ARQUITETOS EM DESTAQUE

Especial Dia da Mulher: Brasil tem 97.093 arquitetas e urbanistas

 

As mulheres dominam o mercado de Arquitetura e Urbanismo no Brasil. São mais de 97.093 arquitetas e urbanistas trabalhando hoje em todo o território nacional – 62,6% do total de profissionais. Sua presença se fez notar desde muito cedo, com Lina Bo Bardi e Rosa Kliass à frente de grandes projetos, e vem crescendo a cada ano. Cada vez mais, transformando a sociedade com sua inteligência e sua capacidade de trabalho, por meio da Arquitetura e Urbanismo. Veja abaixo histórias de profissionais que fazem a diferença nas cidades brasileiras com seu trabalho.

 

 

Em alguns estados, mais de 70% dos profissionais de Arquitetura e Urbanismo são mulheres. E a tendência é que essa predominância só aumente: nas faixas mais jovens, com até 30 anos, elas já são 73% do total de profissionais ativos. Na faixa mais numerosa, entre 30 e 40 anos, representam 65% da categoria. Elas só são minoria entre aqueles com mais de 60 anos. A idade média das profissionais é de 38 anos. As principais atividades realizadas são as de Projeto (55% do total), seguidas de Execução de Obras (32%) e Atividades Especiais (9%), que são serviços de laudo, vistoria, perícia, avaliação, consultoria, assessoria técnica, etc.

 

 

O CAU/BR presta uma homenagem a todas as arquitetas e urbanistas destacando o trabalho de algumas profissionais que, com seu trabalho, têm imprimido mais beleza, funcionalidade e inovação às cidades brasileiras. Afinal, o futuro da nossa convivência em sociedade está nas mãos delas. Confira abaixo:

 

Lina Bo Bardi: A mulher que marcou a Arquitetura brasileira

 

Rosa Kliass: Pioneira da arquitetura paisagística no Brasil

 

Elisabete França: “Mulheres precisam ocupar postos de liderança na Arquitetura”

 

Alda Rabello: “Quando perguntam o que faço, digo que sou ‘arquiteto’”

 

Dora Alcântara: Arquitetura, azulejos e emancipação feminina

 

Vera Fabrício: Fazendo história na Arquitetura gaúcha

 

Aline Castelo Branco: Prática e teoria da Arquitetura

 

Silvia Lenzi: Foco no Urbanismo e paixão pela profissão

 

Denyse Coelho: “Contribuição profissional feminina é grande, mas reconhecimento ainda pequeno”

 

Mirna Lobo: Uma arquiteta apaixonada pela vida

 

Ana Lúcia Abrahim: “Amazônia que me escolheu, me atraiu e eu disse ‘sim’ ao desafio”

 

Patrícia Orfila: Urbanismo a serviço do bem-estar

 

Gracita Lopes: Nome forte na Arquitetura potiguar

 

Janete Costa: A marca da cultura popular na Arquitetura pernambucana

 

Jussara Ramos: A Arquitetura como eixo de vida

 

Natália, Layara e Ana Carolina: Arquitetas e urbanistas em defesa da profissão

 

Eloisa Vicari: Conselhos para jovens arquitetas e urbanistas

 

Arquitetas Invisíveis: “Consegue citar o nome de três arquitetas reconhecidas internacionalmente?”

 

Zaha Hadid: Oito frases sobre ser mulher no mundo da Arquitetura

 

Raquel Rolnik: “Como fazer valer o direito das mulheres à moradia?”

 

Nícia Bormann: Os múltiplos talentos de uma arquiteta comprometida com a arte

 

Lúcia Moraes: Habitação de interesse social em primeiro lugar

 

Andrea Triana: “Me move acreditar que podemos fazer mudanças significativas”

 

Tais Cristina Silva: Fascínio pela integração da obra de grande escala com seu entorno

 

Fabricia Zulin e Renata Coradin: “Por que não ‘arquitetas associadas’, no feminino?”

 

Juliana Castro: “Sucesso na Arquitetura paisagística é levar sutileza a espaços urbanos”

 

Lissandra Lima: “Equilíbrio das proporções e simetria nos projetos”

 

Sindicato dos Arquitetos no Estado de São Paulo: Diretrizes para a igualdade de gênero

 

Clarice Debiagi: Reflexão da Arquitetura e do Urbanismo a partir da visão feminina

 

Neri Oxman: Inovação e Interdisciplinariedade na Arquitetura

 

Leiko Motomura: Pioneira do uso de materiais alternativos na Arquitetura brasileira

 

Carla Juaçaba: “Sustentabilidade em Arquitetura é construir com o acessível”

 

Denise Scott Brown: Trabalho era conjunto, mas só marido recebeu o Pritzker

 

Jane Jacobs: A ativista que peitou (e venceu) o “master builder” de Nova York

 

Carme Pigem: A vencedora do Prêmio Pritzker de Arquitetura 2017

 

Yvonne e Shelley: Curadoras da próxima Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza

 

Adara Nataly: De Manguinhos a Paris, a trajetória da vencedora do I Prêmio Montigny

 

Débora Vieira: “Espero que a expressão ‘você faz projeto como homem’ seja abolida”

 

Willane Soares: Jovens profissionais enfrentam desafios para inserção no mercado

 

Helena Tourinho: Vocação descoberta na paixão pelo estudo e na sensibilidade social

 

Jennifer Caroline Tivirolli: O início de uma carreira

 

Raissa, Thais, Letícia, Djuly e Marina: Talentos em ascensão na FAU da PUC-Campinas

 

Joice Berth: “Enfrentamos na arquitetura o estigma de fazer apenas serviços leves”

 

Giovana Sbaraini: Primeira vice-presidente da história do CAU/MS

 

Eloísa Vicari e Liana Godoy: Juntas elas são mais fortes

 

Ana Laterza: Servidora do CAU/BR é destaque em Concursos de Arquitetura

 

Sheila Basílio: prêmios e busca pela colaboração

 

Gilcinéa Barbosa: “Apesar de sermos maioria a representação feminina ainda é pequena”

 

A sensibilidade da mulher na arquitetura e no CAU/MT

 

Iria Tavares: “Arquitetura é materializar sonhos”

 

Lusia Luxsa: “Nunca desistam dos seus sonhos e não se importem com as dificuldades”

 

8 de março: Mensagens das presidentes dos CAU/UF e conselheiras federais

10 respostas

  1. Seria muito importante saber a renda dessas mulheres e cruzar com a renda dos homens!

  2. E preciso criar tabelas mais simples de honorarios de valores iguais e ou maiores para os profissionais da arquitetura, tanto na area privada como na area publica equiparadas a dos advogados deixando assim protegida e respeitada a profissao dos arquitetos, pois afinal para existir o CIDADAO precisa MORAR e para MORAR, precisa de CASA, responsabilidade profissional dos arquitetos/ engenheiros, que projetam e executam, tudo que o ser humano necessita para habitar com dignidade, saude, conforto e seguranca. So assim construiremos um dos 3 pilares, a MORADIA , segue os outris 2 pilares: a saude e a educacao estruturando uma forte NACAO.

    1. Elaine, agradecemos a atenção e informamos que a Tabela de Honorários de Serviços de Arquitetura e Urbanismo do CAU/BR é um referencial básico para os serviços e valores relativos aos projetos de arquitetura e urbanismo e serviços correlatos. Ele está dentro dos parâmetros legais, normas técnicas comerciais e éticas do exercício profissional, visando o equilíbrio nas relações contratuais. Acesse em http://honorario.caubr.gov.br/auth/login

      Possui duas modalidades de remuneração: Percentual sobre o Custo da Obra e Cálculo pelo Custo do Serviço. São mais de 200 tipos de serviços, e os arquitetos podem cotar os serviços como de alta, média ou baixa complexidade. Caso o valor estimado para o custo da obra supere muito a realidade local, é possível ajustar este valor e aplicar apenas os percentuais e fatores de complexidade definidos diretamente sobre o custo ajustado. Para ver como operar as tabelas, acesse http://www.fna.org.br/e-book/#/slide1

      Informamos que não existe o tabelamento do preço do serviço no Brasil. As informações fornecidas pelas Tabelas de Honorário são referências. Elas ajudam a coibir a concorrência desleal de preços e assegurar um padrão de qualidade dos serviços.

  3. Muito boa a matéria!
    Meu nome é Rosely Hachmann, tenho 65 anos me formei na segunda turma de Arquitetura e Urbanismo, na Universidade de São Leopoldo UNISINOS em 1979.
    Fui a primeira arquiteta um Erechim RS, trabalhei na Prefeitura Municipal por 33 anor, e agora tenho meu escritório!
    Amo minha profissão, e tenho certeza abri caminhos indescritíveis, mas continuo firme.
    Abraços RoseH.

  4. Lendo o texto deu até uma pena do que virou o curso de arquitetura.. Quando você fez arquitetura DD não ficava meio frustrado por saber coisas que os professores não falavam e que passavam em branco no curso? (como o real sentido de algumas arquiteturas, princípios e etc.. ) Abraço

  5. Meu nome é Rosane do Amaral, me formei em 1981 na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Silva e Souza no Rio de Janeiro.Por motivos particulares, somente ingressei na Arquitetura a partir do ano 2000 e não parei mais. Amo a minha profissão! Já executei muitos estúdios de gravação, dublagem e mixagem de cinema com tecnologia Dolby Digital, projetos de interiores, reformas, autovistorias, mas o que me gratificou com ser humano foi a Arquitetura ter que me dado a chance proporcionar dignidade e acessibilidade às moradias de crianças e adolescentes com deficiências nas comunidades do município e de ter projetado e executado Brinquedotecas nos Hospitais, para que as crianças internadas em tratamentos longos e complexos, tivessem seus momentos lúdicos e, consequentemente, de melhoria na saúde, fato comprovado por médicos e pais. Esses trabalhos foram realizados por uma ONG, que me orgulho de ter feito parte da equipe. Mas continuo abraçando a profissão como um amor que a gente não pode perder…

  6. Oi gente,

    Tô coletando uns dados sobre mulheres x cidade, adorei essa pesquisa e queria saber se a categoria “projeto” também engloba projetos de urbanismo (concepção de cidades e etc). Em caso negativo, esta linha (planejamento urbano, concepção de cidades, etc) corresponde a qual categoria da pesquisa?
    Muito obrigada!

Deixe um comentário para Carlão Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ARQUITETURA SOCIAL

Representantes do CAU Brasil e do CEAU se reúnem com Secretário Nacional de Habitação

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Presidente do IPHAN e diretor de Patrimônio Material visitam sede do CAU Brasil

IAB

Projeto de Lelé, prédio do IAB/GO é alvo de demolição da Prefeitura em Goiânia

CAU/BR

ARTIGO: Os edifícios de Brasilia refletem o nosso projeto de país

Skip to content