PATRIMÔNIO HISTÓRICO

FIPA Brasil-Portugal: Desafios e conquistas na preservação do Patrimônio Histórico são debatidos em São Luís (MA)

 

Começou. De hoje até sexta-feira, o Centro Histórico de São Luís (Maranhão) se torna o epicentro das discussões sobre conservação e reuso do Patrimônio Arquitetônico no Brasil e em Portugal. Com o tema “Diversidade em diálogos permanentes”, o 9º Fórum Internacional de Patrimônio Arquitetônico (FIPA) reúne os mais importantes pesquisadores da área de patrimônio dos dois países, em uma troca de conhecimentos e experiências vibrante e intensa. Objetivo é trazer à tona as técnicas e soluções mais recentes, unindo inovação e tradição.

 

O FIPA foi idealizado pelas arquitetas Maria Rita Amoroso, brasileira, e Alice Tavares, portuguesa, com o objetivo de fortalecer a relação entre Portugal e Brasil no campo do patrimônio, discutindo técnicas construtivas e promovendo a valorização, conservação e salvaguarda de bens materiais e imateriais nos dois países. “O FIPA certifica a força da união Brasil-Portugal. Trabalha a diversidade das culturas que nos faz progredir juntos. Diálogos conscientes, resilientes, históricos e artísticos”, disse Maria Rita na solenidade de abertura.

 

A sessão solene de abertura do FIPA contou com a presença de autoridades importantes, como José Luis Cortés, presidente da União Internacional de Arquitetos (UIA); Eduardo Braide, prefeito de São Luís; Nadia Somekh, presidente do CAU Brasil; Gonçalo Byrne, presidente da Ordem dos Arquitectos de Portugal (OA-PT); Aníbal Costa, coordenador-geral do FIPA em Portugal; Leandro Grass, presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Rafael Passos, vice-presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB); entre outros representantes do setor.

 

Maria Rita Amoroso, Coordenadora Geral do FIPA – Brasil; Nadia Somekh, Presidente do CAU Brasil; Hermes Fonseca, Presidente do CAU Maranhão; e Kátia Bogéa, Presidente da Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (FUMPH).

 

PROTEGENDO A HISTÓRIA

O presidente da União Internacional de Arquitetos (UIA), José Luis Cortés, parabenizou os organizadores do FIPA pelos resultados alcançados ao longo dos anos. “Como vocês sabem, proteger o Patrimônio Histórico foi a missão que norteou a criação da UIA em 1948. A Europa estava destruída pela Guerra. Unimos 120 países nessa missão e desde então temos trabalhado com esse tema em todo o mundo”, disse. Ele também destacou a importância dos centros históricos para o debate sobre sustentabilidade e mudanças climáticas.

 

“Este evento integra três vértices da minha vida: patrimônio, pesquisa científica e militância profissional”, disse a presidente do CAU Brasil, Nadia Somekh. “Não podemos esquecer que a questão do patrimônio é uma questão urbana. O Brasil precisa de Arquitetura e Urbanismo. Não falta trabalho para os arquitetos realizarem. Precisamos sensibilizar a população sobre a Arquitetura, sobre o Patrimônio e sobre a Amazônia”.

 

Coordenador do do FIPA Portugal e professor da Universidade de Aveiro, Aníbal Costa enfatizou a dificuldade de colocar o conhecimento acadêmico em prática, em aproximar a teoria da realidade. “É difícil colocar esse conhecimento na utilização do dia a dia. Essa é uma dificuldade que existe em Portugal e no Brasil”, afirmou, reforçando a necessidade de unir esforços em eventos como o FIPA, para conservar e salvaguardar o patrimônio histórico.

 

Presidente da União Internacional Arquitetos (UIA), José Luis Cortés

 

REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS HISTÓRICOS

Leandro Grass, presidente do Iphan, destacou que o Patrimônio deve ser discutido com vistas à promoção da cidadania. “Que as tecnologias e conhecimentos aqui debatidos possam servir à cidadania, com foco no ser humano. O Patrimônio é a história das pessoas, suas esperanças e seus sentimentos”, disse. Conforme ele anunciou no II Seminário de Patrimônio Histórico, o Governo Federal vai investir na revitalização dos Centros Históricos para transformá-los em espaços de oportunidades. “As pessoas são a grande riqueza.”

 

A presidente da Fundação Municipal de Patrimônio Histórico do Maranhão (FUMPH), Katia Bogéa, destacou o empenho da Prefeitura em trazer o FIPA para São Luís, cidade que mistura influências arquitetônicas de povos indígenas, europeus e africanos. “Disputamos por um ano a candidatura para trazer o FIPA ao Maranhão. Este evento traz as melhores cabeças na área de Patrimônio no mundo”, afirmou.

 

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide, agradeceu aos arquitetos e urbanistas por escolherem a cidade como sede do FIPA Brasil – Portugal. “Nosso Centro Histórico às vezes não tem vida, e estamos tentando recuperar isso. Recentemente, restauramos dois casarões abandonados, em parceria com o Iphan, para criar unidades de habitação de interesse social”, disse. “São Luís é uma fonte preciosa de ensinamentos. É muito importante ver a nossa história ser contada pela Arquitetura”.

 

Leandro Grass, Presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan); Eduardo Braide, Prefeito de São Luís; e Katia Bogéa, Presidente da Fundação Municipal de Patrimônio Histórico do Maranhão (FUMPH)

 

RESILIÊNCIA vs. VULNERABILIDADE

Destaque do primeiro dia do 9º FIPA foi a palestra proferida pelo arquiteto e urbanista português Gonçalo Byrne, presidente da OA-PT, intitulada “Vulnerabilidade e resiliência do patrimônio arquitetônico construído no Brasil”. Dono de um renomado escritório, sua produção inclui obras de restauração como: a intervenção no Palácio de Estoi no Algarve, no antigo Hospital de São Teotónio em Viseu, e no Mosteiro de Alcobaça. Seus resultados alcançados foram reconhecidos com prêmios como o Prémio Valmor 2000 (da Câmara Municipal de Lisboa) e o Prémio Diogo de Castilho 2008 (da Câmara Municipal de Coimbra). Em 2000, recebeu a Medalha de Ouro da Academia de Arquitectura de França.

 

Durante sua palestra, Gonçalo Byrne enfatizou que o patrimônio edificado é altamente vulnerável. “Se não for feito nada para interromper esse ciclo, ele gradualmente perde sua vitalidade e vai se transformando em ruínas”, disse. Ele enfatizou que a resiliência é essencial para enfrentar os desafios climáticos e econômicos, “Restaurar, resgatar, ressignificar e refundar. Não se trata apenas de resistência, mas da capacidade de renascer das cinzas e se reconstruir”.

 

Ele citou como exemplo as áreas portuárias que perderam o trânsito de navios e barcos, as quais oferecem um grande potencial para reabilitação, por meio de um novo uso das instalações existentes. Para ilustrar esse conceito, compartilhou lições aprendidas com a reconstrução de Lisboa após o terremoto de 1755. Foi preciso construir uma cidade nova em uma área desocupada, seguindo o princípio do Marquês de Pombal: “Primeiro, enterra-se os mortos, depois se cuida dos vivos”. Essa renovação possibilitou a criação de um novo desenho urbano, com ruas mais limpas, ampla iluminação natural e infraestrutura de água e esgoto.

 

Primeira palestra do FIPA foi de Gonçalo Byrne, Presidente da Ordem dos Arquitectos (OA) de Portugal

 

ECONOMIA CIRCULAR

O arquiteto português também apresentou três projetos de seu escritório, que envolviam a reabilitação de quarteirões da Arquitetura Pombalina, datados da época da reconstrução de Lisboa. Além disso, ele mencionou o trabalho do renomado arquiteto português Álvaro Siza Vieira, vencedor do Prêmio Pritzker, que coordenou o Gabinete de Reabilitação em Portugal, contribuindo para a preservação e revitalização do patrimônio arquitetônico no país.

 

Deixou também mensagem de otimismo, ressaltando que a crise climática exigirá uma transição para uma economia mais circular, buscando soluções que respondam aos desafios ambientais e econômicos. “Não há outra saída para a crise climática, ela terá de ser possível. Para enfrentar os desafios da sustentabilidade ambiental e econômica, teremos que transitar para uma economia mais circular. E isso tem tudo a ver com a questão do patrimônio: restaurar, resgatar, ressignificar e refundar”.

 

O Fórum Internacional de Patrimônio Arquitetônico Brasil – Portugal se estenderá até o dia 16 de junho, com uma programação repleta de palestras, mesas-redondas e atividades interativas, proporcionando oportunidades para o compartilhamento de conhecimentos e experiências entre arquitetos e urbanistas, gestores públicos, pesquisadores e estudantes.

 

Confira a programação completa aqui.

 

⚠️ ATENÇÃO: O evento está sendo transmitido AO VIVO pela Fundação Municipal de Patrimônio Histórico do Maranhão (FUMPH) no seu canal do Youtube.

 

Veja abaixo a íntegra da Cerimônia de Abertura:

 

 

Leia também:

 

II Seminário Nacional de Patrimônio Histórico: Arquitetos e urbanistas homenageiam Dora Alcântara no seu aniversário de 92 anos

 

Instituições relatam ações para a preservação durante o II Seminário de Patrimônio

 

Boas Práticas para a preservação do patrimônio no palco do 9º Fipa Brasil – Portugal, em São Luís

 

No centro histórico de São Luís, CAU Brasil cria Câmara Temática de Patrimônio

 

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

17 de agosto: Dia Nacional do Patrimônio Histórico serve como um alerta em prol de políticas de preservação cultural

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

CAU Brasil instala Câmara Temática de Patrimônio Histórico

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Carta de São Luís é aprovada no 9º FIPA com foco na valorização do patrimônio e do bem-estar urbano

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

9º FIPA aponta a responsabilidade dos arquitetos e urbanistas como construtores do patrimônio do futuro

Pular para o conteúdo