PATRIMÔNIO HISTÓRICO

II Seminário Nacional de Patrimônio Histórico: Arquitetos e urbanistas homenageiam Dora Alcântara no seu aniversário de 92 anos

 

Patrimônio Mundial da Humanidade, o Centro Histórico de São Luís foi palco do II Seminário de Patrimônio Histórico, promovido pelo CAU Brasil e pelo CAU Maranhão. Com o tema “Diversidade em Diálogos Permanentes”, o evento reuniu arquitetos e urbanistas para discutir a preservação do patrimônio cultural brasileiro e anunciou um novo programa de revitalização de Centros Históricos, coordenado pelo Instituto do Patrimônio e Artístico Nacional (Iphan). Marca também a participação do CAU no 9º Fórum Internacional de Patrimônio Arquitetônico (FIPA) Brasil – Portugal, que acontecerá, com a mesma temática, na capital maranhense entre os dias 14 e 16.

 

Houve também uma emocionante homenagem prestada à arquiteta e urbanista Dora Alcântara, reconhecida guardiã do Patrimônio Histórico Brasileiro e pesquisadora da azulejaria luso-brasileira. Dora, que completou 92 anos neste dia, tem uma atuação incansável na defesa da preservação do patrimônio cultural e do ensino de Arquitetura e Urbanismo. Foi Diretora de Tombamento e Conservação do Iphan, entre outros cargos, professora da da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e escreveu livros e pesquisas sobre azulejos luso-brasileiros, com prêmios no Brasil e no exterior.

 

Na homenagem, Dora expressou sua gratidão aos arquitetos e urbanistas presentes e ressaltou a importância dos debates promovidos pelo CAU, IAB e Iphan. “Esses momentos de discussão são de extrema importância. Todo o ensino, desde a base, deve incutir a ideia de patrimônio”, afirmou. “Precisamos amar mais nosso país, olhar para nós mesmos a partir de uma visão global. As coisas antigas nos dão raízes fortes e vibrantes para construir o futuro”.

 

Conselheiro do CAU com a arquiteta e urbanista Dora Alcântara (à frente)

 

Em 2020, Dora Alcântara recebeu o Colar de Ouro do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), a maior comenda da instituição, pela sua contribuição à arquitetura brasileira e à preservação do patrimônio cultural

 

REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS HISTÓRICOS

 

O novo programa do Governo Federal de revitalização de Centros Históricos foi anunciado pelo presidente do Iphan, Leandro Grass. Segundo ele, a iniciativa tem como objetivo contemplar os direitos das pessoas de acessar o patrimônio e promover a preservação de forma abrangente.

 

“Para além da Arquitetura e Urbanismo, essa é uma causa da cidadania, do direito à cidade, da vida urbana em sua plenitude”, disse. “No Governo Federal, nosso sentimento é de resgate do patrimônio. O Patrimônio Edificado é a essência da sociedade”, disse. “Queremos olhar para o território em sua integridade, valorizando os significados que esses espaços carregam.”

 

Leandro Grass, presidente do Iphan

 

Leandro Grass enfatizou a importância do diálogo entre nações irmãs, como Brasil e Portugal, para promover a cooperação e troca de conhecimentos sobre patrimônio. Falou ainda do interesse do Governo em estabelecer parcerias internacionais, especialmente com governos africanos, reconhecendo que o Brasil também possui uma ligação profunda com a história e o patrimônio cultural da África.

 

Desde o começo do ano, o presidente do Iphan tem sido um parceiro constante do CAU Brasil. No fim de janeiro, recém-empossado, ele e o diretor de Patrimônio Material e Fiscalização, Andrey Rosenthal Schlee, foram recepcionados na sede pela presidente Nadia Somekh, por conselheiros federais e por representantes de todas as Entidades Nacionais de Arquitetos e Urbanistas.

 

Em maio, ele participou do Ciclo de Debates sobre Patrimônio e Acervos, atividade que fez parte da programação paralela à exposição “Souto de Moura – Memórias, projetos e obras”, na Embaixada de Portugal em Brasília.

 

Mesa de Abertura do II Seminário Nacional de Patrimônio Histórico

 

FÓRUM INTERNACIONAL

 

A mesa de abertura do II Seminário de Patrimônio Histórico contou ainda com a participação de Hermes da Fonseca Neto, presidente do CAU Maranhão; Marcelo Machado Rodrigues, conselheiro federal do CAU Brasil; Maria Rita Amoroso, coordenadora geral do Fórum Internacional de Patrimônio Arquitetônico Brasil-Portugal (FIPA); e Ricardo Soares Mascarello, coordenador da Comissão de Política Urbana e Ambiental do CAU Brasil.

 

Maria Rita Amoroso destacou a relevância do FIPA para a preservação e utilização dos monumentos históricos, deixando um legado duradouro por onde passa. “Precisamos entender que a preservação do patrimônio material depende do patrimônio imaterial para ganhar vida”, disse. Ela expressou seu entusiasmo pela retomada do FIPA em São Luís, em parceria com o Iphan e o CAU/MA, iniciada com o então presidente Marcelo Machado (hoje conselheiro do CAU Brasil) e continuada pelo atual presidente Hermes da Fonseca.

 

O conselheiro do CAU Brasil Marcelo Machado demonstrou sua satisfação ao ver o trabalho sério e dedicado sendo continuado em São Luís. “Na nossa capital temos um Patrimônio Mundial invejável, arquitetos e urbanistas que adoram esse patrimônio, e uma cidade que vive esse patrimônio”, afirmou. Ele ressaltou ainda a presença de Dora Alcântara, uma figura dedicada ao patrimônio da cidade.

 

Maria Rita Amoroso, presidente do FIPA, e Hermes da Fonseca, presidente do CAU/MA

 

Hermes da Fonseca, presidente do CAU/MA, mencionou a alegria em colaborar com o FIPA. Ele enfatizou o poder de influência dos arquitetos e urbanistas na sociedade, no mercado e nas instituições. “O Maranhão está ganhando visibilidade. O CAU/MA quer contribuir com novos eventos. Vamos aproveitar o evento para promover mais parcerias”, disse.

 

CÂMARA DE PATRIMÔNIO DO CAU

 

Ricardo Mascarello, coordenador da Comissão de Política Urbana e Ambiental do CAU Brasil, anunciou o desenvolvimento da Câmara Temática do Patrimônio do CAU, um espaço para diálogo com representantes da sociedade. Ele informou que a proposta será votada na próxima Reunião Plenária do CAU Brasil, na sexta-feira, e mencionou o início da Carta dos Acervos Documentais, que se concentra na preservação de documentos relevantes para a Arquitetura e Urbanismo.

 

Na primeira mesa de debates, arquitetos e urbanistas e demais profissionais envolvidos no campo tiveram a oportunidade de compartilhar experiências, discutir desafios e propor soluções inovadoras para a preservação do patrimônio cultural. Entre eles estavam Rui Lourido, presidente do Observatório da China e coordenador cultural da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA); Alcília Afonso, coordenadora-geral do Docomomo Brasil; e Grete Pflueger, conselheira suplente do CAU Brasil e professora da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Felipe Contier, da Rede Brasileira de Acervos de Arquitetura e Urbanismo; e Ricardo Soares Mascarello, conselheiro do CAU Brasil, também contribuíram com o debate.

 

Primeira Mesa de Debates do II Seminário Nacional de Patrimônio Histórico

 

No fim das apresentações, o conselheiro do CAU Brasil Ricardo Mascarello destacou que só através da união de esforços será possível garantir a preservação e a valorização do patrimônio histórico. Este II Seminário de Patrimônio Histórico foi mais um passo importante nessa jornada, impulsionando ações e inspirando a proteção e revitalização de nossos centros históricos.

 

Leia também:

 

Instituições relatam ações para a preservação durante II Seminário de Patrimônio

 

FIPA Brasil-Portugal: Desafios e conquistas na preservação do patrimônio histórico são debatidos em São Luís (MA)

 

Boas Práticas para a preservação do patrimônio no palco do 9º Fipa Brasil – Portugal, em São Luís

 

No centro histórico de São Luís, CAU Brasil cria Câmara Temática de Patrimônio

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

17 de agosto: Dia Nacional do Patrimônio Histórico serve como um alerta em prol de políticas de preservação cultural

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

CAU Brasil instala Câmara Temática de Patrimônio Histórico

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Carta de São Luís é aprovada no 9º FIPA com foco na valorização do patrimônio e do bem-estar urbano

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

9º FIPA aponta a responsabilidade dos arquitetos e urbanistas como construtores do patrimônio do futuro

Pular para o conteúdo