ASSESSORIA PARLAMENTAR

Presidente do CAU/BR defende projeto completo em entrevista ao El País

ElPais

 (Manchete da reportagem)

 

Em matéria divulgada no jornal El País Brasil, em 31/07/16, o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), Haroldo Pinheiro, destacou a importância do projeto completo em obras públicas. “Licitar uma obra sem um projeto completo é se aventurar. Sem o projeto não se sabe se a obra vai durar um, seis ou 24 meses. Os aditivos aos projetos também acabam virando uma rotina. É um convite para se rasgar dinheiro público”, alertou.

 

A reportagem, sob o título, “Nova lei das estatais brasileiras abre brechas para escândalos de corrupção”, aborda as críticas aos itens que tratam de obras públicas na recém aprovada Lei das Estatais (13.303/2016).

 

O CAU/BR é uma das diversas entidades contrárias à legislação, pois ela permite  licitação de obras de mais de 150 estatais da União, 70 dos Estados, nove do Distrito Federal e dezenas ligadas a Municípios , sem projeto de arquitetura ou engenharia, por meio do instrumento da “contratação integrada”. A medida é válida também para as sociedades de economia mista e subsidiárias.

 

Confira a matéria na íntegra clicando aqui.

 

A matéria foi publicada também na página oficial do Facebook do El País Brasil, contabilizando 2 mil curtidas e cerca de 950 compartilhamentos.

 

E PAISHAROLDO

Página do El Pais no Facebook

 

 

Link relacionado:

 

Tudo sobre os debates a respeito das novas leis de Licitações e da Estatais

 

 

Publicado em 03/08/2016

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ASSESSORIA PARLAMENTAR

CAU Brasil sugere redução de 30% das alíquotas dos tributos para serviços de Arquitetura e Urbanismo

ASSESSORIA PARLAMENTAR

Sugestão do CAU Brasil se torna indicação na grade curricular de Educação Básica

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Deputada e arquiteta Denise Pessôa recebe CAU Brasil na Câmara Federal

ASSESSORIA PARLAMENTAR

NOTA OFICIAL: Esclarecimentos sobre o PL 2081/2022

Pular para o conteúdo