CATEGORIA

Justiça Federal julga improcedente ações contra o CAU sobre campanha contra a RT

dc9e231f652301f80ea8e901bd9ec18a_xl

 

Um grupo de Arquitetos e Urbanistas da Paraíba ajuizou ações indenizatórias contra o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), com o intuito de obter indenização por danos morais em razão da campanha publicitária realizada em combate à Reserva Técnica (RT), que é a comissão paga por fornecedores de produtos e serviços pela indicação feita por profissionais junto a seus clientes.

 

Os profissionais alegavam que o CAU/BR teria realizado campanha publicitária acerca da ética no exercício da profissão de arquitetura, a qual teria divulgado que a contratação de arquiteto e urbanista oneraria o valor do produto ou serviço.

 

O CAU, no exercício de sua função de “orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de arquitetura e urbanismo, zelar pela fiel observância dos princípios de ética e disciplina da classe em todo o território nacional, bem como pugnar pelo aperfeiçoamento do exercício da arquitetura e urbanismo” (art. 24, § 1°), iniciou uma campanha publicitária em combate à RT com base nos art. 17 e 18, VI da Lei 12.378/2010 , bem como o item 3.2.16 do Código de Ética e Disciplina do CAU (Resolução CAU/BR Nº 52/2013) .

 

Na visão do magistrado da 9ª Vara Federal de Campina Grande, o CAU/BR apenas alertou toda a sociedade sobre os malefícios da RT e ressaltou a necessidade da valorização profissional, julgando, em sua fundamentação e decisão, a improcedência das ações.

 

“[…] Com isso, busca-se incentivar que o trabalho dos arquitetos sejam remunerados pelos projetos entregues a seus clientes, mas não substituídos pela RT. Ademais, persegue-se incentivar que o ambiente profissional (consumidores/ arquitetos/ lojistas) seja mais transparente, com o fim de impedir eventuais indicações de produtos/serviços apenas para perceber RT.

 

Assim, ao perpetrar tal campanha, vê-se apenas o exercício regular do direito da CAU/BR, em sintonia com a Lei nº 12.378/2010 e com Resolução nº 52/2013, sem dano algum à categoria profissional dos arquitetos. Ademais, não se vê qualquer violação aos direitos de personalidades dos autores, não havendo, pois, que se falar em indenização em danos morais.

 

Percebe-se que essa campanha longe de denegrir a reputação dos arquitetos, possui relevante utilidade pública, combatendo interesses de alguns membros da categoria profissional.

 

Lembre-se que o papel do CAU/BR não deve proteger interesses corporativistas, quando prejudiciais à própria categoria e à sociedade.”

 

O CAU/PB procurou adotar todas as medidas para evitar o caminho da judicialização, sempre acreditou que o diálogo é a principal via de resolução de conflitos e sempre esteve aberto para a construção das soluções via o entendimento, para isso iniciou reuniões com os profissionais, clubes de decoração e lojistas.

 

Ainda restam algumas ações a serem julgadas pela Justiça Federal, mas a tendência será seguir a mesma linha de julgamento do Juiz da 9ª Vara Federal, que está alinhado com o entendimento da JFRN e do TRF 5, que vêm decidindo pela improcedência de ações dessa natureza.

 

Com isso, o CAU continuará trabalhando pela valorização profissional, pelo combate à má prestação de serviço e pelo zelo da atividade de arquitetura e urbanismo no exercício profissional, dentro de uma conduta ética, de acordo com as normas vigentes, em proteção à sociedade.

 

FONTE: CAU/PB

 

Publicado em 05/10/2015

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Uma resposta

  1. Lidamos com projetos, é o nosso ganha pão. Somos cristão e entendemos que rt é propina, corrupção (assim como o Cau). Não recebemos nenhum tipo de comissão que não seja estritamente acordado com o cliente. Mas precisamos ajustar nossos valores de projeto (para baixo) por conta de que a comunidade de arquitetos, como um todo, com pouquíssimas exceções, complementa sua renda de maneira substancial com propinas, e com isso, não vê problemas em cobrar valores mais baixos de projeto.
    Trabalhamos muito mais que os outros escritórios (com poucas exceções) para ganhar menos e subsistir, mas Deus tem nos abençoado pois nunca faltou nada, e preferimos continuar assim, trabalhando com a benção de Deus, mesmo que isso tenha um custo humano maior, Ele é nosso sustentador e se alegra nos boas atitudes, sabe que somos falhos e precisamos Dele.
    Por isso parabenizo o Cau por qualquer ação que combata as RTs. E peço que elas sejam mais enfáticas e reais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

Pular para o conteúdo