RECENTES

Moradia digna para todos: Nadia Somekh fala sobre o complexo problema da habitação no Brasil

Nadia Somekh, convidada do Betoneira, fala sobre habitação para todos. Com sua larga experiência no poder público, atuando como arquiteta, gestora e militante, Nadia começa a conversa dizendo que ainda não estamos em um bom momento de políticas públicas de habitação, mas estamos caminhando. Seus estudos sobre a verticalização mostram que desde 1957 a legislação e regulação urbanística da cidade de São Paulo excluiu os mais pobres dos apartamentos. A legislação impediu a construção de quitinetes na Avenida Nove de Julho e Avenida Paulista, por exemplo.

 

 

A arquiteta disse que não há abrigo para a população mais pobre do país e que políticas como o Minha Casa, Minha Vida, são programas de comprometimento da renda do trabalhador, não exatamente programas de habitação social. A regulação urbanística, historicamente, excluiu a população mais pobre, negando o acesso ao mercado.

 

“É necessário fazer uma política nacional de ATHIS.”

 

Outra informação importante trazida pela convidada foi o cenário precário envolvendo as condições de trabalho dos arquitetos: 55% dos profissionais ganham até três salários mínimos. O CAU-BR está fazendo um trabalho no Congresso Nacional para ajudar os arquitetos, gerando empregos e emendas para o programa ATHIS (Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social). Segundo Nadia, é preciso proteger a sociedade, melhorar a vida da população e também dos arquitetos. Dois por cento do orçamento do CAU-BR e do CAU em diversos estados, no mínimo, é para pagar projetos de arquitetura, visando melhorar a vida da população.

 

A Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social oferece a possibilidade de um arquiteto recém-formado ou em início de carreira atuar junto à população que mora precariamente. Ele pode propor, de maneira mais técnica, soluções para os problemas habitacionais dessas comunidades. “Queremos mais arquitetos trabalhando para melhorar a sociedade, essa é uma das missões do CAU-BR.” A gentrificação está presente no país inteiro e a regulação urbanística prioriza os interesses imobiliários. A informalidade das periferias é o resultado do urbanismo corporativo.

 

“O urbanismo corporativo só pensa na lucratividade; é possível construir com qualidade e dar lucro, o problema é só a lucratividade e a gentrificação.”

 

Moradia digna para todos: Nadia Somekh fala sobre o complexo problema da habitação no Brasil. FOTO: Site ArchDaily.

Para o arquiteto que deseja se envolver com o programa, o passo a passo é buscar os editais no seu estado, nas redes sociais do CAU. O arquiteto precisa estar vinculado a uma comunidade e propor um projeto. Aprovado, ele é remunerado pelo edital e pelo CAU. A ideia, segundo Nadia, é ganhar escala, e, para isso, os representantes do CAU-BR estão batendo na porta dos gabinetes e ministérios.

 

Nadia Somekh também explicou que uma janela mal virada e um chão mal feito, a depender das circunstâncias, pode causar doenças e, portanto, o arquiteto é um profissional de saúde. “Cada sede do SUS poderia ter um arquiteto”. A perspectiva do trabalho do CAU é, também, achar trabalho para os arquitetos.

 

A capacitação para o programa ATHIS começa na faculdade, uma vez que o arquiteto precisa ser um pouco transgressor para lidar com todas as complexidades das comunidades, propondo soluções. Já o Minha Casa, Minha Vida, foi tema do final da conversa. É preciso construir com qualidade, residências bem feitas com varanda e dignidade. Não pode ser qualquer coisa. E as construtoras não devem cooptar totalmente o programa. Nadia Somekh convidou todos a se juntarem na empreitada de melhorar a habitação e a vida dos arquitetos.

 

Cortesia de Betoneira. FOTO: Site ArchDaily

 

Quem é Nadia Somekh: Professora emérita da FAU-Mackenzie e doutora pela FAU-USP, Nádia foi eleita presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, o CAU-BR, em janeiro de 2021, para a gestão 2021/2023. É autora de A Cidade Vertical e o Urbanismo Modernizador, além de outros livros e artigos. Pesquisa a verticalização das cidades brasileiras e projetos urbanos com inclusão social e proteção ao Patrimônio Histórico/Cultural na metrópole contemporânea.

 

Fonte: ArchDaily/Betoneira

MAIS SOBRE: RECENTES

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

RECENTES

Terceira edição da Revista Urbanidade apresenta desafios e soluções

RECENTES

CAU/SP recebe doação de acervo do arquiteto Miguel Alves Pereira

RECENTES

Edital de consulta pública de solução BIM para automação de projetos de edificações em Minas Gerais

RECENTES

Cadastrados no CAU terão descontos na inscrição da sexta edição do Seminário Internacional A ERA BIM, evento que acontecerá em São Paulo

Pular para o conteúdo