CAU/UF

Manifestações do CAU/MG e da ASBEA/MG sobre a tragédia em Brumadinho

MANIFESTAÇÃO DO CAU/BR:

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Minas Gerais (CAU/MG)  manifesta solidariedade à população direta e indiretamente atingida pelo rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019 em Brumadinho, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte, capital do nosso estado.

 

Com tristeza, reforçamos a necessidade de unirmos esforços, não apenas nesse momento de resposta ao desastre, mas na prevenção e intervenção nas nossas cidades, evitando a repetição de acidentes ambientais como esse ou o que aconteceu em Mariana há três anos.

 

O Conselho se dispõe a apoiar iniciativas e a contribuir na resiliência das nossas cidades, construindo uma rede de informações e ações a fim de evitar e minimizar os riscos sócio ambientais no entorno das barragens mineiras, promovendo segurança e sustentabilidade para nossa sociedade.

 

Belo Horizonte, 26 de janeiro de 2019

 

Rompimento da barragem causou dezenas de mortes e destruiu propriedades rurais e urbanas

 

MANIFESTAÇÃO DA ASBEA/MG

 

“A Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura, Regional Minas Gerais, manifesta sua solidariedade aos familiares das vítimas, dos desaparecidos e população direta e indiretamente atingida pelo rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019 em Brumadinho, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte, capital do nosso estado.
.
A AsBEA-MG e seus associados demonstra seu pesar e reforça a necessidade de mapeamento de risco para prevenção de acidentes e intervenção nas áreas onde houver qualquer risco”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CIDADES

Iniciadas Convocações para a 6ª Conferência Nacional das Cidades

CIDADES

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul seleciona profissional de Arquitetura

CAU/UF

Conselho de Arquitetura e Urbanismo do RN anuncia concurso público para níveis médio e superior

CIDADES

CAU Brasil elogia regulamentação da Lei Padre Júlio Lancellotti mas lamenta que mídia siga relacionando-a com “arquitetura hostil”

Pular para o conteúdo