CAU/UF

Debate sobre a MP 759 no 18º encontro entre arquitetos

A 18ª edição do evento realizado pelo CAU/MG, por meio do Colegiado Permanente de Entidades dos Arquitetos e Urbanistas – CEAU, trouxe para discussão as questões pertinentes à Medida Provisória 759/16 e a Regularização Fundiária Rural e Urbana.

 

O evento foi realizado no dia 10 de abril, na Casa do Arquiteto Sylvio de Vasconcellos, e contou com a participação da Dra. Marta Alves Larcher (Promotora de Justiça Habitação e Urbanismo) e Rosane Tierno (Instituto Pólis) sob mediação da arq. e urb. Mônica Bedê (Diretora de Habitação IAB/MG e Conselheira Suplente do CAU/MG).

 

Dra. Marta Alves Larcher

Entenda a medida

 

A MP nº 759/2016 trata da Regularização Fundiária revogando o capítulo III da Lei nº 11.977/2009, principal marco jurídico relacionado ao tema. Considerado como referência para a Regularização Fundiária na América Latina, a norma que fora revogada definia conceitos e instrumentos que foram sendo ao longo dos anos trabalhados e reconhecidos por políticos, gestores públicos, técnicos de diferentes áreas e sociedade civil organizada.

 

Críticas à MP

 

Foram identificados pelas palestrantes uma série de problemas jurídicos e operacionais presentes na MP nº 759/2016. Exemplo disso é a União legislar sobre matéria de competência municipal, como a isenção de ITBI, permitir ocupação e uso urbano em área rural à revelia do planejamento municipal e confusão conceitual entre regularidade fundiária e edilícia, além de conflitos com normas relacionadas ao Registro Imobiliário . Também foram feitas críticas relacionadas à conceitos não muito bem definidos, à falta de regulamentação, à desvinculação da titulação à obrigatoriedade e/ou garantia de regularização urbanística, ao favorecimento de regularização de áreas de interesse específico e retrocessos nas regularizações de interesse social, destacando-se a vedação de regularização fundiária em áreas de litígio. Criticou-se também o fato de a MP necessitar de regulamentações futuras e de possibilitar atos discricionários por parte do Poder Público.

 

Foi defendido pelas palestrantes e mediadora que seja construído, com participação dos diferentes setores ligados ao tema, um projeto de lei substitutivo, auto-aplicável e com normas de transição (se for o caso), que utilize como base o Capítulo III da Lei 11.977/09 e legislação correlata. Por parte dos participantes destacou-se a necessidade de se discutir e estabelecer procedimento e entendimentos para o período atual, em que a MP nº 759/2016 está vigente.

 

Rosane Tierno

 

Via IAB-MG (Autora: arq. urb. Luana Rodrigues – Diretora de Cidades)

 

Fonte: CAU/MG

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

EVENTOS

Palestrantes do Ciclo de Debate “Patrimônio e Acervos – memórias da arquitetura brasileira”

EVENTOS

CAU Brasil apoia candidatura de Fortaleza à sede do 13º Fórum Urbano Mundial

EVENTOS

Seminário Legislativo: MEP “é um ganha-ganha, ganha o governo, ganha a sociedade e ganha o profissional”

EVENTOS

Inscreva-se para o IX Seminário Legislativo de Arquitetura e Urbanismo no dia 17 de maio

Skip to content