CAU/BR

CAU/BR normatiza atuação de arquitetos e urbanistas na área de georreferenciamento

GEORREF

 

Deliberação Plenária do CAU/BR define as regras para que arquitetos e urbanistas possam requisitar junto ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) autorização para atividades de georreferenciamento, especialmente Cadastro de Imóvel Rural. A norma foi aprovada na 55ª Reunião Plenária do CAU/BR, em Brasília. O INCRA havia negado a arquitetos e urbanistas essa autorização, apesar desses profissionais terem em sua formação obrigatória disciplinas relacionadas à topografia. “O CAU/BR já vinha mantendo contato com o INCRA, que sinalizou a expectativa de um normativo específico para regulamentar a Lei 12.378/2010”, afirma o coordenador da Comissão de Ensino e Formação do CAU/BR, José Roberto Geraldine Junior.

 

A deliberação define que todos os arquitetos e urbanistas formados a partir de 1995 estão automaticamente habilitados para assumir responsabilidade técnica em determinação das coordenadas de imóveis rurais. Os profissionais formados antes de 1995 devem comprovar ao CAU/UF de seu Estado ter cursado os seguintes conteúdos formativos:

 

  • Topografia aplicadas ao georreferenciamento;
  • Cartografia;
  • Sistemas de referência;
  • Projeções cartográficas;
  • Ajustamentos;
  • Métodos e medidas de posicionamento geodésico.

 

Esses conteúdos não precisam constituir disciplinas específicas, podendo estar incorporadas nas ementas de outras disciplinas. Já os arquitetos e urbanistas que não tenham cursado esses conteúdos poderão requisitar a habilitação comprovando sua experiência profissional específica na área, devidamente comprovada por meio da Certidão de Acervo Técnico (CAT).

 

Em todos os casos, o CAU/UF emitirá para o arquiteto e urbanista Certidão Para as Atividades de Georreferenciamento e Correlatas, contendo as seguintes informações:

 

  • nome do arquiteto e urbanista;
  • título profissional e, se houver, complemento;
  • número de registro do arquiteto e urbanista no CAU;
  • país de diplomação do arquiteto e urbanista;
  • atribuições profissionais do arquiteto e urbanista e atribuições para a assunção de responsabilidade técnica dos serviços de
  • determinação das coordenadas dos vértices definidores dos limites dos imóveis rurais para efeito do Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (CNIR);
  • anotação de curso(s) realizado(s) pelo arquiteto e urbanista, se houver;
  • informação sobre a inexistência de débito do arquiteto e urbanista junto ao CAU.

 

“O arquiteto que levar ao INCRA a certidão do CAU/UF pode exercer sem dificuldade as atividades de Cadastro de Imóveis Rurais junto ao INCRA. Há inclusive escritórios de Arquitetura e Urbanismo especializados nisso, com essa deliberação eles estão garantidos em seu trabalho”, diz o coordenador.

 

Publicada em 23/06/2016

MAIS SOBRE: CAU/BR PLENÁRIAS

0 resposta

  1. Infelizmente o CREA deixou mais esse absurdo ser aprovado. Profissionais com conhecimentos básicos em topografia, passam agora a possuir atribuições legais no âmbito do Georreferenciamento. Os arquitetos cursaram a disciplina “Topografia” e assim se acham especialista no instrumento de Georreferenciamento. Acredito que 90% deles não conhecem por exemplo a “Estação Total”. É bom lembrar que arquiteto não é engenheiro, e sim arquiteto.

  2. Neste nosso BRASILZÃO DE MEU DEUS, eu já ví de tudo e mais um pouco:
    Vi o servente de pedreiro (orelha seca) se passar por pedreiro, vi o pedreiro se passar por mestre de obras e ví o mestre de obras se passar por engenheiro e vi o engenheiro saber menos que o servente de pedreiro.
    Vi engenheiro construindo edifício e vi anos depois o edifício desabado.
    Vi o lavrador se passando por agrônomo e vi agrônomo mais desinformado que o lavrador.
    Ví farmacêutico fazendo cirurgia, partos em sua farmácia, e ele era só um prático.
    Ví esse farmacêutico sendo pediatra, e as crianças eram curadas.
    Ví clínico geral sendo ginecologista, obstetra e ouvi também as pacientes comentarem a tara dele, ouvi mães reclamarem de seus filhos assassinados no nascimento e o laudo de natimorto dos bebês.
    Ví também um desenhista arquitetônico que fez um curso pelos correios, (não havia internet) se passando por arquiteto.
    Admiro e respeito todas as profissões e todo bom profissional. Porém ele tem que ser qualificado, especializado.
    Conheço certas universidades que ministram seus cursos superiores, porém os seus alunos tem muito pouca bagagem para exercerem as suas profissões.
    Esse é o nosso BRASIL, MUITO LONGE DO PRIMEIRO MUNDO.

  3. Um ano de ensino clássico de topografia e cartografia é suficiente com equipamentos, parabens ao CAU/BR, sabe-se bem dos profissionais antigos, das dificuldades para elaborar o levantamento planialtimétrico a bico de pena, escalímetro, curva francesa, transferidor, o campo os alagados o medo da chuva, a leitura da deflexão angular por teodolito mecânico, era bracal demais; hoje põe um drone escanea em minutos fixa os pontos UTM que nem reconhece curvas, num clique as curvas de nível e outros achados com precisão absoluta, essa tecnologia facilitou e muito a vida dos profissionais da área, pode estar repetido, o sistema está lento.

    1. O que aprendi na faculdade em topografia e cartografia é o conhecimento clássico q é inalterável, o wue aconteceu foi q os instrumentos com nova tecnologia mudaram a roupa da topo e carto, somando triangulação de balões e também por celulas, a fisica, a mecanica a eletrônica fina, geralmente frequências a otica o digital pasmem só os agrimensores podem manipular essa tecnologia e só eles podem se logar no incra.

    2. Para finalizar meu entendimento parabéns ao CAU/BR que atendeu aos anseios da sociedade no tocante a questão fundiária no País, parabens pelo combate, iniciativa e clareza frente ao equívoco praticado pelo incra,

  4. Para mim facilitou muito a tecnologia, quanto me formei a 36 anos fiz um trabalho de topografia em Goiás coisa de 60 hectares os técnicos de agrimensura levaram 4 meses no campo, me forneciam os rumos e eu elaborava o mapa; a um ano atrás fiz um trabalho com área semelhante, o terreno bem mais ingrime o levantamento foi por drone demorou 15 minutos fiz o mapa fechado perímetro em 2 dois, a tecnologia veio para ficar, tem uns comunistas q acham q essa tecnologia está tirando o trabalho deles.

  5. Engraçados esses agrimensores, topografia e cartografia curricular no curso de arquitetura e urbanismo cobre muito bem o geo-referênciamento é apenas a aplicação de nova tecnologia, ou então acabou os pontos, marcos, curvas de nível, planta de situação etc o agrimensor era curso técnico agora virou engenheiro, que é agrimensor, como arquiteto é arquiteto, os agrimensores profissão tão antiga e respeitada se enchem todo de ser chamado de engenheiro virando caçula do arquiteto.

  6. Os Crea a anos, com a história da saída dos arquitetos e urbanistas vinha sacaneando nossas atribuições o georreferenciamento é atribuição do Arqto e Urban o wue é necessário é conhecimento dos aparelhos e programas que se renovam a cada dia.

  7. Não faz o mínimo de sentido o arquiteto com qualquer formação fazer esse tipo de serviço. O georreferenciamento não é uma simples coleta de ponto de GPS, envolve, sensoriamento remoto, ajustamento de observações, cartografia que vão muito além da topografia de “rumo e azumute” que são ministradas em cursos de arquitetura. Os engenheiros não natos nessa especialidade devem fazer curso de especialização em nivel de pos graduação na área, aí um arquiteto que estuda muito mais história da arte do que geociencias fazer georreferenciamento é uma piada. A atribuição deve ser pela grade curricular de cada curso, se na grade curricular tiver estrutura de concreto armado, pode, metalicas pode e assim por diante.

    1. Sou Arquiteto Urbanista e trabalho com topografia e georreferenciamento desde minha formação, assim como a Thaissa tenho conhecimento aplicado na área, porém, acho que como Arquiteto nossa carga horária é um pouco baixa para tal disciplina, o INCRA deveria criar uma prova de aptidão para profissões que tenham ligação direta com agrimensura, assim como a OAB, exemplo!

    2. Então, engenheiro civil não deveria assinar loteamento, praças, projetos arquitetônicos… Arquitetos e urbanistas vêem mais sobra georreferenciamento e topografia, do que engenheiro civil nas áreas mencionadas.

  8. Colegas arquitetos e urbanistas, agrônomos, engenheiros, tecnólogos e técnicos.
    A lei 10.267/2001 levou os conselheiros do Confea a escrever Decisões Plenárias – PLs de forma irresponsável em 2003 e 2004. Nenhuma dessas atendiam os critérios estabelecidos na Resolução 218/73 do Confea.
    Essas PLs do Georreferenciamento foram o protótipo da Resolução 1.010/2005 do Confea.
    A tal matriz do conhecimento nunca levaram a um consenso.
    Arquitetos e Agronomos fizeram lobbys no MEC e esse de forma irresponsável emitiram as resoluções inserindo o georreferenciamento nos projetos de cursos, que na prática nenhum curso de graduação em agronomia e arquitetura e urbanismo contemplam o conjunto de disciplinas profissionalizantes dos cursos de graduação em engenharia de agrimensura e cartográfica.
    Os cursos de extensão em georreferenciamento que surgiram e os regionais fizeram o seu cadastramento e anotação nas carteiras profissionais, eram meros produtos de fácil comercialização, aproveitando a falta de representação dos agrimensores e cartógrafos no Confea.
    Os arquitetos e Urbanistas nessa guerra com os engenheiros civis, desde antes da Lei 12.378/2010 pela exclusividade na elaboração de projeto arquitetonico. Antes da Lei respeitavam minimamente as PLs que eram as regras mesmo que errôneas estabelecidas pelo Confea, com a Criação do Sistema dos Arquitetos e Urbanistas (CAU-BR) esses passaram a descumprir o mínimo de discplinas necessarias para as habilitações na área de Geodésia, por ignorância, creio que não deve ser por de forma intencional e irresponsável mesmo, daqueles que fazem parte do Plenário do CAU-BR, assim como aqueles do Plenário do Confea fizeram após a aprovação da Lei 10.267/2001.
    O STF deve retornar o Sistema do Conselhos de Fiscalização de Profissões Regulamentadas para RJU, e daí pode reestruturar esses sistemas de forma a funcionalidade retornar a decência e respeito aos profissionais de cada área profissional e a população carente de profissionais verdadeiramente habilitados para os serviços de georreferenciamento.

    1. Sou arquiteta, urbanista e trabalho com loteamentos de chácaras e loteamentos urbanos. Faço Geo de todos meus loteamentos há 10 anos. Utilizo o GPS RTK em solo e quando necessário aerotriangulo com drone. Tenho total conhecimento de topografia incluindo cálculos de volume, estaqueamentos para terraplanagem e pavimentação. É obrigação do urbanista estar amparado pelo aprendizado da cartografia, sistemas de projeção e geoddésia. No meu caso: também aerofotogrametria. Recebo levantamentos em SAD69 e entrego em SIRGAS2000. Utilizo 4 programas de topografia, gerando inclusive MDT E MDS, ortomosaicos, vetorizacao cartografica com precisão centimétrica. Se for preciso faço com Estação Total, teodolito ou até mangueira com água pra provar que sei o que estou fazendo.

    2. O fato é que o CREA está desesperados, juntamente com seus associados, pois o pais não consegue gerar empregos nas áreas de engenharias. Contudo ficam desqualificando todos os outros profissionais que podem ter atribuições afins. Total desespero e despreparo.

    3. Para mim facilitou muito a tecnologia, quanto me formei a 36 anos fiz um trabalho de topografia em Goiás coisa de 60 hectares os técnicos de agrimensura levaram 4 meses no campo, me forneciam os rumos e eu elaborava o mapa; a um ano atrás fiz um trabalho com área semelhante, o terreno bem mais ingrime o levantamento foi por drone demorou 15 minutos fiz o mapa fechado perímetro em 2 dois, a tecnologia veio para ficar, tem uns comunistas q acham q essa tecnologia está tirando o trabalho deles.

  9. Prestem bem atenção para executar atividades de Georreferenciamento de Imóveis Rurais, de acordo com a 3ª Edição das normas do Incra, leva em conta as seguintes disciplinas e cargas horárias:
    INCRA
    Cadastro e Legislação Territorial – 60 h/a
    Cartografia – 60 h/a
    Sistemas de Referência – 90 h/a
    Topografia – 120 h/a
    Fotogrametria e Sensoriamento Remoto – 120 h/a
    Ajustamento de Observações[5]s- 120 h/a
    Geodésia – 120 h/a
    Posicionamento por Satélite – 120 h/a
    Total = 810 h/a
    Acesse aqui o arquivo pdf com a íntegra da Proposta 024/2014 do conteúdo mínimo para atender a versão 3 das Normas do Incra para o Georreferenciamento de Imóveis Rurais.

  10. Agora todos podem fazer georeferenciamento de imóveis, pois até o GPS do celular terá, com a entrada da L5, precisão e acuracia dentro dos parâmetros aceitos pela norma.

  11. Pra fazer georreferenciamento necessita de conhecimento em geodésia e não em topografia somente, apenas por usar argumento de que estudaram topografia (muito superficialmente) é suficiente pra fazer georreferenciamento já mostra quão despreparados estão, caso façam uma pós para isso tudo bem, mas apenas com graduação é uma palhaçada.

  12. Importante registrar, para os poucos familiarizados com história, que a arquitetura remonta a mais de 4 mil anos, e trabalha com topografia desde o seus primórdios, sendo intrínseca na realização dos trabalhos desta profissão a muito tempo.

    Assim, MUITO ANTES DE TODAS ESSAS PROFISSÕES, que agora requerem exclusividade, se quer existirem reconhecidas, os arquitetos já trabalhavam com topografia.

    Impressionante como alguns, ignorando convenientemente a história, tentam trazer pra si a exclusivadade do conhecimento de ciência universais como a matemática e a física, como se únicos capazes fossem.

    1. Correto.
      Tudo partiu da arquitetura. Aliás, antigamente os arquitetos faziam tudo em relação à projetos. Inclusive calculavam estruturas, elétrica, hidráulica, etc.

      Hoje em dia, esta área está mais multidiciplinar.

    2. Monteiro, concordo com tudo o que escrevestes. Se todos trabalharem direito com honestidade e ética, todos teremos trabalho. Arquitetos, engenheiros e agronomos. Todos podemos avaliar, projetar e construir.

    3. Desculpem mais estes argumentos são muito superficiais, a formação técnica é fundamental, quer dizer que por ter uma relação ancestral remota com a disciplina isso te habilita a ser o especialista no assunto. Eu como Agrimensor, então, por saber geometria posso projetar um edifício?? tem que sentar na cadeira e se especializar, apertar botão até minha avó de 100 anos aprendeu, agora saber o que esta acontecendo é uma outra conversa.

    4. Os arquitetos só falam em topografia, assim dá pra perceber que sua formação é superficial e seu conhecimento técnico na área de geoprocessamento e georreferenciamento é precário, e não habilita os arquitetos a serem especialistas no assunto.

  13. Amigos e companheiros, vocês estão parecendo crianças brigando por docinhos, sejam mais profissionais, na verdade existem de tudo em tudo, afinal de contas estamos lidando com seres humanos. Muitos arrogantes mesmo sem nada entender!
    E apesar de tudo, topografia não é o bicho de 7 cabeças! Vamos todos trabalharem para o bem da humanidade o que vai demandar é a competência de cada um.

    Meu muitíssimo obrigado por lerem!! (FACULDADE PITÁGORAS DE LONDRINA PR).

    1. Prezado até parece com essa nova tecnologia acabou pontos de intersecção de retas, marcos, curvas de nível, legendas, a coisa veio para facilitar ou entra nela ou morre.

  14. o INCRA não aceita a minha declaração de georreferenciamento, pede no modelo CONFEA.

  15. Alguém fez o cadastro junto ao INCRA já? Como procederam? Qual o contato que utilizaram do INCRA para tirar dúvidas e efetuar o cadastro?

  16. Culpa nossa que votamos em políticos corruptos. Agora aguenta essa zona que está todas as profissões, um subindo em cima do outro.

  17. Em toda a grade curricular vocês tem uma disciplina voltada a topografia e mesmo assim vocês recebem o titulo de geomensor!!! PARABÈNS ao CAU e mais uma VERGONHA pro CREA!!!!

    1. Prezado até parece com essa nova tecnologia acabou pontos de intersecção de retas, marcos, curvas de nível, legendas, a coisa veio para facilitar ou entra nela ou morre.

  18. Meus parabéns ao CAU!Para que os arquitetos estejam sempre trabalhando e acompanhando as evoluções tecnológicas!

  19. Para meu esclarecimento:
    Arquiteto pode Qualificar Floresta Atlântica no seu estágio sucessional? Assim como, pode Quantificar as áreas dos diferentes estratos florestais??

  20. Caros Agrimensores! Quem está destruindo as profissões na verdade, são os cursos técnicos.
    hoje se obtem o título de técnico de agrimensura em 1 ano indo de 15 em 15 dias no local. Aí o sujeito já está ‘apto’ a fazer todo tipo de trabalho. além de pagam uma art menos cara que a dos engenheiros.
    não são os arquitetos o mal desta área e sim os técnicos.
    eu mesmo já tive que ‘arrumar’ vários trabalhos aqui no sul de minas por mal saberem o básico.
    abs

    1. Desculpe-me, meu caro, mas não é o tempo que diz se ao final do curso você estará apto ou não a ser um bom profissional. Há técnicos que vão, segundo suas palavras, de 15 em 15 dias à sala de aula e saem ao final do curso muito mais competente que muitos que passam 5, 10 anos para se formar em um curso de nível superior. A questão levantada, eu acredito, não tem a ver com nível, mas com atribuições. Se para os arquitetos estarem na mesma área de trabalho que Técnicos Agrimensores, Engenheiros Agrimensores, isso quer dizer que perdeu-se a prerrogativa do profissional de agrimensura. Soa até estranho imaginar um arquiteto lidando com Georreferenciamento de Imóveis Rurais. Mas parece um mecânico de automóveis se metendo no assunto de um médico cardiologista, por exemplo.
      O que deveriam ter feito era retirar as disciplinas ref. a área da agrimensura da grade curricular do curso de arquitetura.

    2. Caros agrimensores , engenheiros agrimensores, arquitetos e afins….
      Quem está matando a topografia somos todos nós, principalmente os arquitetos nossos maiores clientes, que aceitam qualquer coisa passam batidos pela NBR 14166/98, muitos nem sabem do que se trata! isso no âmbito das atividades públicas e privadas.
      Saibam os senhores agrimensores , engenheiros e afins que na Europa estas atividades estão em extinção e sendo substituídos pelo PROFISSIONAL DA GEOMÁTICA e que o arquiteto antes de ser arquiteto precisa ser um profissional da geomática…
      Enfim, leia mais : http://politecnicavila.usal.es/estudios/ingenierias/topografia/topografia.php

    3. Você não está sendo profissional ao expor nós técnicos nessa situação. Se atualize e fique sabendo que na prática os técnicos tem se especializado bastante na área de processamento GPS e GIS. Principalmente aqui na região onde atuo.

  21. Sou Agrimensor,tenho 15 anos de profissão e achei isso uma vergonha dar essa atribuição a Arquitetos q mal sabem operar um GPS geodésico ou uma estação total pra executar um levantamento topográfico georreferenciado,mal sabem calcular uma poligonal ou processar dados geodésicos duvido se vão conseguir,terei o maior prazer de condenar um serviço de georreferenciamento feito por arquitetos.

    1. Caros agrimensores , engenheiros agrimensores, arquitetos e afins….
      Quem está matando a topografia somos todos nós, principalmente os arquitetos nossos maiores clientes, que aceitam qualquer coisa passam batidos pela NBR 14166/98, muitos nem sabem do que se trata! isso no âmbito das atividades públicas e privadas.
      Saibam os senhores agrimensores , engenheiros e afins que na Europa estas atividades estão em extinção e sendo substituídos pelo PROFISSIONAL DA GEOMÁTICA e que o arquiteto antes de ser arquiteto precisa ser um profissional da geomática…
      Enfim, leia mais : http://politecnicavila.usal.es/estudios/ingenierias/topografia/topografia.php

    2. Prezado Carlos Henrique, informo que sou Arquiteto e Eng.Civil, quanto a disciplina de Topografia ainda infelizmente tem muito a desejar, isto é fraco a carga horaria é muito pouca pra eng.civil e Arquitetura são 2 semestres, na minha concepção de entender o profissional capacitado nesta área de topografia é somente o Técnico em Agrimensura e o Eng.Agrimensor que estes tem uma carga horária de 2 anos e o superior 5 anos
      Abraço.

  22. se um arquiteto não entende de topografia ou georreferenciamento como ele é habilitado urbanista?

  23. A muito tempo a area da agrimensura e baguncada mesmo. Sou engenheiro agrimensor, trabalho com topografia a mais ou menos 15 anos e fico triste com esta “canetada”. Estas atribuicoes sao pertinentes a profissionais que estudaram a fundo a materia. Gostaria de saber… se eu fazendo um curso a nivel de pos… estaria habilitado pra assinar projetos de arquitetura e projetos estruturais. Acho que cada um no seu quadrado. Fazem uma pos graduacao e praticamente viram “Engenheiro Agrimensor/Cartografo”. Lamentavel.

    1. E vc acha mesmo que um engenheiro civil tem essas habilidades? Sou arquiteto, atuo no ramo da construção há 20 anos e já ensinei muito engenheiro a conferir esquadro, armação de estruturas e outras coisas que de acordo com sua teoria só engenheiro sabe fazer.

  24. Sou arquiteto e atua em topografia e georreferenciamento e usamos muito topografia em nossos trabalhos como platos terraplanagem em desmembramentos e loteamentos ja passou da hora dos arquitetos ter esse beneficio

    1. Mas aí é o problema, o georreferenciamento de Imóveis rurais necessita conhecimentos de topografia e geodésia ou você acha que são as mesmas coisas?

    2. Sou Arquiteto e Engenheiro Civil Entre Arquitetura a Disciplina de topografia é 6 meses, quanto a Engenharia Civil também 6 meses, nesses cursos já citado se por por no pé da letra nem o Arquiteto e nem o Engenheiro civil tem bagagem pra Elaborar um projeto topográfico.
      A Carga horária mesmo é minima. Entendido mesmo é Tecnico que estuda topografia 2 Anos e Eng.Agrimensor que estuda 5 anos.

  25. Falta de respeito com as demais classes que são aptas a trabalhar nessa área. O georreferenciamento não é apenas coletar as coordenadas e “unir” os pontos para que seja formado uma área. E como fica o ajuste pelo MMQ? quando usar dupla frequência? E se o PDOP estiver muito alto? Será que eu poderia fazer transformações entre ITRF’s? Qual a época do SIRGAS2000? Qual sistema de posicionamento deve-se usar? O que é um PPP? Será utilizado triangulação ou trilateraçao? … Sinceramente, o CAU faltou com respeitos a todos os profissionais que atuam nessa área 🙁

    1. Concordo plenamente Danilo. Mas acho que quem começou errando foi o CONFEA quando deu prerrogativa de atribuição em geo para todos os profissionais que fazem topografia, uma vez que georreferenciamento, bem sabemos nós que somos engenheiros agrimensores, foge da abrangência da topografia e passa a ser da geodésia, ou seja, deveria ter atribuição apenas quem faz geodésia e disciplinas afins.
      No caso do CAU, foi muito pior, pois em muitos cursos de arquitetura que tenho conhecimento, nem topografia fazem, quem dirá, geodésia, ajustamento, etc.
      Não exigir nenhum curso complementar para habilitar, foi muito além do erro.
      Espero que alguma associação de agrimensura entre com uma representação no Ministério Público sobre essa questão, porque isso não pode ficar assim…

  26. Legal né?
    Um Arquiteto pode fazer georreferenciamento e um Engenheiro agrimensor ou civil não pode fazer uma planta ou até mesmo projetar um bairro.
    Onde foi dito que os arquitetos são melhores que nós?
    Tem alguma lei que comprove que eles podem entrar na área de terceiros e ninguém poder entrar na área deles?
    Alguém se habilita responder? De preferência responda um Arquiteto ou alguém do CAU.

    1. Gean. vou lhe responder.

      Sou arquiteto e Urbanista. Conheço bem topografia, melhor até que muito especialista da área. Sou pós em Geotecnologias.

      Um arquiteto pode fazer sim Georreferenciamento, desde que tenha capacidade e conhecimento técnico para tal atividade.

      Ah sim! Arquiteto não faz planta, Faz Projeto, realiza sonhos!.

    2. Concordo com o senhor Gean, sou engenheiro agrônomo tenho na grade curricular topografia I e II e para fazer Georreferenciamento necessito da pós.

    3. Gean, eu sou Arquiteto,E FIZ FACULDADE DE eNG.cIVIL, PÓS GRADUADO em Eng.Ambiental, como posso dizer sobre disciplina de Eng.Civil, olha na Grade de Eng.Civil se cai Projeto de Arquitetura, algumas faculdades tem 6 meses, o Arquiteto entra na Faculdade ja iniciando o primeiro mÊS PROJ.DE aRQUITETURA E pLANEJ.uRBANO, PORTANTO ELE SAI COM UMA BAGAGEM grande pra projetar um Loteamento entre outros
      Abraço.

    4. Prezado Gean Frank, informo que sou Arquiteto e Eng.Civil, quanto a disciplina de Topografia ainda infelizmente tem muito a desejar, isto é fraco a carga horaria é muito pouca pra eng.civil e Arquitetura são 2 semestres, na minha concepção de entender o profissional capacitado nesta área de topografia é somente o Técnico em Agrimensura e o Eng.Agrimensor que estes tem uma carga horária de 2 anos e o superior 5 anos
      Abraço.

  27. Sou arquiteto especialista em georreferenciamento e fiquei triste com tal atitude do CAU-BR – pois não há possibilidade alguma de respeitarem essa deliberação plenária fajuta. Expliquei tal fato à presidencia do CAU-BR, mas pelo que vi, foi o nosso querido Presidente quem modificou a decisão da comissão de ensino e formação (assisti ao vivo e vi que ele pediu pra modificar). A comissão de ensino e formação tinha texto de possibilitar apenas aos pós graduados igual era feito antigamente e da forma como se credenciaram arquitetos e engenheiros sob a luz da PL-2087-CONFEA.

    O fato é que venho tentando credenciar desde novembro/2015, ganhei processo dentro do incra e tal processo gerou tudo isso que está acontecendo (deliberação e tal) e ja possuo a certidao específica que consta inclusive a pós graduação nela – mas o INCRA credenciou um engenheiro que formou junto comigo, mas minha certidão não aceitam – e justamente pelo fato do CAU ter inovado e querer atribuição que não era dos arquitetos.

    Pensem, se em 2004 os arquitetos precisavam fazer pós-graduação conforme PL 2087/2004…..como pode o CAU-BR dizer que desde 1995 os arquitetos formados podem automaticamente georreferenciar. Há segurança jurídica nisso? claro que não e a gula de alguns vai ferrar com quem pagou 30 mil por pós graduação e ainda 70 mil por equipamentos para enfeitar a casa. Triste estou.

  28. Inadimissivel. Sou agrimensor e estou no ultimo ano de arquitetura. Em sala os ensinamento mau da para aprender fazer patamarizacao. Nao tem nada a ver isso que o cau esta fazendo. Creio que e um meio de gerar dinheiro para uma classe em que o setor se estagnou devido a vinda da crise!!!!

    1. Prezado Thiago,sou formado em Arquitetura, informo que o Arquiteto tem condições sim de elaborar um projeto de Patamarização sim, pois ele precisa desses conhecimentos pra elaborar projetos Arquitetonicos, além disso ele tem uma bagagem grande em planejamento urbano, que a agrimensura não tem, ele estuda sist.viário que agimensura não tem nem eng.civil, além disso o Arquiteto é o único capacitado para transformar uma cidade em Planejamento, digo isto por causa da grade de disciplinas
      att,

  29. Muito bem, com meus conhecimentos de eng cartografica, em arquitetura vou realizar ainda melhor, parabens CAU.

  30. O Arquiteto não tem formação especifica para este tipo de trabalho, mal tem para topografia basica e muito menos para ogeorreferenciamento. Um mal do brasileiro, se apoderar daquilo que não lhe corresponde.

  31. FALTA DE CONHECIMENTO TÉCNICO DOS CONSELHEIROS DO CAU.

  32. Deveria haver a necessidade de uma especialização para poder assinar!
    Assinar, só porque o urbanista teve isso na grade, é errôneo, se acham errado o Engenheiro assinar arquitetônico, lutem para impedir isto e não ficar soltando suas rédeas! CAU fez uma tremenda ignorância….

  33. Parabéns CAU!
    sou arquiteta pós-graduada em Georreferenciamento! obrigada CAU

    1. Vc é PÓS-GRADUADA beleza, ai pode.
      Mais que não é não pode.
      Se todos procurassem se capacitar como vc tudo bem.

  34. Parabéns e obrigado CAU pela conquista.
    A atuação do Arquiteto e Urbanista no mercado é muito dinâmica e a possibilidade de (re)agregar atribuições profissionais (muitas das quais podadas na época do crea) de maneira legal e responsável para aqueles que já trabalham (ou que pretendam trabalhar) na área, é mais uma demonstração do quanto o CAU veio somar.
    Os que vêm aqui criticar demonstram profunda ignorância e preconceito a respeito profissionais técnicos da construção civil.
    Arquitetura e Urbanismo = Tecnologia, Processo, Gestão e Qualidade na Construção Civil.

    1. Somar só se for pra vocês!
      Pergunto-me se o CREA não poderia conseguir alguma “coisinha” a mais para nós engenheiros civis possamos incomoda-los um pouco e pode ter certeza que vamos lutar por isso!
      Imagino sua face ao ver um engenheiro no seu ramo de atuação.

  35. SOU ARQUITETO E URBANISTA. TIVE TOPOGRAFIA NA MINHA GRADE.
    CONHEÇO BEM A ÁREA, TENHO MUITOS TRABALHOS DE TOPOGRAFIA EM MEU ACERVO TÉCNICO. ESPECIALIZAÇÃO EM GEO.

    ACREDITO QUE TEM MUITOS ARQUITETOS E URBANISTAS COMPETENTES NESTE ASSUNTO E QUE NÃO DEVERIA FICAR DE FORA DESTA ÁREA DE ATUAÇÃO.

    ACHO QUE O CAU ACERTOU NA DECISÃO.

    CABE A CADA PROFISSIONAL QUE TEM COMPETÊNCIA NESTA ATIVIDADE SUBMETER SEUS CONHECIMENTOS E PROVAR QUE PODE ATUAR NESTA ATIVIDADE.

  36. Sendo bem sincero, acho que existem outras categorias profissionais muito mais gabaritadas que a nossa para trabalhar a questão do cadastro rural. Vendo trabalhando esporadicamente com georeferenciamento a mais de 10 anos, e não foi na faculdade que aprendi a lidar com as ferramentas, mas sim com ótimos geógrafos que tiveram paciência em dividir seus conhecimentos comigo . Nossa formação é muito deficitária nesta área, talvez o CAU esteja começando a fazer o que tanto criticamos no CREA.

  37. Eu como arquiteta e urbanista, trabalho em uma empresa especializada em Geo, coordenada por um engenheiro Agrônomo e técnico em agrimensura, e DIGO, o arquiteto não tem noção do que realmente se trabalha nessa área, são estudos aprofundados que não temos na faculdade, isso realmente requer a um responsável qualificado para se trabalhar com regularização fundiária e especialmente no que se refere a imóveis rurais. hoje em dia realmente eu tenho conhecimentos nessa área, mas mesmo assim não assinarei esses processos pois tais não acho que me competem, até por que não vou a campo verificar os dados, ou seja, encontro muitas empresas que terceirizam a topografia e nem sabem o que acontece a campo. enfim, não concordo completamente com essa normativa.

    1. São de profissionais como vc que brasil precisa. Realmente não quero entrar na área de ninguém,só que fico pasma qdo falam tão desmerecidamente da nossa área, como que se Engenheira de Agrimensura fosse apenas topografia.
      Obrigada por sua colocação Giovanna

  38. Após a publicação da lei, 10.267 de 2001, O georreferenciamento transformou-se tornou-se uma propaganda comercial, ou seja, muitos expertos vendendo serviços técnicos como comercializa um GPS de bolço, pois a vinte anos atras já se fazia georreferenciamento com uso dos marcos geodésicos instados em pontos estratégicos em todo o brasil, (pelo exercito), pois conheço que o georreferenciamento de uma área é muito mais técnico e instrumental, que uma assinatura de responsabilidade!

  39. Não concordo com tal atribuição aos arquitetos, a não ser que haja especilizacao. Sou Arquiteto e me especializei (pós graduação) em georreferenciamento de imóveis rurais. Confio plenamente em meus levantamentos e sempre me deparo com erros grosseiros de engenheiros agrimensores, agronomos etc.

  40. Se meu filho ficar doente vou procurar um médico. Sei que sua formação acadêmica o capacitou para me ajudar.
    Alguém ai topa procurar outro profissional?

  41. Competência que diz respeito aos ENGENHEIROS FLORESTAIS. Isso é Brazil! Gooool da Alemanha.

    1. Temos distorções em todas as áreas. Assim como engenheiros civis (com 1 matéria de arquitetura) assinam projetos arquitetônicos, arquitetos assinam cadastros rurais com 1 disciplina de georreferenciamento, engenheiros florestais assinam projetos arquitetônicos de edificações rurais com 1 disciplina de desenho arquitetônico. Tudo deveria ser habilitação em função da grade curricular e deveria ser definido pelo MEC. Isto é Brasil mesmo!

  42. Sou arquiteto e defendo que tal atividade deve ser exclusiva dos bacharéis em agrimensura ou topógrafos. É demagogia pura uma classe lutar em prol de “exclusividades” em alguns projetos com a justificativa de que formação não contempla a carga horária mínima necessária e em outros projetos, ao bel interesse, se coloca a favor. Enfim, me posiciono contra essa normativa.

  43. COMO PODE UM PROFISSIONAL COM CONHECIMENTOS PERIFÉRICOS SOBRE AGRIMENSURA E GEODÉSIA, PODER SER RESPONSÁVEL TÉCNICO,POR ALGO QUE NÃO SOMENTE EXIGE DOMÍNIO NA TÉCNICA DE LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS MAS TAMBÉM TODA UMA LOGÍSTICA DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS ADEQUADOS PARA A REALIZAÇÃO DE TAL TAREFA.
    ACHO UMA ABRANGÊNCIA DESNECESSÁRIA DE UMA CLASSE PROFISSIONAL QUE JÁ TEM UMA ENORME AMPLITUDE EM SUAS ATIVIDADES, EM DETRIMENTO DE PROFISSIONAIS QUE APROFUNDAM CERCA DE 8 PERÍODOS ESPECIFICAMENTE NA CIÊNCIA DA AGRIMENSURA E GEODÉSIA.
    ACHO UMA ALIENAÇÃO DE RESPONSABILIDADES, ISTO NÃO VAI AJUDAR EM NADA PELO CONTRÁRIO GERAR CONFLITOS DESNECESSÁRIOS.

  44. Qual o grau de discernimento com relação de alocação de Reserva Legal, diversidade florística que os profissionais na área de arquitetura têm para definir polígonos para o CAR. Com todo respeito, tem que vê a ementa da curso e questionar pelo menos no tocante ao CAR e PRA, NA condição de responsabilidade técnica.

    1. Existe curso específico disponibiisado tanto na internet, quanto em cursos presenciais, para que qualquer profissional consiga fazer o CAR. Não precisa ser arquiteto ou topógrafo ou engenheiro. Isso não é disciplina de faculdade, mas matéria de um curso. Arquiteto trabalha com Base Cartográficas Georreferenciadas na hora de fazer um Plano Diretor, ou um loteamento. Ter conhecimento de georreferenciamento permite trabalhar com Bases Cartográficas, e só com esses conhecimentos é que se pode fazer um loteamento. O CAR não é conhecimento exclusivo de nenhuma engenharia.

  45. Até comentei no meu face sobre, acho complicado autorizar um arquiteto que apenas estudou 6 meses sobre topografia, onde não temos no nosso currículo acadêmico a introdução ao georreferenciamento como ferramentas disponíveis para trabalharmos na área, pelo que li a autorização não pede que o arquiteto tenha uma especialização em geo, pelo que entendi só a carga horária que temos na nossa graduação é o suficiente e neste ponto não concordo com o CAU … contradiz o que eles pretendem com relação a proibição a autorização de projetos arquitetônicos aos engenheiros civis. Eles fazem 1 ano ou 6 meses de introdução à arquitetura logo seriam aptos utilizando a mesma regra.

    Se o profissional de arquitetura faz uma especialização em geoprocessamento como o curso de pós (o que pretendo ingressar ano que vem) concordo que seja apto a exercer mas só com o curso de graduação, creio que o trabalho em si não terá uma riqueza de informações como de alguém que possui conhecimento técnico específico para o tipo de serviço. Aí aplica-se o mesmo aos engenheiros enquanto o tema de projeto arquitetônico.

    Apenas minha opinião.

  46. O arquiteto ali em cima acha que Georreferenciamento se resume a topografia, aí já ver a despreparo. Decisão equivocada essa, já que as atividades de agrimensura é somente para Eng. Agrimensores, Eng. Cartógrafos, Geógrafos com pós e técnicos dessas áreas.

    1. Começa por ai..
      Desmerecem tanto uma área, e nem sei porque fazem tanta questão de entrar nela…

    2. Concordo com vc amigo, essa área é de competência desses profissionais que em mapeiam o território. Sou Geógrafo, Especialista em Topografia e Sens. Remoto

  47. Parabéns ao CAU e todos os arquitetos urbanistas do país,por mais esta conquista que visa a valorização da atuação profissional.

    1. Valorização do profissional?
      Por favor, me envie sua grade curricular do seu curso de Graduação. Pessoalmente te valorizarei se tiver na sua grade Ajustamento de Observações, Geodésia Geométrica e Celeste (ou espacial), Topografia I, II e II e Cartografia I e II ou Cartografia Matemática.

  48. Georreferenciamento para profissionais que não são capacitados para desenvolver tal atividade. Parabéns !!

  49. Os cursos de Arquitetura não possuem disciplinas que tratam os conteúdos de:
    Sistemas de referência;
    Projeções cartográficas;
    Ajustamentos;
    Métodos e medidas de posicionamento geodésico.

  50. Gostaria de saber quais são os cursos no Brasil que oferecem essas quatro matérias na grade curricular desde 1995, não podendo ser uma pós-graduação.

    1. Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartografia e o curso técnico em agrimensura/topografia.

    2. Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartografia e o curso técnico em agrimensura/topografia.

  51. Eu, como geógrafo, tenho os conhecimentos mínimos descritos acima e outros que me permitiriam atuar no planejamento do espaço no campo, como GIS, paisagem (como sistema), pedologia, geodésia, cartografia, geografia agrária e outros. Porém, não me habilitei porque considero que estes trabalhos devem ficar a cargo dos engenheiros cartógrafos e dos agrimensores que são profissionais dedicados a este segmento.

    1. Amigo discordo de vc, pois o bacharelado em geografia variam de acordo com a IES, pois tem cursos voltados pra área ambiental, planejamento e outros pra mapeamento (topografia)

  52. O cidadão que acima se acha capacitado pra realizar georreferenciado com apenas cadeiras de topografia na grade do curso, é totalmente leigo no assunto, não teve a capacidade de ler a norma do incra que só aprova profissionais com conhecimento em geodésia pra informar, e com carga horária mínima.
    Criaram seu conselho próprio pra fazer essa apelação no mercado, já chega loteamento que não consigo ver profissional capacitado pra isso.

    1. Infelizmente oque vc disse é a mais pura realidade.
      Leigos pagando de doutores, numa área que eles desmerecem, mais querem abocanhar

  53. Existe aos montes por aí, é uma quantidade de espertos criando dificuldades aos proprietários de imóveis rurais, para venderem suas facilidades! Vem em boa hora. Parabéns a categoria.

    1. Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartografia e o curso técnico em agrimensura/topografia.

  54. Daqui uns tempos engenharia civil, Eng. Ambiental, Eng florestal… vão ser o mesmo que nada… vai ser só se formar em arquitetura que vc vai poder fazer tudo… CAU está aos poucos invadindo a área de atuação de outras profissões somente com uma formação generalista, e o pior que o CREA não demonstra estar fazendo nada quanto a isso… lamentável!

  55. Uma piada de péssimo gosto com os Engenheiros Agrimensores ou quem se especializa através de uma pós graduação com duração de 18 meses. Em arquitetura isto não pode ser validado por apenas uma disciplina básica de topografia.

    1. Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartografia e o curso técnico em agrimensura/topografia.

  56. Usando a lógica de alguns aqui.. Engenheiro Agrimensor tem desenho técnico então pode assinar projeto arquitetônico.. Vcs acharem qye fazem topografia podem assinar.. Georreferenciamento e geodesia pra começo de conversa..

    1. Sou arquiteto, e sou contra, mas sobre sua indagação….
      O que acha acha de engenheiro agrônomo assinar projetos arquitetônico…? Sim existem e não são poucos…engenheiro que sabe cuidar de terra….vários engenheiros assinam o projeto de arquitetura….e não são só os civis…vários outros…
      Agora na hora, que entra e afeta a áreas de vcs, aí vcs chamam o Crea é tudo….porque não chamaram antes pra cada um ficar no seu quadrado..
      É por isso que o Crea na se manifesta porque eles fazem da mesma forma.
      É o nome correto de se falar, e Urbanista… É não arquiteto….nós temos na grade, várias aulas realacionadas, a topografia…não são só 6 meses…
      Mas mesmo assim não concordo….mas se é para tirar vamos tirar todos, de todas as áreas não só dessa.

  57. Como um Arquiteto tem condiçõs de fazer um GEO, mesmo fazendo o curso ,se ele nem sabe nem estacionar um aparelho de Topografia

    1. Está precisando olhar melhor a nossa grade….e o curso relacionado e urbanista e não arquiteto

  58. São Paulo,26-6-2016
    Como um arquiteto tem condições de fazer um Geo,ele nem sabe estacionar um aparelho, então eu como tecnico Agrimensor vou poder assinar uma planta de arquitetura,O arquiteto tem o seu campo ,não tem necessidade de vir entrar no campo de Topografia,e tirando o curso de Geo ,nunca vai fazer um Geo,Ele vai só assinar e pagar para um profissional fazer o serviço

  59. Arquiteto não pode fazer Georreferenciamento, eles não são Engenheiros Agrimensores, até podem fazer mas com a devida especialização na área

    1. É realmente o arquiteto não, mas o Urbanista creio que sim….

  60. Se o arquiteto assina Georreferenciamento e levantamentos topográficos tendo pouca carga horária, que o engenheiro Agrimensor e princialmente o civil assine arquitetônico sem que haja uma miníma manifestação contra isto, hipocrisia!

    1. Mas o problema, é justamente esse Georges…os engenheiros assinam os projetos arquitetônicos, e fica por isso mesmo….mas quando entra nos quadrado de vcs ai tem que ter problema

  61. Georreferenciamento não é Topografia é Geodésia um absurdo o INCRA aceitar isso.

    1. Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartografia e o curso técnico em agrimensura/topografia.

  62. Ridículo! Não é de competência do arquiteto fazer tal atividade! Georreferenciar não é pegar apenas uns “pontos” no seu GPS de navegação !!

  63. Espera. Isso é papel do Engenheiro Agrimensor. Estudar topografia não significa que o arquiteto deva fazer georreferênciamento. Pra isso existe um profissional formado e habilitado para tal! É a mesma coisa de vocês, arquitetos, quando quiseram barrar a atuação de engenheiros civis.

  64. Quem é habilitado à realizar o georreferenciamento de imóveis rurais, são os ENGENHEIROS AGRIMENSORES, no qual ao invés de fazer UMA matéria de topografia básica durante o curso, como vocês arquitetos fazem, faz:
    4 matérias de topografia
    1 matéria de ajustamento de observações
    Geodésia física, geodésia espacial e geodésia geométrica.
    2 matérias de cartografia e 1 matéria de projeções cartográficas.

    Depois disso, VCS AINDA TEM A CORAGEM DE FALAR QUE MERECEM FAZER, PORQUE ESTUDAM TOPOGRAFIA?

    É a mesma coisa um Eng. Agrimensor falar que vai começar a pegar projetos arquitetônicos porque nós vimos 2 matérias de desenho técnico na graduação. Cada profissional tem sua área.

  65. É muito fácil defender algo que nos convém, mas é muito estranho não aceitarem Engenheiros Agrimensores e Cartógrafos atuarem na elaboração de projetos arquitetônicos. Esta será a nossa briga a partir de agora, baseando nas mesmas justificativas que o CAU utilizou para “habilitar” os arquitetos em Georrefereciamento. Afinal os Agrimensores também estudam (60 horas no mínimo) disciplinas como Desenho Técnico, Geometria Disciplina, Desenho Arquitetônico, Desenho Digital, etc.

  66. Não concordo com a deliberação da CAU. Pois Georreferenciamento não é topografia, e sim Geodésia. Uma ciência restrita a grade dos cursos de Engenharia de Agrimensura e Engenharia Cartográfica. Topografia não é geoferreferenciamento pessoal. Arquitetos tem Geodésica Física, Espacial e Aplicada na grade ??

  67. Isso é uma piada pois os arquitetos não possuem nenhum conhecimento sobre sistemas de referência nem muito menos sobre sistema e geodésico local além de não saberem que é um modelo geoidal. Acham que tudo se resume a uma simples disciplina de topografia.Infelizmente é o Brasil.

  68. Uma duvida! o CAU enviará este documento automaticamente aos arquitetos filiados ou os arquitetos terão que fazer um requerimento para obte-lo?
    Obrigado!

  69. Parabenizo o CAU pela iniciativa, pois é um direito da nossa profissão uma vez que atuamos na ´rea de forma indireta até este momento.

    1. Olá gostaria de saber quais as cadeiras que preparam um arquiteto para o realizar um georreferenciamento?

    2. Sem problema, em breve vocês terão novos colegas atuando em projetos arquitetônicos. Fazendo uso das suas palavras, a justificativa vem “pois é um direito da nossa profissão uma vez que atuamos na ´rea de forma indireta até este momento.”

  70. A atividade de georreferenciamento está tão vulgarizada que brevemente o conselho de medicina também pedirá a incorporação desta atividade nas competências de seus profissionais.

    1. Infelizmente o conselho de engenharia não tem força não duvido que isso ocorra amigo, os resultados disso no futuro veremos…

    2. Ah eu tenho disciplinas de direito em meu curso de geohrafia. Entao posso advogar! Banalizaçao isso sim, a leitura q faço é q os arquitetos e urbanistas nao estao encontrando espaço no mercado de trabalho e estao ampliando a sua atuaçao ocupando o espaço de outros profissionais.

    3. Tm razão
      Quero ver fazer o geo com competencia, porque tem gente fazendo levantamento com aplicativo de celular com erros absurdos de coordenadas e estao se achando o maximo¿¥£€¿¥¿

    4. Concordo André, o curso de Arquitetura e Urbanismo não tem a base suficiente, e mais nem o direito se atuar com a parte de georreferenciamento. Esta normativa do CAU é um insulto a algumas áreas que são baseadas na parte de Geomática como Engenheiros Cartográficos e Geógrafos.

    5. Concordo André… Já já os Arquitetos estarão atuando em Geologia e Geofísica!!

  71. Muito bacana a participação do Arquiteto no Georreferenciamento , se estudamos Topografia, porque não podemos executar!

    1. Não concordo. Georreferenciamento não é Topografia caro colega ! Geodésia que é usual no Georreferenciamento. Você esta cometendo um equívoco em seu comentário.

    2. Se a sua frase justificasse esta participação, seria justo os projetos arquitetônicos serem compartilhados com Agrimensores e Cartógrafos, afinal fazemos, pelo menos, 4 disciplinas ligadas a projetos arquitetônicos. Esta passará ser a nossa briga e a justificativa será a mesma que vocês utilizaram para adentrar na área de Georreferenciamento.

    3. Porque topografia e geodésia são coisas completamentes diferentes.

    4. Estudam é? Acha que fazer um polígono, estacionar um teodolito é topografia? Aiai…

    5. Meu caro respeito seu ponto de vista. O que você colocou seria muito correto se o nosso país padroniza-se o ensino.Se toda faculdade tivesse o mesmo rigor para todas as profissões a serem reconhecidas. De fato isso não acontece. Você acha que com os conhecimentos adquiridos tem a condição de fazer o georreferenciamento de imóveis rurais? Sou engenheiro agrimensor e cartógrafo tenho 6 meses de uma disciplina exclusiva chamada Georrefrenciamento de Imóveis rurais, Tenho quatro Topografias (Topografia I,II,III,IV) todas necessárias. Cartografia I e II, Cartografia Temática Cartografia Digital, Ajustamento de Observações. Você tem certeza que domina as disciplinas necessárias para fazer o Georrefrenciamento de imóveis rurais? Ou você se no direito de fazer só porque cursou a disciplina de Topografia. Não me leve a mal pelas palavras. Mas é por essas e outras que esta cheio de profissionais ruins no mercado e o serviço cada vez mais prostituído. Eu não tenho interesse nenhum em fazer projeto urbanístico embora tenha tido as disciplinas de Planejamento Urbano e Loteamento Urbano,que são diretamente relacionadas com a área; pois sei que ainda falta muito conhecimento para me meter na profissão dos outros. Afinal para isso existe o curso de arquitetura e urbanismo. Obrigado.

    6. pois para fazer georreferenciamento com qualidade precisa saber muito mais do que topografia.

    7. Com 30 créditos não aprende nem topografia básica….Vergonha.

    8. Talvez porque o georreferenciamento não esteja relacionado a topografia e sim a geodésia.

    9. É uma completa falta de respeito com profissionais capacitados e que estudam mais de 4 anos, e não apenas 1 ou 2 topografia.
      Ou vocês acham que apenas com topografia vocês saberão georreferenciar.

    10. José, porque isso não é um trabalho de Topografia. É o mesmo que que disser que tive aulas de desenho, logo, sou arquiteto!

    11. CARO COLEGA JOAO COSTA, PARABENS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  72. UM GRANDE RECONHECIMENTO, E POUCO A POUCO, COM TENACIDADE VAMOS VENCENDO AS BARREIRAS IMPOSTAS. TENTAREI PELA 5ª VEZ FAZER O CADASTRO NO SIGEF (SISTEMA DE GESTÃO FUNDIÁRIA).

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo