CAU/BR

Eleições 2017 do CAU: arquitetos e urbanistas devem manter cadastros atualizados

No segundo semestre de 2017 o Conselho de Arquitetura e Urbanismo realizará nova eleição, a terceira de sua história, para escolha dos conselheiros (federais e estaduais), que por sua vez escolherão os presidentes (do CAU/BR e dos CAU/UF). Os eleitos cumprirão mandatos no triênio 2018-2020. A votação, pela Internet, ocorrerá em 31/10/17.

 

Para que possam participar do processo eleitoral, os arquitetos e urbanistas devem manter seus cadastros atualizados no SICCAU (Sistema de Comunicação e Informação do CAU), pois seus dados serão utilizados para recebimento de notificações, composição do colégio eleitoral dos estados e do Distrito Federal, e sua senha do SICCAU será utilizada para votar.

 

 

  • Os  profissionais que ainda não confirmaram a atualização cadastral podem realizá-la clicando na opção [CONFIRMAÇÃO DE DADOS PARA EMISSÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL].

 

  • Para os profissionais que já realizaram o cadastro, a atualização pode ser requerida por protocolo pelo assunto CADASTRO – ATUALIZAÇÃO CADASTRAL PF.

 

 

ELEIÇÕES –   As eleições de Conselheiros Titulares e respectivos Suplentes de Conselheiros do CAU/BR e dos CAU/UF seguirão as normas da  Resolução No. 122,, de 23 de setembro de 2016, que aprovou o Regulamento Eleitoral para 2017, seguindo a Lei 12.378/2010, que criou o Conselho e regulamentou a profissão de arquiteto e urbanista. Uma das principais mudanças introduzida pelo novo Regulamento  foi a definição do colégio eleitoral: só poderão votar os arquitetos e urbanistas que estiverem em dia com suas obrigações para com o CAU a 15 dias do pleito.

 

As candidaturas nos CAU/UF serão feitas por meio de chapas, que indicarão candidatos, e respectivos suplentes, para todas as vagas disponíveis. Cada chapa assumirá as vagas de acordo com a proporção dos votos que receber em cada estado ou no DF.  

 

Serão considerados eleitos para o CAU/BR os candidatos a conselheiro federal  titular e respectivo suplente de conselheiro que integrarem a chapa que obtiver o maior número de votos nos CAU/UF.

 

Da mesma forma, serão considerados eleitos os candidatos a conselheiro titular e respectivo suplente de conselheiro representantes das Instituições de Ensino Superior de Arquitetura e Urbanismo que integrarem a chapa que obtiver o maior número de votos.

 

Uma das principais mudanças introduzida pelo novo Regulamento, aprovado em 2016,   foi a definição do colégio eleitoral: só poderão votar os arquitetos e urbanistas que estiverem em dia com suas obrigações para com o CAU a 15 dias do pleito.

 

 

Clique nos links para acessar a Resolução No. 122 e a Lei 12.378/2010

 

Veja também: 63a. Plenária aprova composição definitiva da Comissão Eleitoral Nacional

 

 

 

Atualizado em 17/02/2017

32 respostas

  1. Vocês são muito preguiçosos pelo amor de deus, é a nossa oportunidade de mostrar o que desejamos votando na chapa que tiver a melhor proposta.
    O voto é on line!! são capazes de votar no BBB mas não querem votar pra eleger nossos representantes, depois querem cobrar mudanças.

  2. Boa noite!

    Busco Arquitetos que sejam do estado do Maranhão, para compor uma chapa e concorrer as eleições.

    O lema será “CAU para todos!”.

    Cujo objetivo será implementar no mínimo 5 secretariais regionais no interior do Maranhão.

  3. Entendo que uma vez o voto sendo obrigatório por lei, é desnecessário discutir a sua obrigatoriedade.
    Penso que votar é uma expressão e garantia do que queremos, ou não queremos, é democracia sim, é a nossa expressão para novos e bons dias. Eleger profissionais ou se eleger, é um ato que nos aproxima das mazelas e conquistas da profissão.
    Tornar o voto facultativo é a significação da debandada dos direitos e deveres do profissional atuante.
    Não dói nada e se não votar, nunca poderá reclamar da gestão ruim em desfavor dos profissionais de arquitetura e urbanismo.

    1. .
      Entendo que uma vez o voto sendo obrigatório por lei, é desnecessário discutir a sua obrigatoriedade [2].

    2. Numa verdadeira democracia o voto é essencialmente facultativo. Onde há imposição não há democracia. Simples assim.

    3. Numa verdadeira democracia, o voto é um direito, não um dever.

  4. A SEPARAÇÃO DO CAU/CREA GEROU UM BRIGA INFERNAL RESULTANDO EM DESUNIÃO DE CLASSE. AGORA TANTO O CREA QUANTO O CAU BRIGAM PARA MANTEREM AS EMPRESAS QUE FORAM MIGRADAS PARA O CAU. O CREA QUEREM DE TODAS AS FORMAS QUE AS EMPRESAS QUE FORAM MIGRADAS PAGUEM AS ANUIDADES E QUE OS ENGENHEIROS TENHAM TRABALHO DA MESMA MANEIRA O CAU TBM QUEREM QUE AS EMPRESAS PAGUEM SUAS ANUIDADES E OS ARQUITETOS TENHAM TRABALHO. NESSA BRIGA NINGUÉM QUER LARGAR A SARDINHA, TUDO POR DINHEIRO. AGORA EU PERGUNTO. QUANDO É QUE ESSA BRIGA VAI TERMINAR? NÃO AGUENTO MAIS.

  5. Eu sei que tenho o que fazer, mais é meu dever votar para a minha entidade de classe para que os meus direitos profissional seja respeitados defendidos

  6. A data da votação já está definida? Não encontrei essa informação no e-mail recebido, apenas li a data da Plenária.
    Grata.

    1. Daniela, a definição acontecerá com a aprovação do regulamento eleitoral, que deve acontecer na próxima plenária.

  7. A obrigatoriedade de voto revela a estupidez e a inutilidade que foi a criação do CAU….

    1. Concordo com o Jose Luiz voto obrigatório para mim é ditadura e não ddemocracia

    2. Também não vi nenhuma vantagem até agora na criação do CAU, ainda mais que moro no interior e td ficou mais difícil. Antes qqr dúvida ia na sede do CREA, próximo a minha cidade e resolvia td. Ficamos isolados. Também não concordo com o voto obrigatório.

    3. Não sei a idade profissional desses colegas. A minha é 35 anos. Comecei a sonhar com a ideia de ter um conselho próprio quando conheci o de Barcelona, onde morei e estagiei em 1982. Espererem a criança crescer, contribuam com a sua vida e. Essas críticas emendadas são vagas demais.

  8. Quais são os critérios para a candidatura dos conselheiros? Qualquer arquiteto pode se candidatar?

    1. Lucas, as regras para as próximas eleições serão definidas na próxima plenária do CAU/BR. No último certame, todos os profissionais em dia com suas obrigações puderam se candidatar.

  9. As notificações serão feitas por e-mail ou por carta (endereço físico)?

  10. NÃO QUERO SER OBARIGADA A VOTAR,JÁ BASTA A ELEITORAL,TERNHO MAIS O QUE FAZER.

  11. Prezados,
    espero que para esta ocasião, seja eliminada a obrigatoriedade de voto e relativa sansão remanescência de postura anacrônicas e ditatoriais e que agridem a nossa formação cultural.

    Att.

    1. Prezados,
      A resposta de que a votação é regulamentada por lei, chega a ser é até ofensiva. Obvio que sabemos disso! O que acredito, que a maioria de bom senso deseje, que seja alterada esta lei, que, como já disse, é remanescência da mentalidade da época da ditadura e agride a todos nos profissionais.

    2. Amigo, a lei não pode ser alterada em uma simples Plenária do CAU. Deve passar por processo legislativo no Congresso.

  12. Os profissionais com 40 anos de formado são obrigados a votar

    1. Mario, a obrigatoriedade da votação é estabelecida pela Lei 12.378/2010 e vale para todos os profissionais registrados no CAU.

  13. Av. Pres. Vargas, 1001/7º andar – Centro-RJ

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo