ARQUITETOS EM DESTAQUE

Dia 01/07, “live” com Paulo Mendes da Rocha sobre o futuro pós pandemia

O que Paulo Mendes da Rocha pensa sobre o futuro da habitação e das cidades pós-pandemia do Convid-19? A resposta será dada na quarta-feira, dia 01 de julho, na live “Conversas na Crise – Depois do Futuro”, que o portal UOL promoverá das 16 às 17 hs.

 

Com a condução do jornalista Paulo Markun, o ciclo já entrevistou diversas personalidades dos mais diferentes setores. como a ministra Carmen Lúcia, do STF, o ator e diretor Sérgio Mamberti, o filósofo João Carlos Salles e Mozart Neves Ramos, diretor de Articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna A iniciativa tem o apoio do Instituto de Estudos Avançados da Unicamp (IdEA).

 

Com 91 anos de idade, o mais renomado vivo do Brasil Paulo Mendes da Rocha é um dos expoentes da chamada “escola paulista”, grupo de arquitetos modernistas liberado por Vilanova Artigas. São de sua autoria projetos como o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE), a reforma da Pinacoteca do Estado e, em conjunto com o filho Pedro, o Museu da Língua Portuguesa, todos em São Paulo. Entre seus trabalhos mais recentes estão o novo Museu dos Coches, em Lisboa (Portugal), aberto ao público em 2015, e o Sesc 24 de Maio, em São Paulo, inaugurado em 2017.

 

Paulo Mendes da Rocha é um colecionador de prêmios. Entre vários prêmios internacionais, ele ganhou o Prêmio pela Trajetória Profissional na I Bienal Ibero-Americana de Arquitetura (BIAU), realizada em Madri em 1998, sob patrocínio do governo espanhol.

 

Por duas ocasiões ganhou o Prêmio Mies Van der Rohe de Arquitetura Latino-Americana: em 1999, pelo projeto do MuBE, e em 2000 pela Pinacoteca de São Paulo. (1999 e 2000), O prêmio é uma iniciativa Fundação Mies Van der Rohe.

 

Em 2006, Paulo Mendes da Rocha ganhou o Prêmio Pritzker, considerado o “Nobel da Arquitetura”. Antes dele só outro arquiteto e urbanista brasileiro obteve tal conhecimento: Oscar Niemeyer. O Pritzker é uma iniciativa da Fundação Hyatt, dos Estados Unidos.

 

Em 2015, foi a vez do título de Membro Honorário do Conselho Internacional de Arquitetos de Lingua Portuguesa (CIALP). E em 2016 ganhou o Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza. A indicação partiu de Alejandro Araveda, curador da mostra. Segundo o Conselho dos Diretores da Bienal, entre outros pontos, “o atributo mais marcante de sua arquitetura é a atemporalidade”.

 

“Muitas décadas após serem construídos, cada um de seus projetos resiste ao avanço do tempo, tanto estilisticamente e fisicamente. Essa consciência estarrecedora deve ser aconsequência de sua integridade ideológica e sua genialidade estrutural. Ele é um desafiador inconformado e, ao mesmo tempo, um realista apaixonado”, diz nota do colegiado.

 

Clique aqui para saber mais sobre a vida e a obra de Paulo Mendes da Rocha. 

 

Clique aqui para acompanhar outras manifestações de arquitetos e urbanistas sobre o futuro das habitações e das cidades no pós-pandemia do Covid-19.

 

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

PRÊMIOS

“Novela Mexicana” ganha mais um prêmio em prol da valorização do arquiteto e urbanista

PRÊMIOS

Prêmio Projeto de Arquitetura reconhecerá obras criadas por arquitetos nacionais

PRÊMIOS

SESI Lab concorre ao 8º Prêmio Obra do Ano da ArchDaily Brasil

PRÊMIOS

Prêmio Deca abre inscrições com novas categorias para arquitetos e designers de interiores

Pular para o conteúdo