ARQUITETURA SOCIAL

LabHabitação: Arquitetos e urbanistas podem impulsionar soluções em habitação social

 

Arquitetos e urbanistas que trabalham com soluções inovadoras para o mercado de habitação social têm uma grande oportunidade para acelerar seus negócios. Estão abertas as inscrições para o programa gratuito LabHabitação: Inovação e Moradia. Serão selecionadas até 15 start-ups para uma jornada de 5 semanas, que conta com workshops presenciais e encontros online que focam no refinamento do modelo de negócio e do impacto social das soluções. Inscrições até 12 de setembro!

 

Veja aqui o edital do LabHabitação

 

Os negócios selecionados serão potencializados com base na metodologia exclusiva de aceleração da Artemisia – pioneira no apoio a negócios de impacto social no Brasil. Terão acesso à curadoria de ferramentas e conteúdos, conexão com outros(as) empreendedores(as) do setor e mentorias com especialistas em negócio, impacto social e Habitação. “Empreendedores(as) de todo o país têm desenvolvido soluções inovadoras e acessíveis, relacionadas aos desafios de moradia que afligem a população mais vulnerável economicamente. Iremos apoiar essas iniciativas para que possam se fortalecer e impactar positivamente a vida de milhares de pessoas”, afirma Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemisia.

 

Ao final do programa, os participantes terão maior clareza sobre os próximos passos do seu negócio para que avancem no desenvolvimento de aspectos fundamentais e estejam mais preparados para crescer e gerar impacto social no setor atuante. A intenção é que, no médio/longo prazo, estes negócios apoiados pelo programa estejam fortalecidos, podendo assim, impactar positivamente a vida de milhares de brasileiros e brasileiras.

 

O Programa Vivenda, de São Paulo, é uma das empresas que se beneficiou com o LabHabitação

 

COMO FUNCIONA
O LabHabitação é realizado pela Artemísia e Gerdau, com o apoio do Instituto Vedacit, Tigre, Votorantim Cimentos, CAIXA e CAU/BR. Busca-se negócios com soluções que possam gerar impacto positivo dentro dos seguintes temas: acesso à moradia de qualidade; reformas habitacionais; água e saneamento; empregabilidade na construção civil; infraestrutura e melhoria do espaço púbico; acesso a microcrédito habitacional; gestão de condomínios de habitação popular; eficiência energética; regularização fundiária e inovação na construção civil.

 

Entre os principais benefícios para as empresas selecionadas estão: refinamento do impacto social da solução e apoio na formatação do modelo de negócio; acesso à curadoria de conhecimento; conexão com especialistas em negócios de impacto social e habitação (mentores e líderes das empresas apoiadoras); e capital semente e acompanhamento personalizado para até 3 negócios que se destacarem ao longo do programa.

 

A Artemísia apoia negócios voltados à população de baixa renda, que criam soluções para problemas socioambientais e provocam impacto social positivo por meio de sua atividade principal. A organização já apoiou mais de 400 iniciativas de todo o Brasil em seus diferentes programas, tendo acelerado intensamente mais de 170 negócios de impacto social.

 

Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemísia. Foto: Marco Torelli

 

CASES DE SUCESSO
Esta é a segunda edição do LabHabitação. Entre as empresas que já passaram pelo processo de aceleração da Artemísia estão o Programa Vivenda, que realiza reformas habitacionais de baixo custo e criou o primeiro debênture de impacto social para viabilizar reformas acessíveis e parceladas para a população de menor renda; e o Programa Doce Lar, empresa especializada em gerenciamento e execução de obras que, em parceria com o Banco do Empreendedor, criou a linha Credi Reforma Doce Lar para financiamento de obras habitacionais.

 

Já a Digna Engenharia Social faz reformas em habitações localizadas em regiões periféricas de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Com a atuação, reduz condições de insalubridade, promove saúde e amplia o acesso da população de menor renda a reformas profissionais, a partir de uma solução de reforma estrutural, cujo orçamento do serviço é flexibilizado de acordo com a realidade do cliente. Até o momento, o negócio já realizou 40 reformas.

 

Outra empresa que contou com apoio da Artemísia foi a Ecolar, que atua com a construção de casas ecológicas de baixo custo, voltada à população que habita residências inadequadas e insalubres. A casa produzida pela Ecolar usa como matéria prima material reciclado e sustentável: as tecnologias Wood Framee Modular, pouco difundidas no Brasil. As placas usadas nas casas são feitas a partir de embalagens ‘longa vida’ e plásticos reciclados. As casas têm 20, 30 e 40 m² e saem a um custo de R$ 14.500, R$ 21.000 e R$ 28.000, respectivamente.

 

Obra realizada pela Ecolar em São Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CIDADES

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país

CAU/BR

CAU/BR aponta protagonismo feminino na arquitetura e urbanismo durante 98º ENIC

CAU/BR

Comissões do CAU/BR debatem temas de interesse dos arquitetos e urbanistas

CAU/BR

CAU/BR celebra uma década dos primeiros empregados públicos efetivos

Pular para o conteúdo