CATEGORIA

Comissão do CAU/BR debate como arquitetos podem ressignificar seus negócios

Como preparação para o 1º Seminário de Arquitetura e Urbanismo virtual, que será realizado em julho, a Comissão Especial de Política Profissional (CPP) do CAU/BR, em parceria com a Academia Exponencial, promoveu no dia 8, a palestra Adeus à normalidade! Ressignificando negócios na Arquitetura e Urbanismo pós-Convid- 19, com o professor e designer de produtos Marcos Batista. O evento abordou as mudanças e os novos desafios que poderão surgir no mercado de trabalho e nas relações entre as pessoas no pós-pandemia do coronavírus.

 

 

 

A CPP, representada no evento pelo coordenador-adjunto e conselheiro federal do CAU/BR Emerson do Nascimento, pretende, com esse tipo de debate, instrumentalizar arquitetos e urbanistas para o enfrentamento das possíveis mudanças que surgirão no pós-pandemia. O debate contou com a participação do fundador da Academia Exponencial Felipe Carvalho; do arquiteto e urbanista e conselheiro do CAU/SP André Blanco; da advogada e gerente-geral do CAU/BA Andrea Noronha e do arquiteto e urbanista e assessor da CCP-CAU/BR, Jorge Moura.

 

 

 

Marcos Batista, que também é sócio da Academia Exponencial – plataforma digital especializada em transformação de empreendedores na nova economia – destacou que o pós-pandemia exigirá novas habilidades de todos os profissionais e uma ressignificação dos negócios, valores, trabalho, projetos e do próprio viver. “Este é o momento dos setores se unirem, das pessoas serem protagonistas de um mundo melhor e de dar sentido para a vida”, enfatizou o palestrante.

 

 

 

Após falar sobre os impactos do desenvolvimento das eras rural, digital, industrial e pós-digital na economia e também nas pessoas, Marcos Batista ressaltou que, para acompanhar essa evolução, precisamos ter instituições mais dinâmicas, conectadas e menos burocráticas e hierárquicas. Ele ressaltou o impacto do coronavírus, que tornou essa curva do desenvolvimento além de exponencial, sinuosa. “E é uma ruptura na maneira como fazemos as coisas”, acredita.

 

O palestrante apontou, ainda, alguns aprendizados com a crise atual, como o fato de que a tomada de decisão das pessoas tem que ser muito rápida e para isso é preciso focar naquilo que importa e entender que o momento é de crescimento. “Temos um cenário de crise que impacta em entendermos o nosso próprio negócio ou o nosso próprio eu. Toda crise é importante num cenário de mudanças de atitudes como novas formas de trabalho, de políticas ou regulações, de novos comportamentos de consumo e impacta a economia. Na crise ocorrem mudanças de hábitos que mudam valores”, enfatizou.

 

Outra sugestão apresentada por Marcos para o momento é ressignificar as nossas lideranças, os novos modelos de negócios e a adotar o consumo consciente. Na avaliação do palestrante, as grandes lideranças têm papel fundamental no enfrentamento do Covid-19, e destacou que alguns países liderados por mulheres conseguiram  ser mais eficientes no combate a disseminação o vírus. “As novas lideranças têm alma feminina”, afirmou. Também apresentou alguns impactos do confinamento social trazido pelo coronavírus como saber conectar agora a casa, o público e o privado.

 

No mundo do trabalho, Marcos Batista destacou que é preciso escolher (quem fica e quem sai); reavaliar (crenças e valores); renunciar (optar pelo que interessa); reiniciar (como vamos caminhar quando isso passar?) e sugeriu que os medos sejam nomeados e que os pensamentos e atitudes sejam reavaliados. “Precisamos entender como empreender na vida para empreendermos no mundo dos negócios”.

 

Reflexões sobre o Covid-19 também foram consideradas importantes pelo palestrante para redefinir o quê e como mudar questões presentes no nosso dia a dia como a casa; as relações; o entretenimento; as soluções digitais; o consumo; as marcas; a saúde; o trabalho e o aprendizado. “A partir disso podemos ver como vamos atuar no mercado”, acredita Marcos.

 

 

 

 

Em meio a tantas mudanças e impactos, Marcos Batista sugere aos empreendedores que pensem como ressignificarão o seu negócio. Para isso, ele avalia que precisam saber qual é a causa que têm; o que os incomoda profundamente; qual alternativa gostariam que as pessoas tivessem; como a vida de quem segue o seu conselho é alterada. “E mais, quais são as suas regras? O que vocês topam fazer? O que não aceitam fazer de jeito nenhum? Isso precisa ficar muito bem estabelecido, bem como quem são os seus aliados; como têm explicado isso para o meu cliente; quais os meios se propõem utilizar e quem são os seus embaixadores”.

 

“Será que nós designer, arquitetos e urbanistas e todos os empreendedores comunicamos os elementos e valores que entregamos? O consumidor entende quais são esses elementos e valores? Será que economizamos tempo das pessoas, reduzimos custos, tempo e problemas? Fazer isso e conseguir comunicar tais feitos para o cliente são elementos de valor. Se mostrarmos somente o que acontece, sem profundidade, não agregaremos valor algum. E se o seu projeto gera mudança de vida, pertencimento, entre outros, isso precisa ser comunicado com autenticidade, pois só assim teremos uma significação de mercado relevante”, alerta Marcos Batista.

 

Acesse a palestra aqui!

 

MAIS SOBRE: CATEGORIA

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

Pular para o conteúdo