CATEGORIA

Arquitetura e artes brasileiras perdem Carlos Bratke, o arquiteto da Berrini

Faleceu na tarde do dia 09/01/17,  em São Paulo,  o arquiteto e urbanista Carlos Bratke. Tinha 73 anos. Pela manhã ele trabalhou normalmente em seu escritório e no início da tarde saiu para almoçar em casa, onde faleceu repentinamente. 

 

Ele é autor de centenas de projetos, diversos dos quais premiados. São projetos dos mais variados programas: casas unifamiliares, prédios de apartamentos, igrejas, escolas, indústrias e, sobretudo, edifícios de escritórios. Dentre estes, destaca-se sua produção na região da avenida Luís Carlos Berrini, uma antiga região pantanosa do bairro do Brooklin, na zona sul de São Paulo, que ele –  junto com o irmão Roberto Bratke e Francisco Collet, também arquitetos, construtores – ajudou a consolidar, elaborando projetos de escritórios para a área, hoje uma das mais valorizadas da capital paulista. São mais de 60 projetos construídos, com área aproximada de 650 mil metros quadrados. 

 

Carlos Bratke faz parte da primeira geração de arquitetos paulistas  – os chamados “não alinhados” – que contestou os dogmas da arquitetura moderna. Seus projetos são marcados pelo experimentalismo tanto formal como técnico.Tinha experiência internacional com projetos nos Estados Unidos, Uruguai, Israel e México.  

 

O velório foi realizado no dia 10, no Funeral Home, na Bela Vista, e o enterro do corpo foi feito no Cemitério Redentor, no bairro do Sumaré.

 

COLAR DE OURO – Para Haroldo Pinheiro, presidente do CAU/BR, a perda é lamentável. “Muito entristece a impossibilidade abrupta de convivio com colegas como o Carlos Bratke — sempre atentos às questões mais importantes da profissão, sempre disponíveis quando chamados a contribuir para o desenvolvimento da Arquitetura e do Urbanismo com seus conhecimentos técnicos, sua cultura vasta, sua inteligência sem pretensão”.

 

“Além da vasta e qualificada obra profissional, Bratke ofereceu muito de seu tempo ao trabalho voluntário pela profissão, tendo sido diretor e presidente do IAB/SP; membro do Conselho Superior do IAB por diversos mandatos; diretor do Museu da Casa Brasileira; conselheiro e presidente da Fundação Bienal de São Paulo (ao tempo em que as Bienais Internacionais de Arquitetura eram realizadas no Pavilhão das Bienais de SP).

 

“Em 2003 foi um dos 35 primeiros arquitetos a assinar o manifesto em favor da criação do CAU, ao lado de Oscar Niemeyer, Nestor Goulart, Lelé, Paulo Mendes da Rocha, Severiano Porto, Joaquim Guedes e tantos outros importantes líderes da nossa profissão. Em 2012, participou de uma das primeiras reuniões plenárias do CAU/BR, debatendo conosco sobre o futuro da Arquitetura e deixando gravada sua contribuição para a organização do CAU. Em vida, recebeu prêmios e distinções diversas, merecidamente. Pelo conjunto de sua obra e importante contribuição à profissão, em 1999 recebeu o ‘Grande Colar de Ouro’ – comenda maior do Instituto de Arquitetos do Brasil”. 

 

Gilberto Belleza, presidente do CAU/SP, declarou que ‘perdi um amigo, a Arquitetura brasileira um de seus grandes nomes e os arquitetos e a profissão um dos seus grandes defensores”. 

 

O Departamento São Paulo e a Direção Nacional do Instituto de Arquitetos do Brasil editaram notas lamentando a morte de Carlos Bratke, bem como a AsBEA (Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura) e a FNA (Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas).

 

 

FAMÍLIA DE ARQUITETOS – Carlos Bratke possuia a Arquitetura e Urbanismo no sangue. Nasceu em São Paulo, em 20 de outubro de 1942, filho de um dos principais expoentes da profissão, Oswaldo Arthur Bratke. Carlos resolveu seguir a mesma carreira do pai traçando seu próprio caminho. Formou-se em 1967 pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie (FAAUM) e fez pós-graduação em Planejamento e Evolução Urbana pela Universidade de São Paulo (USP).

 

Ele fez parte do grupo que nos anos 1970 o jornalista Vicente Wissenbach, na época editor da revista Projeto, denominou dos “não alinhados”.  Em entrevista que deu a respeito, 30 anos depois, Bratke declarou que “do ponto de vista da satisfação pessoal, foi maravilhoso trabalhar sem pensar no que fulano de tal estava pensando a respeito de nossa produção. Deixa ele pensar o que quiser, eu estou pouco me lixando, estou fazendo com seriedade, não estou me prostituindo. Meu pai sempre me disse: “Carlos, inventa, inventa. O bacana da arquitetura é inventar”. E isso ficou muito dentro da minha cabeça”.

 

Foi docente na Universidade Mackenzie e da Faculdade de Arquitetura em Belas Artes. Ocupou a vice-presidência do Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB de 1988 a 1991 e presidiu o Instituto nos dois anos seguintes. Dirigiu o Museu da Casa Brasileira. Por fim, tornou-se conselheiro e presidente da Fundação Bienal de São Paulo.

 

Em 8 novembro de 2012, Carlos Bratke foi o palestrante convidado da série “CAU Conversa com”. O evento foi realizado durante a 12ª Reunião Plenária do CAU/BR em Brasília.Um dos assuntos principais foi a avaliação do ensino e formação dos arquitetos e urbanistas de hoje. Na opinião dele, seria interessante o Conselho refletir sobre a necessidade de um exame de ordem, assim como ocorre para os profissionais do Direito. Segundo ele afirmou, é preciso que todos os profissionais possuam um nível básico exigido pelo próprio exercício da profissão.

 

Assista trechos de depoimento de Carlos Bratke, gravado em novembro de 2012, para a série “Conversa Com” do CAU/BR:

 

A poesia da Arquitetura

 

Ensino e Formação Profissional

 

Exercício Profissional

 

Leia também entrevista com Carlos Bratke (Midia News): 

 

 “Brasileiro é muito caipira para aceitar as inovações que propomos”

 

REPERCUSSÕES – Em boletim especial, a AsBEA publicou as seguintes declarações de arquitetos que conviveram com Carlos Bratke:

 

“De temperamento tão explosivo quanto seu grande talento, o Carlos nunca recusou os desafios da sua profissão,os enfrentando armado de sua ágil lapiseira. Grande perda para o universo arquitetônico brasileiro. Bom descanso Carlos.” (Gianfranco Vannucchi)

 

“Na segunda-feira de 2017, no dia 09 de Janeiro, o Arquiteto Carlos Bratke nos deixou!!! Referência de excelência cultural no panorama da Arquitetura e Urbanismo no Brasil e no exterior, formado pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie em 1967, Carlos foi professor nessa Faculdade, Presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil em São Paulo, Diretor do Museu da Casa Brasileira, e Presidente da Fundação Bienal de São Paulo. Fica a memória de sua presença afetiva e profissional, as dezenas de prêmios recebidos por sua obra no Brasil e no exterior, e o significativo acervo de projetos e obras realizados pelo arquiteto e por sua equipe. DURA PERDA, Sentiremos sua falta Carlos.”  (Roberto Loeb)

 

 “O privilégio de ter acompanhado de perto, com muito trabalho e grandes risadas durante os anos 80 e 90, a produção de Carlos Bratke quando ele imprimiu sua marca na cidade de São Paulo e disseminou seu modo de pensar desalinhado dos dogmas da Arquitetura Paulistana faz parte das minhas boas memórias e da história da Arquitetura Brasileira.” (Denise Barretto, sócia nos anos de 1986 a 1997 do Escritório Carlos Bratke)

 

“Perdemos um professor que ousou ensinar a uma geração de arquitetos, nas pranchetas do Mackenzie, o ofício de uma profissão despreocupada de alinhamentos e preceito, mas comprometida com o saber fazer da obra arquitetônica, atento ao desenho e focado no cliente, no usuário, e principalmente na sua relação com a cidade.” (Paulo Lisboa) 

 

Leia também:

 

Pedro Cury: Não poderia deixar de fazer esta pequena homenagem ao Carlos

 

Mario Biselli: Carlos Bratke, invenção e criatividade

 

PRINCIPAIS PROJETOS:

  • Avenida Eng. Luís Carlos Berrini situada na Zona Sul de São Paulo com 60 projetos construídos, com área aproximada de 650.000 m²
  • Igreja São Pedro e São Paulo – Cidade Jardim – SP.- 1968
  • Escola Renovadora Aquarius 1º grau – Cotia – SP com área de 2.500,00m² – 1973.
  • Escolas – Fundação para Desenvolvimento de Educação – FDE – Ferraz de Vasconcelos – SP, Lauzane Paulista – SP e Ribeirão Pires – SP.
  • Casa do Arquiteto – Morumbi – SP-1994.
  • Indústria Tecnoverest – São Bernardo do Campo – SP área aproximada de 3.000 m² – 1979.
  • Banespa – Agência da Praça da República – São Paulo – com área aproximada de 26.400 m² – 1992.
  • Edifício Plaza Centenário – Av. Nações Unidas – São Paulo – com área aproximada de 90.000 m² – 1995
  • Hotel Caesar Towers Berrini – Brooklin Novo – São Paulo – com área aproximada de 21.300 m² – 1998.
  • Parque do Povo – Itaim Bibi – São Paulo – com área de construção aproximada de 514.309 m² – 1990/1995.
  • Poupatempo – São Bernardo do Campo – SP com área de 10.696,26m².
  • Centro Empresarial e Cultural João Domingues de Araújo – Pç. General Gentil Falcão – Brooklin – SP – com área de 26.573,00m² – 2002 / 2005.
  • Projetos nas áreas residencial/unifamiliar, comercial, edifício de apartamento, indústria, planejamento urbano e outros. Nos seguintes Estados: Rio de Janeiro, Mato Grosso, Pará, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Amazonas, Ceará e Brasília.
  • Centro de Capacitação e Pesquisa em Meio Ambiente – Cubatão – SP – com área do terreno 20.000m² – área construída 4.000 m² – 2004.
  • Fundação Maria Luisa e Oscar Americano – Morumbi – São Paulo – com área de 14.571,11 m² – 2003.
  • Centro administrativo da RPBC – Refinaria de Presidente Bernardes – Cubatão – SP – com área de 30.000,00 m² – 2005.
  • Condomínio Residência (Green Fields) – Rodobens – São José do Rio Preto – com área de 42.354,04 m² – 2006.
  • Edifício Comercial – Multi Construtora – Brasília – DF – área de 77.437,02 m² – 2007.
  • Centro Empresarial para Rodobens – São José do Rio Preto – área de 18.500,00 m² – 2008.

 

           Croquis da Berrini feito por Bratke

 

     Bolsa de Imóveis  (Berrini)

 

             Croquis da fachada

 

Um de seus projetos, o edifício Oswaldo Bratke, integra a coleção de arquitetura do Centro Georges Pompidou, em Paris.

 

Em 2009, em entrevista para a revista Arquitetura e Urbanismo (aU), perguntado sobre qual era sua obra mais importante, ele respondeu: “Acho mais importante é a que estou fazendo no momento, é aquela que me faz quebrar a cabeça; ou a que ainda pretendendo fazer. É por ela que fico apaixonado… Já as antigas têm uma importância mais didática. Eu olho, e digo: “puxa vida, podia ter feito melhor aquela entrada”, “aquela cor não ficou boa”, ou “como ficou legal aquela estrutura”. Mas tenho algumas obras que utilizo como reflexão, e uma delas é o Robocop (edifício Plaza Centenário), na Marginal Pinheiros. Gosto dele porque é uma referência que marcou a região. Hoje eu mudaria muita coisa, inclusive esteticamente, mas acho que, sem fazer muita ginástica, consegui resolver muito bem o problema de insolação e iluminação. Gosto muito do Morumbi Plaza, perto da ponte do Morumbi; e também da casa onde eu morava, no Morumbi, já demolida, toda de pré-moldado de concreto. Mas eu não fico pensando qual a obra mais bonita que já fiz. Ainda quero fazer a mais bonita!”. 

 

                                 Carlos Bratke apresenta sua casa, projetada em 1992, ao jornalista Paulo Markun (vídeo da série HabitarHabitat do SescTV)

 

Por sua vez, o jornalista Vicente Wissenbach lembrou que Carlos Bratke morreu sem ver concretizado dois grandes sonhos, ambos importantes projetos de projetos de uso publico: o do Centro Cultural Oscar Americano e o Teatro de Opera de Campinas. Ambos apresentados na Bienal de Buenos Aires e no III Destaques das Bienais de Arquitetura, de Florianópolis.  O centro cultural ocupará a área de lazer da casa de Oscar Americano, no Morumbi, projetado por seu pai, o arquiteto Oswaldo Bratke. O outro é o Teatro de Opera de Campinas que será um importante espaço de uso publico e o único teatro de opera da região. Contribuições exemplares que mostram o amplo universo de sua presença em nossa Arquitetura”.

 

     Projeto do Centro Cultural da Fundação Oscar Americano 
                             Teatro De La Ópera de Campinas

 

PREMIAÇÕES

Prêmio Assembléia Legislativa de São Paulo – 43º Salão Paulista de Belas Artes – 1979.
Prêmio Assembléia Legislativa de São Paulo – 45º Salão Paulista de Belas Artes – 1981.
Prêmio Medalha de Ouro – 46º Salão Paulista de Belas Artes – 1983.
Prêmio Rino Levi na Premiação Anual do IAB /SP – 1985.
Prêmio Cubo de Plata na 2a Bienal Internacional de Arquitetura de Buenos Aires – 1987.
Expôs individualmente sua obra em 1989 em Washington.
Prêmio Belgo-Mineira Arquitetura – 1994.
Prêmio ABCEM para estruturas metálicas – 1994.
Prêmio Categoria Residencial Unifamiliar – Premiação Anual IAB/SP 1994.
Prêmio Conjunto de Obras – Premiação XV Congresso Brasileiro de Arquitetos – Curitiba – 1997.
Grande Prêmio III Bienal Internacional de São Paulo – 1997.
Prêmio “Vitrúvio 99” de Arquitectura Latinoamericana do Museo Nacional de Buenos Aires, 1999.
Prêmio AsBEA 2006 – Edifícios Institucionais.
Prêmio Conjuntos de Edifícios – Corporativos XI Bienal Internacional de Arquitetura de Buenos Aires – 2007

 

 

Este texto, publicado às 18h20 de 09/01/2017, foi atualizados seguidas vezes, a última às 14h43 de 12/01/2017

MAIS SOBRE: CATEGORIA

10 respostas

  1. Renomado Colega que deixa um legado de dedicação e amor a profissão de arquiteto! Tive um breve contato com ele quando, em !992, na gestao do IAB Nucleo Ribeirao, nós o convidamos para falar sobre a Pós Moderninade. Ele com aquela elegância e simpatia nos atendeu e veio a Ribeirão com entusiasmo!!! O Tema era provocativo PÓS-MODERNIDADE, AINDA?

    QUE DESCANSE EM PAZ, NOBRE ARQUITETO!

  2. Meu nobre colega, estive com ele em 2014 em um breve contato profissional.
    Descanse na paz do nosso Deus. grande arquiteto!

  3. Grande perda para a Arquitetura Brasileira. Carlos Bratke representou o que o Arquiteto tem de mais autentico e forte que foi a arte de construir e inovar. Tive o privilegio de trabalhar com ele no projeto do Poupatempo de S.Bernardo do Campo. Foi um grande aprendizado e satisfação. Muito triste a sua ida precocemente.

  4. De grandes perdas,como a do colega Arquiteto e Urbanista Carlos Bratke, entre outras atividades, de quem só tive o privilegio de acompanhar seu pensamento,suas escritas,seus marcantes desenhos,projetos,com um traço exclusivo,e sua profícua produção, variada e incessante, especulativa na criatividade,através das “Revistas PROJETO” do vitorioso e inovador Vicente Wissenbach, pois era a única fonte de literatura e conhecimento,que chegava a Porto Alegre ao SUL, do Brasil.Lembro e tenho ainda em meus arquivos, os primeiros exemplares feitos em “papel kraft”, com ilustrações do Paulo Caruso.
    Acompanhava todas as publicações que chegavam do eixo RIO-S.Paulo, desde antes de meu ingresso na Universidade do Vale do Rio dos Sinos(UNISINOS) na cidade de São Leopoldo,na Região Metropolitana de POA, onde me graduei em Arquitetura e Urbanismo.
    Ali estavam os melhores,aqueles que com seu traço, inovavam o espaço urbano e a arquitetura em suas várias modalidades, e lá estava o prezado Carlos Bratke,com sua forte marca criativa.
    Para mim escrever estas linhas,me traz alegria, porque me permite resgatar um tempo não muito distante, pois já com 32 anos de graduação, posso afirmar, que o pai Osvaldo Arthur Bratke, com um desenho forte,o filho arquiteto Carlos Bratke,faziam parte de, “uma geração de orelhas grandes”, onde incluo por obviedade o mestre Oscar Niemeyer,com o qual tive a alegria de conviver na década de 1980, quando me convidou a visitá-lo em seu atelier em Copacabana, Lúcio Costa,João Filgueiras Lima(Lelé), que tive o prazer de conhecer e ser presenteado com um de seus livros, e outros,bem como as gerações inteligentes seguintes.
    A cidade de São Paulo e o Brasil,e os arquitetos e urbanistas,tem em Carlos bratke,o exemplo do profissional realizado plenamente na profissão,onde o “traço”, jamais foi abandonado,era sua assinatura.
    Meus sentimentos aos colegas que atuam ao seu lado, aos familiares e amigos,que sua imagem se projete em nossos estudos e projetos.

  5. Fiquei triste.

    Gostei tanto do programa do Arte 1 (Arquitetos Brasileiros) que mostrou um pouco da sua carreira e me identifiquei tanto com você.
    Que Deus te abençoe e que você possa construir uma nova Av. Eng. Luís Carlos Berrini ai no céu. Ah se ai te chamarem de não-alinhado é só um apelido carinhos.

    Forte abraço.

  6. Grande Perda. Tive oportunidade de conhecê-lo e com ele arquiteturar na mesa do bar do Rio Poty Hotel aqui em Teresina, projeto de minha autoria, durante uma FECON dessa da vida, não lembro o ano, onde veio palestrar.
    Palestra boa mesmo foi a do bar!
    Alguns meses depois recebi ligação do pessoal da Revista Projeto querendo material do projeto do Rio Poty Hotel Praia para publicá-lo na referida revista.
    Surpreso, quis saber como chegaram até mim e aos meus projetos e maior ainda minha surpresa quando falaram que tinha sido o Carlos Bratke. Liguei para agradecer, e êle: gostei de você, gostei da sua arquitetura, gostei do nosso papo…aparece aqui, vamos continuar, aqui também tem onde a gente sentar e papear despreocupado!
    Não fui, não voltei a encontrá-lo.
    Pena, teria aprendido tanto!
    Enfim, breve estaremos juntos papeando e arquiteturando num espaço bem mais amplo e com todo o tempo do mundo para INVENTAR!

  7. Carlos foi um dos meus mestres, sem ter conhecimento disso. Espero um dia ser um dos seus estagiários “lá em cima”. Boa viagem, e bom trabalho!

  8. Tive o prazer de trabalhar com o irmão dele Dr. Roberto Bratke durante 32 anos e conviver todo esse tempo com Dr. Carlos Bratke, fiz parte e acompanhei todos os edifícios da Berrini que conheço com a palma de minhas mãos todas as plantas dos andares que ele projetou uma pessoa doce e admiravel inteligente que Deus o receba de braços abertos DESCANSE EM PAZ ARQUITETO

  9. Roberto Cristaldi da Costa
    Carlos Bratke foi meu orientador em minha TG na Faculdade
    Belas Artes – 1980 (um acontecimento e tanto – não quis me dar nota e me disse: recolha seu trabalho e traga no último dia, melhorado – sei que você sabe – não queira me enganar.
    Levei e fui aprovado. Quando entreguei, ele disse ao seu auxiliar: Não falei que ele sabia? História muito interessante.
    GRANDE MESTRE.
    Me ensinou muito.
    É uma pena não tê-lo mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

CATEGORIA

Seminário de Urbanismo debate Planos Diretores para novos tempos

CATEGORIA

Políticas urbanas e ambientais nas cidades brasileiras em pauta na Trienal

CATEGORIA

Seminário da AsBEA debate recuperação de imóveis subutilizados

Pular para o conteúdo