CIDADES

Para arquitetos, desabamento em São Paulo expõe falhas em políticas habitacionais

Os arquitetos e urbanistas Nabil Bonduki, Valter Caldana e Caio Santo Amore são unânimes em uma constatação sobre o desabamento do prédio no Largo do Paissandu, em São Paulo: o episódio deixa evidentes erros e problemas na elaboração e na implementação de políticas habitacionais e urbanísticas, especialmente de longo prazo, na capital paulista e nas grandes cidades brasileiras.

 

Edifício Wilson Paes de Almeida, no centro de São Paulo, era ocupado por um movimento social de defesa ao direto a moradia
Edifício Wilson Paes de Almeida, no centro de São Paulo, era ocupado por um movimento social de defesa ao direto a moradia (Foto: Corpo de Bombeiros de São Paulo)

 

NABIL BONDUKI

 

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, o conselheiro do CAU/SP Nabil Bonduki, que foi vereador, relator do Plano Diretor Estratégico de São Paulo e secretário municipal de Cultura, afirma que a questão é antiga. “A ocupação de prédios que não cumprem sua função social se iniciou nos anos 1990. Além de organizar famílias que buscavam um abrigo próximo ao trabalho, os movimentos de moradia denunciavam a especulação e pressionavam o poder público por programas de produção de habitação no centro”.

 

Para o arquiteto e urbanista, há diversos instrumentos de política urbana para resolver a problemática dos centros urbanos, mas os governos nunca deram prioridade à questão. “O Estatuto da Cidade (2001) e o Plano Diretor (2002 e 2014) criaram instrumentos para combater a especulação com imóveis vazios e subutilizados, como o IPTU progressivo no tempo, e para estimular a produção de moradia em áreas consolidadas, como as Zeis 3 (Zonas Especiais de Interesse Social). Foi regulamentada a dação em pagamento, mecanismo que permite à prefeitura pagar a desapropriação de imóveis com as dívidas do IPTU dos proprietários”, relata.

 

VALTER CALDANA

 

O tema também foi abordado por Valter Caldana, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, coordenador do Laboratório de Políticas Públicas da instituição e membro do Conselho Municipal de Política Urbana da Prefeitura de São Paulo, em texto publicado no jornal Estado de S. Paulo. Para ele, a falta investimento em novas alternativas e em projetos habitacionais adequados gera ocupações precárias como a do edifício no Largo do Paissandu. “O que se fez nos últimos anos foi o investimento em uma única solução: comprar terra barata, longe do centro da cidade, para fazer casas baratas e vendê-las de maneira subsidiada para a população que não tem acesso à moradia. No entanto, não se pode achar que há apenas uma única solução para um problema complexo”.

 

Caldana aponta três instrumentos que, segundo ele, acelerariam as políticas de habitação necessárias para enfrentar a questão. “O primeiro seria a regularização fundiária, porque diminui parte da pressão por moradia ao dar segurança jurídica para quem mora em condições precárias. A segunda é utilizar instrumentos mais ágeis e eficientes, como a locação social, por meio da qual o poder público ou a iniciativa privada constroem unidades e as colocam para aluguel subsidiado, mas continuam sendo proprietários desses imóveis. O terceiro instrumento é qualificar os projetos do ponto de vista de arquitetura e urbanismo, ou seja, fazê-los inseridos na cidade preexistente, próximos de infraestrutura, renda, emprego, lazer, saúde e educação”.

 

CAIO SANTO AMORE

 

No blog Cidades para que(m)?, Caio Santo Amore, professor da USP e arquiteto da Assessoria Técnica Peabiru TCA, afirma que várias iniciativas de reformar o edifício esbarraram em problemas burocráticos, técnicos ou na falta de recursos.

 

“Ao longo de muitos anos houve algumas tentativas e propostas diversas de reformá-lo e dar ao edifício um uso regular. A reconversão para habitação parecia muito difícil e muito custosa, dadas as características da arquitetura original: edifícios de “planta livre” ou com pouca fachada, como ocorre com a maior parte dos edifícios projetados e construídos para abrigarem usos comerciais, requerem modificações estruturais que podem inviabilizar essas obras. Aventou-se a possibilidade de uso educacional ou de implantação de empresas de criação (startups) que pudessem “movimentar” aquela região da área central de noite. A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) avaliou que não teria recursos para a reforma, a prefeitura também acabou abrindo mão do projeto e o prédio permaneceu ali, cumprindo uma função social pela ação direta do movimento de moradia e das pessoas que ali estavam”.

 

Para Amore, não havia soluções imediatas para a situação do edifício no Largo do Paissandu. O profissional defende que a resolução de questões como essa está em ações de longo prazo. “Não faltaram “vontades políticas” (um termo bem genérico que ajuda a esconder as responsabilidades dos nossos governantes com a garantia de direitos básicos de cidadania para a maioria da população). O caso é tão complexo que nem mesmo uma conjunção das três esferas federativas seria capaz de resolver o assunto em curto prazo. E se não há caminho para as soluções “regulares”, “formais”, a necessidade de moradia se impõe e acaba submetendo pessoas e famílias que não têm opção, que não têm quase nada a perder, a viverem naquelas condições”.

Uma resposta

  1. MUitos prédios ocupados por órgão públicos foram abandonados. Mas é preciso ver o que está por trás.
    Uma máfia que atua na LOCAÇÃO DE NOVOS PRÉDIOS PARA O GOVERNO!
    Aqui em Brasília podemos constar o abandono do Setor Bancário Sul, onde o Banco do Brasil, Caixa Econômica abandomaram suas sedes próprias para locarem, SUAS NOVAS SEDES por preços exorbitantes.
    O mesmo aconteceu com a FUNAI, que saiu de uma locação barata para um mega edifício (já saiu de lá)!
    É prática a “desqualificação ” dos antigos edifícios, via relatórios “fajutos” !

    O belo exemplar de arquitetura brasileira que agora È CINZAS, é prova que somos um país “JACU” e “POBRE”
    ignorantes que não perceberam a sua IMPORTÂNCIA HISTÓRICA e POTENCIAL TURÍSTICO”.

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CIDADES

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país

CIDADES

Iniciadas Convocações para a 6ª Conferência Nacional das Cidades

CIDADES

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul seleciona profissional de Arquitetura

CIDADES

CAU Brasil elogia regulamentação da Lei Padre Júlio Lancellotti mas lamenta que mídia siga relacionando-a com “arquitetura hostil”

Pular para o conteúdo