CATEGORIA

Exercício ilegal da profissão de arquiteto e urbanista e irregularidades na prestação de serviço são alguns casos analisados pela CEP-DF

cepsetembroA Comissão de Exercício Profissional – CEP esteve reunida na tarde desta terça-feira (4/10), na sede do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal (CAU/DF) para deliberar sobre relatos de processos recebidos no mês de setembro. Um deles diz respeito à execução de uma obra no condomínio Taquari, que foi entregue pela empresa de Arquitetura contratada com vários problemas construtivos, como má execução na estrutura que sustenta a caixa dá agua da residência e calhas mal feitas. Verificou-se que a empresa não possuía Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e tampouco registro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo por atuar na área. “Faremos uma denúncia da empresa à Secretaria de Fazenda do Distrito Federal, ao Procon-DF e à Receita Federal”, informou o conselheiro, arq. e urb. Igor Campos.

 

A obra trouxe ainda dois agravantes: a presença de falso profissional que se intitulava arquiteto, mas não possuía registro em conselho e de um arquiteto e urbanista registrado que trabalhava em conjunto. O encaminhamento dos conselheiros da CEP foi de que o processo será encaminhado à Comissão de Ética e Disciplina do CAU/DF para que sejam verificadas infrações ao Código de Ética Profissional e o leigo será notificado por exercício ilegal da profissão, reforçado por denúncia ao Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) e à Polícia Civil pelo mesmo motivo.

 

Tombamento

 

Um terceiro caso analisado pela CEP na última terça-feira (4/10) trata de uma denúncia de arquiteto e urbanista ao CAU/DF sobre as alterações de fachada realizadas nos condomínios residenciais do Plano Piloto. Segundo o denunciante, a instalação de caixas para acoplar condensadoras de ar-condicionado afetariam as regras de tombamento de Brasília e colocaria em risco a segurança de moradores e pedestres. “Iremos encaminhar a denúncia e o profissional ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Superintendência do Distrito Federal (Iphan-DF), para esclarecimentos e providências com relação à questão do tombamento”, informou o conselheiro arq. urb. Aleixo Furtado.

 

FONTE: CAU/ DF

 

Publicado em 06/10/2016

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Uma resposta

  1. .
    Além desse exemplos mencionados de Exercício Ilegal da Profissão de Arquiteto e Urbanista, também temos A I N D A como rotina em centenas de Prefeituras espalhadas pelo País, “responsáveis técnicos” NÃO REGISTRADOS NO CAU/BR, executando:
    .
    Projetos Arquitetônicos / Estudos de Impacto de Vizinhança (E.I.V) / Projetos de Parcelamento de Solo mediante Loteamento / Desmembramento de Gleba / Desdobramento de Lote… etc.

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

Pular para o conteúdo