MINHA CASA MINHA VIDA

Com avanços, Câmara aprova projeto do Governo que retoma o programa Minha Casa Minha Vida

Sessão hibrida contou com 446 dos 513 deputados | Foto: Banco de imagens da Câmara Federal

 

O plenário da Câmara Federal aprovou nesta quarta-feira, 7 de junho, em sessão extraordinária, a Medida Provisória 1162/2023, que restabelece o programa habitacional Minha Casa Minha Vida no Brasil. O texto aprovado é resultado do trabalho da Comissão Mista, composta por deputados e senadores, para analisar 298 emendas à proposta enviada pelo Governo Lula. Ele contempla diversas contribuições oferecidas pelo CAU Brasil e entidades representativas da arquitetura e urbanismo, como a inserção da assistência técnica em habitação de interesse social (ATHIS), retrofit, aluguel social e intervenções urbanísticas mais adequadas.  “Vários avanços foram acrescentados pela relatoria da MP.  Mas alertamos que isso tudo precisa ser incorporado numa política habitacional efetiva”, afirmou a presidente Nadia Somekh.

 

O CAU Brasil e as organizações ligadas ao Colegiado de Entidades da Arquitetura e Urbanismo acompanharam todo o processo, buscando diálogo com os parlamentares das duas casas legislativas para colaborar com o aprimoramento da proposta. Também marcou presença, em maio, na audiência pública no Senado Federal  e reforçou a necessidade de garantir os direitos previstos na Lei da ATHIS (11.888/2008) durante o IX Seminário Legislativo de Arquitetura e Urbanismo.

 

Criado em 2009 durante a segunda gestão de Luís Inácio Lula da Silva, o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) foi extinto durante o governo Jair Bolsonaro. Para retomar a política habitacional, o atual governo Lula enviou proposta para análise do Congresso Nacional em fevereiro deste ano. Câmara e Senado formaram uma comissão mista para avaliar a inclusão de 298 emendas apresentadas pelos parlamentares. Composta paritariamente por onze deputados e onze senadores, a comissão foi presidida pelo senador Eduardo Braga (MDB/PA) e contou com relatoria do deputado Fernando Marangoni (União-SP)

 

Deputado Marangoni | Foto: Banco de imagens da Câmara Federal

 

A sessão plenária em formato hibrido, presencial e online, contou com a participação de 446 dos 513 deputados com mandato na casa legislativa. Em sua manifestação na tribuna antes da votação do texto, Marangoni agradeceu aos parlamentares que participaram da comissão mista e disse que houve espaço para a contribuição de todos os setores da sociedade civil interessados no debate. “Estamos falando de um programa que restabelece o desenvolvimento social através do bem mais sagrado da família, que é a moradia, e o desenvolvimento econômico, por ser um dos setores que mais emprega nesse País”, disse o relator.

 

Marangoni explicou os conceitos que orientaram a construção do texto final. Segundo ele, a relatoria procurou agregar garantias de desenvolvimento urbano, corrigindo erros da primeira fase do programa, como a alocação de condomínios habitacionais em locais sem infraestrutura e afastados dos centros urbanos. A proposta do Novo Minha Casa Minha Vida prevê a adoção de novas formas de produção habitacional para aumentar o cardápio de opções de moradia, como aluguel social. A proposta também prevê a  possibilidade de geração de renda a partir dos arranjos habitacionais oferecidos pelo programa e a prioridade de acesso para a população mais pobre, em especial, mulheres vítimas de violência e famílias atípicas.

 

A maioria das bancadas e parlamentares parlamentares se posicionou favoravelmente à medida, com algumas alterações apresentadas na forma de destaques. Entre elas, estão o uso de recursos do FNHIS, do FAR ou do FDS na dotação orçamentária para financiamento do programa, conforme previsto no texto original, e a permissão para uso de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para projetos relacionados à Regularização Fundiária Urbana (Reurb).

 

Votaram pela aprovação os blocos UNIÃO, PP, Federação PSDB CIDADANIA, PDT, PSB, AVANTE, SOLIDARIEDADE, PATRIOTA; MDB, PSD, REPUBLICANOS, PODE, PSC; Federação PT, PCdoB, PV; Federação PSOL-REDE e PL. Apenas o Partido NOVO votou contra a proposta.  Deputados de diversos partidos ocuparam a tribuna para manifestar apoio ao Programa e ao texto final.

