RECENTES

Dossiê técnico comprova ineficiência da “contratação integrada” no DNIT

Dossiê elaborado pelo Sindicato da Arquitetura e da Engenharia (SINAENCO), em parceria com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), indica que, ao contrário do que afirmam os defensores do RDC (Regime Diferenciado de Contratações Públicas), a utilização da modalidade pelo DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) não alcançou o sucesso esperado e divulgado insistentemente pelo órgão.

 

O pior resultado refere-se a empreendimentos licitados pelo regime de Contratação Integrada, com base somente em anteprojetos, pois os prazos de contratação dos empreendimentos foram mais demorados, os deságios menores e o percentual de fracassos foi maior, frente às outras modalidades do RDC, que exigem projetos básicos. Além disso, a qualidade das obras já recebeu críticas do TCU, como no caso da rodovia BR 381-MG, recordista em acidentes fatais no país: o projeto realizado pela empreiteira é mais sinuoso, tem curvas mais perigosas, inclinações maiores e menor segurança nos cruzamentos.

 

A análise reforça a posição das entidades pela exclusão da Contratação Integrada do Projeto de Lei 559/2013, em tramitação no Senado, pronto para votação a qualquer momento, objetivando a revisão da Lei Geral de Licitações (8.666/93). SINAENCO e CAU/BR entendem que por essas razões e outros itens complexos e polêmicos, o projeto deva ser votado apenas em 2015, com tempo para um debate democrático pela sociedade, ao invés de uma decisão açodada ainda na atual Legislatura, como quer o Governo.

 

Clique AQUI e acesse a íntegra do dossiê e dos documentos utilizados para sua elaboração.

 

 

RESULTADOS – O período analisado vai de 30 de setembro de 2012 a 30 de setembro de 2014 e engloba um universo de 251 processos licitatórios efetivamente concluídos de um total de 304 abertos. Dos 251 certames analisados, aproximadamente 34,3% não resultaram em contratos, por motivos diversos, tais como: cancelamento, anulação, suspensão, processos desertos etc. Analisando-se de forma compartimentada os dados, verifica-se que o percentual de fracassos nas licitações pelo regime da Contratação Integrada foi de 40,5%, e nos demais regimes do RDC este percentual caiu para 31,1%.

 

Na comparação realizada pelas entidades, outro quesito importante em que a Contratação Integrada perde é no deságio. Considerando-se o universo das licitações homologadas, e comparando o montante orçado pelo órgão com o valor total das contratações, verifica-se uma redução de preço de 5,8% nas Contratações Integradas, ante um deságio de 12,4% nos demais regimes do RDC.

 

 

Outro cotejamento realizado refere-se ao prazo médio decorrido entre a data da publicação dos editais e a data da assinatura dos contratos. Nos processos licitatórios do DNIT, realizados pela Contratação Integrada, o prazo médio foi de 252 dias. Nos demais regimes do RDC este prazo foi de 199 dias.

 

 

Mais um argumento dos defensores da Contratação Integrada que não se concretizou foi a presunção de que sem conhecer o valor de referência os concorrentes apresentariam propostas iniciais inferiores. Nas Contratações Integradas, depois de aberto o valor de referência, constatou-se que somente em 12% dos casos o valor inicial apresentado pelas empresas foi inferior ao orçado pelo órgão, e em metade deles os percentuais ficaram abaixo de 3%. Nos demais regimes do RDC, em 78% dos casos o valor inicial foi inferior ao valor de referência, e destes, cerca de 43% apresentaram descontos superiores a 10%.

 

 

PROJETOS FALHOS – Conforme o dossiê, os problemas da Contratação Integrada no DNIT já preocupam o TCU. Auditoria feita nas obras da Rodovia BR-381/MG – Lotes 6 e 3.1, revelou que o projeto básico elaborado pelo consórcio contratado reduziu o nível de serviço da rodovia, em afronta ao edital da licitação. Segundo acórdão do ministro José Mucio Monteiro, de 25 de junho de 2014, o projeto do consórcio é mais sinuoso, com curvas mais perigosas e de raio mais fechado; houve um aumento da quantidade de subidas e descidas; aumento de inclinações das rampas além do padrão admissível; e opção por rotatórias ao invés de cruzamentos em níveis diferentes, que conferem maior segurança de tráfego. A rodovia é uma importante ligação do sul do país com o Nordeste, e é recordista em acidentes graves com vítimas fatais.

 

 

A Contratação Integrada é um dos regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia, previsto na Lei 12.462/2011, que criou o RDC para ser usado exclusivamente nas licitações das obras da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, e depois, a utilização foi progressivamente ampliada para empreendimentos do PAC, do SUS, de estabelecimentos de ensino, de presídios e unidades socioeducativas. O projeto em discussão no Senado contempla a possibilidade de utilização deste regime em todas as contratações de obras públicas,  em todas as esferas administrativas.

 

 

A FRAGILIDADE DO ANTEPROJETO – A questão fundamental na Contratação Integrada é a precária definição e especificação do objeto da contratação. O anteprojeto é um documento técnico extremamente carente de informações indispensáveis para possibilitar a adequada especificação de um empreendimento e, consequentemente, ineficaz para o controle da qualidade da obra a ser construída, do seu prazo de execução, bem como dos custos envolvidos na implantação, operação e manutenção do bem público em questão. Esta carência pode gerar atrasos e aditivos contratuais, hipóteses que ainda que negada pelos defensores da Contratação Integrada, são previstas na lei.

 

 

Os demais regimes admitidos no RDC são: empreitada integral, empreitada por preço unitário, empreitada por preço global e contratação por tarefa. – e em todos esses casos, as obras só são contratadas mediante projetos básicos, ao contrário da Contratação Integrada.

 

 

Utilizada em obras de mobilidade do chamado “Legado da Copa”, a Contratação Integrada fracassou. Muitas obras ainda nem acabaram, como o VLT de Cuiabá e Várzea Grande (MT), o Corredor Aeroporto/Rodoferroviária (Curitiba), a Requalificação do Corredor Marechal Floriano (Curitiba), o Corredor estruturante – Zona Norte e Estádio das Dunas (Natal), os Aeroportos de Fortaleza, Curitiba e Cuiabá, etc.

 

 

Também na Refinaria Abreu e Lima, no centro dos escândalos da Petrobrás, foi usada a Contratação Integrada, e “a falta de detalhamento do projeto inicial da refinaria provocou uma avalanche de problemas”, segundo afirma relatório do Secretário de Fiscalização de Obras de Energia e Saneamento do TCU, Eduardo Nery, a propósito de auditoria de 2013, na sequência de outras realizadas a partir de 2010 por solicitação da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional.

 

 

O levantamento realizado teve como fontes dados dos sites do DNIT (www.dnit.gov.br), da Imprensa Nacional (www.in.gov.br), Comprasnet (www.comprasgovernamentais.gov.br) e o Portal da Transparência (www.portaldatransparencia.gov.br)

 

Publicado em 27/11/14

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

RECENTES

Terceira edição da Revista Urbanidade apresenta desafios e soluções

RECENTES

CAU/SP recebe doação de acervo do arquiteto Miguel Alves Pereira

RECENTES

Edital de consulta pública de solução BIM para automação de projetos de edificações em Minas Gerais

RECENTES

Cadastrados no CAU terão descontos na inscrição da sexta edição do Seminário Internacional A ERA BIM, evento que acontecerá em São Paulo

Pular para o conteúdo