RECENTES

CAU/SP recebe doação de acervo do arquiteto Miguel Alves Pereira

Rossella Rossetto, Tagore Leite Alves Pereira, Raquel Schenkman, Cibele Rumel , Nadia Somekh, Catherine Otondo, Valter Caldana e Denise Antonucci

 

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP) realizou nesta quinta-feira, 28 de dezembro, uma solenidade para recepção do acervo do arquiteto Miguel Alves Pereira (1932-2014), doado por seu filho, o também arquiteto Tagore Leite Alves Pereira.

 

A solenidade, que aconteceu na sede do conselho na capital paulista, contou com a presença das presidentes do CAU Brasil, Nadia Somekh, do CAU/SP, Catherine Otondo e do IAB/SP, Raquel Schenkman.

 

Tagore Leite Alves Pereira e Cibele Rumel

 

Além de Tagore, compareceram à solenidade a companheira do homenageado, a arquiteta Cibele Rumel, a conselheira do CAU/SP, Denise Antonucci, representando a Comissão do Centro de Memória e Acervo do CAU/SP, o conselheiro federal do CAU Brasil (2021-2023), Valter Caldana e a conselheira do CAU/SP (2021-2023) e futura conselheira federal suplente do CAU Brasil, Rossella Rossetto.

 

Tagore Leite Alves Pereira assina o termo de doação utilizando a caneta herdada do pai, Miguel Pereira

 

Tagore destacou a dedicação e paixão do pai pelo exercício da profissão. “Para organizar o acervo, nós conseguimos mobilizar amigos do meu pai (…). Se vocês olharem nas páginas dos livros também tem o nome da Cibele Rumel, a quem quero agradecer. Quase 50% do acervo tem lá os nomes Miguel e Cibele. A biblioteca também é dela.” Na ocasião, ele assinou o termo de doação utilizando a caneta herdada do seu pai, Miguel Pereira.

 

Miguel Pereira lutou pelos ideais da profissão sendo membro atuante e reconhecido em diversas entidades ligadas à arquitetura. O arquiteto foi um dos mais atuantes defensores da criação do CAU.

 

Nadia Somekh

 

Nadia Somekh comentou o papel do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil para a criação da Rede de Acervos. “Estamos construindo desde 2021 a Rede de Acervos, que teve o apoio muito importante do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), do Ministério da Cultura e do Arquivo Nacional. Se a nossa missão é valorizar a arquitetura, esse é um jeito da gente valorizar.”

 

Catherine Otondo

 

Catherine Otondo sugeriu que o nome da companheira de Miguel também seja dado ao acervo. “Esse é um acervo que queremos muito tornar público. Também sugiro aqui que seja dado o nome de Acervo do Miguel e da Cibele. Quero agradecer o empenho de vocês e a confiança. Tenham certeza que vamos cuidar muito bem dele aqui.”

 

Doação do Acervo

 

Na solenidade, Valter Caldana, relembrou momentos com o arquiteto, falecido em 2018, e definiu como imprescindível tornar público o acervo que conta parte da história da arquitetura no país. “É mais do que o acervo do Miguel, é a trajetória do IAB até a existência do CAU. (…) Não é só patrimônio físico, mas também ético, moral e comportamental do Brasil.”

 

O processo para doação de coleções e acervos é complexo e envolve muitas entidades, como destacou a presidente do IAB/SP, Raquel Schenkman. “Me alegra ver essa fase desse processo que pude acompanhar um pouco. Sabemos que a questão da memória e do acervo é fundamental para valorizar a arquitetura ”.

 

Tagore Leite Alves Pereira e a futura conselheira federal suplente Rossella Rossetto

 

A futura conselheira federal suplente Rossella Rossetto disse que irá procurar dar continuidade ao trabalho para a valorização da arquitetura pela implementação da rede de acervos.

 

Miguel Alves Pereira

 

 

Nascido na cidade de Alegrete, no Rio Grande do Sul, em 1922 e formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FAU/UFRGS), Miguel Alves Pereira foi um dos mais atuantes membros Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) e da luta pela criação do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU).

 

Em Porto Alegre, trabalhou como arquiteto e professor até a década de 1970, quando passou a atuar também em Brasília. Na década de 1980, concentrou suas atividades na capital paulista, onde manteve escritório e foi professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP).

 

De 1972 a 1976, acumulou os cargos de presidente nacional do IAB e diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB). Pelo IAB foi presidente por três mandatos e, ainda, presidente do IAB do Rio Grande do Sul (IAB/RS) que foi um dos responsáveis pela fundação. Integrou o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil como conselheiro federal representando o estado de São Paulo na gestão fundadora.

 

Miguel fundou também a Associação Brasileira de Escolas de Arquitetura (ABEA), em 1973,  e a representação do Brasil na União Internacional dos Arquitetos (UIA) na década de 1970. Participou do Conselho diretor da II Bienal Internacional de Arquitetura, em 1993, e foi vice-presidente da UIA.

 

Além de lecionar na FAU/USP, UFRGS e FAU/UNB foi professor na School of Architecture da Rice University, na Inglaterra. Autor do livro “Arquitetura: Cultura, formação, prática e política profissional”, Miguel faleceu no dia 15 de maio de 2014, em Florianópolis, Santa Catarina.

 

Leia matéria relacionada:

 

Especial: Um ano sem o “Timoneiro” Miguel Pereira

 

(Com informações do CAU/SP)

MAIS SOBRE: RECENTES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

RECENTES

Terceira edição da Revista Urbanidade apresenta desafios e soluções

RECENTES

Edital de consulta pública de solução BIM para automação de projetos de edificações em Minas Gerais

RECENTES

Cadastrados no CAU terão descontos na inscrição da sexta edição do Seminário Internacional A ERA BIM, evento que acontecerá em São Paulo

RECENTES

Projeto SEICAU celebra primeiro ano

Pular para o conteúdo