ARTIGOS

Como construir obras inacabadas- artigo de Sérgio Magalhães

fonte: O Globo, 04/02/2023

 

Contam-se aos milhares as obras há anos inacabadas de creches e escolas pelo país. O Globo mostrou que quatro mil obras estão nessa condição segundo o Ministério da Educação.

Convém contextualizar.

Em 2011, o governo definiu a meta de construir seis mil creches até 2014. Mas, ao final de 2013 apenas 1.100 estavam concluídas e 4.800 não tinham iniciado ou estavam paralisadas. Ante a “emergência”, o governo contratou outras 3.000 creches, em dois modelos, apesar das diferenças climáticas e ambientais do país. Ao que se sabe, a meta inicial continua inalcançada.

Nos anos 1990, a Prefeitura de São Paulo construiu “em emergência” as famosas “escolas de lata”, com graves problemas construtivos e ambientais. Os governos seguintes tiveram que as substituir pela má qualidade.

Obras paralisadas, mal construídas, com sobrepreços, são comuns Brasil afora, como sabemos. E tal quadro não se estabelece por acaso.

É notória a ojeriza de governantes ao planejamento e à elaboração de projetos. Projetos estruturam o pensamento. Projetos para obras são instrumentos para definir previamente o que se deseja construir e o seu custo.

No Brasil, vige a ideia que elaborar um projeto significa ampliar os prazos para se alcançar o objeto de desejo, a obra. Não importa que a experiência internacional demonstre o contrário, aqui o projeto é mal visto entre gestores públicos apressados.

É sabido que o projeto finamente elaborado para o famoso Empire State Building, NYC, então o edifício mais alto do mundo, permitiu que a construção levasse apenas treze meses.

E Brasília? A partir de concurso de projetos para o Plano Piloto, a capital foi transferida em três anos.

O valor do projeto é para além da obra. Na França as obras públicas decorrem de concurso de projeto, mais de três mil a cada ano. O país não aderiu ao protocolo europeu de licitação de obras porque considera que a expressão arquitetônica é formadora da identidade nacional. E é, lá e em qualquer lugar.

Ao revés, vimos no nosso país o abandono do projeto. Isso se deu no âmbito regional, no urbano e no edilício. Sem planejamento, o território está à mercê do improviso. Nossas cidades sem rumo, apresentam a tragédia quotidiana a que são submetidas populações crescentes; sem boa cidade não se reduz a desigualdade nem prospera o país.

Convém lembrar: em 1998, permitiu-se à Petrobrás contratar obras com projeto incompleto; em 2008, lei federal admitiu que o anteprojeto (etapa inicial de um projeto) fosse suficiente para contratar obras de penitenciárias; depois, também para obras do MCMV e do PAC; a seguir para obras da Copa e das Olimpíadas. Seguiu-se o caminho da “simplificação” dispensando, finalmente, em 2015, todas as obras públicas federais, estaduais e municipais da exigência de prévio projeto completo para ser feita a licitação da construção. O Regime Diferenciado de Contratação, RDC, da Lei de Licitações, passa a permitir que a empreiteira depois de contratada elabore o projeto a construir. Claro, à sua conveniência. É a carroça à frente dos bois. Ou a raposa a cuidar do galinheiro.

Apesar da rica experiência projetual brasileira, de grandes infraestruturas a edificações icônicas, também populares, como o Conjunto do Pedregulho e o Favela-Bairro, o país tem desconsiderado seu corpo profissional projetista. A derrocada das empresas de projetos de engenharia, orgulho nacional, com relevantes serviços no país e no exterior, é um triste corolário. Escritórios de arquitetura veem-se em quase extinção.

Será possível atender aos compromissos do clima e da redução das desigualdades sociais sem se pensar transversalmente, articulando os diversos elementos constituintes, tarefa essencial da atividade de projeto? Sem atenção ao projeto, as obras no Brasil melhoraram de qualidade? Os preços ficaram estáveis? Foram concluídas no prazo?

O desafio está colocado nestes tempos de reconstrução do país. Oxalá o tema seja considerado entre os propósitos do governo que se inaugura.

 

Sérgio Magalhães, arquiteto e urbanista, ex-presidente do IAB, presidente do Comitê Executiivo do UIA2021RIO. 

MAIS SOBRE: ARTIGOS

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ARTIGOS

Artigo de Sérgio Magalhães: Desigualdade deve inspirar indignação

ARTIGOS

O projeto do novo Plano Diretor de São Paulo é excludente – Artigo de Nadia Somekh

ARTIGOS

Nadia Somekh no Estadão: MP do Minha Casa, Minha Vida é oportunidade histórica para colocar ATHIS em prática

ARTIGOS

Artigo: “Urbanismo corporativo ou urbanismo social, qual proposta para o Brasil?”

Pular para o conteúdo