ARQUITETOS EM DESTAQUE

“Lenda viva”, Paulo Mendes da Rocha recebeu em Londres a Medalha de Ouro do RIBA

Em jantar de gala, o arquiteto e urbanista Paulo Mendes da Rocha recebeu  quarta-feira (01/02/17), em Londres, a Medalha de Ouro Real concedida pelo Royal Institute of British Architects (RIBA).

 

Dada em reconhecimento do trabalho de uma vida, a premiação é aprovada pessoalmente por Sua Majestade a Rainha e é concedida a uma pessoa ou grupo de pessoas que tiveram uma influência significativa, direta ou indiretamente, no avanço da Arquitetura mundial.

 

Concedido desde 1848, a lista dos ganhadores da Medalha de Ouro do RIBA ​​inclui Zaha Hadid (2016), Frank Gehry (2000), Norman Foster (1983), Frank Lloyd Wright (1941) e Sir George Gilbert Scott (1859). Oscar Niemeyer (1998) foi o único outro arquiteto brasileiro a ter recebido a honraria.

 

Foto RIBA

 

Falando sobre o prêmio, a presidente do RIBA e presidente do comitê de seleção, Jane Duncan, disse: “O trabalho de Paulo Mendes da Rocha é altamente incomum em comparação com a maioria dos arquitetos mais famosos do mundo. É um arquiteto com uma incrível reputação internacional, mas quase todas as suas obras-primas são construídas exclusivamente em seu país de origem. Revolucionária e transformadora, a obra de Mendes da Rocha tipifica a arquitetura do Brasil dos anos 50 – concreto cru, robusto e belamente “brutal”.

 

“Paulo Mendes da Rocha é um arquiteto de classe mundial e uma verdadeira lenda viva. Estou muito feliz por ele ser agraciado com a Royal Gold Medal, uma das honras mais importantes do mundo para a arquitetura”, completou.

 

O arquiteto em seu escritório em São Paulo

 

Paulo Mendes da Rocha é também detentor, entre outras honrarias internacionais, do Prêmio Mies van der Rohe (2000), do Prêmio Pritzker (2006) e, em 2016, do Leão de Ouro da Bienal de Veneza e do Imperiale Praemium em honra ao Principe Takamatsu do Japão. 

 

“Depois de tantos anos de trabalho, é uma grande alegria receber esse reconhecimento do Royal Institute of British Architects pela contribuição que minha vida de trabalho e experiências deu ao progresso da Arquitetura e da Sociedade”, disse ao arquiteto por ocasião do anúncio de sua escolha. “Gostaria de enviar os meus mais sinceros agradecimentos a todos os que partilham a minha paixão, em particular os arquitetos britânicos, e divido este momento com todos os arquitetos e engenheiros que colaboraram nos meus projetos”.

 

Nascido em Vitória, Brasil, em 1928, Paulo Mendes da Rocha recebeu o reconhecimento do RIBA  por sua significativa contribuição à arquitetura. “Os numerosos edifícios culturais notáveis ​​de Mendes da Rocha, construídos em seu estilo brutalista brasileiro, com estruturas de concreto expostas e acabamentos ásperos, são amplamente associados com a transformação da cidade de São Paulo”, diz comunicado do instituto.

 

Em 1957, ele completou seu primeiro prédio célebre, o Clube Atlético de São Paulo, seguido por um grande número de outros edifícios públicos na cidade, incluindo a Capela de São Pedro (1987), o Museu Brasileiro de Escultura MuBE (1988), o Pórtico da Praça do Patriarca (1992- 2002), a Pinacoteca do Estado (1993) e o Centro Cultural FIESP (1997). Fora de São Paulo, destacam-se o Estádio Serra Dourada em Goiás (1973), a Capela da Senhora da Conceição em Recife (2006) e o Cais das Artes em Vitória (2008)”.

 

Clique aqui para conhecer detalhes dos principais projetos de Paulo Mendes da Rocha.

 

“Apesar da reputação internacional de Mendes da Rocha, existem apenas alguns exemplos para apreciar seu trabalho fora de seu país de origem, com a significativa exceção do pavilhão do Brasil na Expo’70 (Osaka, Japão) e do Museu dos Coches (Lisboa, 2015)”, ressalta o RIBA.

 

Museu dos Coches (Lisboa)

 

A indicação para a premiação do arquiteto brasileiro foi feita pelos arquitetos Neil Gillespie, irlandês,  da Foundation for Architecture and Education, e John McAslan, escocês.  (Veja abaixo as saudações que eles fizeram a Paulo Mendes da Rocha na cerimônia de entrega da Medalha). A nomeação foi apoiada pelos arquitetos Sir David Chipperfield, inglês, e John Tuomey, irlandês, ambos também ganhadores da honraria, e ainda pela arquiteta irlandesa Yvonne Farrell (recém nomeada, juntamente com Shelley McNamara, também irlandesa, curadora da Bienal de Veneza de 2018).

 

A cerimônia ocorreu na histórica sede da instituição, na 66 Portland Place,  concebida por George Grey Wornum, vencedor de concurso de projetos realizado nos anos 1930. O evento foi a principal atividade da Royal Gold Medal Week 2017, que inclui ainda uma palestra de Mendes da Rocha, na terça-feira (31/01), sobre sua vida como projetista e professor, e palestras de outros profissionais de vários países, entre os dias 30/01 e 03/02, sobre os rumos da Arquitetura. No dia 30 houve ainda a recepção aos novos membros do RIBA.

 

SAUDAÇÃO DE NEIL GILLESPIE“O trabalho que Paulo Mendes da Rocha desenvolve há seis décadas se caracteriza pela consistência, ressonância e força. Na verdade, poderíamos também acrescentar, no contexto da cultura de hoje, que ele é ‘cego’ para  a celebridade e pelo  lucro, o que torna seu trabalho  ainda mais significativo e relevante.

 

Seu trabalho tem coragem e clareza que poucos podem igualar. Suas estruturas são ousadas e alegres. Seu uso de concreto ousado e inovador. Seus planos na escala de edifício ou na escala da cidade são generosos e expansivos. Ele é apaixonado por pessoas e sociedade e como seus edifícios podem servi-los. Essas qualidades notáveis estão presentes mesmo em suas primeiras obras. Há uma qualidade para o seu trabalho que o torna atemporal.

 

Para muitos, ele representa uma das últimas grandes figuras da Arquitetura cujo trabalho, ao serviço da sociedade, tem uma dimensão poética que mergulha profundamente em nossa disciplina arquitetônica”.

 

SAUDAÇÃO DE JOHN McASLAN “Fico satisfeito por ter sido convidado a preparar a seguinte citação em homenagem ao eminente arquiteto brasileiro, Paulo Mendes da Rocha, vencedor da Medalha de Ouro Real RIBA de 2017. A estatura internacional de Paulo, que tem sido considerável há décadas, surge de uma combinação notável e sustentada de originalidade arquitetônica, preocupação social e trabalho educativo.

 

Todo espaço deve estar ligado a um valor, a uma dimensão humana”, disse ele em 2004. “Não há espaço privado. O único espaço privado que você pode imaginar é a mente humana. Ele também disse: “Todo problema exige pensar, não soluções prontas. Você sabe que não sabe, mas há urgência em fazer algo. Você tem que descobrir o conhecimento – esse é o ponto. Essa observação se aplica não só à natureza da investigação arquitetônica, mas também à forma como Mendes da Rocha abordou o ensino ao longo das décadas.

 

Sua grandeza potencial ficou evidente em 1957 quando, como um arquiteto emergente, ele projetou e construiu sua primeira obra importante, o Clube Atlético Paulistano.  O edifício imediatamente confirmou-o como uma força original entre a vanguarda modernista internacional, e estabeleceu o chamado brutalismo paulista.

 

Embora muito diferentes, seus projetos de arquitetura têm o mesmo grau de poderosa presença formal e estrutural que as obras de mestres como Louis Kahn e Kenzo Tange. Embora a arquitetura de Mendes da Rocha pareça adequar-se à definição de Robert Hughes do modernismo como “o choque do novo”, suas estruturas nunca são projetadas para chocar, mas sim envolver-se tão diretamente quanto possível com pessoas comuns, vidas comuns e configurações comuns.

 

As idéias que continuam a produzir sua arquitetura ainda são influentes internacionalmente. Quando Mendes da Rocha recebeu o Prêmio Pritzker em 2006, a citação falou de seu domínio da poética do espaço. E em 2016, quando ele foi selecionado para o Leão de Ouro pelo conjunto de sua obra na Bienal de Veneza, a citação referiu-se à atemporalidade física e estilística de seus edifícios e ao fato de que sua “consistência surpreendente” foi o produto de “sua integridade ideológica e Gênio estrutural “. Sua citação de 2016 como um Acadêmico da Royal Scottish Academy, também se refere a essas qualidades e, ao mesmo tempo, destaca sua influência sobre o  inovador trabalho na Escócia de Metzstein e MacMillan e outros, o que traz a relevância de seu trabalho ainda mais perto mim.

 

Um prêmio recente e recente para Paulo, é o prêmio Praemium Imperiale deste ano pela Associação de Arte do Japão, por esta contribuição vitalícia para a arquitetura.

 

Sua arquitetura resiste ao resumo, mas muitas vezes contrapõe os elementos formais concretos maciços com pontos de transição relativamente delicados de estrutura. Isso, por si só, não é incomum. Mas a forma como Mendes da Rocha monta as peças na geometria dos seus edifícios permanece única. Sua inteligência de engenharia sempre igualou sua originalidade formal.

 

Por exemplo, seu Pavilhão Brasileiro na Expo 70 no Japão foi equilibrado exclusivamente em um único ponto do terreno. No ginásio do Clube Atlético Paulistano,  seis lâminas de concreto apoiam o teto de concreto fino, pré-tensionado; as lâminas estão ancoradas em 12 cabos que sustentam uma tampa central para o telhado: uma combinação de elementos pesados ​​e detalhes estruturais relativamente delicados que acrescentou algo novo para a arquitetura modernista.

 

A mesma originalidade de forma e conexão social pode ser vista em seus edifícios públicos brasileiros nas décadas de 70 e 80, que incluíram o Estádio Serra Dourada (Goiânia) e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo em 1975. E a sala de exposições da Forma Furniture e a Capela de São Pedro em 1987 – o último uma estrutura de concreto com fachadas de vidro de dois andares, e uma única coluna de concreto que ancora o centro.

 

Na década de 1990, Mendes da Rocha transformou o mais antigo museu de artes plásticas de São Paulo, a Pinacoteca do Estado, com pontes internas, um dossel central e uma linguagem arquitetônica que conserva magnificamente um frescor e qualidade de beleza crua e permanece. Na minha opinião, uma de suas melhores obras.

 

Entre suas outras obras importantes estão o Cais das Artes, em Vitória; o Museu Brasileiro de Escultura, em  São Paulo, e a dramática estrutura do Pórtico da praça do Patriarca, em São Paulo. Sua arquitetura doméstica – como a Casa Mendes da Rocha, a Casa Masetti ea Casa King – refletem as mesmas explorações de composições marcantes e claras, envolvendo estruturas pesadas e detalhes mais finos.

 

Mais recentemente, a escala e a articulação do Museu Nacional dos Coches de 2015, em Lisboa,  continuam a provar que a integridade humana e a ousadia estrutural da abordagem de Mendes da Rocha à Arquitetura estão absolutamente intactas.

 

Como nota pessoal revelo que, quando encontrei Paulo, com sua família em São Paulo, em 2012, achei-o muito claramente, profundamente preocupado com como os arquitetos podem melhorar a vida das pessoas e com um compromisso infalível com a arte da Arquitetura. Ele certamente não se considerava um heroico projetista de objetos arquitetônicos icônicos, o que torna este inovador altamente envolvente e modesto,  ainda mais atraente e relevante hoje.

 

Eu gostaria de terminar minha citação mencionado algo que Mendes da Rocha escreveu em 2003:” Ao contrário de muitas pessoas que têm medo da pobreza, eu sempre fui atraído por ele, por coisas simples, sem saber por quê. Não dificuldades, mas a humildade de coisas simples. Acho que tudo o que é supérfluo é irritante. Tudo o que não é necessário torna-se grotesco, especialmente no nosso tempo”.

 

Nos mundos cada vez mais vinculados da Arquitetura, do consumismo e do corporativismo, a ressonância dessa observação aumentou com o passar do tempo. O gênio particular de Paulo Mendes da Rocha pode ter se originado em meados da década de 1950, mas ele, sem dúvida, permanece um arquiteto – e especificamente não um “starchitect” – para os nossos tempos. Esta é certamente a marca essencial de sua grandeza. “.

 

Veja também:

 

Hotsite especial lançado pelo CAU/BR sobre Paulo Mendes da Rocha quando de sua premiação com o Leão de Ouro de Veneza 

 

 

 

Publicado em 27/01/2017, atualizado em 31/01/2017 e em 02/02/2017

 

8 respostas

  1. Precisamos mais de notícias assim, celebramos sua notoriedade. O Brasil que a gente não vê! Na “mídia das celebridades”, é claro.

  2. Parabéns ao Grande Mestre Paulo Mendes da Rocha. Muito justa a honraria outorgada e nos deixa orgulhosos de tê-lo. Quando voltar a Avaré – SP, continuaremos a nossa prosa.

  3. Parabéns, por mais este premio, entre tantos merecidamente concedido ao meste da arquitetura no Brasil.

  4. Em palavras simples mas honestas,volto a repetir o que já manifestei com relação aos também mestres Oscar Niemeyer,e João Filgueiras Lima (Lelé),com os quais pude prazeirosamente conhecer e conversar, de que ,fazem parte da “geração das orelhas grandes”, palavras que tentam respeitosamente traduzir, a título de minha observação pessoal,aos grandes nomes brasileiros ,não somente da Arquitetura,Urbanismo e todas as áreas das nossa artes.Deixo assim meu tributo pela distinção honrosa, do povo britânico, para com este colega profícuo e criativo,que segue a desenhar suas idéias.
    Parabenizo ao mestre Paulo Mendes da Rocha.

    William Cunha Pupe
    Arq.Urb.
    CAU/RS A10912-6

  5. Parabéns, Paulo! Você orgulha a profissão. Admiro o seu trabalho e a sua preocupação com as questões sociais, desde o tempo em que fui seu aluno. Acho que essa sua cara de eterno garoto deve ser reflexo da jovialidade da sua alma.

  6. Caro Paulo, nunca um “quem diria” foi tão falso pois desde quando nos conhecemos, na adolescência, Voce sempre foi extraordinário, indivíduo magnificamente bem dotado um raro prodígio da natureza em evolução. Sua amizade de vida foi valiosa, ao seu lado sempre aprendi, orgulho-me. Abraços.
    ABELARDO GOMES DE ABREU.

  7. Fiquei tão feliz com a notícia que tenho a impressão de ter sido eu a premiada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

PRÊMIOS

Prêmio Projeto de Arquitetura reconhecerá obras criadas por arquitetos nacionais

PRÊMIOS

SESI Lab concorre ao 8º Prêmio Obra do Ano da ArchDaily Brasil

PRÊMIOS

Prêmio Deca abre inscrições com novas categorias para arquitetos e designers de interiores

PRÊMIOS

CAU/MT e SOUL premiados com categoria no Prêmio Colunistas  

Pular para o conteúdo