CAU/BR

CAU/BR aciona na Justiça construtora Andrade Gutierrez por difamação de arquitetos e urbanistas

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil protocolou em 03/03/17 na Justiça Federal do Distrito Federal ação contra a construtora Andrade Gutierrez com pedido de liminar objetivando a sustação da veiculação, em emissoras de rádio nacionais, de “spot” de campanha da empreiteira considerado difamatório contra a categoria de arquitetos e urbanistas por caracterizá-los como negligentes, imperitos e irresponsáveis. A empreiteira, uma das maiores do país, recorde-se, foi a primeira a assinar acordo de leniência com o Ministério Público Federal, em maio de 2016, por seu envolvimento em atos de corrupção descobertos  pela Operação Lava-Jato.

 

O áudio repudiado pelo CAU/BR é o episódio “O contrato vale para todo mundo”, da série “A melhor maneira de agir”. A peça publicitária simula o diálogo de dois homens onde se transmite a ideia de que o arquiteto responsável pelo projeto e construção da casa de um deles,  “inverteu” a posição do banheiro de sua esposa, não reconheceu seu suposto erro recusando-se a corrigi-lo, não cumpriu o contrato assinado com o cliente e foi responsável pelo “tempão” de duração da obra.  E ainda o iguala a políticos corruptos.

 

A empreiteira, diz a ação do CAU/BR, não tem o direito de, “com o intuito de resgatar a credibilidade afetada pela participação em ilícitos, ofender a credibilidade e respeitabilidade de toda uma categoria profissional”. 

 

O Conselho solicitou ainda reparação de danos mediante punição à empreiteira para a veicular mensagem publicitárias – a ser elaborada pelo CAU/BR e devidamente aprovada pela Justiça – que esclareça a sociedade sobre a importância, participação efetiva e responsabilidades dos arquitetos e urbanistas na elaboração de projetos arquitetônicos (de edificações) e execução de obras. A mensagem deverá se dar nos mesmos veículos, horários e em quantidades com que foram veiculados o “spot” ofensivo aos arquitetos e urbanistas”. Foi pedido também pagamento de indenização por danos morais coletivos, no montante de R$ 200 mil, a ser revertido às entidades nacionais dos arquitetos e urbanistas para uso exclusivo em campanhas de valorização profissional.  

 

Em paralelo à ação judicial, o presidente do CAU/BR, Haroldo Pinheiro, agindo em seu próprio nome, entrou com pedido de reclamação junto ao CONAR (Conselho Nacional de Autoregulamentação Publicitária), solicitando a abertura de um processo ético. ‘Sinto-me ofendido, como cidadão, arquiteto e urbanista. E  não tenho dúvidas de que os arquitetos e urbanistas que trabalham ou prestam serviços para a empreiteira compartilham do mesmo sentimento”.  

 

Ele acentua que “a campanha é, ainda, discriminatória, pois em outra mensagem do conjunto dos “spots” que a compõem, há uma peça que enaltece o profissional engenheiro, dando-lhe um tratamento elevado e diverso do que é prestado ao arquiteto e urbanista”.

 

A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA) divulgou nota de repúdio ao “spot” que tem a duração de 60 segundos.

 

 

COMPARAÇÃO IMPERTINENTE – O áudio induz o entendimento de que o suposto arquiteto  estaria intimidando o contratante de seus serviços, para, a seguir, fazer uma analogia com a necessidade de recorrer a políticos para que as coisas andem. “Com o grau de deterioração que a classe política vem experimentando na sociedade, qualquer equiparação de profissionais a esse segmento é lesivo a sua conduta e reputação”, afirma a ação ingressada na Justiça.

 

A equiparação macula a imagem dos arquitetos e urbanistas, diz a ação, ofendendo “toda uma comunidade de mais de 144 mil profissionais do País todo, que diferentemente da classe política, tem no seu trabalho e na sua reputação o maior patrimônio a ser preservado”.

 

O acordo de leniência da Andrade Gutierrez, homologado pelo juiz federal Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, foi motivado por delação premiada de onze de seus executivos, revelando esquemas de corrupção na Petrobrás, em obras da Copa do Mundo e na usina de Belo Monte. Com o acordo, a construtora comprometeu-se  pagar uma indenização de R$ 1,0 bilhão, podendo em troca voltar a participar de concorrências de obras públicas.

 

Na época, a empresa divulgou pela imprensa nacional e em seu site um “Pedido de desculpas e manifesto por um Brasil melhor”, assumindo ter cometido “graves erros” e apresentando oito propostas para “colaborar com a construção de um Brasil melhor, mais próspero, justo e desenvolvido”. No entender do CAU/BR a campanha da empreiteira descumpre a promessa que ela fez à sociedade e próprio Código de Ética que publica em seu site.   

 

      Manifesto da empreiteira de maio de 2016 reconheceu erros que abalaram sua reputação 

 

FALSA MENSAGEM – A ação judicial lembra que “o arquiteto e urbanista é o profissional com competências e habilidades para elaborar e executar o projeto arquitetônico, não sendo razoável que uma peça de publicidade atribua a esse profissional a “inversão total” do projeto. Imaginar que o arquiteto e urbanista – que é o profissional que tem a maior carga horária acadêmica de formação na área de projetos arquitetônicos – teria errado a sua execução seria o caos total nas obras de edificação. O arquiteto e urbanista (…)  está plenamente habilitado a desenvolver, resolver e dar soluções a todas as questões relacionadas aos projetos e às obras de edificações.

 

“Também, pelo grau de responsabilidades que se compreende nas competências e habilidades dos arquitetos e urbanistas, não se concebem atitudes irracionais tais como a descrita na publicidade, de que o “arquiteto”, tendo supostamente errado, se recusasse a “voltar atrás”. A carga de conhecimentos dos arquitetos e urbanistas, seja no que se refere à concepção do projeto como à execução das obras, também não é compatível com a crítica que a publicidade faz de que a obra estaria “durando um tempão …”. “

 

Segundo o CAU/BR, a mensagem transmitida pela empreiteira à sociedade é falsa e leviana. Além disso, “atribuir aos arquitetos e urbanistas condutas de intimidação para com seus clientes é confundir o papel de parceria desse profissional com o contratante de seus serviços. Em havendo, todavia, essas condutas seriam prontamente repelidas pelos Conselhos de Arquitetura e Urbanismo, que ora se incumbem da orientação, disciplina e fiscalização da profissão de arquiteto e urbanista”.

 

DISCRIMINAÇÃO – Em outro “spot” da campanha, o episódio “Tudo começa no projeto” é possível perceber o tratamento distintivo que a empreiteira dá ao “engenheiro”. Um dos personagens diz que a obra de sua casa “está redondinha” porque antes de começar a faze-la contratatou um engenheiro “e a gente fez um projeto detalhado de tudo nos mínimos detalhes.”

 

O áudio, diz o CAU/BR, induz a sociedade a entender que os engenheiros são os mais mais habilitados a projetarem e executarem as edificações destinadas à ocupação humana, principalmente as unifamiliares. “Todavia, a publicidade erra, pois nenhum engenheiro, nem o engenheiro civil, tem competências e habilidades para elaborar o projeto arquitetônico – e menos ainda o “projeto detalhado de tudo nos mínimos detalhes” –, embora tenham plenas atribuições para a execução da obra de edificação”

 

Dessa forma, “além de fazer referências nocivas e incorretas sobre o arquiteto e urbanista, a publicidade se refere ao “engenheiro”, de forma generalista, e atribui-lhe competências que esse profissional nem mesmo detém”.

 

“Disso se conclui que os dois “spots” não trazem qualquer proveito ao esclarecimento da sociedade”.

 

DANOS MORAIS COLETIVOS – “Pelos fatos narrados é possível compreender a magnitude dos danos de natureza extrapatrimonial a que a categoria profissional de arquitetos e urbanistas foi e continua sendo submetida”, diz a ação. A empreiteira  ‘foi negligente no seu dever de diligência para que a publicidade por ela gerada atingisse propósitos lícitos, de bem informar a sociedade, e não de causar confusão nas pessoas”.

 

“A fim de proteger de práticas tais como a cometida pela Ré, a Constituição assegura o direito de indenização por dano moral ou à imagem (art. 5°, V), bem como declara serem “invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação” (art. 5°, X).”

 

“Com o intuito de que a Ré não mais pratique atos lesivos a terceiros, faz-se necessário estabelecer punição que seja significativa, de tal sorte que possa reparar o mal feito e coibir reincidência. Para a reparação do dano já perpetrado pela Ré, impõe-se condená-la a veicular mensagem publicitárias – a ser elaborada pelo CAU/BR e devidamente aprovada pelo Juízo – que esclareça a sociedade sobre a importância, participação efetiva e responsabilidades dos arquitetos e urbanistas na elaboração de projetos arquitetônicos (de edificações) e execução de obras. Dita mensagem deverá guardar correlação de tempo e forma com o “spot” aqui havido por ofensivo aos arquitetos e urbanistas, e sua deverá se dar nos mesmos veículos, horários e em quantidades com que foram veiculados o “spot” ofensivo aos arquitetos e urbanistas”.

 

Para coibir a reincidência, o CAU/BR solicita ainda a condenação da Andrade Gutierrez a pagar indenização por danos coletivos, no montante de R$ 200 mil, a ser revertido às entidades nacionais dos arquitetos e urbanistas de que trata o art. 61 da Lei n° 12.378, de 2010, a ser aplicado exclusivamente em ações de esclarecimento à sociedade sobre a importância, participação efetiva e responsabilidades dos arquitetos e urbanistas na elaboração de projetos arquitetônicos e execução de obras.

 

O CAU/BR solicita ainda tutela de urgência aplicável, segundo o Código do Processo Civil, “quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo”.

 

“O perigo de dano é latente. Quanto mais tempo a Ré permanecer veiculando a mensagem ofensiva aos arquitetos e urbanistas maior será o dano causado a estes. Impõ-se, portanto, que seja determinado à Ré que suste, imediatamente, a veiculação do “spot” ofensivo aos arquitetos e urbanistas”.

 

Nesses termos, é solicitada medida liminar para que a empreiteira suste, imediatamente, a veiculação da matéria impugnada.

 

“NÃO POSSO CALAR” – Na representação que apresentou, em nome pessoal, ao CONAR, o arquiteto Haroldo Pinheiro afirma que “não posso aceitar calado essas falsidades generalizadas que ofendem a reputação profissional e maculam a conduta dos arquitetos e urbanistas”.

 

Ao lembrar a importância e influência cada vez maiores da publicidade na sociedade atual, o arquiteto e urbanista diz que a campanha da Andrade Gutierrez, ao desacreditar injustificadamente a categoria perante a sociedade, não contribui para o desenvolvimento da nação, presta um desserviço social e ignora a contribuição cultural e tecnológica dada por profissionais como Oscar Niemeyer, Lucio Costa, João Filgueiras Lima (Lele) e Paulo Mendes da Rocha, entre outros.

 

“Para coibir eventuais casos de má conduta, que jamais poderiam ser generalizados, como faz o comercial da empreiteira, existem as rígidas normas do Código de Ética e Disciplina do Conselho de Arquitetura e Urbanismo. Aliás, se concordássemos com a generalização, estaríamos incentivando eventuais campanhas difamatórias atingindo indistintamente todas as empreiteiras do país pelo fato de algumas terem-se envolvido, confessadamente, em casos de corrupção”.

 

Em relação ao tratamento distinto dado na campanha aos engenheiros, “em que pese a defesa do projeto detalhado antes do início da obra, tese que os arquitetos e urbanistas comungam”, Haroldo Pinheiro ressalta que a publicidade não está correta, ao atribuir  a tais profissionais a atividade do projeto arquitetônico nos “mínimos detalhes”.

 

O arquiteto e urbanista solicita, por fim, a recomendação do Conselho de Ética do CONAR “para que a empresa e sua agência retirem ambos os “spots” imediatamente do ar e que o CONAR tome as demais providências pertinentes à gravidade do caso”.

 

NOTA DA FNA de 03/03/17 –A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA) vem a público manifestar repúdio à campanha “A melhor maneira de agir” em veiculação em emissoras de rádios nacionais em nome da construtora Andrade Gutierrez. No áudio ao qual a FNA teve acesso, do episódio “O contrato vale para todo mundo”, veiculado na Rádio 98 FM, de Minas Gerais (MG) e em outros veículos pelo país, a empresa usa de estratégias tumultuarias para denegrir a imagem dos Arquitetos e Urbanistas brasileiros.

 

A FNA entende a campanha como um ataque direto aos profissionais que realizam seu trabalho com retidão e esforço em um país onde nem as leis trabalhistas costumam ser honradas. O comercial vende a ideia de um arquiteto e urbanista irresponsável, inflexível e autoritário e faz uma analogia com os desmandos políticos em contratações governamentais.

 

Espanta também que a referida empresa, investigada na Operação Lava-Jato, venha a público ditar regras de “boas práticas de conduta”. A ação e as informações veiculadas no comercial são descabidas, infundadas e ferem um política de conduta entre as categorias profissionais. A FNA e demais entidades estudam as medidas judiciais cabíveis para que o referido comercial tenha sua veiculação suspensa e os danos causados sejam reparados.

 

Sem mais no momento,

 

Diretoria Executiva da FNA”

 

O  “SPOT” – Degravação do episódio “O contrato vale para todo mundo”, da série “A melhor maneira de agir”, da campanha veiculada pela Construtora Andrade Gutierrez em emissoras de rádio nacionais:

 

 

“Locutor: Grupo Andrade Gutierrez apresenta: A melhor maneira de agir. Episódio de hoje: O contrato vale “pra todo mundo”

 

Personagem 1: Fala Carlos!  Como que vai a obra na sua casa?

 

Personagem 2: Rapaz você nem acredita.  “Tava” tudo indo bem até começar o banheiro da suíte. O problema tinha que dar justamente no banheiro da Silvia.

 

Personagem 1: Imagina a cara dela.  Mas “que que” deu de errado?

 

Personagem 2: Não é que eu fui ontem ver a obra e o projeto “tava” todo invertido e o arquiteto disse que não vai voltar atrás.

 

Personagem 1: Mas “pera”ai, como assim?  O projeto não foi assinado pelo arquiteto?

 

Personagem 2: Claro que foi, mas a obra já “tá” durando um tempão…

 

Personagem 1: Mas o contrato serve justamente “pra” garantir que todo mundo tenha seus direitos assegurados. Você não pode se intimidar com arquiteto não!

 

Personagem 2: Você acha?

 

Personagem 1: Não é legal que uma das partes dependa da boa vontade da outra para ter seus direitos garantidos. É assim também em grandes obras. Se o contrato é desrespeitado e a empresa não tem a quem recorrer, ela fica dependendo da boa vontade de um político. Olha, normalmente isso termina muito mal.

 

Personagem 2: Não, você tem toda razão!

 

Personagem 1: Quem sabe o Governo não ouve essa nossa conversa. 

 

Locutor: Funciona no seu dia-a-dia, funciona nas empresas, funciona para o Brasil. Um oferecimento Andrade Gutierrez

118 respostas

  1. É inacreditável e só poderia vir de um pessoal tão mal caráter! Parabéns ao CAU por esta ação em defesa dos arquitetos e da boa informação à sociedade.

  2. Ué, até pouco tempo atrás o CAU não estava citando a referida construtora como bom exemplo após o manifesto?

    Só vou dizer uma coisa: Eu avisei! Deixei uma resposta na página dizendo que o CAU não deveria ter feito aquilo.

    Agora essa empresa vem denegrir a nossa classe. Isso é inacreditável.

    E outra: eles se colocaram como vítimas do governo no diálogo, como se não tivessem culpa nenhuma em todo o esquema de propinas. Isso é mais inacreditável ainda!

    Isso de alguma forma tem que impactar negativamente no acordo de leniência por um simples motivo: a empresa não parece estar arrependida mais.

  3. Era só o que faltava para a nossa profissão, uma empreiteira envolvida em vários esquemas de corrupção, fazer uma propaganda ondo o culpado pelos problemas na obra é o arquiteto! Descabido.

  4. Isso é um absurdo, essa empresa roubou os cofres públicos juntamente com políticos incompetentes e agora querem passar por bons mocinhos divulgando esse tipo de material, sou solidário aos arquitetos que trabalham nessa empresa, pois com toda certeza precisam aguentar isso no seu dia-a-dia para não perderem o emprego.
    Parabéns ao CAU pela iniciativa em defesa de todos os arquitetos desse Brasil.

  5. Deveria ser pedido muito mais q 200 mil pra campanhas de valorizaçao profissional.
    Estamos precisando.

  6. podemos citar o Eng Civil que assinou os projetos dos carros alegóricos também?
    e ciclovia Tim Maia? e o viaduto que desabou em BH?

  7. É impressionante como uma empreiteira que já prejudicou tantos brasileiros através de roubos de verbas públicas queira, agora, prejudicar uma categoria que, antes de tudo, é a única que reúne verdadeiras condições profissionais de realizar um PROJETO ARQUITETÔNICO de qualidade.
    A falta de caráter deles parece interminável.
    Parabéns, CAU.

  8. Parabéns ao Cau pela atitude!! Me senti humilhada e difamada quando ouvi o comercial na radio. Eu iria enviar um email ao Conselho, para denunciar a Andrade Gutierrez e nem foi preciso. Mais uma vez: Parabens! A propaganda é um absurdo!

  9. sem palavras, tamanha barbaridade!!!
    sem generalizar: é mais fácil o engenheiro e/ou o empreiteiro náo saber ler o projeto e ter executado erröneamente. A gente que trabalha há anos neste meio sabe muito bem a capacidade deste pessoal!!!

  10. Parabens ao CAU pela iniciativa e cuidado na defesa dos arquitetos. Louvo ao querido arquiteto Haroldo Pinheiro pela devida medida. Pra mim o cúmulo mesmo foi comparar o arquiteto aos políticos em geral. Indigno!

  11. Impressionante que isso ainda possa oc0orrer nos dias de hoje, principalmente vindo de uma empresa tão mal afamada em suas atividades. Parabéns e todo apoio ao CAU, exercendo seu maior objetivo, ou seja a defesa da classe que representa.

  12. Vindo da AG, esperar o quê…. elogios? hahaha, eles estão tão sem moral que estão pensando até em trocar de nome. Ora, se o autor quer até que o seu nome seja trocado pela deterioração profissional, que moral tem em nos desacreditar perante a sociedade?!

  13. Um viva para o CAU. Era notório que precisávamos de um conselho que defendesse nossos interesses. Andrade Gutiérrez, um desserviço ao país. É, em grande parte, por causa dessas empresas que o Brasil encontra-se nesse atoleiro sem fim.

  14. Fico pensando como se sentem os arquitetos da empresa, pois os que não são contratados por ela sofreram um duro golpe, sem contar seus familiares amigos e clientes são levados a desacreditar.

  15. Eles Estão querendo nivelar por baixo, dizer que o que fazem é para resolver problemas que o politico criou… e dizer que nós somos iguais a eles ou pior…
    tem que assumir seus erros gananciosos e não atacar outros profissionais que não tem nada a haver com o fato da corrupção se alastrar em todos o País…

  16. Estão querendo nivelar por baixo… Ao invés de assumir seus erros querem colocar todos numa vala comum… dizer que todos são corruptos é bem fácil, se não fosse a ganancia das Construtoras e ganhar cada vez mais e de forma fácil, não estaríamos nesta situação que o País atravessa… Junta um bando de Políticos desonestos junto com Empresários também desonestos só pode dar nisso…
    é lamentável querem macular a nossa profissão ou qualquer outra simplesmente para melhorar suas imagens como se isso fosse comum e corriqueiro…

  17. Coisa baixa, de mal caráter. Por isso estão na lava-jato.
    Não sei os parâmetros que levaram a decisão da indenização por danos coletivos no valor de R$ 200.000,00, mas, é uma pechincha para uma empresa grande como esta. Entendo que o valor deveria ser a partir de milhão. É a linguagem que eles respeitam.
    Parabéns ao CAU.

  18. É lamentável que uma empresa como esta que vem mostrando sua verdadeira face na corrupção do país, venha difamar nossa categoria que tem lutado tanto pelo reconhecimento e valorização perante a sociedade. Parabéns ao CAU por esta ação !

  19. Perfeito!
    A nossa profissão parece ser hoje a mais desqualificada socialmente. Qualquer um a usa para as coisas mais sordidas. Desde colocá-la como “um mal necessário para aprovação de projetos na Prefeitura”, até justificativas para bandidagens de empreiteiros.
    Apoio total ao CAU-BR e a seu Presidente Haroldo Pinheiro!

  20. Parabéns ao CAU e seu presidente pela pronta ação.
    É importante que saibamos qual “agência” produziu esta preciosidade, e ainda para um cliente “construtor”!

  21. Caramba! Este pessoal passou totalmente dos limites! Ainda mais esta empresa, modelo de “idoneidade e ética” envolvida até o ultimo fio de cabelo da cabeça na lama das “maracutaias”, “pilantragens” com os políticos, com o Governo e com algumas determinadas estatais. Parabéns ao CAU por esta ação enérgica e direta!Quem eles pensam que são?

  22. Sinto-me profundamente ofendido. Como profissional e como cidadão. Este é mais um capítulo da “inversão de valores” que vem proliferando neste país. Certamente, o “funcionário” da construtora que contratou este trabalho, deve comungar com os preceitos de que, para ganhar dinheiro, o engodo deve prevalecer. No mínimo, pessoa despreparada e deliberadamente mal intencionada. Talvez nem saiba a diferença entre engenheiro e arquiteto. Quanto à agência de publicidade que elaborou tal insanidade, deve ela, no mínimo, saber que “liberdade de expressão não significa o mesmo que direito de ofensa”. Meu total apoio à atitude do CAU-Br e demais entidades.

  23. PARABENIZO O CONSELHO PELA ATITUDE, PORÉM SE VERIFICA QUE O PODER EXECUTIVO (PREFEITURAS) SÃO OS PRIMEIROS A DESRESPEITAR A CONSTITUIÇÃO, REALIZANDO CONCURSOS COM SALÁRIOS ABAIXO DO PISO E SEM SOFREREM NENHUMA INTERVENÇÃO.QUE PAIS E ESTE?

  24. Observem, mais uma empresa sanguessuga das riquezas nacionais, banca de moralista (adjetivo que não possuem) para tentar melhorar sua imagem sujando a da nossa honrada e numerosa classe profissional, não sei o que fazem abertos ainda! Tem que estar ligado, pois em um país onde fazer o correto é uma grande luta, e geralmente os mal intencionados se sobrepõem a quem age corretamente não podemos deixar assim! Não entendo muito de direito, mas acho que sejam possíveis até ações individuais contra esses sanguessugas. Parabéns CAU, mais uma vez. Obrigado, abraços

  25. O CAU/BR,poderia aproveitar essa situação para investir mais em informações a sociedade sobre o verdadeiro papel do arquiteto, que tanto faz necessário ao Brasil.

  26. É um absurdo,inacreditável!
    Uma empresa envolvida em corrupção,agir de uma forma tão irresponsável,veiculando mentiras absurdas.Parabéns presidente Haroldo Pinheiro e CAU, pela ação.

  27. Absurdo!!! Parabéns ao CAU, ao Haroldo Pinheiro e FNA pela iniciativa. Tem que sair mesmo em defesa da nossa profissão e exigir punição não só a Andrade Gutierrez mas também a agencia que produziu as peças. Incompetência generalizada!!!

  28. Uma peça publicitária, protagonizada por quem está envolvido em casos de corrupção não pode ter a menor credibilidade. Essa empreiteira deve ser expurgada do rol de empresas “capacitadas” por execução de obras e deve sim se intimidar com a nossa categoria porque agora estamos unidos mais do que nunca.
    Parabéns ao CAU, ao nosso presidente pela reação. Não podemos jamais ficar subservientes a esse tipo de hostilidade a fomos submetidos.

  29. Agora os engenheiros das grandes empreiteiras “AMAM” um projeto bem detalhado e especificado, que não gere EXTRAS / ADITIVOS / PROPINAS /SUPER FATURAMENTO ???

    Poderíamos rir se não fosse TRÁGICO …

    Personagem 3 – Quem sabe o Judiciário não prende todos eles.

  30. Má fé contida e incontida. Não acredito que seja institucional da AG. Acredito mais que tenha sido ação impensada de algum engenheiro recalcado trabalhando no setor de publicidade da empresa

  31. Infelizmente e, lamentavelmente, conheço muitos colegas, formados em A&U, que atuam, somente, como decoradores. Para estes colegas, TODOS os problemas de execução de obra são resolvidos por engenheiros calculistas.
    Por esse motivo, pela omissão de alguns colegas e pelo baixo nível dos currículos da graduação em Arquitetura e Urbanismo é que se tem essa ideia, completamente absurda, da nossa profissão.

  32. Nada mais a esperar de uma empresa maculada pela corrupção desse país.
    Sentem medo da concorrência dos arquitetos ou é só invejinha?

  33. Seria interessante publicar o que houve com o projeto. Será que é verdade o que “as falas” retratam? Achei muito pouco pedir R$200.000,00 (duzentos mil reais). Eu pediria R$ 1.000.000,00 (hum milhão de reais). Boa sorte para o CAU/BR!

  34. Enquanto as atribuições entre arquitetora e engenheiros não forem devidamente divididas esse tipo de coisa vai acontecer. Projeto arquitetônico em todas as suas particularidades deve ser atribuído APENAS aos arquitetos e Licitações de obras publicas só deveriam ser aprovadas após o PROJETO COMPLETO de arquitetura e engenharia. Agora quando o CAU e o CREA vai resolver isso já é outra estória.

  35. Logo de quem vem esta “obra prima” de veiculação, da Construtora Andrade Gutierrez, especializada em fazer obras para o governo com projetos básicos, sem nenhum detalhamento, para poder usar como motivo de serviços extras e aumentar o valor de seus contratos. Intimo a construtora, provar que um único contrato assinado com estes projetos básicos tenham sido “sem aditivos”. Quem pratica engenharia sem projetos completos, não tem moral para falar de Arquitetos e Urbanistas. Precisa primeiro devolver o dinheiro roubado nos contratos e fechar mas portas por causar desonra no nosso meio porofissional.

  36. Parabéns ao CAU pela sua conduta neste caso de total desrespeito à nossa classe profissional.

  37. Difícil até de acreditar que uma construtora internacional esteja manifestando tamanha ignorância minimizando a importância do profissional de arquitetura.

    Tal conduta expressa muito bem a vergonhosa situação da Andrade Gutierrez no cenário nacional. Que a justiça prevaleça e cada dano causado por uma gestão corrupta e antiética seja ressarcido devidamente.

    Como seriam as mais bonitas cidades do mundo não fosse o trabalho de grandes arquitetos e urbanistas?

    Qual seria delas a preferida de quem veiculou este áudio?

    Fica a dica para pensar…

  38. Estamos tão hábitos a fazer projetos com executar os mesmos, estou a dez anos trabalhando na parte civil de subestações, inclusive trabalhei na execução de um Bipolo em Araraquara SP o primeiro em corrente contínua. Antes trabalhava na execução de obras Residenciais, prédios e prédios comercial. Nunca me senti menos que qualquer Engenheiro. Relatei isto para falar que o que falta para nós Arquitetos e ter mais palestras nas faculdades e mesmo na CAU, para expor do que somos capazes de fazer e executar. Tbem fiz uma pós em segurança do trabalho e trabalho nesta área juntamente com a execução das obras. Vamos nos valorizar mais e mostrar do que somos capazes. Sei que não é fácil, está enraizado na sociedade que o Engenheiro e o tal inclusive por eles mesmos, só vamos mudar isso com muitas palestras e atos junto a sociedade para mostrar do que somos capazes, sem desfazer de nem uma outra profissão. Somos Arquitetos e Urbanistas com muito orgulho.

    1. Parabéns CAU,por nós representar e defender dos ataques contra nós profissionais. Parabéns a todas entidades dos Arquitetos e Urbanistas.

  39. Acho que o autor dos diálogos e criador da situação também merece ser processado e punido por denegrir a imagem de uma categoria inteira, já que o processo de criação é totalmente voluntário e não cabe qualquer justificativa.
    Quanto à Andrade Gutierrez, uma empreiteira envolvida até o pescoço em falcatruas, deve, além de indenizar a classe por danos morais (achei o valor baixo, pela capacidade financeira da empresa e pela gravidade do teor da peça publicitária, um autêntico deboche), deverá fazer uma retratação pública equivalente ou mais abrangente, produzindo e veiculando uma nova peça reparadora, a ser aprovada pelo Conselho do CAU BR. À uma exposição pública, cabe uma resposta também pública dos envolvidos, nada de discrição. Que palhaçada é essa, sermos detratados por empresas denunciadas e condenadas por bárbaros ilícitos?
    Cumprimento o CAU pela observância dos interesses e reputação da classe e pela iniciativa indispensável e louvável.

  40. Vivemos tempos muito difíceis. A audácia da banda podre da nossa sociedade somente pode ser explicada por sua segurança em ter “no bolso” a maioria de quem decide, quer seja no executivo, no legislativo e no judiciário. Essa corja precisa ser varrida, dure quento tempo for necessário.Vai ser necessário o sacrifício de convivência, por longo tempo, com uma economia desestruturada como a de hoje. Vai valer a pena.

  41. Parabéns ao CAU pela atitude em defesa da categoria. É inadmissível que empresas irresponsáveis e corruptas denigram a imagem de uma categoria para se evidenciar ou tentar corrigir seus erros.

  42. Nem todos engenheiros pensam assim! Uma afirmativa destas denegrindo o profissional arquiteto não pode ser considerada vindo de uma empresa com o nome sujo na praça como esta Andrade Gutierrez. Ser grande não significa qualidade…precisamos derrubar falsas competências…

  43. É surreal essa mensagem. Não bastasse estar encalacrada de falcatruas ainda coloca uma classe inteira no mesmo lixo que elas (as empreiteiras) circulam.

  44. Lamentável que ainda exista esse tipo de incompreensão, intolerância e implicância por parte de alguns profissionais e/ou empresas da área de engenharia para com os profissionais de arquitetura. Sinal de que não entenderam a necessidade de uma cooperação mútua nas atividades profissionais no âmbito da construção. LAMENTÁVEL !!!

  45. Totalmente sem noção! Me admira a falta de competência para elaborar campanha tão tosca!
    Que a retratação seja feita! Achei pouco 200 mil pela falta de senso!

  46. Quem mais estaria por trás de uma propaganda enganosa como esta? Porque?

  47. Para esse tipo de Construtora o valor de indenização é muito pequeno, R$200 mil é uma gorjeta, acho que vão continuar a ferir a nossa imagem, como fez o CREA no passado.

  48. Além de ter falhado de maneira desleal contra toda a sociedade brasileira, essa empresa agora falha com profissionais em propaganda mal produzida, covarde e difamatóra.
    Leniência pode ate ser sinônimo de tolerância, mas tolerar um ignorânte é burrice, R$200.000,00 é pouco. Me sentindo lesado.

  49. Depois de toda a barbárie que passa o país mais um fato pra superar o samba do crioulo doido que vivemos em pleno século XXI . Vergonha de ser brasileira mas parabéns ao CAU.

  50. O que vcs esperavam de uma empreiteira do tipo da Andrade Gutierrez ? Eles fazem parte do lixo das empreiteras e de lixo só se espera chorume.

  51. Uma Organização Criminosa, essa empreiteira está associada ao que tem de pior em termos de manifestação de caracter! Deveriam perder o Poder Gozar de todos os Direitos e Prerrogativas Legai, para penar ao rigor da Lei!

  52. Essa empreiteira está associada ao que tem de pior em termos de manifestação de carater! Deveriam perder o Poder. Gozar de todos os Direitos e Prerrogativas Legais, para penar ao rigor da Lei!

  53. Não consigo acreditar como uma das empresas mais CORRUPTAS e delitivas do Brasil tem a coragem de ofender toda uma categoria de PROFISSIONAIS HONESTOS como são os Arquitetos e Urbanistas.
    Em lugar de se preocupar mais em limpar o seu nome, essa empreiteira corrupta, ficou mais suja ainda!

  54. Tamanha ignomínia só poderia vir dessa quadrilha de rapineiros querendo levar a classe dos Arq. e Urb. para o lamaçal que costumam frequentar. Parabéns ao CAU pela reação em defesa dos arquitetos.

  55. O objetivo da “empreiteira” A.G. já foi alcançado!! “Colaborar para denegrir a imagem da nossa categoria em público”…
    A ação vai demorar no mínimo um ano,e o valor da ação, me parece que não vai conseguir reparar os danos causados…
    A questão que fica é, como a categoria pode se proteger desta iniciativa de ma fé promovida por esta “empreiteira”neste momento conjuntural em que o nosso País esta passando?

    1. A base de qualquer relação profissional é o respeito e a ética, sem estes requisitos básicos o nosso compromisso com a sociedade usuária dos nossos serviços é que serão sempre os maiores prejudicados…Casos como esse, em nada contribuem para reafirmar nosso compromisso comum em tornar nossas cidades um lugar melhor para a existência humana.

  56. Essa empresa Andrade Gutierrez deveria estar se preocupando em se defender de tanta corrupção e mal q praticou ao país e seu povo ao invés de estar difamando toda uma classe honrada e com histórico de enormes contribuições ao desenvolvimento do país q são os arquitetos e urbanistas.
    Parabéns ao CAU pela iniciativa dessa ação indenizatória!

  57. Eu tenho feito denuncias contra a Prefeitura dos Palmares em Pernambuco, desde a gestão passada e que continua neta nova gestão. onde Engenheiros são contratados para analisar projetos de Arquitetura e ficam inventando novidades para dar a ANALISE DO PROJETO DE ARQUITETURA, perfil de construção, exigindo por exemplo que no memorial descritivo do PROJETO DE ARQUITETURA de um imóvel térreo ou de apenas um pavimento superior, conste o tipo de fundação, vigas, pilares e material empregado nestes itens. Divulga-se a ideia de “modo informal na cidade” de que SÓ ENGENHEIROS TEM CAPACIDADE DE ELABORAR PROJETOS DE ARQUITETURA, Arquiteto é só um desenhista.

  58. Temos que acionar o Ministério Público, por essas e outras atitudes que somos rotulados e injustamente desrespeitados como profissionais habilitados na construção civil. Mais uma vez essa empresa lesa milhares de pessoas, se não fosse pela sua baixa credibilidade, poderia ser irreparável tal disparate. Não podemos, como profissionais e cidadãos, aceitar mais esse dano coletivo. Ela deve se retratar.

  59. Parabéns ao CAU por intervir judicialmente contra essa ação danosa e lesiva que a empresa Andrade Gutierrez direcionou contra nós profissionais liberais e que veio a atingir a sociedade brasileira de forma leviana e discriminatória.
    Deve ser punida exemplarmente para que tantos outros irresponsáveis como essa empresa não se sintam estimulados a denegrirem pessoas e profissões.

  60. Trata-se de uma grande infâmia de quem, reconhecida e confessadamente, praticou os mais hediondos crimes de corrupção que afetou a vida da Nação com inomináveis descalabros. Antes de atribuir, irresponsavelmente, erros alheios, olhe-se no espelho. Merece a mais alta repulsa, não só da classe de Arquitetos e Urbanistas mas de toda a sociedade brasileira.

  61. Parabéns ao CAU!. Finalmente após 29 anos de formada me sinto defendida por uma entidade de classe! Vendo a mudança funcionar !!!

  62. Somos esquecidos inúmeras vezes, principalmente em obras públicas.
    Lembrar dos arquitetos para justificar a falta de respeito e moral que essa e outras empreiteiras têm com o país e com a população é indecente.
    Parabéns ao CAU, não podemos nos calar!

  63. Gostaria de saber o que diz os “sindicatos” da categoria, no país todo, ou algum que se digne a se manifestar, sobre o fato.
    Contribuo a 35 anos aqui em Porto Alegre / RS. Em todo esse tempo a única “informação” que recebi, em todo início de ano, foi a guia do “sindicato”, para pagamento obrigatório.
    Nunca recebi alguma informação ou divulgação de curso, seminário, etc…
    E hora e ora de tomarem alguma posição.

  64. Esse fato so vem a mostrar como a empresa interage sordidamente com seus clientes, intimidando-os e falseando a realidade dos fatos a seu bel prazer, mostrando , assim, como age politicamente, nao por acaso, envolto em corrupcao, marca intrinsica de seu DNA.

  65. ELES JÁ LESARAM O POVO BRASILEIRO,AGORA QUEREM ROUBAR A DIGNIDADE DO ARQUITETO, LAMENTÁVEL.
    JÁ TIVERAM QUE SE DESCULPAR COM A SOCIEDADE BRASILEIRA, POR SEUS ATOS ILÍCITOS, EM OBRAS PÚBLICAS E EM ESTATAIS(…”COM A BOA VONTADE DE UM POLÍTICO”)
    PELO JEITO O MAU CARATISMO DA EMPRESA CONTINUA.

  66. Inacreditável! bem a cara de empresas como essa! PArabens ao CAU, temos que ver maior defesa da profissão pelo conselho como ações como essa!

  67. Brilhante a posição do CAU,entretanto, ao meu ver, seria necessário que eles fizessem uma peça publicitária, a ser veiculada a nível nacional e com pedido de desculpas a categoria.

  68. Um absurdo!
    Mostra um Arquiteto sem caráter e um cliente mais sem noção ainda!
    Afeta toda a nossa classe sim!
    Parabéns CAU – mostrando que temos quem nos represente!!
    Obrigada!!

  69. Que absurdo… Acho que esta empresa tinha que se retratar em rede nacional, é uma ofensa sem tamanho.

  70. Essa forma de diálogo entre duas pessoas, assim, “didático”, como campanha de difamação do profissional arquiteto, chega a ser ingênua, quase infantil, insipiente e irrresponsável, também, obviamente! Em suma vergonhosa.
    No final, acabará enfatizando e enaltecendo o papel do arquiteto, haja vista o grau de primariedade e ignorância do enfoque da forma de abordagem dessa infeliz peça de campanha!
    Parabéns ao CAU pela contundência de sua defesa, fazendo com que os profissionais arquitetos pudessem se sentir em boas mãos e devidamente protegidos!

  71. Tudo muito tosco. A peça publicitária, mesmo se excluída a absurda referência ao arquiteto que “inverteu o banheiro” já seria uma excrecência. A citação do engenheiro (e como engenheiro também me sinto ofendido) que teria “feito um projeto detalhado de tudo nos mínimos detalhes” é quase tão idiota quanto dizer que o paciente sofreu uma hemorragia de sangue. Agora, uma empresa que devolve R$ 1 bilhão num acordo de leniência (a meu ver escuso) querer estabelecer os padrões de conduta moral de contratos já supera qualquer limite do que seria o bom senso.

    1. Concordo totalmente com seu ponto de vista! É ridículo.

      E Parabéns mais uma vez ao CAU. Por estar atento a tudo que possa desvalorizar a profissão do arquiteto e urbanista.

    2. Além do que esse negócio de explorar a pretensa “rivalidade” entre engenheiros e arquitetos é pra lá de “demodèe”. Tenho inúmeros amigos e parceiros de trabalho que são engenheiros, nos damos muito bem e fazemos nosso trabalho em conjunto de forma profissional com resultados muito bacanas, cada um na sua competência!
      O que eu acho mesmo é que essa empreiteira bem como as demais comprovadamente envolvidas nesses escândalos todos deveriam ter suas licenças cassadas. E que seus contratos fossem assumidos por outras (desde que honestas…) junto com seus funcionários probos e honrados, na medida do possível…

  72. Entendo q qq arquiteto q se sentir ofendido pode interpor ação no Juizado Especial Cível/Criminal combinado c/ Danos morais e/ou. É ação simples, q bem formulada nem precisa da assistencia de Advogado. Até 40 SM pode ser reivindicado em Juízo. Se algum Juiz de 1a. instância reconhecer o direito, a A Gutierrez terá sérios problemas pq incidirão, talvez, centenas ou milhares de açoes contra ela. Já imaginaram se for formada a Jurisprudencia c/ realação ao assunto? De qq forma ela terá vultosas despesas c/ a contratação de Advogados p/ defendê-la e, mais, ninguém ousará de qq atitude semelhante.

    1. Não sei se realmente cabe ação individual, mas o corpo jurídico do Cau, FNA e sindicatos poderia esclarecer isto. Realmente seria um peso a mais para estes travestidos de “empresários”…
      A propósito, o descaramento é tamanho que eles fizerem no slogan uma alusão a operação da polícia federal em que foram presos seus próprios executivos: Erga omnes (“vale para todos”) Cinismo pouco é bobagem!

  73. É por esse e também por diversos outros motivos , que paralisei o meu registro no CAU. Vejo filmes e documentários, onde no exterior, o Arquiteto é valorizado, e está sempre a frente dos projetos e empreendimentos imobiliários. Aqui no Brasil, como sempre tudo funciona da forma errada. Somos difamados por boa parte dos engenheiros civis, que não sabem separar o joio do trigo, e prejudicam a nossa categoria de forma geral, sendo que na categoria deles também tem maus profissionais. Já tive decepções suficientes para abandonar esta profissão, que gosto muito, mas não nos dão oportunidades, inclusive pelo exercício ilegal da profissão (projeto arquitetônico, parcelamento do solo, etc .. atividades privativas dos arquitetos e urbanistas). Até na Caixa Econômica Federal , fraguei em uma ocasião, uma funcionária direcionando os clientes para procurar engenheiro civil para atividades referente a projeto e execução da obra que seria financiada. Eu estava junto com o meu cliente, e indaguei a esta funcionária, se poderia ser com Arquiteto (já ciente que poderia e deveria ser) , e ela respondeu que NÃO, que teria que ser com engenheiro. Logicamente reclamei com esta funciona´ria e exigi na hora, na frente do meu cliente uma retratação e correção da informação da referida funcionária da CEF.

  74. É inaceitável uma ofensiva como essa! Parabéns ao CAU por essa ação em defesa dos arquitetos e urbanistas.

