a integrar o banco de experiências exitosas do SUS da Plataforma IdeiaSUS Fiocruz.

A notícia foi recentemente divulgada pelo portal Agência Fiocruz de Notícias. A matéria traz, entre outras informações, dados do Instituto Trata Brasil, que em 2022 apontou que 5,5 milhões de pessoas vivem sem banheiro em casa no país. “O arquiteto e urbanista cura a casa que deixa a família doente. O CAU/RS insere a assistência técnica como uma oportunidade de adequação das instalações destes dispositivos sanitários às condições particulares de cada moradia e comunidade, otimizando recursos”, destacou o presidente do Conselho, Tiago Holzmann da Silva.

 

 

Leia matéria completa abaixo:

 

O acesso ao saneamento básico não é ainda uma realidade para todos no Brasil. Embora necessário e urgente, ainda há uma diferença regional muito grande em relação ao acesso a esses serviços no país, refletindo diretamente na saúde, uma vez que implica maior incidência de doenças, como diarreia, febre tifoide, cólera, infecções intestinais bacterianas, entre outras, e altos índices de poluição em rios de todo o país. Levantamento sobre a questão realizado pelo Instituto Trata Brasil, em 2019, revela que o país ainda tem quase 35 milhões de pessoas sem acesso à água tratada e 100 milhões sem coleta de esgotos, representando 47,6% da população. Segundo a pesquisa, que contemplou as cem maiores cidades, nas quais habitam 40% da população, somente 46% dos esgotos produzidos no país são tratados.

 

O Instituto Trata Brasil, em 2022, realizou outra pesquisa sobre um contexto semelhante, apontando para outro grave problema: 5,5 milhões de pessoas vivem sem banheiro em casa. Além de indicar que o país está distante de garantir moradia digna – direito assegurado pelo artigo 6º da Constituição Federal de 1988 –, a ausência de banheiro em casa reforça a presença dos mesmos problemas de saúde pública já citados e, consequentemente, gera gastos para o Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Habitação saudável, direito legítimo

É possível enfrentar essa situação em curto espaço de tempo? Como? Experiências exitosas, como uma notável iniciativa do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul (CAU/RS) intitulada Nenhuma Casa Sem Banheiro, mostra que sim. Exemplo de parceria entre poder público e sociedade, o projeto – iniciado ainda no começo da Pandemia de Covid 19 – realiza melhorias sanitárias em moradias, em atenção à Lei 11.888 de 2008, de Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social (Athis). Isso implica atendimentos realizados por arquitetos e urbanistas para a resolução das necessidades básicas de saneamento básico, ou seja, relacionadas ao uso da água, à higiene e ao destino adequado do esgoto nas casas. “O CAU/RS insere a assistência técnica como uma oportunidade de adequação das instalações destes dispositivos sanitários às condições particulares de cada moradia e comunidade, otimizando recursos”, escreve Tiago Holzmann da Silva, um dos idealizadores do projeto e presidente do CAU/RS.

 

Baseado no programa realizado pela Fundação Nacional da Saúde (Funasa), Nenhuma Casa Sem Banheiro passa a integrar o banco de experiências exitosas do SUS da Plataforma IdeiaSUS Fiocruz. Conheça com detalhes a experiência.

 

Do CAU/RS surge também outra importante iniciativa. O programa ATHIS Casa Saudável, iniciativa que também passa a fazer parte da Plataforma IdeiaSUS Fiocruz, tem como foco a inserção do profissional arquiteto e urbanista em núcleo especializado para tratar da moradia da família, complementando o trabalho das equipes de Saúde da Família. A proposta é promover a saúde da população através da melhoria da moradia e do entorno. “O arquiteto e urbanista cura a casa que deixa a família doente”, realça Holzmann da Silva.

 

O programa abrange o conceito ampliado de saúde, entendendo que saúde resulta das condições de alimentação, habitação, educação, renda, trabalho, emprego, meio ambiente, saneamento básico, transporte, lazer, atividade física e acesso aos bens e serviços essenciais. ATHIS Casa Saudável baseia-se na ideia de que a promoção da saúde está associada aos conceitos de habitabilidade das casas e a ambiência urbana, relacionada ao direito à cidade, à cidadania e à redução da desigualdade. “Entende-se que, assim como a Estratégia Saúde da Família (ESF), a Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social também está associada aos princípios ético-técnico-políticos que alicerçam os Sistemas Únicos de Saúde (SUS) e de Assistência Social (Suas)”, escreve o presidente da CAU/RS.

 

(Agência FioCruz de Notícias)

MAIS SOBRE: ATHIS

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ATHIS

UFSC oferta curso gratuito em Assistência Técnica de Habitação de Interesse Social

ATHIS

15 anos da Lei de Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (ATHIS)

ATHIS

CAU Brasil colabora com projeto de melhorias habitacionais do Ministério das Cidades

ATHIS

IPEA divulga chamada pública com bolsas de pesquisa em ATHIS de Patrimônio

Pular para o conteúdo