CATEGORIA

“Cidades do Amanhã” debate arquiteturas que promovem a convivência

 

O projeto “Cidades do Amanhã” é um ciclo de palestras e debates que vai correr nove capitais brasileiras apresentando problemas e soluções arquitetônicas que interferem diretamente na vida cotidiana da população que vive nas cidades. Patrocinado pela Universidade Federal Fluminense e pelo CAU/RJ, o evento apresenta uma pesquisa inédita da Urbana Rede de Pesquisas e o documentário “Arquitetura e o Ballet da Rua”, produzido a partir do estudo.

 

O lançamento aconteceu em Brasília, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB), e contou com a presença do presidente do CAU/BR, Haroldo Pinheiro, do presidente do CAU/DF, Tony Malheiros, do secretário de Gestão do Território e Habitação do Distrito Federal, Thiago de Andrade e do professor Frederico Holanda, da UnB.

 

Na ocasião, o professor Vinicius Netto, da UFF, apresentou uma pesquisa inédita que revela como a arquitetura dos prédios mais novos está corroendo a convivência das pessoas e a circulação de pedestres nas grande cidades. O estudo foi realizado com 24 bairros e 380 edificações em Niterói, Porto Alegre e Florianópolis. O objetivo é analisar os efeitos da Arquitetura nos espaços públicos e na economia dos bairros.

 

Os resultados são impressionantes. Verificou-se, por exemplo, que nas áreas onde mais da metade das ruas são do tipo contínuo (sem interrupção), a circulação de pedestres é duas vezes maior que nas outras. Além disso, há mais atividade de pequenos comércios. Outro fator fator é a distância entre os prédios: quanto mais espaçadas as edificações entre si, menor o número de pessoas na rua. “O objetivo deste encontro é fazer com que o conhecimento produzido pela academia transborde para os arquitetos que estão no mercado e também para a sociedade”, afirmou Vinicius.

 

O presidente do CAU/BR, Haroldo Pinheiro, destacou o crescimento das megacidades no mundo – as metrópoles com mais de 10 milhões de habitantes. Hoje existem 28 megacidades no mundo, que abroga, 12% da população mundial. “Se não houver um aporte violento de inteligência, essas cidades podem ir por caminhos muito difíceis, isso sem falar na destruição do planeta”, disse.

 

Tony Malheiros, presidente do CAU/DF, destacou que são as relações entre as pessoas que levam a Arquitetura a esse caminho de isolamento. “Águas Claras, em Brasília, é um bairro planejado para ser adensado, com comércios nos térreos dos edifícios. Mas as pessoas não queriam barulho, e hoje temos uma coisa pior, que nem estacionamento tem”.

 

“As pessoas estão negando os espaços públicos”, afirmou o secretário de Gestão do Território e Habitação do Distrito Federal, Thiago de Andrade. “É impressionante a valorização imobiliária dos edifícios monofuncionais. A sociedade tem bancado isso”.

 

Haroldo acredita que uma mudança só pode vir por meio de um entendimento ético da sustentabilidade, um entendimento que leve a Arquitetura a buscar soluções para reuso da água e energias renováveis, redundando numa mudança também estética. “Quem trabalha com criatividade não pode acreditar em evolução linear”, afirmou Thiago de Andrade.

 

 

Publicado em 26/06/2015.

 

MAIS SOBRE: CATEGORIA

23 respostas

  1. qual a programação do ciclo de palestras e debates do projeto “Cidades do Amanhã”? Não encontrei as datas de quando ocorrerá nas demais cidades!

  2. Parabenizo a iniciativa do Evento e torná-se fácil entender o afastamento das pessoas nas ruas.O que mais fascina é apresentar para os novos arquitetos as consequências de soluções sem criatividade. Vamos organizar os espaços, vamos produzir sociabilização, vamos retomar uma arquitetura urbana para o cidadão.É assim que desejamos as cidades do amnhã.

  3. Parabéns pela iniciativa. Isso é uma questão de sobrevivência das cidades para os seres humanos.
    Arquiteto e Urbanista Nicacio Lemes Jr.

  4. PARABENS PELA INICIATIVA! MAIS EVENTOS PARA UMA SOCIEDADE MAIS FELIZ QUE SEJA SEMPRE BEM VINDA.

  5. Um debate que agregará muito valor ao que está sendo produzido nas cidades atualmente, pois estão crescendo de forma alarmante e sem planejamento eficaz. Este evento irá contribuir muito para a minha pesquisa acerca da integração de uma cidade com o conceito de biofilia, e Curitiba como estudo de caso.

  6. Gostaria de saber quando a palestra acontecerá em Recife.

    Obrigada,

    Marciane

  7. Muito boa iniciativa. Parabéns.
    Gostaria de saber quando o evento deverá ocorrer no Estado do Rio de janeiro.

  8. Prezados colegas.
    Peço que me informem a data das palestras que serão feitas em São Paulo.
    Atenciosamente.

  9. Gostaria de saber quando este debate acontecerá em Recife e em que local? Onde poderá ser feita a inscrição, a partir de quando e se haverá algum custo?
    Desde já agradeço a atenção e aguardo um retorno.

    Cybelle Bringel

  10. Com certeza, eventos como este farão com que a visão de uma nova forma de enxergar o mundo venha a contribuir para a transformação de nosso país!!!

  11. INICIATIVA BRILHANTE E BASTANTE NECESSÁRIA PARA A HUMANIZAÇÃO DE NOSSAS CIDADES, QUE ESTÃO SE TORNANDO REDUTOS DE GUETOS DAS MAIS VARIADAS CORES E GOSTOS, AO INVÉS DE ÁREAS DE INTENSA FRUIÇÃO E CONVIVÊNCIA DAS MUITAS POPULAÇÕES DE QUE SE ORIGINAM E NUTREM, EM INTERAÇÕES ARTICULADAS E/OU TRANSVERSAIS, O QUE DESAFIA A CRIATIVIDADE DE ARQUITETOS E URBANISTAS, GESTORES PÚBLICOS E EMPRESÁRIOS IMOBILIÁRIOS, BEM COMO DOS ATORES PRIMEIROS E ÚLTIMOS DESTES ESPAÇOS, QUE SÃO OS SIMPLES CIDADÃOS…
    É MUITO JUSTO E OPORTUNO O TEMA, E MAIS JUSTO AINDA QUE A UNIVERSIDADE SE DEBRUCE SOBRE O ESTUDO DOS CASOS, NO CONTEXTO DA NOSSA REALIDADE CULTURAL E ECONÔMICA, UMA VEZ QUE DETÉM VALIOSOS RECURSOS HUMANOS, DISPONIBILIDADE DE APOIOS TÉCNICOS E OPERACIONAIS, E AMPLAS POSSIBILIDADES DE ABORDAR A OCORRÊNCIA DOS FATOS, EM CADA TERRITÓRIO DE SUA ATUAÇÃO.

    ESPEREMOS AGORA PELA DIVULGAÇÃO DO CALENDÁRIO DE EVENTOS, PARA QUE POSSAMOS TODOS PARTICIPAR, EM CADA CANTO DESTE BRASIL, DESTA OPORTUNIDADE RARA DE ANÁLISE E REFLEXÃO SOBRE ASSUNTO TÃO POLÊMICO E INSTIGANTE.
    QUE OS RESULTADOS SEJAM POSITIVOS E POTENCIALMENTE APLICÁVEIS, SEJA COMO RECOMENDAÇÕES PARA POLÍTICAS PÚBLICAS CONSISTENTES, OU COMO DIRETRIZES SEGURAS PARA OUTROS DESDOBRAMENTOS ACADÊMICOS, EM PROSSEGUIMENTO AO TEMA E SUAS VARIÁVEIS.

  12. Caros,
    O cronograma com data e local das próximas palestras ainda não foi definido pela UFF.
    Assim que tivermos acesso a esse calendário, daremos ampla divulgação em nossos canais e nos sites do CAU/BR e CAU/UFs.
    Atenciosamente,
    CAU/RJ

  13. Excelente a oportunidade desse evento, parabéns pela iniciativa. As mesas e debates serão disponibilizados?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

CATEGORIA

Seminário de Urbanismo debate Planos Diretores para novos tempos

CATEGORIA

Políticas urbanas e ambientais nas cidades brasileiras em pauta na Trienal

CATEGORIA

Seminário da AsBEA debate recuperação de imóveis subutilizados

Pular para o conteúdo