CAU/BR

CAU/SP identifica diploma falso em pedido de registro profissional

A diplomação em um curso de bacharelado em Arquitetura e Urbanismo reconhecido pelo MEC é condição para obter o registro profissional junto ao CAU. Assim, é prática do Conselho a solicitação regular às instituições de ensino para que verifiquem a autenticidade de um documento, conforme o artigo 9º da Resolução CAU/BR 18/2012.

 

Mais de 30 casos de documentação acadêmica falsa foram detectados pelos CAU/UF, a maior parte em SP (Foto: Agência Brasil)
Mais de 30 casos de documentação acadêmica falsa foram detectados pelos CAU/UF, a maior parte em SP (Foto: Agência Brasil)

 

Foi dessa maneira que a Diretoria de Ensino e Formação do CAU/SP identificou o caso mais recente de uso de documentação falsa para obter o registro de arquiteto e urbanista, necessário para o exercício da Arquitetura e do Urbanismo no país. Em resposta à ofício enviado pelo Conselho em dezembro, a instituição de ensino superior que supostamente teria emitido o diploma confirmou que o documento não era legítimo. “É falso”, anotou o reitor em resposta ao CAU/SP.

 

Como consequência, o departamento jurídico do CAU/SP protocolou nesta sexta-feira uma representação perante o Ministério Público Federal, com a explicação dos fatos e fundamentos jurídicos, bem como o requerimento de adoção das medidas cabíveis. Na representação, o Conselho aponta as seguintes possíveis infrações: “Falsificação de documento público” (artigo 297 do Código Penal), “Falsidade ideológica” (artigo 299) e “Uso de documento falso” (artigo 104). “Zelamos pela profissão desde a outorga de cada registro para garantir o exercício legal, ético e qualificado”, afirma o presidente do CAU/SP, José Roberto Geraldine Junior.

 

Os CAU/UF detectaram pelo menos 35 casos de documentos falsos, com a maior incidência em São Paulo (17 episódios). No início do ano passado, um caso de diploma falso de pós-graduação levou ao cancelamento do registro profissional de uma arquiteta e urbanista – a  penalidade mais grave já aplicada pelo Conselho em um caso de falta ética.

 

 

Fonte: CAU/SP

Uma resposta

  1. Parabéns! Apenas melhorando e aplicando os mecanismos de controle é possível coibir ações como estas.

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo