ASSESSORIA PARLAMENTAR

Deputado suspende por 30 dias deliberações sobre projetos que afetam o CAU

O presidente do CAU/BR, Luciano Guimarães, acompanhando de membros da Comissão de Harmonização do Exercício Profissional (CTHEP), reuniu-se nessa quarta-feira, dia 23, na Câmara Federal, com o deputado Ricardo Izar (PP/SP). O parlamentar é autor de dois projetos que tratam de assuntos de interesse dos arquitetos e urbanistas.

Jeferson Navolar, Patrícia Luz de Macedo, Raul Gradim, João Carlos Correia, deputado Ricardo Izar, presidente Luciano Guimarães e José Roberto Geraldine Júnior

 

Um dos textos é o PL 9818/2008, que revoga trechos da Lei 12.378/2010, que regulamentou a profissão de arquiteto e urbanista e criou o conjunto autárquico do CAU. Os trechos são os parágrafos 1º. e 2º. do artigo 3º., que tratam da especificação das áreas de atuação privativas dos arquitetos e urbanistas e as áreas de atuação compartilhadas com outras profissões regulamentadas.  O outro documento é o Projeto de Decreto Legislativo 901/2018, que susta os efeitos da Resolução No. 51, de 12 de julho de 2013, que normatiza a matéria.

 

Participaram do encontro, pela CTHEP, Patrícia Luz de Macedo, Jeferson Navolar, José Roberto Geraldine Júnior (representante do Fórum de Presidentes) e João Carlos Correia (representante do CEAU), além do conselheiro federal pelo DF, Raul Gradim.

 

Na ocasião, os representantes do CAU/BR expuseram as ações que o Conselho tomou recentemente visando eliminar controvérsias com outras profissões sobre os campos de atuação específicos e comuns, entre elas a consulta pública sobre a revisão da Resolução No. 51, que está parcialmente suspensa.

 

Ciente dos fatos, e em clima de harmonia, o deputado entendeu por bem suspender por 30 dias as deliberações da Câmara sobre os projetos, dando tempo para que o CAU/BR e os demais Conselhos interessados construam um consenso. Está mantida a audiência pública marcada para o dia 31 de outubro para debater o PDC 901/2018.

 

O CAU/BR sugeriu e vai subsidiar o deputado Ricardo Izar para a formulação de projeto-de-lei determinando que a atuação das profissões, quaisquer que sejam, estejam obrigatoriamente vinculadas às especificadas nas Diretrizes Curriculares Nacionais (estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação).

 

Os representes do CAU/BR tiveram ainda audiência com outros parlamentares, de vários estados, igualmente tratando de temas de interesse dos arquitetos e urbanistas.

 

 

 

9 respostas

  1. Creio que o bom senso e as diretrizes curriculares são os divisores de águas. Naturalmente o grau de dificuldade e de complexidade do projeto capacita o Arquiteto e por outro lado na parte estrutural o Engenheiro calculista. Profissional que é profissional não põe em risco seu registro e nem passa por constrangimentos.

  2. Pelo que entendi, se o profissional formado não teve em sua grade curricular tais disciplinas que o capacita para a atribuição, ele não pode atuar. Isso é bom! Mas a fiscalização e o cadastro dele no CAU deve ser mais rigoroso, para impedir ilegalidades em emissões de RRTs. Assim como caberá aos estudantes e a nós profissionais brigarmos também por ensinos mais completos.

  3. Acaso os Engenheiros irão abrir mão em 100% do “Projeto Arquitetônico”???

    Creio que não….!!!

    O que o CAU deveria estar fazendo, é lutando para manter a lei como ela originalmente foi criada. E ponto final.!!!

    Nós somos os “Arquitetos”…

  4. Seria muito útil a união entre as classes, o interessante seria projetos com os arquitetos e que também houvesse obrigação por parte das prefeituras na “exigência” da apresentação e responsabilidade nos projetos estruturais por parte do engenheiros civis, os dois profissionais trabalhariam em conjunto e a qualidade das obras seriam muito maiores, com certeza mutos problemas “estruturais” acabariam e todos os profissionais sairiam ganhando.

  5. Bom poderiam entrar em um consenso realmente! Obrigando assim Projeto com Arquiteto e execução com Engenheiro Civil(com competência). Assim acaba a briga e todo mundo trabalha.

  6. Baseando as decisões nas diretrizes curriculares do MEC,acredito que os problemas serão resolvidos.

  7. Diplomacia é bom!!!! Chic. Bom trabalho! Desejamos sucesso, muita calma e embasamentos ricos de conhecimento, profissionalismo, argumentação sempre em defesa da sociedade e tudo isso sem descer do salto da ética e humanismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo