PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Boas práticas para a preservação do patrimônio no palco do 9º FIPA Brasil – Portugal, em São Luís

 

O segundo dia do 9º Festival Internacional de Patrimônio Arquitetônico Brasil-Portugal (FIPA), que acontece em São Luís/MA, oportunizou nesta quinta, dia 15 de junho, uma roda de conversas sobre experiências práticas de preservação do patrimônio em diferentes regiões do país. A mesa “Boas Práticas: Projetos de reabilitação/conservação e salvaguarda para uma cidade sustentável e segura” também abriu espaço para uma revisão teórica dos documentos legais e reflexões sobre abordagens  contemporâneas a respeito da questão patrimonial.

 

O presidente do ICOMOS/Brasil  e professor da UFMG,  Flavio Carsalade, apresentou boas práticas em gestão do patrimônio em Minas Gerais e Belo Horizonte. Também falou sobre o Fórum de Entidades do Patrimônio Cultural, uma coalizão de diversas organizações para atuação conjunta nas temáticas que dizem respeito ao tem no país. Um dos produtos da organização foi a produção de um Manual de Boas Práticas para orientar políticas desta área.

 

A arquiteta e urbanista Lilian Fabre apresentou os cadernos “Cidade: Patrimônio de Todos ”, produto do trabalho realizado pela Câmara Temática de Patrimônio, formada a partir do CAU/SC entre 2018 e 2020. Em seis fascículos, o material apresenta um inventário de exemplares de patrimônio material e imaterial catarinense, experiências de restauro e subsídios para a estruturação de intervenções positivas no patrimônio nos municípios. O material está disponível no site do CAU/SC. ACESSE AQUI.

 

Também de Santa Catarina, o arquiteto e urbanista Dalmo Vieira trouxe exemplos de pontos históricos pelo Brasil que sofrem apagamento da memória. Para Dalmo Vieira, o patrimônio histórico vem tendo sua legitimidade questionada e é preciso construir estratégias para enfrentar este contexto. “A ideia de patrimônio atravessa uma crise e uma das facetas desta crise é a perda de significância das áreas centrais das cidades”, afirmou, defendendo o estímulo à atividade nestas regiões das cidades.

 

​No Ceará, o CAU/SC promoveu ações práticas pela preservação de edifícios históricos. O presidente Lucas Rozzoline apresentou casos de intervenção do Conselho em edifícios históricos na capital Fortaleza, em conjunto com Ministério Público, como o casarão dos Gondim e o Edifício São Pedro. A ação do CAU acontece de diferentes formas, seja oferecendo suporte técnico para a reforma dos bens tombados ou até mesmo recorrendo à Justiça para garantir a proteção patrimonial. “Este trabalho do CAU em conjunto com o Ministério Público teve grande impacto. A sociedade se sente acolhida quando o conselho se posiciona de maneira mais enfática na proteção do patrimônio. Isso também contribui para que outras áreas valorizem a nossa profissão”, afirmou. 

 

O conselheiro estadual do CAU/PE Sergio Motta falou sobre a atuação da Comissão Temporária de Patrimônio Cultural do conselho pernambucano. Uma das ações foi o protocolo de boas práticas da salvaguarda estabelecido pelo Conselho para nortear condutas de entes públicos e privados nas ações de restauro e preservação. Outra experiência foi o concurso de ideias “Desafios do Patrimônio Cultural”, que premiou iniciativas de preservação nas categorias profissional e estudante. Como resultado deste processo, houve a formação de uma comissão focal sobre o tema dentro do CAU/PE.

 

O professor da Universidade Federal de Pernambuco Tomas de Albuquerque Lapa apresentou referenciais históricos que estruturam a legislação referente ao patrimônio. O arquiteto defendeu um esforço pela educação para o patrimônio. “Existe uma lacuna imensa de educação patrimonial. É perigoso se firmar na nossa significância cultural e esperar que a população possa valorá-la culturalmente”, disse o professor.

 

A Presidente CAU/MG, Maria Edwiges Sobreira Leal, fez um relato sobre as estratégias de preservação no estado que concentra 65% de todo o patrimônio tombado no país. Em 2019, o CAU/MG criou a Comissão de Patrimônio Cultural, também dedicada a ampliar a participação dos arquitetos e urbanistas nesta área. O CAU mineiro foi um dos pioneiros nesta iniciativa e contribuiu para reforçar o movimento nacional que resultou na aprovação, pelo plenário do CAU Brasil, da Câmara Temática de Patrimônio. “Encontramos espaço para trabalhar com as prefeituras e o Ministério Público. Atuamos na fiscalização, promovemos editais de patrocínio e termos de cooperação. Também emitimos manifestações públicas, realizamos capacitações, eventos e cartilhas orientativas”, listou a presidente. Outra ação efetiva promovida pelo CAU mineiro é a varredura em editais que envolvem contratação de serviços de arquitetura e urbanismo. 

 

O CAU/SP procura tratar o patrimônio como tema transversal dentro da sua estrutura, segundo a presidente Catherine Otondo. A presidente do maior CAU do país trouxe como case o processo de aquisição da nova sede, no centro de São Paulo. A edificação é um bem tombado e motivou concurso para definir seu projeto de ocupação. O espaço se abre para o público de diferentes formas, seja por meio de exposições, na interação com o calçadão e na exposição da fachada que evidencia a arquitetura contemporânea. O Conselho paulista também promove as tradicionais Jornadas do Patrimônio, momento em que atrai a população para seu edifício e conta com uma comissão temporária para estruturação do centro de memória e acervo, entre outras realizações.

 

A mesa reservou a palestra final para o Vice Presidente do ICOMOS Internacional, Leonardo Castriota, que procurou apontar perspectivas para o patrimônio e o papel do ICOMOS. Por meio de uma série de exemplos ao redor do mundo, Castriota afirmou que o patrimônio e a memória estão cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas. “A tradição reaparece, renovada, e se reafirma como força viva que não se apresenta apenas como identidade, mas também como uma mercadoria muito importante”, afirmou. 

 

Diante deste contexto de ampliação da definição de patrimônio, o ICOMOS realiza simpósios internacionais, emite manifestações públicas e e normas técnicas a partir de uma dimensão internacional do patrimônio. “O patrimônio não pode ficar centrado na ideia de nação. Precisamos formar rede pensamento global e contemporâneo sobre estas questões”, afirmou.

 

A mesa teve ainda a participação do deputado Joaquim Passarinho. Arquiteto e urbanista de formação, Passarinho é representante do estado do Pará e defendeu a participação regional na formulação das políticas ligadas à arquitetura e urbanismo e também ao patrimônio histórico. “Cada região tem especificidade e nada melhor do que ouvir a população para saber o que ela precisa. Essa é a arquitetura moderna e contemporânea que vai fazer a vida melhor pra todos”, afirmou. O deputado reiterou a disposição em formular políticas para a defesa do interesse das cidades e suas histórias. “Junto com o CAU, vamos melhorar nossa legislação e trabalhar para que se compreenda que contratar arquiteto não é despesa, é investimento”, disse.

 

O 9ª FIPA Brasil – Portugal aconteceu entre os dias 14 e 16 de junho na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual do Maranhão, no centro histórico da capital maranhense. O evento contou com o apoio do CAU Brasil, CAU/MA, União Internacional dos Arquitetos (UIA),  Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (FUMPH) e Prefeitura Municipal de São Luís/MA.

 

ASSISTA!

 

 

Leia também:

 

II Seminário Nacional de Patrimônio Histórico: Arquitetos e urbanistas homenageiam Dora Alcântara no seu aniversário de 92 anos

 

Instituições relatam ações para a preservação durante o II Seminário de Patrimônio

 

FIPA Brasil – Portugal: Desafios e conquistas na preservação do patrimônio histórico são debatidos em São Luís (MA)

 

No centro histórico de São Luís, CAU Brasil cria Câmara Temática de Patrimônio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

17 de agosto: Dia Nacional do Patrimônio Histórico serve como um alerta em prol de políticas de preservação cultural

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

CAU Brasil instala Câmara Temática de Patrimônio Histórico

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Carta de São Luís é aprovada no 9º FIPA com foco na valorização do patrimônio e do bem-estar urbano

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

9º FIPA aponta a responsabilidade dos arquitetos e urbanistas como construtores do patrimônio do futuro

Pular para o conteúdo