CAU/UF

Debate sobre a MP 759 no 18º encontro entre arquitetos

A 18ª edição do evento realizado pelo CAU/MG, por meio do Colegiado Permanente de Entidades dos Arquitetos e Urbanistas – CEAU, trouxe para discussão as questões pertinentes à Medida Provisória 759/16 e a Regularização Fundiária Rural e Urbana.

 

O evento foi realizado no dia 10 de abril, na Casa do Arquiteto Sylvio de Vasconcellos, e contou com a participação da Dra. Marta Alves Larcher (Promotora de Justiça Habitação e Urbanismo) e Rosane Tierno (Instituto Pólis) sob mediação da arq. e urb. Mônica Bedê (Diretora de Habitação IAB/MG e Conselheira Suplente do CAU/MG).

 

Dra. Marta Alves Larcher

Entenda a medida

 

A MP nº 759/2016 trata da Regularização Fundiária revogando o capítulo III da Lei nº 11.977/2009, principal marco jurídico relacionado ao tema. Considerado como referência para a Regularização Fundiária na América Latina, a norma que fora revogada definia conceitos e instrumentos que foram sendo ao longo dos anos trabalhados e reconhecidos por políticos, gestores públicos, técnicos de diferentes áreas e sociedade civil organizada.

 

Críticas à MP

 

Foram identificados pelas palestrantes uma série de problemas jurídicos e operacionais presentes na MP nº 759/2016. Exemplo disso é a União legislar sobre matéria de competência municipal, como a isenção de ITBI, permitir ocupação e uso urbano em área rural à revelia do planejamento municipal e confusão conceitual entre regularidade fundiária e edilícia, além de conflitos com normas relacionadas ao Registro Imobiliário . Também foram feitas críticas relacionadas à conceitos não muito bem definidos, à falta de regulamentação, à desvinculação da titulação à obrigatoriedade e/ou garantia de regularização urbanística, ao favorecimento de regularização de áreas de interesse específico e retrocessos nas regularizações de interesse social, destacando-se a vedação de regularização fundiária em áreas de litígio. Criticou-se também o fato de a MP necessitar de regulamentações futuras e de possibilitar atos discricionários por parte do Poder Público.

 

Foi defendido pelas palestrantes e mediadora que seja construído, com participação dos diferentes setores ligados ao tema, um projeto de lei substitutivo, auto-aplicável e com normas de transição (se for o caso), que utilize como base o Capítulo III da Lei 11.977/09 e legislação correlata. Por parte dos participantes destacou-se a necessidade de se discutir e estabelecer procedimento e entendimentos para o período atual, em que a MP nº 759/2016 está vigente.

 

Rosane Tierno

 

Via IAB-MG (Autora: arq. urb. Luana Rodrigues – Diretora de Cidades)

 

Fonte: CAU/MG

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

EVENTOS

Patrícia Sarquis Herden é presença confirmada no 3º Fórum Mundial Niemeyer 

EVENTOS

Inscrições abertas para o Fórum Urbano Mundial

EVENTOS

World Architecture Festival (WAF) recebe inscrições com desconto até 28 de março

EVENTOS

Estão abertas as inscrições do 7º Congresso Internacional de Arquitetura da Paisagem

Pular para o conteúdo