Assistência Técnica

II ARQAMAZÔNIA: Clóvis Ilgenfritz recebe prêmio internacional da FPAA

Clóvis Ingelfritz (centro) recebe prêmio da FPAA
Clóvis Ilgenfritz (centro) recebe prêmio da FPAA

 

Durante a abertura do II Congresso Internacional de Arquitetura e Sustentabilidade da Amazônia (II ArqAmazônia), o arquiteto e urbanista Clóvis Ilgenfritz foi pego de surpresa: seu nome foi anunciado à plateia de mais de 200 pessoas como o vencedor do Prêmio Juan Torres, honraria concedida pela Federação Pan-Americana de Arquitetos (FPAA), instituição que congrega 32 associações de arquitetos em toda a América. João Virmond Suplicy Neto, presidente da FPAA, destacou que o prêmio é concedido pelo “conjunto da obra”, mas que no caso de Clóvis, ele se justificaria por uma só ação: sua atuação na criação da Lei de Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social, que garante aos brasileiros em situação de vulnerabilidade social o direito de ter orientação gratuita de arquitetos e urbanistas quando for construir sua casa.

 

Clóvis Ilgenfritz da Silva é considerado o pioneiro da assistência técnica no Brasil. Em 1976, realizou uma das primeiras experiências da área em Porto Alegre, o Programa de Assistência Técnica à Moradia Econômica. Na ocasião, o Sindicato dos Arquitetos do Rio Grande do Sul estabeleceu um convênio com a prefeitura da capital. Foram disponibilizados pelo sindicato 70 jovens profissionais. Em quatro meses, cada arquiteto atendeu, em média, 10 famílias, que se mostraram satisfeitas com o resultado final de habitações saudáveis e com conforto e beleza. Depois disso, Clóvis iniciou sua longa carreira política, como presidente da Federação Nacional dos Arquitetos, vereador, secretário do Planejamento em Porto Alegre, secretário da Coordenação e Planejamento no Rio Grande do Sul e deputado Federal.

 

Ao receber o prêmio, Clóvis destacou a necessidade de os arquitetos participarem mais da política institucional. “Nós somos os melhores produtores de documentos, mas as coisas ficam muito no papel. Temos que partir para outro patamar, participar politicamente de governos e entidades que tratam das cidades, introduzindo cada vez mais nessa estrutura a profissão de Arquitetura”, afirmou. “Eu fui para a politica, e também ali me disseram isso, temos que conquistar o poder de decidir”.

 

Clóvis é o quarto arquiteto brasileiro a receber a honraria. Antes dele, foram agraciados os arquitetos Ermínia Maricato, Mario Mello e Miguel Pereira.

 

ABERTURA
O II ArqAmazônia faz parte do calendário oficial de eventos da FPAA. “Trata-se de um projeto inovador que traz a chancela das Nações Unidas. A poética da Arquitetura poderá sintetizar um novo paradigma”, afirmou o presidente da federação, João Virmond Suplicy Neto. Claudemir Andrade, presidente do IAB-AM e conselheiro federal do CAU/BR, revelou que 60% dos inscritos são de fora de Manaus. “Isso mostra que o ArqAmazônia ganhou as Américas”, afirmou. “Temos uma excelente programação científica. Conseguimos abranger uma quantidade de estudos e projetos”.

 

O vice-presidente do CAU/BR, Anderson Fioreti, destacou que o II ArqAmazônia é um dos eventos preparativos para o Encontro da União Internacional dos Arquitetos, que acontecerá em 2020 no Rio de Janeiro, e que seu sucesso mostra a capacidade de realização da categoria. “Tenho a opinião pessoal que nós arquitetos estamos perdendo a capacidade de conversar sobre a cidade, abrindo espaço para outros profissionais falarem sobre o que é de fato nosso campo de atuação: os problemas urbanos”, disse . “São debates como esse que nos credenciam a pautar a sociedade”.

 

Sergio Magalhães, presidente do IAB, fez uma homenagem ao arquiteto e urbanista Severiano Porto, conhecido como “arquiteto da Amazônia”, pela sua capacidade de traduzir o conhecimento de construção dos índios em arquitetura contemporânea. “Querido mestre Severiano Mario Porto, que nestas terras da Amazônia, oferece uma obra magistral que engrandece a Arquitetura no Brasil e no mundo. É um arquiteto comprometido com todas as dimensões possíveis de nosso ofício”, afirmou.

 

Sergio também destacou a importância da Arquitetura Sustentável, uma vez que nos próximos 25 anos o Brasil deverá construir mais 30 milhões de domicílios, metade do que já foi construído até hoje. “A cidade do seculo XXI é a cidade onde o desenvolvimento econômico, social e politico, é dela dependente. Nossas cidades pararam de crescer, nossa população tende a estabilidade e isso vai exigir de nós um novo enfrentamento”.

 

Mais notícias do ArqAmazônia:

Congresso apresenta exemplos de Arquitetura Sustentável
Gustavo Restrepo apresenta plano de requalificação de Medellín
Clóvis Ilgenfritz recebe prêmio internacional da FPAA

Conselheiros do CAU/BR debatem governança metropolitana

Especialistas recomendam uso da madeira na Arquitetura

Os desafios das cidades brasileiras e a assistência técnica

 

Publicado em 15/09/2016

5 respostas

  1. Sim, Clovis pode ter sido o primeiro que dentro do Congresso iniciou a primeira tentativa de uma lei. Mas essa ai que foi aprovada, fui eu que fiz o texto. E eu não conhecia o Clovis e nem o projeto de lei que ele criou em 2002. Porque eu tomei como base foi meu drama pessoal vendo meu povo desassistido. E vendo as lutas por moradias populares pelas as associações. Diante de tanto combate contra noticias que não condizem com a verdade , vamos trazer essa luta para o CAU, e finalmente o CAU noticiar sobre essa lei citando os fatos e autores corretos…
    Meus comentários continuam bloqueados.

  2. Um prêmio merecidíssimo, sem dúvida!
    A nota, contudo, tem dois equívocos, ambos no parágrafo em que informa os brasileiros que foram anteriormente agraciados com o prêmio:
    1) Clóvis é o quarto e não o terceiro premiado, como a própria nota reconhece ao listar os demais
    2) O nome correto do colega alagoano premiado em Maceió, em 2012, é Mário Aloísio Mello e não Mário Luiz Mello.

    1. Mas o que que é isso!!!
      Eu já enviei as provas matteriais ao CAU-BR e CAU-CE de que eu que criei esse texto dessa lei da Assistência técnica ggratuita !!!!
      Porque não fazem justiça! Porque todas as provas oficiais que enviei não servem? Vocês se baseia em apenas na palavra do Clovis contra dezenas de provas que já enviei a vocês. Inclusive o proprio Clovis critica a minha lei, diz que ela é incompleta e que precisa de leis complementares? Vou procurar meu advogado. Isso está parecendo discriminação contra um um arquiteto por ser nordestino.

      Cliquem nesse link. Esse texto dessa lei esta no relatório oficial da Conferencia Estadual das Cidades de 2007, no Ceará. E está na Conferência Nacional das Cidades de 2007. O projeto de lei que o deputado Clovis criou foi em 2002, bastante complexo e controverso e não foi aprovado. No projeto de lei que ele criou criava oportunidade de trabalho para arquitetos, e excluia engenheiros. Já a minha proposta, que foi aproveitada pelo Deputado Zezeu Ribeiro e apresentada como projeto de lei no congresso, e que foi sancionada como a Lei 11.888 fez uma conciliação com trabalhos de arquiteto, engenheiro, e advogados.

      Cliquem nesse link e saibam da verdade sobre essa proposta de lei.
      https://www.chavalzada.com/2013/07/lei-de-assistencia-tecnica-gratuita.html

    2. Infelizmente, diante de matérias que o CAU produz faltando com a verdade, vou ter que deixar esse caso com meu advogado. A gente tem poucas chances de deixar um legado na vida. E quando o faz, o nosso prório Conselho parece trabalhar contra as provas apresentada, e se baseia simplesmente na palavra de uma outra pessoa, que nuca apresentou nenhuma prova. Estou reenviando o comentário, porque meus comentários estão bloqueados nas paginas de notícias do CAU

Os comentários estão desabilitados.

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

NOTA DE ESCLARECIMENTO

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

EVENTOS

Patrícia Sarquis Herden é presença confirmada no 3º Fórum Mundial Niemeyer 

Pular para o conteúdo