CATEGORIA

IAB/SP: Texto do presidente sobre vícios na contratação de projetos e obras

 

Sobre os desvios de contratação de projetos e obras no Brasil que estão gerando tragédias e corrupção desenfreada. Vamos lembrar o que aprendemos na escola. As fases de um projeto sinteticamente são:

 

1. Estudo Preliminar: como a própria designação diz é um estudo. AINDA NÃO É PROJETO. Não pode, portanto, ser usado para obra. Será desenvolvido nas fases subsequentes por quem desenvolveu o Estudo, a não ser que ele autorize alguém a desenvolver por/com ele.

 

2. Anteprojeto: fase de desenvolvimento de um projeto quando todas as interações necessárias estão sendo compatibilizadas. Legislação, disciplinas diversas, projetos complementares ou até ajustes de programa). Como a própria designação diz, é antes do projeto. Portanto também AINDA NÃO É PROJETO.

 

3. Projeto Executivo: consolidação de todas as interações da fase anterior para geração de documentos para a obra. O PROJETO EXECUTIVO define e orienta a obra. O PROJETO EXECUTIVO é o que deve ser usado para a contratação pois incluí todos os detalhes e inclusive orçamento para controle e administração da obra.

 

Depois desta fase é o canteiro, a produção. “PROJETO CONCEITUAL“, PROJETO BÁSICO” são designações inventadas para fragmentar um processo q é inteiro e não pode ser fragmentado. Esta fragmentação gera “desresponsabilidades” e manipulação de informações que não servem a um processo democrático de projeto.

 

 

Publicado em 02/05/2016

Fonte: IAB/SP

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Fórum de Presidentes do CAU/BR cumpre extensa pauta em Belo Horizonte (MG)

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo