CATEGORIA

Entidades de Arquitetura e Direito Urbanístico defendem planos diretores no STF

Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro (RJ). Projeto de Afonso Eduardo Reidy

 

O CAU/BR, o IAB/DF e o IBDU (Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico) ingressaram com memorial no Supremo Tribunal Federal no último dia 18/03, apoiando o provimento de recurso apresentado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios declarando inconstitucional lei distrital disciplinando os projetos de “condomínios horizontais” sem respeitar o plano diretor de Brasília e região. O IAB nacional e o Fórum Nacional da Reforma Urbana (FNRU) apoiam a iniciativa.

 

 

Se o STF indeferir o recurso, estará aberta a brecha para os municípios disciplinarem o uso e ocupação do solo por meio de lei não fundamentada em estudos urbanísticos globais.  Ou seja, em desacordo com os planos diretores, que são constitucionalmente obrigatórios para as cidades acima de 20 mil habitantes, e devem ser elaborados com ampla participação popular, como ditado pelo Estatuto da Cidade. Como o STF já reconheceu a “repercussão geral” do julgamento, a decisão impactará todos os municípios do país.

 

 

A ameaça teve início com a promulgação da a Lei Complementar nº 710/2005 do Distrito Federal, disciplinando os “Projetos Urbanísticos com Diretrizes Especiais para Unidades Autônomas”. Na época, foi apresentada uma ação direta de inconstitucionalidade contra a lei, julgada improcedente pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. O caso subiu para o STF com a apresentação do Recurso Extraordinário 607.940 do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, argumentando que a matéria somente poderia ser disciplinada pelo Plano Diretor. O julgamento final, a princípio, ocorreria dia 19/03, mas foi adiado para 18/04.

 

Clique aqui para acessar a integra do memorial.

 

IMPACTO – “A questão que se coloca é se os municípios têm competência para instituir uma nova forma de expansão urbana e se, na hipótese de uma resposta positiva, se essa seria uma matéria reservada ao Plano Diretor. Trata-se, portanto, de uma questão de direito constitucional”, explica o advogado Victor Carvalho Pinto, consultor legislativo do Senado na área de Desenvolvimento Urbano, e autor do livro “Direito Urbanístico: Plano Diretor e Direito de Propriedade”.

 

No artigo “Os condomínios fechados em face da repartição constitucional de competências”, publicado pelo site Última Instância, do portal UOL, em 24 de novembro de 2014, o advogado lembra que parte da expansão urbana no país tem sido feita por meio de condomínios horizontais e loteamentos fechados, em que se restringe a circulação de pessoas estranhas ao assentamento. No condomínio horizontal, o sistema viário e as áreas livres são particulares, enquanto no loteamento fechado, são públicos, mas de acesso restrito aos moradores.

 

Apesar de sua ampla disseminação, os condomínios horizontais não estão explicitamente previstos em nenhuma lei federal, diz Victor Carvalho Pinto. “A Lei do parcelamento do solo urbano determina que a expansão urbana se dê exclusivamente sobre a forma de loteamento, cujo produto final é o “lote”, ou seja, o terreno “destinado à edificação”, “servido de infraestrutura básica” e “cujas dimensões atendam aos índices urbanísticos definidos pelo plano diretor ou lei municipal para a zona em que se situe” (art. 2º, §§ 1º e 4º, da Lei 6.766/1979)’.

 

“Por sua vez, a Lei de condomínios em edificações e incorporações imobiliárias e o Código Civil, no capítulo relativo ao “condomínio edilício”, somente admitem unidades autônomas constituídas por edificações ou partes de edificações (art. 1º da Lei 4.591/1964 e art. 1.331 da Lei 10.406/2002)”.

 

OS ARGUMENTOS DO RELATOR – O relator do caso, Ministro Teori Zavaski, negou provimento ao recurso, tendo sido acompanhado pelo Ministro Roberto Barroso. Em seguida, o Ministro Marco Aurélio abriu a dissidência, por considerar a lei distrital inconstitucional, por atribuir posição secundária ao plano diretor. O julgamento foi interrompido pelo pedido de vista do Ministro Luiz Fux, que irá proferir seu voto no dia 19.

 

Conforme resumo do advogado Victor Carvalho Pinto, o relator considera que “a lei distrital dispôs, na verdade, a respeito de uma forma diferenciada de parcelamento de solos particulares fechados, tratando da economia interna desses espaços e tratando dos requisitos urbanísticos mínimos que eles deverão conter”. A distinção entre essa nova forma de parcelamento e o tradicional loteamento residiria na “possibilidade de fechamento físico e da consequente limitação de acesso da área a ser loteada” e na “transferência aos condôminos dos encargos correspondentes”.

 

Em sua interpretação, a competência para disciplinar o parcelamento do solo urbano é propriamente municipal (art. 30, VIII, da Constituição), não se confundindo com a competência para suplementar as normas federais gerais de direito urbanístico (arts. 24, I, e 30, II, da Constituição).

 

No que diz respeito à obrigatoriedade do plano diretor, entende o relator que “nem toda matéria urbanística deve estar necessariamente contida nesse plano, cujo conteúdo material não tem delimitação objetivamente estanque no texto constitucional”. Ressalva, no entanto, que o zoneamento da cidade, indicativo das áreas em que seriam admitidos os condomínios fechados, deve integrar o plano diretor. O Ministro Zavaski conclui o voto com a seguinte ementa: “É legítima, sob o aspecto formal e material, a Lei Complementar Distrital nº 710/2005, que dispôs sobre uma forma diferenciada de ocupação e parcelamento do solo urbano em loteamentos fechados, tratando da disciplina interna desses espaços e dos requisitos urbanísticos mínimos a serem neles observados.”

 

POR UM URBANISMO INSTITUCIONALIZADO – Conforme Victor Carvalho Pinto, ‘a prevalecer esse voto, ficará assegurada a prerrogativa dos municípios para instituir “formas diferenciadas de ocupação e parcelamento do solo”, ao arrepio do que dispõe a legislação federal, o que terá por consequência a consagração do condomínio fechado como alternativa legítima ao loteamento.

 

O advogado prossegue: “a Constituição de 1988 reservou à União a competência para legislar sobre normas gerais de direito urbanístico, cabendo aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios suplementá-las (arts. 24, I, e parágrafos, cc art. 30, II, da Constituição). A competência privativa do município constante do art. 30, VIII, não diz respeito ao regime jurídico em abstrato do parcelamento do solo, objeto da lei federal, mas à indicação em concreto das áreas em que ele será admitido ou mesmo tornado obrigatório”

 

Segundo Victor Carvalho Pinto, “na dicção do texto constitucional, trata-se de realizar “planejamento e controle do uso, do parcelamento e da ocupação do solo urbano”, para “promover adequado ordenamento territorial”, competência a ser exercida por meio do Plano Diretor, “instrumento básico da política de desenvolvimento e de expansão urbana” (art. 182, § 1º). Cabe aos municípios e ao Distrito Federal, portanto, planejar e controlar o parcelamento do solo, determinando, por meio do plano diretor, as áreas suscetíveis de urbanização”.

 

Nesse contexto, conclui, “a matéria reservada ao plano diretor não pode, por sua vez, ser veiculada por outros atos legislativos, como a lei complementar em questão. Os planos urbanísticos devem ser elaborados segundo um procedimento administrativo específico, que institucionalize do urbanismo, do modo a assegurar sua fundamentação técnica e legitimação política. Ainda que devam ser aprovados pela Câmara Municipal, os planos não se confundem com leis em sentido material, pois carecem de generalidade e abstração. Quando muito, podem ser considerados leis de efeitos concretos, ou seja, atos administrativos revestidos de forma legal”.

 

Matérias relacionadas:

 

Os condomínios fechados em face da repartição constitucional de competências (artigo de Victor Carvalho Pinto)

Plenário inicia julgamento de recurso contra lei que regulamenta condomínios fechados no DF

Em julgamento no Supremo Tribunal Federal, o futuro dos Planos Diretores

 

 

Publicado em 18/03/2015, atualizado em 22/03/2015 e em 31/03/2015

MAIS SOBRE: CATEGORIA

4 respostas

  1. As categorias de parcelamento do solo não são matéria de Planos Diretores, mas de leis de ordenamento do uso e ocupação do solo. Estas devem, por sua vez, refletir as diretrizes para a expansão urbana emanadas do Plano Diretor, as quais devem definir as áreas prioritárias para expansão urbana em função das características dos distintos subespaços e da capacidade desses para absorver o contingente de população projetada até o horizonte temporal do Plano. Asssim sendo, não vejo inconstitucionalidade alguma na lei questionada. Há sim um grande equívoco em se pretender que o Plano abarque a totalidade das questões urbanísticas, o que revela um grande lapso na formação de arquitetos e urbanistas (mas não somente) em planejamento urbano, e em direito administrativo e urbanístico.

    1. Prezada Lidia,

      As leis de zoneamento, uso e ocupação do solo urbano, assim como outras (perímetro urbano, sistema viário, código de obras), são complementares ao Plano Diretor. Pode-se dizer que, então, fazem parte dele.

      Em termos de planejamento urbano, o Plano Diretor é o nível “macro”, com diretrizes, instrumentos e orientações gerais, enquanto as leis complementares a ele são parte do “detalhamento” ou “regulamentação” necessários para que a aplicação do plano seja, de fato, viável.

  2. Não ao Golpe !
    Plano Diretor Já!
    A competência a ser exercida por meio do Plano Diretor, “instrumento básico da política de desenvolvimento e de expansão urbana” (art. 182, § 1º).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país 

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo