ARQUITETOS EM DESTAQUE

Artigo: Casas e cidade ganham novos significados durante a pandemia

 

Hoje, nos orgulhamos em dizer que o único remédio efetivo para esta pandemia foi criado pelos arquitetos: a casa! Dentro dela, estamos seguros do vírus, do clima, dos malfeitores, do barulho, da poeira, do caos. Isolados, nos sentimos, então, mais protegidos, com nossas famílias, nossos hábitos, nossos passatempos. Mas por que, então, não estamos tão tranquilos? Por que, então, ainda paira o medo, a ansiedade e o estresse?

 

A nossa casa é o nosso núcleo primário de sociedade. A convivência em família, que gera os laços afetivos e os ensinamentos mais básicos de sobrevivência.

 

Mas a casa não foi o edifício projetado e pensado pelos arquitetos para longas horas de trabalho, sequência de vídeos e exercícios de aprendizado das crianças, atividades físicas que o corpo necessita e muito menos para o lazer em grandes espaços ao ar livre.

 

Na situação tão inusitada que estamos vivendo, um espaço pensado para as atividades básicas do morar agora se encontra solicitado a responder também a todas as outras necessidades vitais do ser humano, condição para a qual não foi pensado e nem preparado.

 

E será que realmente todas as casas são seguras? A classe alta não vê o problema que acabo de apresentar, pois as residências possuem grandes áreas verdes, espaços de lazer e trabalho. A classe média consegue, com adaptações, suprir algumas necessidades e realizar as atividades em espaços pifiamente reconfigurados sem auxílio profissional.

 

A grande classe baixa do País, porém, não tem as mínimas condições de manter nem mesmo uma higiene mais acurada.

 

Independente da estrutura de sua casa, cada indivíduo não consegue se satisfazer somente nela. Enquanto seres, que vivem em sociedade, nosso espaço maior de convivência é a cidade. É nela onde tudo acontece, onde nos sentimos realizados.

 

A felicidade, que combate o estresse e a depressão, se dá com o desenvolvimento das situações cotidianas que tem a cidade como cenário. Esse organismo vivo, em constante e acelerado crescimento, com vários problemas e dificuldades, mas também com muitas oportunidades, nos envolve a cada dia e nos proporciona uma miríade de opções de caminhos, ações e reflexos que tornam o “viver” a grande experiência do ser humano.

 

A casa continua sendo nosso refúgio, mas estamos ansiosos pelo nosso retorno a esse mundo externo e nos sentimos incompletos por termos nossas necessidades vitais tolhidas neste momento. Por isso é tão difícil manter o isolamento completo e não é culpa de ninguém. Porque somos assim, precisamos disso, precisamos da cidade!

 

Hoje, temos que pensar em nos proteger e proteger as pessoas que amamos, com paciência e disciplina, aguardando o momento em que seremos completos novamente. E quando isso acontecer, vamos nos lembrar que precisamos da cidade e que precisamos cuidar dela com mais carinho!

 

Liane Destefani é presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Espírito Santo.

 

Fonte: Tribuna Online

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Projeto brasiliense ganha destaque Internacional no Prêmio ArchDaily Edifício do Ano 2024

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Arquiteto Washington Fajardo vai atuar na Divisão de Habitação e Desenvolvimento Urbano do BID

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Arquitetura Modernista: New York Times indica Brasília como um dos melhores lugares para visitar 2024

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Conheça os profissionais premiados pelo CAU Brasil no Dia do Arquiteto e Urbanista 2023

Pular para o conteúdo