RECENTES

CAU/RS: Conselheiros eleitos tomam posse

No próximo dia 12 de dezembro, foram diplomados e empossados os 38 conselheiros do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul – CAU/RS, eleitos no último dia 5 de novembro pelos arquitetos e urbanistas gaúchos, na 44ª Sessão Plenária, que ocorreu nessa sexta-feira (12/12/2014), às 10h, na sede do CAU/RS (Rua Dona Laura, 320, andar G1). Na ocasião, serão diplomados também a conselheira federal eleita e seu suplente.

O mandato dos conselheiros eleitos inicia em 1º de janeiro de 2015. O presidente do CAU/RS será eleito pelos conselheiros estaduais na primeira Sessão Plenária de 2015, que deve ocorrer no dia 7 de janeiro.

A eleição obedeceu às normas do regulamento eleitoral, conforme previsto na resolução Nº 81 do CAU/BR, que estabeleceu o calendário e as regras para a escolha dos conselheiros federais, estaduais e seus respectivos suplentes para o mandato 2015-2017.

O Coordenador da Comissão Eleitoral do Rio Grande do Sul, Arquiteto e Urbanista Adroaldo Xavier da Silva, respondeu algumas perguntas sobre as eleições. Confira:

 

ASCOM CAU/RS – Como o senhor avalia o processo eleitoral 2014 do CAU/RS?

Adroaldo – Para um processo/sistema novo, visto ser esta a primeira eleição sob a responsabilidade do CAU/BR, me parece que foi um tanto tranquilo. Claro que houve problemas, a maioria proveniente da modalidade adotada desde a criação do CAU/BR: a relação firmada entre o Conselho e seus filiados é unidirecional, cabendo a cada filiado manter seus dados e propósitos funcionais diretamente vinculados ao SICCAU, sem a interferência de pessoas, empregados ou conselheiros. Isto gerou alguns contratempos entre aqueles que não estavam regularmente cadastrados até o momento da votação ocorrido em 5 de novembro. Em não encontrando respostas às suas necessidades, passando a apelar para outros canais de comunicação existentes no sistema na busca de que estes lhes mitigassem a ausência de um interlocutor. Também ocorreram algumas questões relacionadas com a ausência de um projeto/programa preestabelecido, posto que a CEN foi liberando os passos necessários a execução do processo eleitoral em momentos imediatamente anteriores aos acontecimentos, todavia sabemos de suas dificuldades e problemas a sanar, posto que construíram o pleito nacional em conformidade com o tempo decorrido e conforme os acontecimentos se sucediam, sem qualquer experiência anterior como parâmetro.

 

ASCOM CAU/RS – Fale um pouco sobre a importância do voto para os arquitetos e urbanistas gaúchos.

Adroaldo – O sonho de todo arquiteto e urbanista nos últimos 50/60 anos foi o de se organizarem em conselho próprio. Atingido o objetivo cabe aos profissionais brasileiros administrar a execução da Arquitetura e do Urbanismo no Brasil. Penso que de um modo geral a categoria entendeu o processo pela participação dos profissionais gaúchos no pleito recém-concluído, por aqui ficando em 69,76% dos profissionais registrados e aptos a votar. Isto prova que houve um interesse da categoria em participar da construção de nosso Conselho, mesmo reconhecendo que a penalização pela ausência poderia resultar em multa.

 

ASCOM CAU/RS – Quais foram os maiores desafios da Comissão Eleitoral do CAU/RS?

Adroaldo – Em verdade não se pode falar em desafio, houve sim uma dificuldade de se chegar à totalidade do quadro de eleitores, até mesmo por ausência de experiência no trato de assuntos relacionados com um processo grande e totalmente realizado de modo virtual, aliado a pouca e assessória participação das Comissões Eleitorais dos estados brasileiros. Toda a informação e tarefa a executar partiram da Comissão Eleitoral Nacional, sendo efetivamente repassada aos respectivos estados na undécima hora de cada evento.

 

ASCOM CAU/RS – Como os arquitetos e urbanistas gaúchos poderão acompanhar o desempenho dos conselheiros eleitos?

Adroaldo – Sabemos que esta é uma tarefa significativamente árdua e terá que ser tratada de frente para que a participação dos colegas se torne plena e permanente. Para tanto os colegas que serão diplomados e tomarão posse no dia 12/12/2014 precisarão unir-se numa forma de pacto para consolidação e aperfeiçoamento de tudo aquilo já conquistado.

 

ASCOM CAU/RS – A taxa de abstenção nas eleições foi considerável, a que o senhor atribui isso?

Adroaldo – A taxa de abstenção do pleito é alta e preocupante (30,24%), mesmo em se tratando de um universo de 13.071 inscritos que vivem e operam para uma população estimada pelo IBGE para o final do ano em curso em 11.207.274 habitantes. Cabe aos próximos Conselheiros averiguar e buscar as razões que levaram estes 30,24 % de ausentes não participar da eleição ocorrida no mês passado.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

RECENTES

Terceira edição da Revista Urbanidade apresenta desafios e soluções

RECENTES

CAU/SP recebe doação de acervo do arquiteto Miguel Alves Pereira

RECENTES

Edital de consulta pública de solução BIM para automação de projetos de edificações em Minas Gerais

RECENTES

Cadastrados no CAU terão descontos na inscrição da sexta edição do Seminário Internacional A ERA BIM, evento que acontecerá em São Paulo

Pular para o conteúdo