EVENTOS

II Fórum Internacional: Pesquisa apresenta desafios à mobilidade profissional

Conhecimento de BIM e experiência internacional podem ajudar arquitetas e arquitetos brasileiros a exportarem seus serviços

 

Com o tema: “Mobilidade Profissional Internacional, da formação ao exercício profissional”, o II Fórum Internacional de Conselhos, Ordens e Entidades de Arquitetura e Urbanismo do CAU Brasil traz debates, informações e negociações visando abrir novos mercados e fronteiras de arquitetos e arquitetas de todo o mundo. No primeiro dia do evento, realizado na Embaixada de Portugal em Brasília, foram apresentados os principais desafios para a internacionalização dos serviços de Arquitetura e Urbanismo.

 

Pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Negócios Internacionais da PUC-Rio, o administrador de empresas Henrique Pacheco apresentou os resultados de um levantamento feito a pedido da Comissão de Relações Institucionais (CRI) do CAU Brasil. “Tratou-se de uma oportunidade única que o CAU me deu de aprofundar o tema da mobilidade profissional”, disse.

 

O pesquisador Henrique Pacheco, da PUC-Rio

 

Primeira etapa foi identificar qual a vantagem competitiva que os arquitetos brasileiros têm no mercado internacional. Para isso, foram reunidos 28 estudos setoriais e 10 cartilhas de organismos internacionais, além de 388 questionários respondidos por arquitetos e urbanistas com experiência em exportação de serviços. Produto final desse trabalho será uma Portal da Internacionalização da Arquitetura e Urbanismo, com informações sobre vender projetos e obras em outros países.

 

VANTAGENS COMPETITIVAS
Sobre a pesquisa, Henrique apresentou alguns diferenciais característicos dos serviços de Arquitetura e Urbanismo: exigem conhecimento intensivo, capital humano, regulamentação legal, alto nível de interação com o cliente, e vendem serviços altamente personzalizados.

 

 

Para as arquitetas e os arquitetos brasileiros, uma grande vantagem competitiva é que a nossa mão de obra é mais barata. Segundo Henrique, a renda média de escritórios de Arquitetura e Urbanismo no Brasil é de 30.000 dólares por ano. No Reino Unido, por exemplo, a média é o dobro desse valor.

 

Vivência internacional também é importante. Cerca de 90% dos escritórios que já exportaram serviços de Arquitetura e Urbanismo possuem profissionais que já moraram no exterior. Em geral, é mais fácil para escritórios menores consebguirem exportar serviços. E uma dica importante: países culturalmente mais próximos, como os que falam português, trazem melhores oportunidades.

 

 

Um grande desafio para os profissionais brasileiros é o conhecimento de softwares. “A falta de conhecimento de BIM avançado, por exemplo, é uma barreira. Muitos arquitetos conhecem o BIM básico, mas isso não é suficiente”, diz Henrique. Outro problema é que o Brasil tem pouca exposição na mídia internacional especializada. “Concursos de Arquitetuta tem o poder de trazer essa exposição”, diz Henrique.

 

Veja a íntegra da apresentação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

EVENTOS

Patrícia Sarquis Herden é presença confirmada no 3º Fórum Mundial Niemeyer 

EVENTOS

Inscrições abertas para o Fórum Urbano Mundial

EVENTOS

World Architecture Festival (WAF) recebe inscrições com desconto até 28 de março

EVENTOS

Estão abertas as inscrições do 7º Congresso Internacional de Arquitetura da Paisagem

Pular para o conteúdo