ARQUITETOS EM DESTAQUE

Cartunistas Paulo e Chico Caruso participam da campanha do Dia do Arquiteto

 

Paulo e Chico
David Libeskind (Conjunto Nacional)

 

“Como desenhávamos bem, diziam que seríamos engenheiros (não se falava em arquitetura na classe média nos anos cinquenta) todo mundo repetia essa frase: esses meninos desenham bem, eles tem que fazer engenharia”, conta Chico. “Eu tentei ser engenheiro, mas no primeiro dia de aula do curso Anglo Latino não aguentei a sala com 250 japoneses querendo matéria !!! Meu irmão, por influência da namorada, estava no cursinho pré vestibular para arquitetura, e eu mudei de engenharia para arquitetura”. Só que na véspera do primeiro exame ele foi preso na casa de um amigo que polícia da ditadura estava investigando. Ficou uma semana incomunicável.  “Vilanova Artigas intercedeu junto à reitoria da USP para que Chico pudesse prestar vestibular no meio do ano”, conta Paulo. “Entrei com a nota mínima de desenho”, completa Chico. Na FAU/USP, eles desenvolveram também a carreira de músicos, compondo e cantando canções com humor em que falam de política, coisas do cotidiano e naturalmente arquitetura. 

 

Oscar Niemeyer (Copan)

 

Eles começaram a publicar seus desenhos no final da década de 60 quando ainda estavam no colegial. Chico estreou na Folha da Tarde e passou pelos periódicos Opinião e Movimento, pelos jornais Gazeta Mercantil e Jornal do Brasil, pela revista IstoÉ e, desde 1984, é chargista de O Globo. Fez também trabalhos para a Rede Globo.  

 

Franz Heep (Edifício Itália)

 

Paulo iniciou-se profissionalmente no Diário Popular, tendo em seguida colaborado com os jornais Folha de S.Paulo, Folha da Tarde, Movimento e O Pasquim.  Trabalhou ainda nas revistas Veja, Careta, Senhor e  IstoÉ,  onde assinava a charge da semana com o título Avenida Brasil, que tratava principalmente de aspectos da política brasileira. A revista Projeto dedicou, por muitos anos, sua última página para a seção “Vão Livre” com cartuns de sua autoria (veja alguns nessa página). Atualmente publica suas charges na revista Imprensa, na sua seção em página dupla Bar Imprensa,  e desenha no programa Roda Viva, na TV Cultura (SP). Tem também um trabalho importante com histórias em quadrinho, “As Origens do Capitão Bandeira”, em parceria com o arquiteto colega de turma, Rafic Farah. Em 2015, Paulo ilustrou o Manual do Arquiteto e Urbanista publicado pelo CAU/BR.

Vilanova Artigas (Morumbi)

 

Em 1985, durante o Salão Internacional de Humor de Piracicaba, os irmãos Caruso formaram com outros cartunistas a “Muda Brasil Tancredo Jazz Band”. Luís Fernando Veríssimo, Cláudio Paiva e Mariano juntaram-se mais tarde, por um período, ao conjunto. Mais recentemente eles lançaram o CD “30 Anos de Democracia: Que País é Este?”. Outros dois CDs “Pra Seu Governo” e “E La Nave Va…doppo Fellini”.

 

Ramos de Azevedo (Teatro Municipal e Mercado Central de SP)

 

 

6 respostas

  1. A data de formatura deles está errada. Eles não se formaram em 1997. E sim em 1976. Assim consta nas redes. Favor corrigir.

  2. Companha super importante, mostrará ao cidadão com esses desenhos a evolução e importância de um arquiteto em sua obra tanto em grande porte ou pequeno.

  3. EU ACHO QUE A CAMPANHA PODE USAR ATORES OU ARTISTAS MAIS POPULARES, EXEMPLO O FALCÃO HUMORISTA DO CEARÁ DEVERIA FALAR DA IMPORTÂNCIA DO ARQUITETO INFORMANDO QUE ARQUITETO NÂO FAZ PROJETO SOMENTE PARA A ELITE, SEM CONTAR QUE ELE É UM ARQUITETO.

    FICA A DICA.

  4. pessoas gostam de ver pessoas, uma campanha com atores mostrando as áreas de atuação e os acidentes que podem ocorrrer na não contratação do profissional seria de mais valia.

  5. Gosto destes desenhos, mas a campanha de valorização profissional com caricaturas não nos serve.

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo