CATEGORIA

Comissão cria grupo para discutir agenda urbana da ONU

A Comissão de Desenvolvimento Urbano aprovou a criação de uma subcomissão especial para analisar e propor as alterações legais necessárias, estabelecidas pela Nova Agenda Urbana, que deve ter seus primeiros debates ainda este ano. A Organização das Nações Unidas (ONU), em evento com mais de 35 mil pessoas em Quito, no Equador, debateu, no fim de outubro, diversos temas que envolvem o desenvolvimento das cidades e, principalmente, o documento denominado “Nova Agenda Urbana”, aprovado ao final da Conferência.

 

No evento, a Comissão de Desenvolvimento Urbano foi representada por seu presidente, deputado Jaime Martins (PSD-MG), que foi acompanhado da deputada Dâmina Pereira (PSL-MG). Para Martins, a Nova Agenda Urbana impõe aos governos grandes desafios para garantir o desenvolvimento. “O principal desafio do Brasil é garantir o ‘direito à cidade’, pois a partir dele teremos acesso à mobilidade urbana, à inclusão e ao desenvolvimento inteligente das nossas cidades, de forma equilibrada e sustentável” disse.

 

Cada item da Nova Agenda Urbana orienta os governos com diretrizes para a inversão da tendência atual descendente na qualidade da urbanização. Em análise feita pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/BR), as 30 ações-chaves da Nova Agenda Urbana estão divididas em cinco campos:

 

– Política Urbana Nacional;

– Legislação Urbana – Regras e regulamentos;

– Planejamento e Projeto Urbano;

– Economia Urbana e Finanças Municipais;

– Extensões / Renovações Urbanas Planejadas

 

O documento identifica o ataque explícito ao desperdício de recursos, a gestão racional de resíduos nas cidades, a redução das emissões de carbono, a garantia da segurança hídrica e o planejamento baseado nas projeções de população visando a garantia de distribuição de benefícios urbanos para favelas.

 

Para o diretor-executivo do ONU-Habitat, Joan Clos, a Nova Agenda Urbana estabelece uma série de objetivos gerais, como o desenvolvimento de cidades sustentáveis e compactas, a preservação do meio ambiente e ainda o planejamento, com a participação dos moradores, de espaços públicos e assentamentos informais. “A urbanização está ocorrendo a um ritmo e escala sem precedentes. Quase quatro bilhões de pessoas vivem nas cidades, e acreditamos que nos próximos anos, em 2050, esse número será o dobro” disse. Clos destacou que este é um momento ímpar. “Nunca, na história da humanidade, vimos uma transformação tão significativa na sociedade”, disse. “Isso representa enormes desafios, e a Nova Agenda Urbana tem como objetivo guiar a estratégia para enfrentá-los.”

 

Fonte: Câmara Notícias 

 

Publicado em 17/11/2016

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país 

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo