CATEGORIA

Ex-presidentes são homenageados durante Festa de 50 anos do Ippuc

A comemoração dos 50 anos do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), realizada na noite desta terça-feira (1º), foi marcada por uma celebração para homenagear a memória do fundador do Instituto, o ex-prefeito Ivo Arzua Pereira, falecido no ano passado, assim como a todos os ex-presidentes do Ippuc. A cerimônia teve a participação de 300 pessoas.

 

Em 1º de dezembro de 1965, a Assessoria de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Appuc) foi transformada no Instituto de Pesquisa e Planejamento de Curitiba (Ippuc). O Instituto nasceu com a atribuição de zelar pela correta aplicação do futuro plano diretor, que estava em etapa final de elaboração, além de assumir a responsabilidade pelo planejamento urbano da cidade.

 

Meses depois, em maio de 1966, o Plano Preliminar de Urbanismo foi encaminhado para a Câmara Municipal de Curitiba. O documento foi submetido a análises em diversas reuniões técnicas até obter a aprovação dos vereadores. Finalmente, em junho, o Plano Preliminar de Urbanismo foi transformado no Plano Diretor de Curitiba e o Ippuc assumiu o papel de guardião da nova lei urbanística.

 

Além do respeito às diretrizes do Plano Diretor, ao longo dessas cinco décadas os técnicos do Ippuc usaram de sensibilidade e criatividade para buscar o desenvolvimento harmônico, adaptando os conceitos básicos à dinâmica da cidade. Além disso, o Instituto dedicou-se a encontrar soluções de baixo custo, apoiadas, muitas vezes, em tecnologia própria, levando em consideração os aspectos sociais, culturais e ambientais.

 

O Ippuc teve papel decisivo no processo de transformação da estrutura física, econômica, social e cultural que consolidou a Curitiba atual. O modelo de Planejamento Urbano desenvolvido na cidade tornou-se referência no Brasil e no mundo.

 

Homenagens

 

O atual presidente do Ippuc, Sérgio Póvoa Pires. (Foto: Everson Bressan/SMCS)

 

Todos ex-presidentes do Instituto foram chamados ao palco para receber um certificado de agradecimento por tudo que fizeram pelo Ippuc e por Curitiba. “Não existe instituição de planejamento urbano tão longeva no Brasil quanto o Ippuc. Não existe cidade brasileira que tenha respeitado e seguido aquilo que determina o seu Plano Diretor como Curitiba. Isso só aconteceu porque houve continuidade no processo, porque o Ippuc e o Plano Diretor tiveram guardiões ferrenhos. Por isso, essas pessoas são homenageadas neste momento. E começamos pelo ex-prefeito Ivo Arzua porque ele foi o visionário que deu início a tudo isso”, disse o presidente do Ippuc, Sérgio Póvoa Pires.

 

Foram lembrados os nomes de três pessoas fundamentais: Franchette Garfunquel Rischbieter, uma das pioneiras do planejamento urbano; Jorge Wilheim, o arquiteto que fez o Plano Preliminar de Urbanismo em 1965; e Rafael Dely, também arquiteto e ex-presidente do Ippuc.

 

Outro ingrediente fundamental para o sucesso da cidade e do Plano Diretor foi a população de Curitiba. “Nada teria dado certo se o povo da cidade não tivesse nos apoiado desde o começo, participando dos seminários Curitiba do Amanhã e apoiando todas as iniciativas”, apontou o ex-presidente do Ippuc, Lubomir Ficinski Dunin.

 

Já o ex-ministro Reinhold Stephanes, que foi também o primeiro Assessor de Pesquisa da antiga Appuc, órgão que deu origem ao Ippuc, fez questão de dizer que “cada esquina de Curitiba tem um pouco do Ippuc. E isso é um imenso orgulho para todos nós”, afirmou.

 

O ex-presidente do Ippuc Oswaldo Navaro conta que começou no Instituto como estagiário, fazendo maquetes. “Passei por muitas áreas, participei de projetos importantes, como a criação da estação-tubo, trincheiras, parques, viadutos e muitas outras obras importantes. Ter chegado à presidência foi o ápice de minha carreira e só tenho a agradecer”, festejou Oswaldo Navaro.

 

Outro ex-presidente, Augusto Canto Neto, relembrou os grandes projetos de que participou. “Plano de Zoneamento, implantação da Linha Verde, Clube da Gente e tantos outros legados para Curitiba aconteceram com a nossa participação. Isso não tem preço. Mas é fundamental lembrar que, além das obras, o Ippuc gerou muitos talentos. Os mais antigos nos formavam e a gente ajudava a formar os que vinham na sequência. Tudo feito com carinho, com dedicação, com muita competência. Isso não existe mais, em parte alguma, só mesmo no Ippuc”, afirmou Canto Neto.

 

“Sem o corpo técnico de excelência que o Ippuc sempre teve nada disso teria sido possível”, afirmou o ex-presidente Luiz Forte Neto, também reconhecendo que o grande sucesso do Ippuc se deve às centenas de servidores anônimos que trabalharam e ainda trabalham na instituição.

 

“Ser servidor do Ippuc e ter presidido esta instituição foi como viver um sonho que se transformou em realidade. Vimos a cidade se fazer pelas nossas mãos, diante dos nossos olhos. Fomos, desde sempre, um grupo de servidores idealistas, que ama a cidade, e tivemos a alegria de ver Curitiba projetada no mundo todo”, comemorou o arquiteto e urbanista Luiz Masaro Hayakawa que, além de ter presidido o Ippuc, hoje dirige o Instituto de Planejamento de Palmas, no Tocantins.

 

Servidor do Ippuc por quase 36 anos, o arquiteto e urbanista Mauro Magnabosco também foi homenageado na condição de ex-presidente. Sua história de vida e profissional está inscrita na cidade: Memorial Árabe, Arcadas das Ruínas de São Francisco, Arcadas do Pelourinho, Ruas da Cidadania, Bosque Alemão, Bosque São Cristóvão, Parque do Bacacheri, Parque Tanguá e até os cemitérios São Francisco, da Água Verde e do Boqueirão têm a marca de Mauro Magnabosco, que acaba de se aposentar. “Nunca fiz nada sozinho. O mais importante é que tudo isso foi feito em equipe, com o trabalho de arquitetos e técnicos muito talentosos que muito me ensinaram e deram o melhor de si por esta cidade”, reconhece Mauro Magnabosco.

 

Publicado em 04/12/2015. Fonte: CAU/PR

MAIS SOBRE: CATEGORIA

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

Pular para o conteúdo