CAU/BR

Conheça as cinco razões para contratar um arquiteto e urbanista

Atenção, dedicação e profissionalismo. Como muitas outras coisas que são importantes na vida, para construir ou reformar um imóvel, você precisa fazer do jeito certo. E para fazer do jeito certo, você vai precisar contratar um arquiteto e urbanista. Ele é o profissional adequado para a realização de um bom projeto. Em razão de seu conhecimento técnico, o arquiteto é capaz de entender os desejos de seus clientes e traduzi-los da melhor maneira possível, tornando-os reais, independente do tamanho e do valor. Para entender melhor a real importância desse profissional, listamos aqui cinco razões para que você contrate um arquiteto, seja para construir uma casa ou escritório, ou para reformas, das mais complexas às mais simples.

 

 

01. PLANEJAMENTO

É no planejamento que tudo começa. Nesta etapa o arquiteto e urbanista precisa entender tudo que o cliente quer e necessita, como segurança, beleza ou economia. Em seguida o arquiteto desenvolve o projeto, representação gráfica com todas as dimensões e características de sua ideia. É também no planejamento que se prevê toda coordenação do trabalho, o gerenciamento e a contratação da mão de obra necessária, a estimativa de gastos com materiais, orçamentos e um cronograma detalhado de todas as etapas da obra até sua conclusão.

 

 

02. SEGURANÇA

Em Arquitetura, segurança é fundamental. É preciso proteger a obra, os trabalhadores e também o bolso do cliente. Segurança decorre de um bom projeto e de uma obra bem planejada e executada. Significa atender às exigências dos órgãos de fiscalização e executar o trabalho com um profissional legalmente habilitado. A responsabilidade técnica dos serviços deverá estar registrada pelo seu autor perante o Conselho de Arquitetura e Urbanismo, garantindo segurança técnica, jurídica e patrimonial ao cliente e ao imóvel.

 

 

03. ECONOMIA

Não é raro ouvirmos histórias sobre obras que custaram muito mais do que deveriam custar. O arquiteto e urbanista é fundamental para que se economize em uma construção ou reforma. Ele é o profissional que vai fazer um projeto correto e bem planejado, auxiliando o cliente em todas as etapas do trabalho. Somente desse modo é possível prever a quantidade certa de materiais que serão utilizados, sempre com a melhor relação custo x benefício, evitando desperdícios. Da mesma forma, ao gerenciar a obra, o arquiteto e urbanista saberá orientar a contratação de mão de obra qualificada e na quantidade certa, além de cumprir prazos do cronograma planejado. Devido à sua experiência e ao seu conhecimento das técnicas construtivas, o arquiteto tem condições de sugerir projetos inteligentes e sustentáveis.

 

 

04. CONFORTO

Quando se fala em conforto na Arquitetura, imagina-se logo uma área com redes ou poltronas confortáveis. Mas o conforto em arquitetura envolve muito mais coisas, além da comodidade. Temos muitos tipos de conforto, como por exemplo:

 

Conforto-higiene, que está relacionado à saúde e bem-estar, como iluminação natural, ventilação, dimensão das aberturas até a distância entre edifícios.

Conforto-bem-estar, que tem a ver com a forma de satisfazer o gosto das pessoas. Tudo que traz comodidade, incluindo o bom aproveitamento dos espaços internos, bem como as dimensões corretas para móveis e equipamentos eletroeletrônicos.

Conforto-economia, que está relacionado a moradias mais simples e mais baratas, porém confortáveis e dignas, para se viver bem e não apenas morar.

Conforto ambiental, que busca o máximo de satisfação possível para as pessoa, compreendendo o estudo das condições climáticas, acústica, luminosidade, consumo energético e redução de emissão de poluentes para o meio ambiente.

 

 

05. VALORIZAÇÃO

E por fim, porém tão importante quanto as razões anteriores, temos a valorização do imóvel. É preciso que fique cada vez mais claro que um arquiteto e urbanista é indispensável a qualquer construção ou reforma, que com ele a obra vai ter mais qualidade com menor custo. O arquiteto e urbanista sabe entender o sonho de cada cliente, interpretá-lo e transformá-lo em realidade. Mais que isso, ele sabe otimizar o seu projeto, explorando todo o seu potencial, propondo ambientes modernos e funcionais. Ele sabe valorizar pequenos espaços, criar uma iluminação inteligente e sustentável aproveitando a luz natural, zelar pelo arejamento e, ainda, ele é fundamental na colaboração para um acabamento adequado. E tudo isso, na certa, vai tornar o imóvel muito mais valorizado.

 

 

Por todos esses motivos, não vale a pena arriscar. Para sua reforma ou construção, contrate o profissional certo, contrate um arquiteto e urbanista. Nosso site te ajuda nessa tarefa. Entre em www.caubr.gov.br e clique em Ache um arquiteto e Urbanista e mãos à obra. Para dar certo, contrate um arquiteto.

27 respostas

  1. Gilberto Taccolini Júnior, lembra uma “arquiteta dos anos 70”, que por sinal são/ou eram melhores profissionais que muitos da atualidade!

  2. Neste dia 15 dezembro, viemos parabenizar os nobres colegas de profissão e comemorar também a data do nascimento deste ilustre brasileiro ARQ. OSCAR NIEMAYER que levou nossa arquitetura para outras fronteiras e assim nos projetando com maestria sua arquitetura moderna, estamos crescendo cada dia e cada ano transformando vidas e momentos da sociedade. Parabéns ao CAU/BR.!! e a nós profissionais que aos poucos nos solidificamos como uma categoria que até a uns anos atrás quase nem se falava.

  3. Nas entrelinha de um cartoon….realmente o que tem haver associar a imagem dos irmãos Caruso, cartunistas profissionais, com a profissão de arquiteto e urbanista? Nada contra a arte deles, mas definitivamente nós arquitetos projetamos uma realidade muito diferente. Não há fantasias, brincadeiras e críticas, que não estejam em um projeto sem que isto seja efetivamente parte de nossa expressão gráfica e de nossas intenções arquitetônicas para o espaço projetado que será evidenciado pela execução da arquitetura ou urbanismo proposto. Nossas atribuições são exercidas com muita responsabilidade, daí se justifica a existência deste Conselho de Classe Profissional.

    Contudo, infelizmente pouco se faz pela valorização profissional e ações como estas, que considero desastrosas, acentuam a nossa realidade de desmoralização e de baixo prestígio junto a sociedade, cuja a imensa maiorias das pessoas que necessitam de nossos serviços desconhecer nossa importância, não sendo raro clientes pedindo pra fazer só um “desenhinho”. Certamente associar projeto a cartoon não nos ajuda em nada, olhem para os arquitetos e urbanistas na sua amplitude, considerando principalmente o perfil sócio-econômico dos clientes, seu poder aquisitivo, seu grau de instrução, sua região e outras características que possam auxiliar no direcionamento de campanhas que verdadeiramente sejam mais profissionais em favor dos arquitetos da grande massa, àqueles que são autônomos ou pequenos e médios empresários, que lutam sozinho para conseguir difundir a profissão na periferia, nos interiores e na classe média, públicos que ainda constroem sem nossa assessoria.

    Vale dizer que Durval Lelys também é arquiteto por formação, de certo que deve projetar aqui e ali, mas também não representa o profissional da massa que está na labuta diária e que tanto respeitamos, talvez represente o arquiteto formado que optou por outra vida profissional, como foi o caso do cantor.

    Por isso, ratifico que sejam realizadas campanhas mais profissionais, direcionadas ao públicos que desconhecem nossa importância social; direcionadas àqueles que constroem sem projetos, ou; que contratam engenheiros para projetar, pelo simples fato de desconhecerem nossa profissão, para coibir contratações de arquitetos e urbanistas abaixo do piso salarial, situação corriqueira em órgão público, empresas públicas e privadas.

    Sejamos mais diretos e precisos, assim como tem que ser a verdadeira arquitetura e urbanismo.

  4. a sociedade precisa enxergar o arquiteto nos dias atuais como um parceiro na hora de organizar seu empreendimento e não como um custo a mais, e o profissional assessorando seu cliente com um bom projeto funcional e sem elementos com mera função estética que muitas vezes nem isso atende, gerando custos altíssimos para o mesmo. Esse marketing criado pelo caruso nos anos 70 atendia a um conceito da época, hoje as coisas mudaram e muito, a venda dos produtos tem que ser mais direta sem muita nostalgia, o arquiteto do séc. 21 indiferente de ser esse ou aquele tem em sua função principal mostrar que não estamos aqui para vender idéias utópicas e sem fundamento técnico, e sim nos impor no mercado da construção civil e afins para que as coisas comecem a ter seu retorno rápido e objetivo ao seu cliente que é a peça fundamental dessa engrenagem, sem vender belas e maravilhosas imagens que também é importante mas funcionabilidade e praticidade na hora de se colocar em prática o que pensamos no papel, ou melhor na tela!! essa é a publicidade a ser vendida.

    1. .
      É verdade, j.albert
      .
      Infelizmente, desde essa época (anos 70) nós carregamos ao longo da nossa carreira, esse estigma de que o Arquiteto é o Profissional que só atende às Elites…e temos muita dificuldade quando queremos mostrar à Sociedade Civil que esse Paradigma já foi quebrado há muito tempo.
      .
      A Campanha Publicitária poderia ter adotado como foco, (além da divulgação das nossas Atribuições Profissionais), atividades como as Assistências Técnicas que prestamos à população de baixa renda.
      .
      Esta é justamente a camada social que mais entende que o Arquiteto não é um “mal necessário”.

  5. Não gostei desta propaganda. Visual antiquado, ultrapassado (quem ainda usa régua paralela???), mulher com cara de entojada projetando e a casa é uma casinha de brinquedo! O quê isto passa para o consumidor? Que o trabalho do arquiteto é antiquado, esnobe. Usar os irmãos Caruso é bonitinho, mas temos exemplos de arquitetos bem mais eficientes, contemporâneos e que não largaram a arquitetura pra fazer outra atividade. Nem menciona de longe o caráter empresarial da arquitetura. Parece que você vai na feirinha Hippie e contrata um “parceiro” pra desenhar o seu projeto.

    A propaganda do CREA de cara acerta em cheio mostrando uma criança brincando com um prédio ao fundo. Quem em sã consciência vai por a segurança dos seus filhos em risco? Ninguém! Então melhor contratar um engenheiro porque eles se preocupam com isto, além da serem mais modernos e atualizados.

    1. .
      A ilustração me passa a mensagem de uma Arquiteta dos anos 70…kkkk

  6. Parabéns à iniciativa! A sociedade precisa ser conscientizada sobre os benefícios que os profissionais de arquitetura podem lhe oferecer e dos riscos que corre pelo exercício ilegal da profissão por pessoas sem a devida formação e qualificação!!
    Houveram criticas acima sobre aspectos na campanha, e me parece que em sua maioria não são diretamente relacionadas às funções do CAU de zelar por prestação de serviços de arquitetura adequados à sociedade, que acredito serão ajustados nas próximas oportunidades, mas certamente é muito positiva a campanha e esperamos que ocorram outras regularmente!

  7. Achei que a campanha não condiz com a realidade.
    Além de ser misógina, não chama atenção nenhuma de quem vê. Parece ser uma campanha feita para um público mais velho e somente.
    Falta representatividade feminina (vocês colocaram uma mulher e ela está preocupadíssima com o marido e os filhos, qual é? esse é um estereótipo que deveria já ter sido quebrado em pleno 2017) e representatividade de cor.

    1. Concordo em alguns pontos, mas no que diz respeito à arquiteta projetando, acredito que ela está pensando na família que vai morar, não?! Faz mais sentido no contexto.

  8. Muito texto!
    Propaganda de arquiteto para arquiteto!
    SUGESTÃO CAU BR
    Contrate um profissional de Marketing!

    1. Renate, a campanha foi elaborada por agência de publicidade profissional, contratada por meio de licitação técnica e preço. O tema foi decidido em consulta pública aberta a todos os arquitetos e urbanistas.

    2. Então a agência de publicidade profissional é RUIM! Acontece! Faz parte da vida! Assim como temos arquitetos profissionais bons e outros ruins!
      Mais uma prova que processo de licitação não é garantia alguma! Licitação no Brasil, só dá aparência legal!

    3. Melhor dizer que este trabalho não foi bom! É possível que noutro a agência tenha uma resultado melhor!
      Muitas vezes o problema não é do profissional mas do cliente!
      Que pode ser confuso, não saber o que quer! Ou pior , pensa que sabe o quer! Tem um padrão ruim!

    4. Cara, se o Brasil não presta, procure um país que presta e vai morar lá.

  9. Aqui onde moro o que mais vejo é outro profissional trabalhando como Arquiteto, já vi até engenheiro elétrico que faz serviços de Arquitetura por qualquer preço.

  10. Sinceramente, campanha de valorização é muito bom.
    Contudo, que lástima! Essa publicidade com cartuns.
    Os desenhos não representam a necessária valorização do arquiteto.
    Sugerem críticas pejorativas e desrespeito com o dinheiro e com o cliente.

    As colunas da estrutura são desequilibradas, o dinheiro cortado, a cliente está de pé…

    Esses desenhos não me representam.

    Solicito que não sejam publicados.

    Alô arquitetos? Acordem!

    1. Concordo com Marilene Menezes da Silva… Essa campanha não me representa como arquiteta… sugiro não publicar.

  11. Muito boa a campanha. Parabéns pela valorização que o Conselho tem dado aos profissionais arquitetos.

  12. Louvável, a ideia da divulgação do ofício de quem trabalha com arquitetura e urbanismo. Entretanto, observei um detalhe, de suma importância, que me chamou a atenção, na campanha a ser veiculada na mídia. O autor da propaganda direcionou a sua criação, o tempo todo, à figura do arquiteto, homem, reservando o último quadro à mulher, arquiteta. Considerando que elas são em número bastante expressivo, atuando nesse mercado, fica a impressão de que a figura masculina, a do arquiteto, é mais confiável, capaz de oferecer todas as garantias e vantagens, propostas no exercício da profissão. Pecou, por alienar a participação feminina,tão capaz quanto a masculina, na importante tarefa de pensar e construir espaços.

    1. Adelaide, a campanha tem várias peças, representando arquitetos e arquitetas. A principal é de uma arquiteta.

    2. Concordo Adelaide, ainda mais se verificarmos que no censo dos arquitetos e urbanistas, realizado pelo próprio CAU/BR, temos MAIS de 60% de arquitetos e urbanistas do gênero feminino.

      Infelizmente o machismo ainda impera na nossa sociedade, vemos até pela representação dentro do conselho em que mais da metade dos conselheiros são homens.

      Por que não houve ao menos uma divisão por igual dos desenhos, em que 50% dos personagens fossem representados por mulheres e 50% por homens? Não venham com a desculpa que a principal é uma personagem feminina, deveria ser a principal e ao menos mais dois desenhos com personagens femininos.

      A propaganda do CAU/BR reforça a cultura machista reduzindo a mulher a um segundo plano.

      Lamentável.

    3. …cultura machista,preconceituosa e absolutamente sem NENHUMA valorização de nós Arquitetos…

      convido a todos os novos dirigentes do CAU (nas regionais) a saírem de suas cadeiras – e circularem nas suas cidades de leste – oeste / norte a sul… perceberam as maiores barbariedades no “processo” da construção civil…estamos em 2017/2018 – onde até hoje se discute a questão de deficit de moradia entre outras discussões sem limite das diferenças sociais…

      Essa campanha do CAU mais uma vez demonstra uma sociedade partida. sem mobilidade. marcada pelas grandes diferenças sociais…e…absolutamente MACHISTA…

  13. Também achei perfeito e pertinente!
    Nós precisamos nos valorizar!
    As funções dos arquitetos são, muitas vezes, menosprezadas!
    Nossa função é muito importante e precisa ser difundida e enaltecida no país!

  14. Perfeito! Deveria ser divulgado em todos os meios, evitando a “concorrência” desleal.
    Parabéns!

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo