CAU/BR

Dia Internacional da Mulher: depoimentos de Conselheiras e Presidentes

Lana Jubé, Conselheira federal pelo estado do Goiás e 1ª Vice-Presidente do CAU/BR:
“Homenagear a mulher, o negro, o índio e outras tantas castas que a milênios têm em suas raízes a luta pela superação das diferenças não significa se colocar em patamares menores, mas tão somente assumir que somos distintas e que apesar de todas as conquistas ainda há muito que caminhar. Hoje somos mais de 60% de profissionais arquitetas e urbanistas, porém temos menos de 30% de Registros de Responsabilidades Técnicas como profissionais que fazem projetos e obras. Estes dados não param, mesmo em nossas representações ocupamos menos espaços, somos apenas 25% de mulheres no Conselho Federal, estatística ainda assim ótima se olharmos para outras representações institucionais. Em um mundo marcado pela desigualdade, onde a luta contra a violência física e moral contra as mulheres cresce, dado aos números alarmantes de agressões e feminicídios, não seria justo deixar passar incólume o dia da mulher, portanto quero sim homenagear a todas as mulheres que foram, estão e irão a luta para conquistar este espaço de ser igual, respeitando e valorizando nossas peculiaridades e particularidades. Para tanto ainda temos muito que conquistar, os números apontam que nos próximos dez anos seremos mais de 70% de mulheres Arquitetas e Urbanistas no Brasil, diante de uma realidade em que crescem não só a população, mas nossos problemas ambientais e de segregação social, neste cenário nossa tarefa torna-se hercúlea, caberá a nós mulheres construir paisagens, abrigos, moradas e espaços públicos acolhedores e amigáveis. Olhar, vivenciar e atuar na sociedade incorporando o feminino que há em cada uma de nós, não nos torna frágeis, ao contrário, reafirmamos o diálogo necessário de conquistar espaços mais humanos e fraternos. Arquitetas viva a diferença e amplie o espaço de ser igual, feliz dia das mulheres!”

 


 

Joselia da Silva Alves, Conselheira do CAU/BR pelo estado do Acre:
“Que o Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 8 de março e surgido no contexto das lutas femininas por melhores condições de vida, trabalho e pelo direito de voto, seja também um momento de reflexão da sociedade, diante de lamentáveis e inconcebíveis episódios de violência, discriminação, assédio moral e sexual contra as mulheres. Estes fatos dão a dimensão de quanto ainda as mulheres têm que lutar por respeito e pela implementação de políticas públicas que assegurem seus direitos constitucionais. No Brasil, as mulheres são quase 63% do total de arquitetos e urbanistas registrados. No Conselho de Arquitetura e Urbanismo – CAU-BR, de 28 conselheiros apenas 7 são mulheres. No geral o trabalho das mulheres não é reconhecido, é simplesmente invisível, seja no seu local de trabalho, no mercado e na comunidade. Neste contexto, o CAUBR, convoca as mulheres saírem do anonimato e contar a sua trajetória profissional e das demais mulheres arquitetas urbanistas. Parabéns Mulheres!  Juntas podemos mais!”

 


 

Marcia Guerrante Tavares, Conselheira Suplente pelo estado do Goiás:
“Hoje quero falar aqui do desejo de que a invisibilidade do trabalho exercido pelas mulheres na arquitetura, no urbanismo e em todas as profissões se transmute em visibilidade e reconhecimento. Reconhecimento abre portas, dignifica e possibilita conquistas cada vez maiores que se revertem em benefícios para toda a sociedade. Em Goiás, em 2019, já somos 67% dos profissionais com registro ativo no CAU. Neste 8 de março, saúdo a todas as mulheres, de todos os cantos, que trabalham   e acreditam na construção de melhores lugares de se estar e viver no mundo”.

 


 

Roseana Vasconcelos, Conselheira Federal pelo estado de Rondônia:
“Bom dia para você, Mulher, que não precisa de um dia para ser lembrada, que vai a luta, que brilha em dias escuros, que dá vida a novas vidas, que chora, que ri e que vence o cansaço. Cheia de mistérios, criatividade, competência e encanto. O mundo pode dificultar nossa caminhada, mas o segredo está em persistir, pois sonhos não seriam tão saborosos se fossem tão fáceis de alcançar. Feliz Dia Internacional da Mulher a todas e principalmente a nós, profissionais Arquitetas e Urbanistas”.

 


 

Helena Aparecida Ayoub Silva, Conselheira Suplente pelo estado de São Paulo:
“8 de março de 2019 – saúdo todas as mulheres e em especial as mulheres arquitetas.
Cabe salientar que o Dia Internacional da Mulher fixado nesta data pela Organização das Nações Unidas em meados da década de 1970 teve o objetivo de marcar uma série de reivindicações e conquistas de direitos, inicialmente e sobretudo no âmbito trabalhista, mas que se ampliaram para as áreas sociais e políticas, sem contudo atingir as condições desejadas. Na área da arquitetura eventos têm ocorrido, coletivos se constituído, mas ainda carecemos de ações mais efetivas. Apostamos nas recentes iniciativas do CAU BR: o Ciclo de Debates – As Mulheres na Arquitetura e a Produção da Cidade Inclusiva e a proposta da Conselheira arquiteta Daniela Sarmento, Presidente do CAU SC de criar Grupos de Trabalho para discussão da questão da mulher arquiteta nos estados e um grupo centralizado com representação de todos os estados”.

 


 

Verônica Vasconcelos de Castro, Presidente do CAU/AC:
“Desejo as colegas Arquitetas e Urbanistas muito sucesso na carreira profissional e deixo como mensagem que a persistência e as atualizações na nossa área devem ser constantes em nossas vidas e nunca deixar o desânimo nos invadir.  Temos um grande mercado para conquistar”.

 

 

 


 

Gilcinéa Barbosa, Presidente do CAU/BA:
“É uma honra e um grande aprendizado ser a segunda mulher, negra, a presidir o CAU/BA. Ocupo este lugar com consciência da minha responsabilidade em imprimir eficiência e transparência à gestão, apesar de todos os desafios que um Estado tão imenso proporciona. A Arquitetura e Urbanismo na Bahia é majoritariamente feminina. Somos 60% dos profissionais ativos. Mais de 3 mil mulheres inspiradoras, empreendedoras, corajosas. Mulheres que lidam com a nobreza de uma profissão que tem por premissa cuidar melhor das pessoas. São muitas as similitudes entre a Arquitetura e Urbanismo e as mulheres; para além da semântica. Alma, sensibilidade, senso de inteireza, força, alegria, leveza. Histórias são escritas no entorno de ambas. Neste Dia Internacional da Mulher, desejo às arquitetas e urbanistas baianas e às colegas de todo o país, CORAGEM. Para desbravar territórios, para conquistar espaços, para potencializar a criatividade, para conduzir com a sabedoria que nos é inerente a urgente e necessária transformação social. Uma Arquitetura e Urbanismo potente e sem ressalvas. Para todos”.

 


 

Liane Destefani, Presidente do CAU/ES:
“No Espírito Santo, 72% dos arquitetos registrados no Conselho são mulheres. Hoje, podemos nos orgulhar em dizer que nossas arquitetas se encontram proporcionalmente representadas na composição da nossa Plenária onde nós mulheres somos a maioria. Além de termos o nosso Conselho Diretor formado exclusivamente por arquitetas. Apesar das inúmeras dificuldades pessoais enfrentadas pelas profissionais, a atuação feminina tem se fortalecido ao longo do tempo, ocupando cargos de grande relevância no cenário técnico e político do Estado. Hoje encontramos representação feminina na Vice-governadora, em Senadoras, Secretárias de Estado e também na Presidência de vários outros conselhos de fiscalização profissional. Contudo, assistimos constantemente a episódios de cerceamento do direito feminino em ocupar posições superiores. Devemos ser persistentes neste convite contínuo que fazemos às mulheres a se juntarem a nós, para ocuparem os espaços que lhes são de direito e colaborarem com a mudança efetiva dos velhos hábitos enraizados na nossa sociedade”.

 


 

Margareth Ziolla Menezes, Presidente do CAU/PR:
“A mulher, como parte fundamental e progenitora da família, é detalhista, sensível à necessidade do grupo e apaziguadora natural de situações conflitantes. Tem seu foco definido para as boas práticas do relacionamento familiar. No CAU, lidamos dia a dia com diversas decisões que causam impacto para os profissionais da Arquitetura e Urbanismo e, casualmente, esses profissionais têm a maioria composta por mulheres. Modernas, atualizadas, sempre em busca de desenvolvimento. Que essas características femininas, presentes especialmente nas arquitetas e urbanistas brasileiras, estejam cada vez mais dentro do CAU! É o que desejo. Feliz Dia Internacional da Mulher!”

 

 


 

 

Ana Cristina Barreiros, Presidente do CAU/RO:
“Todos os dias eu tenho que lembrar a alguém que, de fato, sou uma arquiteta. E às vezes, não apenas uma arquiteta, mas a arquiteta.” Yen Ha, arquiteta e urbanista para o Portal 44 Arquitetura. Desde a primeira mulher a se tornar arquiteta, a americana Marion Griffin, graduada pelo MIT em 1871, tanto as mulheres como as mulheres arquitetas vêm ocupando inúmeros espaços, mas ainda temos grandes desafios a conquistar. Segundo dados do CAU BR, dos quase 170.000 arquitetos e urbanistas registrados no Conselho, 63% SÃO MULHERES. As últimas décadas viram crescer o número de mulheres nessa profissão, mas ainda ganhamos menos e somos minoria nos postos de destaque e liderança. Nossa visibilidade profissional também não faz jus a essa presença efetiva na produção da arquitetura e urbanismo no país. Ainda encontramos dificuldades e discriminações em nossos ambientes de trabalho, sejam nos escritórios, nas grandes corporações, nos canteiros de obras… Neste 8 de Março, Dia das Mulheres, o CAU RO homenageia todas as colegas arquitetas e urbanistas que mesmo enfrentando dificuldades diárias, têm se dedicado incansavelmente a engrandecer a profissão em Rondônia e em todo país. Sejamos todas AS ARQUITETAS!

 


 

Daniela Sarmento, Presidente do CAU/SC:
“Março é um mês para pensarmos a condição das mulheres na sociedade e aqui no CAU estamos provocando a reflexão sobre o papel das arquitetas. Nosso propósito é mostrar a trajetória das arquitetas brasileiras e, com isso, dar visibilidade à nossa contribuição para o desenvolvimento das cidades. Em todos os estados estamos fazendo esse chamado para que as mulheres contem suas histórias, para que elas participem do espaço do CAU e aproveitem esse movimento para integrar essa rede. Precisamos nos encontrar para abrir um diálogo e construir, além da pauta das mulheres no Conselho de Arquitetura, o direito das mulheres à cidade”.

 

 


 

Ana Maria Martins Farias, Presidente do CAU/SE:
“O dia 08 de março é o resultado de lutas que muitas mulheres empreenderam e nesse Dia Internacional da Mulher temos que ressaltar a importância da inserção da mulher no mercado de trabalho e especialmente da inserção da mulher arquiteta e urbanista. No CAU Sergipe criamos um Grupo de Trabalho sobre a arquiteta e urbanista com o objetivo de discutir e fazer um balanço da inserção delas no mercado de trabalho. Importante acentuar que hoje não apenas os profissionais, mas também a maioria dos estudantes de arquitetura são mulheres, mas estamos longe ainda de conquistar espaço e reconhecimento no mercado na mesma proporção”.

 

 


 

Andrea Lucia Vilella Arruda, Representante das Instituições de Ensino Superior (IES):
“Geralmente somos a maioria na maioria dos ambientes, de plateias a estações de trabalho. Não precisamos nem contar. Segundo o CENSO do IBGE de 2010, somos 51,03% da população brasileira. No Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, o nosso mais recente Anuário diz que somos 62,5%. No cadastro de cursos de graduação do CAU, 52% são coordenados por mulheres, índice que coincide com o e-MEC. Nas minhas salas de aula deste semestre, elas foram 73%. Já no concurso público da Sede CAU/BR, dos 210 projetos concorrentes, 33 eram equipes coordenadas por mulheres, ou seja, apenas 16%. Na comissão julgadora, dos 5 jurados apenas uma era mulher, 20%. É verdade que a equipe ganhadora do concurso citado, foi coordenada pela arquiteta e urbanista Tais Cristina da Silva. Ameniza. Mas não justifica índices surpreendentemente menores. E eu entendo que este baixo índice de participação das mulheres em concursos de Projetos ou nas publicações especializadas ou em cargos de alto escalão e etc., estão entre os bons motivos que motivaram o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil a ser signatário do Princípio de Empoderamento das Mulheres da ONU Mulheres. Tenho muito orgulho de ver o nosso CAU assumindo publicamente o compromisso com a agenda de promoção à equidade de gênero, em todas as suas instâncias organizacionais e em seu relacionamento com a sociedade. Jeito bom de celebrar o Dia Internacional da Mulher”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Clipping

ELEIÇÕES DO CAU: ainda dá tempo para profissionais atualizarem seus dados no SICCAU 

Clipping

Arquitetura na favela: escritório promove reformas de casas na Serra

Clipping

Em defesa da inclusão da Assistência Técnica em Habitação  de Interesse Social no Minha Casa, Minha Vida 

Clipping

Eleições do CAU utilizarão plataforma da Justiça Eleitoral. Profissionais devem se cadastrar no gov.br

Skip to content