  75. Parabéns ao CAU, como entidade de representação efetiva em nossa defesa profissional; Por décadas ficamos sujeitos ao “julgo” de outro Conselho protecionista de “SemiDeuses” que invadiam nossas habilitações e ficávamos às margens das atividades das quais somos os verdadeiros detentores do saber. É certo que em algumas habilitações, como cálculos estruturais complexos temos um “saber” generalizado e devemos procurar especialistas que, na humildade que nos é própria, detenham conhecimentos profundos a nos assessorar; em que tenho opinião da necessidade de revisão.
    Todavia, este caso não é único; diversas empresas, dentre elas a que sou servidor, contrata-se diversos projetos de unidades, hoje graças a Deus, Arquitetura através de concurso, mas os executivos e complementares, bem como a execução, profissionais ligados ao CAU não tem reconhecimento de sua capacidade, e experiências; de tal forma que a análise, pareceres técnicos e aprovação dos projetos são realizadas por técnicos (de qualquer formação secundarista) e/ou Engenheiros Civis (SemiDeuses) que, por formação, também detém conhecimentos generalizados das diversas áreas de atividade, não especialista, cuja análise de PROJETO ARQUITETONICO E COMPATIBILIZAÇÃO, não são habilitados.

  76. É absurdamente impressionante e lamentável que uma empresa do segmento da Construção Civil tenha se utilizado da mídia para veicular tamanha barbárie, mais uma prova de seu desconhecimento do que seja moral e ética.

  77. O acordo de leniência não confere a Andrade Gutierrez nenhum indulto ou processo de canonização. Mas certamente atitudes como essa de difamação de toda uma classe profissional, trazem a tona o mau caratismo que perpetua no cerne dessa infeliz empresa. Parabéns CAU-BR.

  78. Valeu CAU, não deixa quieto não! O meu filho está terminando o curso de Engenharia Civil na UVA, ele respeita os Arquitetos, faço o mesmo com os Engenheiros; conversamos muito!

  79. Impressionante.

    A pessoa que teve essa ideia de denegrir a imagem de toda uma categoria deve ser punida. Na verdade a empresa vai pagar pelos atos de seus representantes… Lamentável.

  80. PARABÉNS A CAU-BR, PELA INICIATIVA. NOS SENTIMOS TODOS ATINGIDOS E SOLIDÁRIOS COM A DEFESA DESTA CLASSE.

  81. É preciso haver um basta a esta categoria de pessoas que mesmo sofrendo penalidades continua usando de Má fé em suas iniciativas.
    Esta empresa e toda sua diretoria deveria estar atrás das grades “de fato “, e não apenas por “figuração “

  82. Parabéns ao CAU. Situações como essa demonstram a importância de estarmos organizados e fortalecidos por meio do nosso Conselho. Lamentável a atitude da Construtora Andrade Gutierrez.

  83. Como diz o ditado “se tem um limão faça uma limonada”, é uma boa hora para as entidades que nos representam, fazer campanhas publicitárias para mostrar ao povo brasileiro a importância do projeto e que o arquiteto não é um “gasto de luxo” e sim um bom investimento para valorizar seu imóvel e qualidade de vida. Além de deixar bem claro as devidas atribuições do arquiteto e as das diversas especialidades dos engenheiros que o público leigo não tem conhecimento.
    Repudiar as coisas erradas é dever, mas devemos olhar as crises com o olhar do “meio copo cheio” e não do “meio vazio”.
    Parabéns ao CAU/BR pela defesa da nossa boa imagem…

  84. Parabenizo o CAU/BR pela atitude de defesa.
    É importante e necessária a afirmação pública da função do arquiteto na construção das cidades e coibir a difamação da categoria.
    Concordo com quem disse que o CAU/BR deve solicitar uma manifestação pública em rede de TV, tal como ocorre com as publicidades de partidos políticos. Afinal, isso não custa nada a quem nos comparou com políticos e custeia a propaganda desses. Avante CAU/BR! A sociedade merece esse todo esclarecimento já.

  85. Só posso corroborar os companheiros parabenizando o CAU por exercer seu papel de forma contundente. Tem defendido e atendido a categoria com competência. Obrigado, CAU.

  86. Enquanto os verdadeiros Brasileiros lutam por um Brasil ético, aqueles que se beneficiam do caos lutam na contramão!
    Parabéns CAU/BR !

  87. O episódio da AG nos convida a uma reflexão e a alguma autocrítica.
    Por volta de 1985, tramitava no congresso uma lei (ou um projeto de) que, a grosso modo, permitiria aos técnicos o avanço sobre os limites para atuarem na área de projetos os quais fariam sombra a habilitação específica de arquitetos (não consegui obter vestígios de tal projeto de lei para mais detalhes), o que na época ficou conhecido como “lei dos técnicos”. Que eu me lembre o projeto de lei não foi adiante graças, em parte, a uma intensa mobilização até mesmo dentro do meio acadêmico.
    Novamente, desta vez nos anos noventa, outro projeto no legislativo federal visava desregulamentar uma série de profissões que na visão de nossos ilustres parlamentares não ensejavam em seu produto final a oferta de riscos a população, o que equivaleria dizer que não haveria mais a necessidade de diploma universitário para se desempenhar tais profissões. A arquitetura esteve neste rol mas acabou escapando, o que parece não ter ocorrido com o Jornalismo por exemplo.
    Há cerca de dez anos atrás quando fui chamado para uma nomeação emergencial no cargo de docente da rede estadual, 2º grau, nível técnico, pude sentir o desapontamento do coordenador do curso (um professor engenheiro) ao saber que o candidato não era um engenheiro civil e sim um arquiteto (a vaga não distinguia a formação), tendo feito de tudo para me boicotar. Reconheço que dei uma mãozinha a ele, pois cheguei à conclusão de que o salário não valeria a pena e desisti da vaga.
    Outra: para o arquiteto que agregar a pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho, boa sorte se encontrar um concurso público para o cargo em que o requisito não seja “formação em Engenharia (…) e pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho”, sim, esqueça o “…ou arquitetura” conforme especifica a lei 7410/1985, Art. 1º-I). Se quiser encarar, boa sorte, mas se lograr êxito prepare-se para lutar judicialmente pela vaga (e com pouquíssimas chances de êxito) se a titulação acadêmica não for a de Engenheiro, conforme o edital. Arquiteto é sempre “esquecido”. Diante disso pergunto: onde estaria tanta deficiência na formação dos arquitetos para que eles sejam tantas vezes renegados (as vezes até repelidos)?
    Apesar de terem agora um “Conselho para chamar de seu”, os arquitetos ainda não conseguem a visibilidade que poderiam ter não fosse a indelével desarmonia entre arquitetura e engenharia, onde uns defendem ainda a inocente ideia de que os arquitetos deveriam se encarregar do projeto e os engenheiros da parte estrutural (sendo que muitas vezes uma obra nada requer de maior relevância nesta área), ou ainda estes últimos da execução o que acabaria reduzindo ainda mais a demanda por arquitetos graças à opaca visão que a sociedade em geral tem, especialmente nas camadas sócio-culturais menos favorecidas, sobre a amplitude de suas atribuições. E num país onde a economia nunca foi favorável sequer a contratação de um profissional com determinada habilitação (muitos o fazem apenas para não se incomodarem com os órgãos públicos), o que se dirá de dois, o arquiteto para o projeto e o engenheiro para a execução! E por essas e outras, ainda teremos por muito tempo jovens arquitetos (e graduandos) refugiando-se eternamente no mundo acadêmico a pesquisar sobre “Urbanismo Social” (e quiçá, posteriormente mergulharem na política), sem nunca passarem por uma vivência prática, ou terminarão se inclinando para a Decoração de Interiores, um nicho cada vez mais em ascensão mas que nunca exigiu formação em arquitetura. Os bem sucedidos arquitetos nesta área são invariavelmente aqueles com o que se costuma chamar de alma de artista.
    Como se não bastasse ainda a também ascendente área de Design a fazer sombra, os currículos de arquitetura são dos mais dispares entre todas as carreiras acadêmicas conhecidas hoje em dia. Mudam-se currículos e conteúdos e nunca se chega a um denominador comum tanto no foco das disciplinas quanto no próprio nome de cada uma delas que variam de uma universidade para a outra, o que acaba, ao final de tudo, gerando uma eterna crise de identidade para a profissão.
    Diante destas constatações pessoais, fica difícil entender, por exemplo, por que nos últimos anos abriram-se tantas faculdades de arquitetura no Brasil. Já ouvi um comentário em uma rádio de grande repercussão regional que existem hoje mais faculdades de arquitetura do que em toda a Europa que tem hoje quase o dobro da população brasileira. Quem as autorizou e por quê?
    Egressos das faculdades hoje em dia já postulam um mestrado para daqui a alguns anos tentarem a docência para formarem futuros … docentes em arquitetura tal o inchaço no restrito mercado de trabalho destes profissionais. A profissão acabou se tornando um fim em si mesma.
    Em tempo, chegava a ser constrangedor ler nos posts do próprio CAU as notícias sobre as participações do Conselho nas investigações da tragédia na boate Kiss em Santa Maria. Ficava evidente a preocupação que se tinha de que os holofotes não poderiam ficar exclusivamente sobre o CREA dos engenheiros. Todo mundo queria surfar naquela triste onda.

    Maurício, RS

    1. Na Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 2006 foi inaugurado o curso de Arquitetura e Urbanismo e pasmem meus senhores! Na apresentação da página da ESDI-UERJ está a seguinte frase: “O Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo da ESDI/UERJ”, vejam o curso não é da UERJ, é da ESDI-UERJ(o que está escrito na página pelo menos), ESCOLA SUPERIOR DE DESENHO INDUSTRIAL. Vejam que o desenho Industrial não possui conselho ou regulamentação como profissão, mas a UERJ faz o percusso contrário e cria uma faculdade de Arquitetura subordinada a uma faculdade de desenho industrial, com um diretor, PASMEM novamente!!!!!! Desenhista Industrial! Sabemos que a Universidade possui autonomia, possui capacidade técnica para criar o curso, mas no mínimo ele deveria ser um instituto e não um departamento de uma Escola de Design, que mesmo sendo extremamente conceituada e competente, não deve ser confundida em nenhum aspecto com arquitetura e urbanismo e guardadas a s devidas especificidades tem semelhanças curriculares não suficientes para serem adjacentes na estrutura universitária, mesmo levando-se em voga a escola de Bauhaus e outras linhas de pensamento. O que o CAU FAZ? Qual a posição do CAU sobre isso? Se é a favor ou contra uma faculdade de Arquitetura ser apêndice de uma escola de desenho industrial? Ter um Diretor que não é Arquiteto???? Será que no Brasil não há nenhum Arquiteto capaz de implantar a Arquitetura na UERJ???? Este é o ESTADO DO PEZÃO E CABRAL MINHA GENTE!

  88. MAURICIO – RS , senti na pele esta questão da pós-Graduação em engenharia de segurança do trabalho. Em dez anos de conclusão desta pós, não consegui nada e observei esta questão nos anúncios que já descartam o Arquiteto para esta função, em empresas públicas e também privadas.Foram centenas de currículos enviados e nada. Em relação a questão de lecionar, também tive problema com um engenheiro, que ocupou o lugar do antigo coordenador de um curso, onde lecionei por um ano, tendo a maioria dos alunos como satisfeitos com a minha atuação, mas entrando este engenheiro como coordenador, fez de tudo para a minha demissão e conseguiu.Em relação ao trabalho como gerente ou supervisor de obras em construtoras ou empreiteiras, percebi que os engenheiros das empresas boicotam a nossa contratação.

    1. Meu Caro, já perdi a conta das inúmeras entrevistas de emprego em que fui discriminado, já até pedi apoio ao CAU sobre isso e nunca fui atendido, rerspostas protocolares de pessoas não formadas em engenharia de segurança. As empresas na hora de contratar não querem saber, pedem “engenheiro de segurança”, veja que é bem simples, uma pós graduação em segurança do trabalho pode ser feita por qualquer pessoa com 3º grau, portanto qualquer um é especialista em engenharia de segurança do trabalho, chegando a nos confundir com os tecnólogos em segurança do trabalho, mas a atuação é restrita aos arquitetos e engenheiros e são denominados conforme a lei 7410 no art.1º item III – ao possuidor de registro de Engenheiro de Segurança do Trabalho. O prejuízo aos antes “engenheiros” e agora especialistas em engenharia de segurança do trabalho foi claro. Vejamos que um spot com pequenas sutilezas e atribuição ao engenheiro do projeto e seu detalhamento deu margem a tanto barulho, imagina o que nós antes “engenheiros” somos vitimas em silêncio. Não há Câmara de engenharia de segurança no CAU, se há nunca recebi nenhuma comunicação, não há fiscalização da atuação não houve concurso para fiscalização específica da atuação em segurança do trabalho, enfim no que diz respeito a nossa área é tudo muito mambembe, veja se há no site do CAU qualquer menção à engenharia de segurança? Cursos? Nem sequer conseguem impedir que engenheiros façam projetos de arquitetura, vão conseguir algum avanço na segurança do trabalho? Estamos entregues à própria sorte. Enfim desilusão total com o País e não pouca com esta instituição.

  89. Além de difamar arquitetos o diálogo do spot é rudimentar e totalmente sem nexo.
    A profissão é muito desvalorizada porque os governos estaduais e federais, fazem grandes obras planejadas por construtoras, ignorando que essa função é dos arquitetos e urbanistas. O resultado em geral é desastroso, vide o caso da queda da ciclovia no Rio. Nem o prefeito, nem os engenheiros envolvidos entenderam que é impossível desprezar o mar. Seria necessário um quebra bar para proteger a ciclovia e a costeira.
    Parabéns ao CAU pela pronta reação.

  90. O próprio CAU desvalorizou os arquitetos com formação Engenharia em Segurança do Trabalho. Antes tinham titulo de Engenheiro na carteira do CREA, em igual patamar agora tem de Especialista nos causando inúmeros dissabores, lá eu podia ter a titulação e agora não. Se é especialização que o CAU vá de encontro ao crea para eles retirarem também de suas carteira a titulação, ou retornem a figura do arquiteto engenheiro como antes existia ou se ainda está em existindo que use como para os detentores da especialização.Era para ter deixado no CREA e ficaria dois conselhos.

  91. Prezado,
    Trabalhei para esta construtora em projetos importantes, inclusive no exterior. Na época, sempre fui tratado com o maior respeito. Lamento profundamente o que está acontecendo atualmente. Sua atitude conta com meu apoio irrestrito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

CAU/BR

CAU/BR inaugura Galeria de Presidentes com a presença de três ex-presidentes

Pular para o conteúdo