 

Como ocorre com as medidas provisórias apresentadas pelo Governo, a matéria seguirá para votação no Senado em forma de Projeto de Conversão. Os senadores devem apreciar a proposta em plenário até o dia 14 de junho, período de vigência da MP.

 

DESTAQUES DA PROPOSTA APROVADA :

 

FAIXAS DE BENEFÍCIOS

O novo Minha Casa Minha Vida prevê três faixas de renda de beneficiários. Nas áreas urbanas, a faixa 1 destina-se a famílias com renda bruta familiar mensal de até R$ 2.640, categoria que deve ser beneficiada com 50% das unidades; a faixa 2 vai até R$ 4,4 mil; e a faixa 3 até R$ 8 mil. Em áreas rurais, os valores são equivalentes, mas contados anualmente devido à sazonalidade do rendimento nessas áreas. Assim, a faixa 1 abrangerá famílias com até R$ 31.680,00 anuais; a faixa 2 vai até R$ 52.800,00; e a faixa 3, até R$ 96 mil. A atualização dos valores poderá ser feita por ato do Ministério das Cidades, pasta que coordenará o programa.

 

OUTROS AVANÇOS

Em nota técnica, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) analisou a versão do relatório aprovada pela Comissão Mista. Veja um resumo:

 

LINHAS HABITACIONAIS

– Novas linhas de atendimento

– Inclusão de Retrofit

– Detalhamento de medidas que buscam viabilizar os lotes urbanizados, as melhorias habitacionais e o uso misto

 

DIRETRIZES

– Inclui oito novas diretrizes que tratam de adensamento urbano, integração com sistema de transporte, assistência técnica, autogestão, redução de desigualdades regionais, conectividade, pluralidade de agentes promotores e financeiros, trabalho técnico social e priorização dos municípios que promovam a função social da propriedade

 

 

INTERESSE SOCIAL

– Reconhecimento ampliado do interesse social e da concepção do conceito de moradia, com preocupação ambiental e climática

– Considerando as questões ambientais e climáticas, prevê proposição de composição de investimento no paisagismo, abre possibilidades para a instalação de produção de energia fotovoltaica, inclusive prevendo a comercialização de excedentes

– Prevê “subsídio verde”, aporte complementar para projetos com uso de tecnologias sustentáveis

 

 

INCLUSÃO 

– Reconhece setores pouco valorizados na composição programática e na execução das políticas habitacionais, como  entidades sem fins lucrativos, assessorias técnicas, cooperativas habitacionais e outras ligados a autogestão

 

 

FORTALECIMENTO DA ECONOMIA

– Viabilização de uso comercial e misto nos empreendimentos habitacionais, com previsão de fundos

– Estímulo a estudos de exploração comercial dos ativos ambientais gerados pelo Programa, ligando pautas ambientais com a viabilização de modelagens econômicas baseadas em uso misto. 

– Previsão inovadora do “subsídio qualificação” que permite aporte complementar para empreendimentos que incluam construção de áreas comerciais e equipamentos públicos

 

 

PRIORIDADE PARA POPULAÇÕES VULNERÁVEIS

– Prioriza atendimento para grupos específicos em situação de vulnerabilidade e risco, pessoas com câncer ou doença rara crônica e degenerativa, mulheres vítimas de violência doméstica e famílias residentes em áreas de risco

– Vincula leis específicas que tratam de cada grupo e as necessidades de adaptação das moradias

 

 

BENS IMÓVEIS PÚBLICOS

– Possibilidade de destinação de bens imóveis públicos para entidades sem fins lucrativos com composição dos recursos do Programa 

 

 

LEIA TAMBÉM

COMISSÃO APROVA RELATÓRIO DA MEDIDA PROVISÓRIA PREVENDO INCLUSÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA NO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

MINHA CASA MINHA VIDA

CAU/RJ critica “jabutis” e “penduricalhos” incorporados na MP do Minha Casa Minha Vida pelo relator

Pular para o conteúdo