PATRIMÔNIO CULTURAL

Iphan divulga relatório sobre danos ocasionados ao Patrimônio nas sedes dos três poderes

 

Patrimônio localizado no Palácio do Planalto

 

Com o objetivo de avaliar o estado geral de conservação das edificações, os danos causados e compreender, junto às equipes técnicas de cada instituição envolvida, as ações necessárias para manter o Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional em funcionamento, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) divulgou ontem, 12 de janeiro, o relatório descritivo-fotográfico que apresenta um panorama dos danos causados a bens arquitetônicos protegidos pelo Instituto, após os atos golpistas ocorridos no último domingo.

 

O documento é resultado de vistorias técnicas realizadas entre os dias 8 e 11 de janeiros nos três edifícios e servirá de base para nortear as próximas ações das instituições envolvidas e, ainda, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 

Os bens que não integram o tombamento foram avaliados dentro das possibilidades de cada caso, pois muitas obras já haviam sido recolhidas para análise pericial e/ou técnica. Além disso, as equipes técnicas de todas as instituições estão empenhadas em desenvolver o detalhamento dos danos encontrados em cada edificação e entregarão um relatório próprio oportunamente, com a urgência que as circunstâncias requerem.

 

O relatório está dividido em quatro partes. Na primeira são descritos os principais danos aos bens móveis e imóveis, com a listagem de medidas emergenciais, de médio e de longo prazo que podem ser tomadas com o objetivo de restaurar e devolver os bens a seu estado prévio.

 

Na segunda, são enumeradas possíveis fontes de recursos para apoio às ações de recuperação, que podem ser pleiteadas à Unesco, em razão do Conjunto Urbanístico de Brasília ser inscrito na Lista do Patrimônio Mundial.

 

Congresso Nacional

 

A terceira parte apresenta um levantamento preliminar de corpo técnico do Iphan que pode contribuir com etapas posteriores do processo de análise e restauro.

 

Praça dos Três Poderes, em Brasília

 

E, a última, expõe os registros fotográficos das vistorias com a descrição sintética dos danos encontrados.

 

Clique aqui e acesse o relatório preliminar.

4 respostas

  1. Parabéns ao Iphan pelo trabalho de levantamento dos danos. Felizmente será possível restaurar! Espero que o custo seja cobrado dos depredadores.

  2. Na Venezuela, quem manifesta contra o governo também é chamado de golpista, e é preso sem julgamento, igual aqui. Acessem os videos do dia e vão ver quem realmente fez os danos.

  3. Ah que bom que já fizeram todo levantamento e pelo que vi nas fotos vai ser possível restaurar e se dependesse de mim, obras de artes etc não voltariam mais para local . Repaginava toda decoração mais minimalista com móveis modernos e trazia para dentro do planalto etc mais biofilia e cores geométricas nas paredes que dispensam obras de arte e uma boa iluminação e alguns lustres de cristais para dar um toque especial . Quero deixar aqui se ninguém agradeceu que não teve vidas perdidas num ato de violência bombástica que poderia ter sido pior .
    Desejo a todos profissionais envolvidos sucesso .

  4. Alguns seguidores de um historiador comentaram que, “os danos e perdas dos bens foram necessários, para mostrar o q realmente o (povo) deseja”. É uma parte triste da história, quem sabe em uma nova era seremos seres mais evoluídos para que nossas conquistas não precisem de guerras ou disputas e tb não precisa ser monótona basta paz e respeito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

PATRIMÔNIO CULTURAL

Plenário do CAU/BR define novos membros da Câmara Temática de Patrimônio, com representantes da sociedade civil

PATRIMÔNIO CULTURAL

Nadia Somekh assume cadeira no Conselho Consultivo do IPHAN

PATRIMÔNIO CULTURAL

CAU Brasil e IPHAN assinam acordo para expandir atuação de arquitetos(as) e urbanistas em sítios históricos

PATRIMÔNIO CULTURAL

Presidente Nadia Somekh vai participar do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural

Pular para o conteúdo